Para gostar de ler? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Premiado espetáculo ‘Flores Astrais’ pela primeira vez em Petrópolis no Teatro Imperial para homenag
>>> VerDe Perto, o Musical Ecológico tem sessões grátis em Santo Antônio do Pinhal e em São Paulo
>>> Projeto Sinos volta a Teresópolis para oferecer aulas gratuitas
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fórum das Letras 2007
>>> Um conto-resenha anacrônico
>>> Andaime, de Sérgio Roveri
>>> Um lugar para o tempo
>>> A nova queda da Bastilha
>>> Ainda quer prestar jornalismo?
>>> Bendito Nelson Rodrigues
>>> Tell me all about it
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Prólogo, com um Prólogo dos Prólogos, de Jorge Luis Borges
Mais Recentes
>>> La Gestion Del Proyecto En Arquitectura de Edward D. Mills pela Gg (1985)
>>> Dalton Paula: O Sequestrador De Almas de Dalton Paula pela Obogo (2022)
>>> Gravura de Itajahy Martins pela Fundaçao Nestlé de Cultura (1987)
>>> Livro Ilustrado De Lingua Brasileira De Sinais de Márcia Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> O Cronista da América de Francis Ford Coppola pela Minesterio da Cultura (2015)
>>> Heróis de Areia de Noelly Russo pela Fabbrica (2022)
>>> National Parks Of Latin America de Luciana Napchan pela Ministério Da Cultura (2005)
>>> Vontade Construtiva Na Coleco Fadel de Paulo Harkenhoff pela Mam (2014)
>>> Tatuagens Urbanas E O Imaginario Carioca de Eduardo Paes pela Nau Das Letras (2015)
>>> Apoema Português - 7 Ano de Lucia Teixeira pela Do Brasil (2018)
>>> Teláris - Arte - 6º Ano de Eliana Pougy pela Ática (2019)
>>> Araribá Plus - História - 8º Ano de Maria Raquel Apolinário pela Moderna (2018)
>>> Teláris - Matemática - 6º Ano de Luiz Roberto Dante pela Ática (2019)
>>> Conexões Com A Física 2º Ano de Blaidi Sant´anna pela Moderna (2010)
>>> Alice Brill de Reinhard Andress, Alice Brill, Carla Ogawa pela Fundacao Armando Alvares Penteado (2007)
>>> Um Guia Do Conhecimento Em Gerenciamento De Projetos (guia Pmbok) de Project Management Institute pela Global Standard (2008)
>>> Gmat Official Guide 2019 de Gmac pela Wiley (2018)
>>> Abz Do Ziraldo de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2003)
>>> La Casa D´epoca de Quaderni Di Restauro pela DeAgostini (1996)
>>> Descobrindo A Historia Da Arte de Graça Proença pela Ática (2005)
>>> The Economics Book de Dk pela Dk Publishing (2012)
>>> Arturo Di Stefano de Jonh Berger pela Merrel (2001)
>>> Parques São paulo de Cassiano José Pimentel pela Prosperidade (2013)
>>> SãopauloSeculoXXI de Fausto Chermont pela Terra Virgem (2011)
>>> Sem Titulo | Untitled | Sin Titulo de Rochelle pela Galeria Brito Cimino (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 24/8/2005
Para gostar de ler?
Ana Elisa Ribeiro
+ de 16500 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Não sei o que se pode fazer para ensinar alguém a escrever. Não sei mesmo. E pode ser um fracasso essa conclusão partir de uma professora de jovens e de adultos. Podem me demitir amanhã, ou hoje mesmo. Essa moça não acredita no próprio taco. Mas não é isso. Eu realmente sei lá o que pode fazer com que alguém escreva bem, se não for o esforço pessoal e a vontade de aprender e melhorar.

Quem já aprendeu a tocar um instrumento sabe: é preciso treinar, repetir, ouvir, rever, reler, mexer, mudar, tocar de novo, tocar pela milésima vez, ouvir pela duocentésima vez, chamar outro para ouvir junto e emitir opinião, escutar opiniões, percepções, avaliar, rejeitar ou aceitar, mudar, transformar, treinar mais e, muito importante: jamais achar que está perfeito. Se não for assim, o instrumentista pára de aprender, pára de se aperfeiçoar e vira uma estrela congelada num céu cheio de cometas.

Escrever é assim. Num sentido pedagógico-curricular, uma professora chamada Fátima me ensinou a escrever. Deu para mim um manual em que eu aprendi a juntar letras e palavras e então comecei a ler. Juntei letras e palavras com minhas próprias mãos e comecei a escrever. No fundo, ainda era tudo a mesma coisa: juntar letras e palavras. Sentido era alguma coisa rara. Principalmente naqueles manuais cheios de assonâncias e outras figuras para criança achar linguagem algo bonitinho e sonoro. Mas sentido era artigo de luxo.

Mais tarde, descobri os sentidos quando passei a insistir nos textos, principalmente nos que eu lia do lado de fora da escola. E os literários vieram em seguida, como um oásis proibido no meio de um deserto de opções paradidáticas.

A experiência estética da literatura eu só fui descobrir nas barras da saia da minha avó ou na biblioteca da escola pública, onde eu podia colher os livros dos cachos, sem me preocupar com o "para casa" ou com a lista do vestibular. Ainda assim, observando os concursos vestibulares longínquos (eu ainda era uma criança) é que conheci Carlos Herculano Lopes, Rubem Fonseca e João Ubaldo. Também descobri que os autores podiam estar vivos!

A graça dos textos literários só me apareceu porque aprendi, comigo mesma, um certo apetite por coisas gostosas. Inclusive as de ler. E então eu fiz reviver um costume medieval: o de ler em voz alta. Não porque os textos fossem cheios de emendas e sem parágrafos, mas porque eram saborosos.

Cansei os ouvidos de mãe e irmãos com meus anoiteceres de ladainha incansável. Não foram nem a professora Fátima nem o professor Reis que me mostraram os sabores dos textos literários, muito menos eles me fizeram gostar de escrever. Isso foi mesmo por minha conta.

Aprendi como juntar letras e sons e palavras na escola. Li livros que o colégio pediu. Fiz provas e montei esquemas. Perdi a conta dos resumos de obras e me desgastei lendo a interpretação dos outros sobre Machado e Rosa. Conferi nem sei quantos gabaritos e revi não sei que número de redações. Mas não foi dentro desse esquema tenebroso que conheci Bandeira e seus pneumotórax, as mulheres do sabonete Araxá ou a tabacaria de Fernando Pessoa. Lembro da primeira vez em que li "Poema em linha reta". O impacto me lançou na obra inteira do poeta e de seus heterônimos, para mim, àquela altura, um mistério.

A primeira vez que li um poema de Leminski, essa, sim, devo à apostila do colégio. Li bemóis e sustenidos e não me contive. Entrei em transe, transa, apaguei. Fui correr atrás dos livros dele nas lojas. Fiz a coleção. Pensei: mas isso pode? Podia. E ele nem havia ainda caído no vestibular ou nas graças da academia. Faltava pouco. Vestibular dissecou o poeta.

Li um poema dele e disparei os meus por todo lado. Me achei. Num haicai, eu me achei. Li até não cansar. E leio até hoje minha coleção de suspiros em lugar de honra na estante da sala. Mas o que o professor havia feito com a apostila? Mandou pular aquela página. Eu li de teimosa que sou. E se ele pulou, é porque deve ser bom. E era.

Escrevi pelos mais breves impulsos. Era um amor fracassado aqui, outro, acolá. Um dia entediado, um mormaço, uma tristeza. Uma alegriazinha em pílula. E dava poema. Mas ninguém me levava a sério. Até que um dia levaram. E então eu tive ainda mais vontade de escrever. E descobri: eu aprendi a ler lendo; a escrever, escrevendo. E escrever pedia leitor, daí a publicação. E era gostoso saber que o texto foi lido. Eu aprendi a gostar de ler e escrever quando descobri que não era para a professora, para ter nota, para fazer esquema e resumo. Eu aprendi a gostar quando aprendi que aquele prazer era só meu, e era qualidade, não era quantidade. Aprendi a gostar de ler, não apenas a ter o hábito, quando não precisava conferir o gabarito, a leitura era só minha e pronto. Gostosa de fazer. Escrever também: sem nota, sem protocolo, sem rasura. Eu e minhas tentativas.

Eu sei lá como posso fazer isso com meus alunos! Talvez levando-os ao mesmo percurso, ou parecido ao menos. Talvez contando esta história. Enquanto a maioria não percebe, sigo na frente tocando a flauta mágica.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 24/8/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Escrever pode ser uma aventura de Marta Barcellos
02. Men in Black II de Nemo Nox


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005
05. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2005
09h44min
Li seu texto na tentativa de encontrar uma definição de devir humano para um trabalho de pós graduação, mas encontrei muito mais. Gostaria de lhe parabenizar pela profundidade da mensagem contida num texto aparentemente simples, com ela aprendi e refleti sobre muito mais do que eu procurava.
[Leia outros Comentários de Maria Heliodora]
26/8/2005
22h01min
Aprendi a gostar de ler porque em minha casa meus pais gostavam. E se dava tanto prazer a eles, devia ser algo mesmo muito bom; então quis fazer o mesmo. O prazer da leitura já era tão arraigado em mim que quando chegou minha vez de redigir os tais resumos de obras, e a estudar interpretações que outros haviam escrito e me cabia estudar, nada podia mais destruir esse prazer. E foi lendo que aprendi a escrever, e também, como você diz, treinando, repetindo, relendo e corrigindo, disposta a mudar o que não me parecesse bom o suficiente, mas sabendo que jamais conseguiria algo perfeito.
[Leia outros Comentários de Sonia]
28/8/2005
12h23min
Meu pai usou um truque interessante para que eu criasse interesse por ler. Eu ainda não sabia ler, meu pai lia para mim todas as noites pedaços da história de Narizinho, do Sítio do Picapau Amarelo, de Monteiro Lobato. Eu tinha uns quatro anos de idade. Fiquei ansiosa em saber a história completa, olhava a coleção na estante e concluí que, no ritmo que meu pai lia para mim, ia levar uma eternidade até eu saber a história toda. Pedi, então, para aprender a ler e fui atendida. Aprendi a ler com cinco anos de idade e saí lendo a coleção completa de Monteiro Lobato. Nunca mais parei de ler - nem de escrever. Vejo hoje a minha irmã repetindo a mesma história com meu sobrinho. Eu mesma já dei de presente para ele dois livros, que ele adora, folheia e quer ler. Minha irmã e eu já lemos para ele as histórias, mas ele já quer ler - e ele tem 3 anos apenas. Ele também já "finge" que escreve em um caderno. Viu um desenho animado em uma TV educativa onde o personagem principal é um menino que tem um diário e pediu para a minha irmã comprar um para ele, onde ele desenha e rabisca. Já vi que vai ser mais um na família a aprender a ler precocemente e que será apaixonado por livros e pela escrita. A mim parece que é essa a fase decisória: antes da criança entrar para a escola. O problema é que poucos pais tem conhecimento desse contexto, poucos pais alimentam nos filhos a vontade de ler - e posteriormente, de escrever. Abraço, Ana!
[Leia outros Comentários de DaniCast]
5/9/2005
22h20min
Adorei o texto. É sem dúvida um relato interessante, principalmente pra mim que procurava saber mais sobre como os alunos aprendem...
[Leia outros Comentários de Vil]
15/9/2005
14h38min
gostei de ler ser texto, vou tentar por em pratica, pois quero aprender a gostar de ler...
[Leia outros Comentários de almira ferreira]
1/10/2005
10h54min
As pessoas se soubessem como é importante decodificar a leitura teriam esse hábito diariamente. Adorei o seu texto. Fico triste quando uma pessoa chega e me diz que não gosta de ler. É uma pena, pois vivemos em plena era da informação, onde o conhecimento faz total diferença. Forte abraço.
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
26/10/2005
19h35min
Ana, ótimo esse seu texto, rebelde, leve e com cara de alecrim.
[Leia outros Comentários de Ana Claudia]
7/10/2006
16h27min
Gostei muito desse texto. Leio jornais, revistas e romances. Mas agora estou fazendo faculdade de direito e preciso desenvolver o hábito para esse tipo de leitura, com palavras às vezes mais difíceis. Mas eu chego lá.
[Leia outros Comentários de Edilene]
8/2/2010
18h34min
Fui ler seu texto por achar que haveria referência a uma antiga coleção chamada "Para Gostar de Ler", onde havia contos de autores consagrados como Rubem Braga, Drummond, Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos, voltados para leitores adolescentes. E foi através desta coleção que eu realmente comecei a "gostar de ler"... Você descobriu a poesia, eu, os contos. Onde foram parar essas pequenas joias que iluminaram minha infância/adolescência? Será que só eu sinto falta delas?
[Leia outros Comentários de Paulo Mauad]
16/8/2012
10h56min
Texto inspirador! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Danielly]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Safe Harbour
Danielle Steel
Corgi
(2003)



Dizionario Della Musica Italiana - La Musica Lirica
Piero Mioli
Newton Compton
(1996)



Menina Flor e o Boto (Literatura Infantil)
Dira Paes
Língua Geral
(2008)



Os Lusíadas Edição organizada por Antônio Saraiva
Luis de camões
Figueirinhas/Porto
(1978)



Em Comemoração aos 50 Anos da Existência da Clínica Tobias
Gudrun Burkhard e & Colaboradores
Joao de Barro
(2019)



Jung: uma revisão feminista
Susan Rowland
Vozes
(2024)



Livro Confissão
Cláudia Lucas Chéu
Reformatório
(2022)



Tectônico
Marcelo Sahea
Leve um Livro
(2015)



Livro Literatura Brasileira Direito e Literatura- Justiça Paulista
Academia Paulista de Letras
Apl
(2020)



The Penguin Complete Sherlock Holmes
Sir Arthur Conan Doyle
Penguin Books
(1981)





busca | avançada
77507 visitas/dia
2,1 milhões/mês