O quintal de casa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/3/2005
O quintal de casa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não me esqueço do sofrimento de arrumar as malas obedecendo às frases nervosas e apressadas do meu pai. Havia enrolado o mês inteiro, na esperança de poder ficar. Mas na última hora, ele tangia o rebanho e ordenava que fôssemos para o carro, em direção à praia, que é coisa que os mineiros vêem pouco e costuma lhes parecer algo incrível.

Mas aqueles dias de arrumar malas, roupas, comidas. Aquele tempo de esperar pela viagem, aquela sensação de despedida me deixava ciumenta dos meus pertences e sofrida como uma condenada. Não me agradava a idéia de sair do meu metro quadrado, de me deslocar quilômetros e viver uns tempos num lugar que não me parecia meu. Muito interessantes as diferenças, os sotaques, o fuso-horário, mas eu me sentia em casa em apenas um lugar.

Dizia meu pai que esse sofrimento era coisa de criança, que haveria de passar na adolescência. Esperei a juventude chegar e continuei sofrendo ao arrumar as malas, para qualquer lugar que fosse. Tentei viajar com família, amigos, namorados, desconhecidos e nada adiantou. Continuei, sempre, odiando malas e fugindo dos trajetos clichês, das viagens de turismo e dos prazeres de beija-flor.

Viajei algumas vezes e em quase todas consegui não ir à-toa. Também consegui escapar aos pontos turísticos e até arranjei trabalho. Faço o possível para que minhas malas sejam de mão, o que me dá certa garantia de que terei que retornar. E essa angústia pelo meu quarto, pela minha cama, pelos meus ares não pode ser alardeada, afinal, bonito mesmo é ser turista, desfiar horas de assuntos do interior e do exterior.

Fiz viagens a trabalho para alfabetizar pessoas no sertão e para falar de literatura na metrópole, mas isso não conta. Contam as milhas de avião e os cartões-postais. Mas a cada dia que passa eu me convenço mais de que não interessa para onde alguém teve a maravilhosa experiência de ir. Por que o interior da França é mais valioso do que o interior do Brasil? Ser provinciano no estrangeiro me parece ainda pior do que o ser por aqui mesmo.

Lembro das agruras por que passou Pilar em Lyon, que lhe pareceu um povoado cheio de pessoas estranhas. Também das aventuras de Ana em Madri, que não oferecia metade dos recursos que minha amiga tinha em sua casa no alto da Serra do Curral. E Alex, lavando pratos em inglês; Renata sofrendo preconceito em alemão. E todos de volta, sãos e salvos, gargarejando histórias que parecem melhores do que são depois que já aconteceram.

E então me sinto estranha. Eu e meu canto. Eu e meu ódio por malas, estejam elas prontas ou por arrumar. E fico me lembrando de que importa mais o que alguém faz do que onde esse mesmo alguém vai, a não ser que vá para fazer algo que realmente interessa.

Para citar pessoas notáveis de uma seara que julgo conhecer, me lembro de uma entrevista de Hilda Hilst à revista Cult em que a poeta dizia que não queria mais viajar. Já envelhecida e turrona, dizia que não valia mais a pena sair de casa. Segundo ela mesma, Paris só era bom quando ela fodia, aos 20 anos.

Machado de Assis, mais consagrado que outros tantos, não saía do Rio de Janeiro, cidade da qual poucos nativos desejam sair. E o autor de Dom Casmurro não precisava colecionar tíquetes para escrever a obra que ficou na história de nossa literatura. Também alguns escritores foram pobres, não tinham condições, mesmo que quisessem, de perambular pelo globo. O jeito era ter imaginação, coisa que nem viajando algumas pessoas conseguem ter.

Raduan Nassar e Manoel de Barros fazem questão de suas casas retiradas do corre-corre das cidades. Manuel Bandeira foi atrás de tratamentos para sua tísica e conseguiu compor uma obra ímpar. Em contrapartida, João Cabral de Melo Neto imortalizou Sevilha em poemas que permanecerão, embora o poeta mesmo já se tenha ido. Drummond fez de Itabira retratos de minério, honra que muita cidade grande não terá.

E assim vão se formando as listas de pessoas que interessam porque mudaram alguma centelha de coisa neste mundo e de lugares que se tornaram cenários de memórias imortais. Listas de pintores, músicos, escritores, escultores, professores, cientistas que não gostavam de viajar porque se sentiam satisfeitos com seu metro quadrado ou mesmo porque tinham medo de avião. Diferentemente da experiência muitíssimo enriquecedora de passar por mil lugares e não contribuir com nada.

É um imenso aprendizado sentir-se suficiente em seu canto; é uma grande lição aprender a gostar de estar só, na companhia de si mesmo, embora a pressão seja no sentido contrário. Estar feliz acontece, para alguns, no quintal de casa.

Se a sua cabeça pensa...
Você deve achar que a sua cabeça pensa, que você produz idéias e pensamentos com a mente e que a memória é uma espécie de escaninho muito grande que fica dentro do cérebro. Alguns médicos e psicólogos também acham isso. No entanto, outros tantos médicos e psicólogos acham que a mente, as idéias, a memória e outras coisas que a gente faz e é não estão apenas na cabeça. Talvez estejam mais iluminadas lá, sim, mas estão pelo corpo todo, nas sensações espalhadas por um sistema nervoso que se ramifica quase infinitamente pela pele, pelos dedos (do pé e da mão), pela língua, pelos olhos.

Desde tempos imemoriais (!) a filosofia vem discutindo esse enigma mente/corpo e os cientistas também bancaram essa idéia. Muita gente, inclusive René Descartes, de certa forma, o mentor deste mundo em que vivemos, queria saber o que nos rege, que homenzinho é este que deve morar em nós e nos pilota tão bem (ou mal). E se existisse esse "homúnculo", estaríamos perdidos num infinito de homenzinhos inquilinos uns dos outros, como aquelas bonequinhas russas que são infinitamente grávidas.

E se não há homúnculo, há outra coisa qualquer. Dizia Freud, pensando nisso, que não regemos, mas somos regidos por um cara chamado "inconsciente", explicação que não explicou nada e tornou o homem uma caixa-preta cheia de boas desculpas para os deslizes de todos nós. Boa jogada, Freud. E Lacan veio com muitas explicações e, principalmente, com todos aqueles prefixos. Era, mais que um grande psicanalista, um grande conhecedor da morfologia da língua e um grande empregador de tradutores: o não-lugar, o não-sexo, o não-ser. Então não se é nem se não é. Em todo caso, é preciso empregar o hífen.

E então estamos até hoje pensando que pensamos na cabeça; lembrando que lembramos na memória e que esses são lugares, com direito a prateleira no cérebro e tudo.

E se pensássemos e sentíssemos e aprendêssemos só com algo que estivesse definitivamente localizado no cérebro, talvez não precisássemos do resto do corpo pra perceber, pra sentir, pra pressentir, pra ter medo, pra ter prazer.

Pensando no corpo como uma máquina, não precisaríamos de cérebro, o que é diametralmente oposto a pensar que a mente resolve tudo. Então fazer o quê? Não pensar nisso e ir percebendo tudo o que nos cercar.

Mente e cérebro ficam sendo, assim, um casalzinho de gêmeros siameses. E o corpo e a mente ficam sendo um casalzinho de opostos que se atraem. E o que eu sei é que eu, por exemplo, sou mais do que uma mente vestida de um corpo branquelo; ou mais do que apenas um corpo sem mente, coisa que não posso dizer de todas as pessoas.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/3/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Menina de Ouro: fantasmas e perdas de Marcelo Miranda


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2005
17h17min
sei exatamente sobre o que voce fala. Vivi, li e viajei muito & sempre achava que tinha vindo ao mundo pra conhece-lo. Mas hoje, beirando aos 40, viajada, amante da boa musica & de vinho, so' penso em ficar em casa, mesmo que "essa casa" nao seja mais meu habitat natural. Vez por outra me aventuro, mas levo coisas pra nao faltar & esqueço outras pra voltar. Lei do bom-senso. Mas, meu verdadeiro mundo levo pra todo canto onde vou. Assim me sinto segura.
[Leia outros Comentários de themis almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Gostar de Ler, Contos Brasileiros 2
Clarice Lispector; Outros
Atica
(2006)



O Segredo do Genesis
Tom Knox; Angela Pessoa
Suma de Letras Brasi
(2010)



O Gatinho Fofo Gueiro
Elaine de Prá
Paulinas
(2017)



Help! Sistema de Consulta Interativa - Língua Portuguesa
Estadão
Klick



Cândido Ou o Otimismo - Série Reencontro
Voltaire / José Arrabal
Scipione
(1991)



Nietzsche para Estressados
Allan Percy
Sextante
(2011)



O Livro de Jó - Saga O Turno da Noite Vol.3
Andre Vianco
Novo Seculo
(2007)



Tudo por um Feriado
Thalita Rebouças
Rocco
(2007)



Elis 1977
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo



O Valor Terapêutico do Perdão
Francisco Cajazeiras
Eme
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês