Uma cidade bárbara | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/6/2004
Uma cidade bárbara
Daniela Sandler

+ de 3700 Acessos

Berlim é famosa, entre outras coisas, pelo mau-humor. No guia turístico Lonely Planet, a autora – uma alemã que adora a cidade – adverte em sua introdução que o serviço é ruim e as pessoas, em geral, antipáticas. Ela conta ainda que até mesmo o órgão oficial de turismo da cidade admite o problema, mas suas tentativas de resolvê-lo têm sido infrutíferas. O mau-humor não é dirigido especificamente a turistas ou estrangeiros. Aliás, ninguém deve se sentir atingido pessoalmente: o mau-humor é genérico e onipresente, como um estado natural dos berlinenses.

Pois Berlim inspirou um livro inteiro dedicado ao seu mau-humor. Escrito por cinco alemães de outras partes do país, que mudaram para Berlim a trabalho, o livro é composto de narrativas curtas sobre suas experiências na cidade. Desagradáveis, na maior parte dos casos. O título já dá uma idéia: Aqui fala Berlim: histórias de uma cidade bárbara. O “bárbara” é sem ironia, pois a palavra não tem a conotação positiva da nossa gíria. Quer dizer mesmo não-civilizado e rude.

Os autores desfiam relatos sobre taxistas irados, vendedores desdenhosos, sapateiros de má-vontade. Depois de uma temporada na cidade, é difícil discordar – ainda que a própria idéia de escrever um livro para reclamar dos berlinenses seja ela mesma um sinal de mau-humor. Eu mesma tenho incontáveis exemplos. Uma caixa de supermercado ralhou comigo porque eu coloquei a cesta de compras no lugar errado. Em altos brados, a fila inteira ouviu. Outra vez foi num restaurante, onde a comida demorou uma hora e meia para chegar. Como outros fregueses, desisti e decidi ir embora. A garçonete trouxe a conta da minha bebida antes mesmo que eu pedisse. Não se desculpou, pareceu aliviada, foi cuidar de outras mesas. Mas quando eu vestia meu casaco, a comida chegou. A garçonete voltou indignada e disparou: “Mas eu já tinha cancelado seu pedido, como é que você está comendo agora?!”. Tive de explicar a ela o propósito da minha visita ao restaurante: “Mas eu estou com fome!!!!”. Ela coroou o diálogo com um “Então coma!” tão raivoso que dois outros garçons e o gerente vieram se desculpar.

Tenho amigas que desistiram de ir à biblioteca, por medo de levar bronca. No registro de estrangeiros (onde, após a chegada ao país, os vistos de estadia são emitidos), algumas pessoas vão às lágrimas. Mas o cúmulo foi o dia em que tive de passar um fax para um órgão público. Como não tenho fax em casa, fui a uma loja de xerox que oferece o serviço. A mocinha me atendeu gentilmente e foi passar o fax. Discou, alguém atendeu, trocaram algumas frases, o número estava errado, depois de duas ou três tentativas o negócio funcionou. Eu já estava pagando, indo embora, quando ela solta a reclamação: “Eles foram muito grossos comigo no telefone!”. Uma berlinense reclamando do mau-humor berlinense! E para mim, como se eu fosse a responsável! “Sinto muito”, eu disse, meio sem graça, pois afinal eu não devia estar me desculpando de nada.

Grosseria histórica

A falta de educação é histórica: no século dezenove e começo do século vinte a cidade já tinha fama de bárbara. Explicações não faltam, ainda que também não expliquem muito. Alguns põem a culpa no passado militar de Berlim, cidade-caserna. A disciplina do exército, é claro, não é sinônimo de cortesia e gentileza. Para outros, a má-educação começou com a rápida industrialização e crescimento urbano, quando a cidade foi tomada por fábricas fumarentas, miséria, crimes e agitação política. Talvez o cotidiano duro e violento tenha forjado uma sensibilidade particular nos habitantes – uma sensibilidade calejada, por assim dizer. Contrastando com a sofisticação cultivada de Munique, por exemplo, os habitantes de Berlim teriam uma noção mais realista e pragmática das dificuldades da vida e da futilidade de firulas de etiqueta. Ou talvez o mau-humor tenha sido sempre, simplesmente, efeito dos ventos ríspidos e dias casmurros dos invernos longos...

Para os tempos mais recentes há novas explicações. A cidade foi castigada sucessivamente pela guerra, ocupação aliada e divisão – primeiro entre os quatro países aliados, depois entre Alemanha Oriental e Ocidental. O trauma e o sofrimento do Muro teriam feito de Berlim a cidade mais triste do mundo, segundo a filósofa norte-americana Susan Neiman. No lado Oeste, o sofrimento foi atenuado por subsídios econômicos – que fizeram de Berlim uma vitrine capitalista encravada no mundo comunista – e toda sorte de incentivos para seus habitantes. Ainda assim, a vida em Berlim Ocidental no pós-guerra nunca teve, por assim dizer, leveza de espírito. A vitalidade da contracultura jovem nos anos sessenta e setenta foi traduzida, sim, em comunidades hippies, mas também num movimento anarquista violento e negativo, simbolizado por barricadas e carros incendiados.

A vida noturna dos anos setenta e oitenta girava em torno de concertos punk, da música melancólica e depressiva de gente como Nick Cave, e do consumo de drogas, especialmente heroína. Sua narcose sorumbática e destrutiva foi simbolizada pelo livro e, depois, filme Eu, Christiane F., treze anos, drogada, prostituída.... O título folhetinesco em português não faz jus à dimensão urbana do livro, que destila a alma dura da cidade em conjuntos habitacionais gigantes, desertos de concreto e milhares de apartamentos empilhados; em esquinas cinzentas, banheiros sujos e os fundos da estação de trem onde a protagonista encontrava seus clientes e outros viciados. O título original, afinal, é “Nós, as crianças da estação Zôo” – a estação de trem, metrô e ônibus chamada Zoologischer Garten (Jardim Zoológico, no centro de Berlim Oeste), ou simplesmente “Zoo”.

Do outro lado do Muro, as coisas não eram muito mais alegres. A mesma melancolia, sem o lustro capitalista – ou seja, sem anúncios e vitrines coloridas, sem carros modernos ou confortos rotineiros. As ruas monumentais de Berlim Oriental estavam sempre livres, pois os carros eram poucos; as fachadas das casas eram enegrecidas, cinzentas da fumaça de carvão (usado para aquecimento), a pintura nunca renovada, muitas vezes desfolhando, mostrando tijolos, marcas de tiros da guerra, a alvenaria mordida nas quinas e terraços. A opressão do regime comunista, a espionagem da polícia secreta e as restrições da ditadura provocavam desencanto. Os que se encaixavam no sistema e na ideologia viviam também encaixotados em conjuntos habitacionais enormes, na periferia da cidade, cobiçados por terem aquecimento central e banheiro próprio. Os que não se adaptavam – antes que a revolução pacífica do fim dos anos oitenta tomasse corpo – viviam à margem do sistema, mas no centro da cidade, nos bairros históricos deteriorados, abandonados pelo governo.

Hedonismo e alegria

Mas essa tristeza toda, que teria roubado dos berlinenses a disposição para a gentileza cotidiana e a boa-vontade gratuita, deveria ter se dissipado com a euforia da queda do Muro e o otimismo da reunificação. De fato, a melancolia deu lugar a um hedonismo quase obsessivo, centrado na vida noturna e na diversão em clubes, cafés, bares e festas. Sair à noite é quase obrigação social – descobrir os melhores clubes, perseguir os DJs mais cotados, os eventos secretos e ilegais em espaços ocupados. Berlim é a cidade da “Love Parade”, uma espécie de carnaval tecno que acontece em julho. Mas, assim como euforia não significa felicidade, essa disposição desenfreada para a recreação não corresponde a uma atitude mais alegre e aberta. Segundo um amigo meu, a vida noturna acelerada explica o mau-humor: todo mundo estaria sempre de ressaca e com falta de sono.

Pode ser. Explicação, no sentido restrito da palavra, não há, ainda que seja divertido explorar os contextos culturais do mau-humor berlinense. E, para ser sincera, parte da diversão está também em cultivar o próprio mito do mau-humor, com o que este meu texto, admito, contribui. Pois é claro que, para todos os exemplos de berlinenses rudes, tenho tantos ou mais exemplos de berlinenses educados, sorridentes, solícitos e agradáveis. Mas que há algo nesta cidade que, com freqüência, nos faz emburrar e querer soltar um palavrão, isso há – eu mesma testemunho, surpeendendo em mim momentos de puro espírito berlinense. E, desta vez, não vou por a culpa do meu mau-humor no... mau-humor dos berlinenses ao meu redor!


Daniela Sandler
Berlim, 23/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
02. Bruta manutenção urbana de Elisa Andrade Buzzo
03. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
04. A Garota do Livro: uma resenha de Heloisa Pait
05. Ivanhoé de Gian Danton


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERAPIA DO CORPO
STEVE ILG
PAULUS
(1998)
R$ 5,00



OS SEGREDOS DO TEMPO
DR RAFAEL CANDEL VILA
FGV
(1975)
R$ 5,00



O BAIRRO DO BRÁS
MARIA CELESTINA TEIXEIRA MENDES TORRES
SECRETARIA DA EDUCAÇÃO
(1960)
R$ 14,97



HISTÓRIA DE UM CASAMENTO TRISTE, COLECÇÃO FANTÁSTICO VOL. 19
GOMES LEAL
ROLIM
(1985)
R$ 19,70



CARA! MEU BISAVO VIROU UM GATO!
DAN GREENBURG
ATICA
(1997)
R$ 10,00



A LONGA HISTÓRIA
REINALDO SANTOS NEVES
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 15,00



ARTES PLÁSTICAS - SEU MERCADO, SEUS LEILÕES
JULIO LOUZADA
DO ATOR
(1984)
R$ 50,00



HISTÓRIAS PARA AQUECER O CORAÇÃO DOS PAIS
JACK CANFIELD E OUTROS
SEXTANTE
(2005)
R$ 8,50



UMA SÓ CARNE - ONDINA FERREIRA (ROMANCE BRASILEIRO)
ONDINA FERREIRA
SARAIVA
(1969)
R$ 5,00



DORSALGIAS E SÍNDROMES CORRELATAS
CAIO VILLELA NUNES
ELEA CIÊNCIA
(1999)
R$ 14,80





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês