Mapa da sala de aula | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
Mais Recentes
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 6/4/2005
Mapa da sala de aula
Ana Elisa Ribeiro

+ de 20100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Talvez o primeiro livro que eu tenha comprado por obrigação na vida, especialmente na vida escolar, tenha sido uma tabuada. Aquele caderninho mal-acabado, cheio de desenhos para lubrificarem a descida indigesta de tantos números, me deixou medrosa por muito tempo. E ainda posso ouvir a professora, com voz esganiçada, dando lá os comandos de decorar isto e aquilo.

Em casa, uma luta quase diária para me fazer sentar e ter a paciência de abrir a tabuada em cima da mesa, copiar os múltiplos deste e daquele número. E logo ali ao lado, a janela que dava para a rua, cheia de amigos brincando de esconde-esconde. Ou mesmo na mesa de trás, um volume ilustrado do Dom Quixote, que me seduzia muito mais.

Depois de decorar a tabuada, aprendi mais algumas operações e entrei na fase equacional. Era equação de primeiro grau, de segundo grau e eu parada no mesmo grau abaixo de zero sobre matemática. O terror gostoso das aulas em que o professor escrevia no quadro-negro muitos números e mandava fazer exercícios. As provas que me deixavam sem dormir.

Também entraram na moda as recuperações em matemática, as aulas particulares com o Júnior e com o Walter. O ódio irrestrito pelos professores daquela matéria devastadora, que me deixava amuada por vários dias, quando aquele boletim chegava todo vermelho, reclamando a assinatura dos meus pais.

As letras nunca me intimidaram. Eram minhas amigas, não me ofereciam risco, embora me parecessem desafiadoras. Mas de um desafio gostoso, cheio de descobertas. Coisa que os números nunca me sugeriram.

No ensino médio, um professor, desses que se confundem com o patrimônio histórico, me ensinou a lidar com teoremas. Eulâmpio era o nome daquele gênio e os métodos que ele usava eram os menos ortodoxos das cercanias escolares. Numa relação de amor e ódio, Eulâmpio me ajudou a raciocínar em números, coisa que eu jamais conseguira fazer por conta própria. Pagar a conta da cantina era o máximo que eu permitia de matemática na minha vidinha.

Saí do colégio louca pelo dia em que me livraria das obrigações da tabuada. Afiei meus conhecimentos pragmáticos de matemática e sobrevivi. Bebi, cheirei e respirei letras desde então e hoje, quando entro na sala de aula e deparo com o quadro escrito pelo professor de matemática que deu aula antes de mim, ainda sinto arrepios. Mas não um arrepio de medo, como os de antigamente. Um torpor de quem foi, viu, viveu e escolheu outra praia para surfar.

O ensino de matemática mudou radicalmente de uns anos para cá. Era isso o que eu sentia quando escutava as conversas dos meus colegas de escola, dos meus parceiros de equipe, dos editores de livros didáticos. Talvez hoje eu conseguisse resolver com tranqüilidade o que, nos anos 80, me parecia pecaminoso: aquelas equações em que se misturavam letras e números. E conhecendo certos professores de matemática contemporâneos, consigo achar que o barato mesmo é misturar as praias e formar pessoas mais completas do que eu, com professores mais conscientes do que os que eu tive.

Mapa da sala de aula

I
Primeiro um garoto do lado esquerdo fala alto. A professora fica impaciente, a turma faz barulho, aumenta o volume e a professora, com rigor, diz: Silêncio! Não gosto nem de gritar e nem de falar alto. E o garoto conclui, rearranjando os lápis na mesa: Então você é brava.

II
Um garoto negro e de sorriso ensolarado brinca com o ar no canto direito da sala da terceira série. A professora quer se apresentar e saber o nome de cada um, o que gosta de fazer, em que bairro mora. Quando chega a vez do menino, ele diz: Meu nome é João. João Capeta. Um sorriso imenso clareia tudo. E ele continua: Moro no Santa Cruz e o que mais gosto de fazer é bagunça, molecagem. Uma menina delicada exclama do lado oposto: É a única coisa que ele sabe fazer. E o garotinho negro, furioso, não tem dúvidas: Não é não. Eu também sei namorar.

III
Uns meninos trazem caderno para a sala. Outros não têm material ainda. A professora pede que os que têm emprestem folhas. Um Henrique moreno e doce distribui suas folhas e analisa: Se eu tenho muitas, tantas, para quê preciso de todas? Posso emprestar, não é?

IV
Um Pedro que, aos 6 anos, é especialista em dinossauros. E desenha vários deles no quadro com caneta azul. E esclarece o nome de cada um. E diz que quer dar um presente para a professora: Vários desenhos de dinossauro que fará no final de semana. A professora sorri e sabe: Final de semana de garoto é coisa cara.

V
A menina tem apenas 7 anos e já pensa em namorar. E vê a professora jovem, cabelos imensos, olhos ágeis. E pergunta: Professora, você é casada? Não. Tem filhos? Não. Tem namorado? Não. É solteira? Sou. E a menina estranha: Ué, de quatro coisas, você é só uma?

VI
Os alunos dizem os bairros onde moram e querem disputar quem sabe mais o próprio endereço. Rua Içá, esqueci o número, não sei o bairro, rua Borborema, sei lá. E a professora escuta. Até que um menino louro conta vantagem: Eu tenho dois endereços: rua Içá e rua Ester de Lima. Fico na casa da minha mãe ou na casa do meu pai. Posso escolher. Outros vinte meninos dizem: Ah, se é assim, eu também tenho dois endereços!

VII
A professora entra na sala da primeira série. Descobre que alguns alunos ainda não sabem ler, outros não conhecem as letras cursivas, uma menina linda e estrábica não enxerga, um garoto chora porque perdeu o vidro de cola. Querem saber que aula a professora dará e ela diz: Literatura. Um garoto agitado no canto esquerdo exclama, assustado: O que é isso? Literatura? Parece o nome do meu bisavô!

VIII
A garota sai do fundo da sala e vem até a mesa da professora. Estaciona ao lado da mestra e mira o diário de classe. A professora levanta os olhos e pergunta, com o olhar, o que a menina deseja ali. A guria pergunta, mui seriamente: A senhora não vai receitar livro este mês?

IX
Os alunos têm aula de literatura. Aprendem as formas poéticas tradicionais, entre elas o haiku. De repente, três garotos começam a ler um soneto performaticamente. A professora assiste a tudo deleitando-se. Ao término do poema, os alunos pedem um haiku, mas já adiantam que não poderão dividi-lo em três.

X
As meninas com cadernos da Barbie dizem que os meninos são muito infantis.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Delicadeza dos Hipopótamos, de Daniel Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Como sobreviver ao Divórcio de Ricardo Lísias de Isabella Ypiranga Monteiro
03. Jornalismo literário no SindJor de Tais Laporta
04. Cabeça de papel de Julio Daio Borges


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/4/2005
03h00min
O ensino da matematica sempre foi banalizado. Livros ruins, pedagogia pessima e ideias de gerico para explicar coisas simples... Um pouco como portugues, que no que depende das escolas que estudei, e uma materia execravel. Na verdade, escrever, imaginar, desenhar, criar esta tudo tao ligado 'a matematica como 'a literatura. E era isso que deveriamos aprender na escola. Pouca materia, mas como criar com ela. Nao um bando de equacoes ou uma apresentacao ultrapassada de estilos de literatura de forma seca e sacal... Quem sabe, bons livros em ambas areas ajudam, ne'? PS: So' para ter uma ideia, me fizeram ler Bruna Lombardi e varios Paulo Coelho na escola. Coisa obrigatoria.
[Leia outros Comentários de Ram]
6/4/2005
18h12min
Ana, lendo a sua crônica - como sempre muito pertinente - me recordei de uma entrevista de um professor de matemática não me lembro em qual programa. Nesta, ele reclamava dos colegas de profissão dizendo que muitos deles fazem da matéria um enigma de difícil acesso aos alunos [pobres mortais]. Para ele o que se ensinava de Matemática nos bancos escolares brasileiros não passava de superficialidades. E as críticas desse professor eram duras no sentido de prever um esvaziamento de interessados nos cursos superiores na área dos números. Gostaria de saber a real razão para essa constatação. O que será que os professores de Matemática do Brasil querem esconder do mundo?
[Leia outros Comentários de Marco Garcia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Ilha Perdida
Maria José Dupré
Ática
(1993)
R$ 15,00



Sem Medo de Vencer
Roberto Shinyahiki
Gente
(1993)
R$ 5,00



I Maestri del Colore
Léger
Fratelli Fabbri
R$ 25,00



A Aventura Aventurosa de Acanai Contra a Grande Cobra Sucuri Na...
Antônio Hohlfeldt
Ftd
(1990)
R$ 5,00



Agroecologia Militante - Agricultura
Ivani Guterres (Org)
Expressao Popular
R$ 28,00



Os Limites da Paixão
Norma Jorge Moreira
Dpl
(2005)
R$ 6,90



Planeta Marte, uma História de Observação e Descoberta
William Sheehan
Inquérito
(1997)
R$ 38,00



Trilogia the Game - a Bolha - Vol 3
Anders de La Motte
Darkside
(2016)
R$ 40,00



Quatro Dias de Rebelião
Joel Rufino dos Santos
Ftd
(1992)
R$ 5,00



Giselle a Amante do Inquisidor
Mônica de Castro; Mônica de Castro
Vida e Consciencia
(2007)
R$ 10,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês