O quintal de casa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/3/2005
O quintal de casa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não me esqueço do sofrimento de arrumar as malas obedecendo às frases nervosas e apressadas do meu pai. Havia enrolado o mês inteiro, na esperança de poder ficar. Mas na última hora, ele tangia o rebanho e ordenava que fôssemos para o carro, em direção à praia, que é coisa que os mineiros vêem pouco e costuma lhes parecer algo incrível.

Mas aqueles dias de arrumar malas, roupas, comidas. Aquele tempo de esperar pela viagem, aquela sensação de despedida me deixava ciumenta dos meus pertences e sofrida como uma condenada. Não me agradava a idéia de sair do meu metro quadrado, de me deslocar quilômetros e viver uns tempos num lugar que não me parecia meu. Muito interessantes as diferenças, os sotaques, o fuso-horário, mas eu me sentia em casa em apenas um lugar.

Dizia meu pai que esse sofrimento era coisa de criança, que haveria de passar na adolescência. Esperei a juventude chegar e continuei sofrendo ao arrumar as malas, para qualquer lugar que fosse. Tentei viajar com família, amigos, namorados, desconhecidos e nada adiantou. Continuei, sempre, odiando malas e fugindo dos trajetos clichês, das viagens de turismo e dos prazeres de beija-flor.

Viajei algumas vezes e em quase todas consegui não ir à-toa. Também consegui escapar aos pontos turísticos e até arranjei trabalho. Faço o possível para que minhas malas sejam de mão, o que me dá certa garantia de que terei que retornar. E essa angústia pelo meu quarto, pela minha cama, pelos meus ares não pode ser alardeada, afinal, bonito mesmo é ser turista, desfiar horas de assuntos do interior e do exterior.

Fiz viagens a trabalho para alfabetizar pessoas no sertão e para falar de literatura na metrópole, mas isso não conta. Contam as milhas de avião e os cartões-postais. Mas a cada dia que passa eu me convenço mais de que não interessa para onde alguém teve a maravilhosa experiência de ir. Por que o interior da França é mais valioso do que o interior do Brasil? Ser provinciano no estrangeiro me parece ainda pior do que o ser por aqui mesmo.

Lembro das agruras por que passou Pilar em Lyon, que lhe pareceu um povoado cheio de pessoas estranhas. Também das aventuras de Ana em Madri, que não oferecia metade dos recursos que minha amiga tinha em sua casa no alto da Serra do Curral. E Alex, lavando pratos em inglês; Renata sofrendo preconceito em alemão. E todos de volta, sãos e salvos, gargarejando histórias que parecem melhores do que são depois que já aconteceram.

E então me sinto estranha. Eu e meu canto. Eu e meu ódio por malas, estejam elas prontas ou por arrumar. E fico me lembrando de que importa mais o que alguém faz do que onde esse mesmo alguém vai, a não ser que vá para fazer algo que realmente interessa.

Para citar pessoas notáveis de uma seara que julgo conhecer, me lembro de uma entrevista de Hilda Hilst à revista Cult em que a poeta dizia que não queria mais viajar. Já envelhecida e turrona, dizia que não valia mais a pena sair de casa. Segundo ela mesma, Paris só era bom quando ela fodia, aos 20 anos.

Machado de Assis, mais consagrado que outros tantos, não saía do Rio de Janeiro, cidade da qual poucos nativos desejam sair. E o autor de Dom Casmurro não precisava colecionar tíquetes para escrever a obra que ficou na história de nossa literatura. Também alguns escritores foram pobres, não tinham condições, mesmo que quisessem, de perambular pelo globo. O jeito era ter imaginação, coisa que nem viajando algumas pessoas conseguem ter.

Raduan Nassar e Manoel de Barros fazem questão de suas casas retiradas do corre-corre das cidades. Manuel Bandeira foi atrás de tratamentos para sua tísica e conseguiu compor uma obra ímpar. Em contrapartida, João Cabral de Melo Neto imortalizou Sevilha em poemas que permanecerão, embora o poeta mesmo já se tenha ido. Drummond fez de Itabira retratos de minério, honra que muita cidade grande não terá.

E assim vão se formando as listas de pessoas que interessam porque mudaram alguma centelha de coisa neste mundo e de lugares que se tornaram cenários de memórias imortais. Listas de pintores, músicos, escritores, escultores, professores, cientistas que não gostavam de viajar porque se sentiam satisfeitos com seu metro quadrado ou mesmo porque tinham medo de avião. Diferentemente da experiência muitíssimo enriquecedora de passar por mil lugares e não contribuir com nada.

É um imenso aprendizado sentir-se suficiente em seu canto; é uma grande lição aprender a gostar de estar só, na companhia de si mesmo, embora a pressão seja no sentido contrário. Estar feliz acontece, para alguns, no quintal de casa.

Se a sua cabeça pensa...
Você deve achar que a sua cabeça pensa, que você produz idéias e pensamentos com a mente e que a memória é uma espécie de escaninho muito grande que fica dentro do cérebro. Alguns médicos e psicólogos também acham isso. No entanto, outros tantos médicos e psicólogos acham que a mente, as idéias, a memória e outras coisas que a gente faz e é não estão apenas na cabeça. Talvez estejam mais iluminadas lá, sim, mas estão pelo corpo todo, nas sensações espalhadas por um sistema nervoso que se ramifica quase infinitamente pela pele, pelos dedos (do pé e da mão), pela língua, pelos olhos.

Desde tempos imemoriais (!) a filosofia vem discutindo esse enigma mente/corpo e os cientistas também bancaram essa idéia. Muita gente, inclusive René Descartes, de certa forma, o mentor deste mundo em que vivemos, queria saber o que nos rege, que homenzinho é este que deve morar em nós e nos pilota tão bem (ou mal). E se existisse esse "homúnculo", estaríamos perdidos num infinito de homenzinhos inquilinos uns dos outros, como aquelas bonequinhas russas que são infinitamente grávidas.

E se não há homúnculo, há outra coisa qualquer. Dizia Freud, pensando nisso, que não regemos, mas somos regidos por um cara chamado "inconsciente", explicação que não explicou nada e tornou o homem uma caixa-preta cheia de boas desculpas para os deslizes de todos nós. Boa jogada, Freud. E Lacan veio com muitas explicações e, principalmente, com todos aqueles prefixos. Era, mais que um grande psicanalista, um grande conhecedor da morfologia da língua e um grande empregador de tradutores: o não-lugar, o não-sexo, o não-ser. Então não se é nem se não é. Em todo caso, é preciso empregar o hífen.

E então estamos até hoje pensando que pensamos na cabeça; lembrando que lembramos na memória e que esses são lugares, com direito a prateleira no cérebro e tudo.

E se pensássemos e sentíssemos e aprendêssemos só com algo que estivesse definitivamente localizado no cérebro, talvez não precisássemos do resto do corpo pra perceber, pra sentir, pra pressentir, pra ter medo, pra ter prazer.

Pensando no corpo como uma máquina, não precisaríamos de cérebro, o que é diametralmente oposto a pensar que a mente resolve tudo. Então fazer o quê? Não pensar nisso e ir percebendo tudo o que nos cercar.

Mente e cérebro ficam sendo, assim, um casalzinho de gêmeros siameses. E o corpo e a mente ficam sendo um casalzinho de opostos que se atraem. E o que eu sei é que eu, por exemplo, sou mais do que uma mente vestida de um corpo branquelo; ou mais do que apenas um corpo sem mente, coisa que não posso dizer de todas as pessoas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imaginação capturada: uma caloura na Berlinale de Daniela Sandler


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2005
17h17min
sei exatamente sobre o que voce fala. Vivi, li e viajei muito & sempre achava que tinha vindo ao mundo pra conhece-lo. Mas hoje, beirando aos 40, viajada, amante da boa musica & de vinho, so' penso em ficar em casa, mesmo que "essa casa" nao seja mais meu habitat natural. Vez por outra me aventuro, mas levo coisas pra nao faltar & esqueço outras pra voltar. Lei do bom-senso. Mas, meu verdadeiro mundo levo pra todo canto onde vou. Assim me sinto segura.
[Leia outros Comentários de themis almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SÃO PAULO E A MORAL DOS NOSSOS TEMPOS
JEROME MURPHY O'CONNOR
PAULINAS
(1977)
R$ 49,00



DEUS ME LIVRE !
LUIZ PUNTEL
ÁTICA
(1989)
R$ 5,00



A DITADURA ESCANCARADA
ELIO GASPARI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 25,00



O SUPER G
GANYMÉDES JOSÉ
MODERNA
(1983)
R$ 6,90



RONDAS Y CUENTOS (POESIA/LITERATURA CHILENA)
GABRIELA MISTRAL
EDITORIAL ARTE Y LITERATURA (CUBA)
(1979)
R$ 10,00



TECENDO DIARIOS
ROSY FEROS
BLES
(1999)
R$ 19,90



JURISPRUDÊNCIA DA LEI DE EXECUÇÃO FISCAL ARTIGO POR ARTIGO
MILTON REBOUÇAS
MAPA TÉCNICO FISCAL
(2000)
R$ 60,00



TRATTATO DI PATOLOGIA GENERALE - VOLUME 1
DOTT. ALESSANDRO LUSTING
SOCIETÀ EDITRICE
(1921)
R$ 70,00



TRACTATUS LOGICO PHILOSOPHICUS
LUDWIG WITTGENSTEIN
NACIONAL
(1968)
R$ 65,00



TEORIA GERAL DO ESTADO
DARCY AZAMBUJA
GLOBO
(1993)
R$ 39,90





busca | avançada
59670 visitas/dia
1,8 milhão/mês