Mamilos | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
>>> Abc de las Naciones Unidas de Naciones Unidas pela Naciones Unidas
COLUNAS

Segunda-feira, 10/3/2014
Mamilos
Adriane Pasa

+ de 4000 Acessos

A arte é como a vida, sempre tem polêmicas. Dependendo da época em que uma obra é apresentada, a polêmica é ainda maior. Estar à frente de seu tempo é sempre difícil, pois as pessoas não estão preparadas para entender as quebras de paradigmas e os tapas na cara da sociedade, pelo simples fato de que as pessoas inovadoras e meio "vida lôka" apresentam quase sempre conceitos e ideias muito diferentes e provocativas, mexem em pontos que ninguém quer mexer e muitas vezes são como "videntes", antecipam tendências ou as criam. Ou simplesmente mostram o que ninguém ainda se deu o direito de ver. É como falar uma besteira no almoço de domingo, em família (quem nunca?). A polêmica começa quando um assunto mexe nas bases, na estrutura das pessoas. Muitas vezes é um tabu ou algo tão frágil que é fácil causar mal estar. Precursores conseguem perceber nos mínimos detalhes do cotidiano e na convivência entre as pessoas o que está além da linha do horizonte, o que mora "fora da caixa", ou melhor, nem passam perto dela. Não que toda inovação seja polêmica, mas vamos combinar que é muito mais interessante quando uma nova ideia causa um impacto nos costumes e pensamentos tradicionais a ponto da galera subir nas tamancas.


Édouard Manet, grande pintor francês do século XIX, era um impressionista fora dos padrões e em 1863, no "Salão dos Recusados", ele expôs a polêmica obra "Almoço sobre a relva", que foi um escândalo, por apresentar uma mulher nua sentada ao lado de dois homens bem vestidos, numa cena de um piquenique pra lá de inusitado. Se pensarmos bem, até hoje é uma cena polêmica. Na época, foi tachada de imoral. Se tivesse Facebook e Twitter com certeza viraria um meme. Manet é um dos meus artistas preferidos. Quando vi "Almoço sobre a relva" ao vivo, no Museu do Louvre em Paris, fiquei em êxtase. Na época eu era ainda uma estudante de Belas Artes, cheia de pensamentos românticos (nossa, acho que ainda sou assim). Pensei "eles tinham toda a razão, é um estouro". Manet é considerado por muitos críticos um dos precursores da arte moderna, por ultrapassar o realismo e ter a ousadia de pintar de forma diferente, tanto na técnica quanto no conceito (não confundam com Monet, que é outro impressionista fantástico, mas não tem nada a ver).


No cinema também há muitas polêmicas. E quando se trata de filmes, a coisa se torna ainda mais escandalosa e chocante, porque o cinema é mais popular, mais acessível e tem uma narrativa para reforçar o conceito. Filmes polêmicos geralmente caem na mesma vala dos assuntos proibidos de domingo em famílias cristãs (ou em qualquer família): tudo o que é contra a moral e bons costumes, sexo, ateísmo, homossexualismo, religião, pecados capitais, sexo, o que é contra a natureza humana, sexo, escatologia, religião, violência ou o que a gente nem está preparado para categorizar, de tão diferente que é.


Poderia citar aqui centenas de filmes de horror, violência, terror ou de temas sexuais, mas para mim, "filme polêmico" é aquele que trata de temas que ultrapassam as linhas da natureza humana ou das regras da vida em sociedade e nos faz pensar nas mudanças que aquele tipo de comportamento ou situação promoveria, independente de ser algo bom ou ruim. Ou simplesmente porque a linguagem e a forma usadas são muito provocadoras, daquelas que fazem o queixo cair ou o sono ir embora.


Então, neste contexto, recomendo ver um Jesus Cristo bem humano em A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, a violência extrema e esteticamente única de Laranja Mecânica (para mim, uma das raras adaptações de romance que supera a obra original), de Stanley Kubrick, o sucesso de bilheteria de Dona Flor e Seus Dois Maridos, de Bruno Barreto (que deveria ter sido bem mais polêmico, mas o bom humor de Jorge Amado parece ter encantado as pessoas na época), o engraçado Ted, de Seth MacFarlane, que mostra um ursinho fofo e politicamente incorreto, que fez até um deputado brasileiro se indignar nas redes sociais (e passar muita vergonha), a reviravolta de uma mulher vítima da maldade em Dogville, de Lars Von Trier, a vingança e o estupro mais absurdo e longo de todos os tempos em Irreversível, de Gaspar Noé (este eu recomendo ver só se tiver um terapeuta para ir depois), a solidão emocional e o sexo entre dois estranhos em O Último Tango em Paris, de Bernardo Bertolucci, um casal enlouquecido matando todo mundo em Assassinos por Natureza, de Oliver Stone, um amor imoral e trágico (eu acho lindo) na adaptação do romance homônimo Lolita, de Nabokov, que tem uma versão brilhante de Kubrick e outra mais nova, muito boa também, de Adrian Lyne, a vida de adolescentes sem regras e com muitas drogas em Kids, de Larry Clark, e, pra terminar (não que acabe aqui, mas este texto tem que ter um fim), um filme inglês pouco conhecido e comentado, mas muito intrigante, que trata da vida de um jovem que envenena a todos que o incomodam em O Livro Secreto de um Jovem Envenenador, de Ross Benjamin (quem nunca quis matar alguém em pensamento?).


Quem tem medo de "assuntos proibidos" não aprende nada nessa vida. Se uma coisa é polêmica é porque algum sentido ela faz, vai fazer ainda ou pelo menos servirá de inspiração para artistas, escritores e cineastas, tornando nossa existência mais emocionante. E pra quem não entendeu a ligação do conteúdo com o título deste texto, aí vai a explicação:



Hoje não é preciso ser um Manet para virar meme.


Adriane Pasa
Vancouver, 10/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope' de Duanne Ribeiro
03. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
04. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
05. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa em 2014
01. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
02. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando - 7/4/2014
04. A firma como ela é - 7/7/2014
05. Mamilos - 10/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Cinco Sóis - uma Experiência de Quase Morte
Munir Zalaf
Ceac
(2010)



Direito Tributário Contemporâneo
Sacha Calmon, Misael Derzi, Humberto T Junior
Revista dos Tribunais (sp)
(1997)



A Coragem de Mudar Em Educacao 3ª Edição
Esther Pillar Grossi
Vozes
(2000)



Louis Ii de Bavière
Pierre Combescot
Edition Speciale
(1972)



Violência, Menores, Idosos e Acidentados no Trabalho
Revista Lua Nova, Vol 3 - Nº 2 de 1986
L&pm
(1986)



Amor, Otário Amor: Historias da Vida a 2. 0
Leo Luz
Astral Cultural
(2016)



Tropa Nerds Mamãe é de Marte
Michael Buckley
V e R
(2012)



Premier Dictionnaire En Images
Pierre Fourré
Bertrand
(1962)



América Linguagem e Sociedade: Outros Ensaios
Eduardo Portella (com Dedicatória) e Outros
Ufrj (rj)
(1993)



A Universidade Possível
Jacques Marcovitch
Futura
(1998)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês