O quintal de casa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/3/2005
O quintal de casa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não me esqueço do sofrimento de arrumar as malas obedecendo às frases nervosas e apressadas do meu pai. Havia enrolado o mês inteiro, na esperança de poder ficar. Mas na última hora, ele tangia o rebanho e ordenava que fôssemos para o carro, em direção à praia, que é coisa que os mineiros vêem pouco e costuma lhes parecer algo incrível.

Mas aqueles dias de arrumar malas, roupas, comidas. Aquele tempo de esperar pela viagem, aquela sensação de despedida me deixava ciumenta dos meus pertences e sofrida como uma condenada. Não me agradava a idéia de sair do meu metro quadrado, de me deslocar quilômetros e viver uns tempos num lugar que não me parecia meu. Muito interessantes as diferenças, os sotaques, o fuso-horário, mas eu me sentia em casa em apenas um lugar.

Dizia meu pai que esse sofrimento era coisa de criança, que haveria de passar na adolescência. Esperei a juventude chegar e continuei sofrendo ao arrumar as malas, para qualquer lugar que fosse. Tentei viajar com família, amigos, namorados, desconhecidos e nada adiantou. Continuei, sempre, odiando malas e fugindo dos trajetos clichês, das viagens de turismo e dos prazeres de beija-flor.

Viajei algumas vezes e em quase todas consegui não ir à-toa. Também consegui escapar aos pontos turísticos e até arranjei trabalho. Faço o possível para que minhas malas sejam de mão, o que me dá certa garantia de que terei que retornar. E essa angústia pelo meu quarto, pela minha cama, pelos meus ares não pode ser alardeada, afinal, bonito mesmo é ser turista, desfiar horas de assuntos do interior e do exterior.

Fiz viagens a trabalho para alfabetizar pessoas no sertão e para falar de literatura na metrópole, mas isso não conta. Contam as milhas de avião e os cartões-postais. Mas a cada dia que passa eu me convenço mais de que não interessa para onde alguém teve a maravilhosa experiência de ir. Por que o interior da França é mais valioso do que o interior do Brasil? Ser provinciano no estrangeiro me parece ainda pior do que o ser por aqui mesmo.

Lembro das agruras por que passou Pilar em Lyon, que lhe pareceu um povoado cheio de pessoas estranhas. Também das aventuras de Ana em Madri, que não oferecia metade dos recursos que minha amiga tinha em sua casa no alto da Serra do Curral. E Alex, lavando pratos em inglês; Renata sofrendo preconceito em alemão. E todos de volta, sãos e salvos, gargarejando histórias que parecem melhores do que são depois que já aconteceram.

E então me sinto estranha. Eu e meu canto. Eu e meu ódio por malas, estejam elas prontas ou por arrumar. E fico me lembrando de que importa mais o que alguém faz do que onde esse mesmo alguém vai, a não ser que vá para fazer algo que realmente interessa.

Para citar pessoas notáveis de uma seara que julgo conhecer, me lembro de uma entrevista de Hilda Hilst à revista Cult em que a poeta dizia que não queria mais viajar. Já envelhecida e turrona, dizia que não valia mais a pena sair de casa. Segundo ela mesma, Paris só era bom quando ela fodia, aos 20 anos.

Machado de Assis, mais consagrado que outros tantos, não saía do Rio de Janeiro, cidade da qual poucos nativos desejam sair. E o autor de Dom Casmurro não precisava colecionar tíquetes para escrever a obra que ficou na história de nossa literatura. Também alguns escritores foram pobres, não tinham condições, mesmo que quisessem, de perambular pelo globo. O jeito era ter imaginação, coisa que nem viajando algumas pessoas conseguem ter.

Raduan Nassar e Manoel de Barros fazem questão de suas casas retiradas do corre-corre das cidades. Manuel Bandeira foi atrás de tratamentos para sua tísica e conseguiu compor uma obra ímpar. Em contrapartida, João Cabral de Melo Neto imortalizou Sevilha em poemas que permanecerão, embora o poeta mesmo já se tenha ido. Drummond fez de Itabira retratos de minério, honra que muita cidade grande não terá.

E assim vão se formando as listas de pessoas que interessam porque mudaram alguma centelha de coisa neste mundo e de lugares que se tornaram cenários de memórias imortais. Listas de pintores, músicos, escritores, escultores, professores, cientistas que não gostavam de viajar porque se sentiam satisfeitos com seu metro quadrado ou mesmo porque tinham medo de avião. Diferentemente da experiência muitíssimo enriquecedora de passar por mil lugares e não contribuir com nada.

É um imenso aprendizado sentir-se suficiente em seu canto; é uma grande lição aprender a gostar de estar só, na companhia de si mesmo, embora a pressão seja no sentido contrário. Estar feliz acontece, para alguns, no quintal de casa.

Se a sua cabeça pensa...
Você deve achar que a sua cabeça pensa, que você produz idéias e pensamentos com a mente e que a memória é uma espécie de escaninho muito grande que fica dentro do cérebro. Alguns médicos e psicólogos também acham isso. No entanto, outros tantos médicos e psicólogos acham que a mente, as idéias, a memória e outras coisas que a gente faz e é não estão apenas na cabeça. Talvez estejam mais iluminadas lá, sim, mas estão pelo corpo todo, nas sensações espalhadas por um sistema nervoso que se ramifica quase infinitamente pela pele, pelos dedos (do pé e da mão), pela língua, pelos olhos.

Desde tempos imemoriais (!) a filosofia vem discutindo esse enigma mente/corpo e os cientistas também bancaram essa idéia. Muita gente, inclusive René Descartes, de certa forma, o mentor deste mundo em que vivemos, queria saber o que nos rege, que homenzinho é este que deve morar em nós e nos pilota tão bem (ou mal). E se existisse esse "homúnculo", estaríamos perdidos num infinito de homenzinhos inquilinos uns dos outros, como aquelas bonequinhas russas que são infinitamente grávidas.

E se não há homúnculo, há outra coisa qualquer. Dizia Freud, pensando nisso, que não regemos, mas somos regidos por um cara chamado "inconsciente", explicação que não explicou nada e tornou o homem uma caixa-preta cheia de boas desculpas para os deslizes de todos nós. Boa jogada, Freud. E Lacan veio com muitas explicações e, principalmente, com todos aqueles prefixos. Era, mais que um grande psicanalista, um grande conhecedor da morfologia da língua e um grande empregador de tradutores: o não-lugar, o não-sexo, o não-ser. Então não se é nem se não é. Em todo caso, é preciso empregar o hífen.

E então estamos até hoje pensando que pensamos na cabeça; lembrando que lembramos na memória e que esses são lugares, com direito a prateleira no cérebro e tudo.

E se pensássemos e sentíssemos e aprendêssemos só com algo que estivesse definitivamente localizado no cérebro, talvez não precisássemos do resto do corpo pra perceber, pra sentir, pra pressentir, pra ter medo, pra ter prazer.

Pensando no corpo como uma máquina, não precisaríamos de cérebro, o que é diametralmente oposto a pensar que a mente resolve tudo. Então fazer o quê? Não pensar nisso e ir percebendo tudo o que nos cercar.

Mente e cérebro ficam sendo, assim, um casalzinho de gêmeros siameses. E o corpo e a mente ficam sendo um casalzinho de opostos que se atraem. E o que eu sei é que eu, por exemplo, sou mais do que uma mente vestida de um corpo branquelo; ou mais do que apenas um corpo sem mente, coisa que não posso dizer de todas as pessoas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Uma lição de solfejo de Carina Destempero
03. 3 dicas para a escrita criativa de Marcelo Spalding
04. O homem que enfrentou Ulisses de Luiz Rebinski Junior
05. A última discoteca básica de Wellington Machado


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2005
17h17min
sei exatamente sobre o que voce fala. Vivi, li e viajei muito & sempre achava que tinha vindo ao mundo pra conhece-lo. Mas hoje, beirando aos 40, viajada, amante da boa musica & de vinho, so' penso em ficar em casa, mesmo que "essa casa" nao seja mais meu habitat natural. Vez por outra me aventuro, mas levo coisas pra nao faltar & esqueço outras pra voltar. Lei do bom-senso. Mas, meu verdadeiro mundo levo pra todo canto onde vou. Assim me sinto segura.
[Leia outros Comentários de themis almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês