Bom esse negócio de Hit Parade | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS

Segunda-feira, 7/1/2002
Bom esse negócio de Hit Parade
Arcano9

+ de 5200 Acessos
+ 5 Comentário(s)


Londres respira música pop. Como no Brasil a mídia transborda com os talentosos artistas do axé baiano ou com os criativos pagodeiros dos morros do Rio de Janeiro, por aqui há uma verdadeira indústria da música de beats bem marcados, eletrônicos acordes, vozes afinadas, amplificadas e metamorfoseadas pelos pedais e softwares mais avançados. No Brasil, o pop mundial parece ecoar, apenas ecoar. Estarei errado? Antes de vir para cá, eu tinha uma idéia de que pop consistia apenas de uma antologia de grandes nomes - Madonna, Prince, George Michael. Em muitos casos, minha suprema ignorância me fazia confundir os canais e eu nem sabia definir o que era rock, pop ou simples bate-estaca de discoteca. (Aliás, um pequeno parênteses... não tive minha adolescência nos anos 70, mas ainda uso essa palavra, "discoteca". O que devo usar para ser aceito pelos mais descolados, hoje em dia? Clube? Casa noturna? Nightclub? Inferninho? Caverna?)

Minha ignorância foi exarcebada, é claro, pelo fato de eu gostar de um tipo de música que não é tão comum. Jazz tradicional não é, digamos, a coisa mais groovy do momento. E nem mesmo em New Orleans é, e isso faz tempo. Mas essa minha ligação com as cornetas e pistões certamente foi um elemento decisivo na formação desta minha concepção de que Madonna, Prince e George Michael produzem música sem espontaneidade, e se a música não tem espontaneidade, ela não expressa a verdadeira emoção no strings, e se é assim não é música, trata-se apenas de uma embalagem sonora sem graça e desprezível.

Mas, como dizia, Londres respira essa coisa desprezível. Coisa desprezível que tem ramificações vastas, na TV, no rádio, nos jornais. Até aí, nada de mais. Mas um belo dia, no meu trabalho, acharam que eu tinha cara de coringa. Sou jornalista de uma rádio daqui, trabalho basicamente com notícias internacionais, esses negócios agradáveis do tipo bomba em Jerusalém e aviões se chocando com prédios, que vocês tanto adoram acompanhar aí do Brasil. Mas um dia, vieram os chefes daqui e me surpreenderam. "Você gosta de cultura?", me perguntaram. Após minha resposta afirmativa, indagaram se eu queria substituir o produtor do segmento cultural da rádio durante suas férias. De novo, sim. Adoro desafios, afinal.

Minha primeira missão, algo realmente importante como imaginei a princípio, era fazer a tal da parada. E o que é essa parada, a parada? A tal da parada de sucessos. Chart, Hit Parade, Top Ten, Dez Mais, chame como quiser. A idéia é simples: acompanhar os singles que foram lançados nesta semana, pesquisar listas na Internet que indicam os mais vendidos, depois gravar uns 3 minutos de resumo sobre as músicas que são novidade na parada desta semana, mostrando um pouquinho do trabalho das bandas ou cantores responsáveis por elas para os ouvintes e explicando a história deles. Alguma pesquisa, uso da voz, música, pique. Enfim, interessante, interessante fingir que eu sou o Kid Vinil, pensei eu.

A parada de sucessos - algo que não existe no Brasil, ou pelo menos não é tão popularizado - é o que dá realmente sentido para o Pop por aqui. É a febre competitiva. É a força por trás de tudo. Nas lojas, nas ruas, todos comentam o grupo que está em primeiro na parada desta semana. O pessoal sabe quem é o número 1, é tão natural como seria em São Paulo saber o resultado do último jogo do Corinthians. Quando um músico que eles não gostam lança um single e não consegue ficar entre os 5 mais vendidos, há até comemoração. E há também torcida, propaganda boca-a-boca de fã para fã, campanha. Tudo isso, é claro, é proporcionado também pelas características do mercado por aqui. No Brasil, um grupo, para se lançar no mundo artístico, precisa arranjar grana, um bom padrinho (isso é importante: de preferência o Gugu, o Raul Gil ou o Faustão), criar um repertório razoável e lançar um álbum. Poucas são as gravadoras independentes - na maior parte dos casos, os músicos tem que ficar torcendo que um desses manda-chuvas da Polygram ou da BMG tenham simpatia por suas causas. Aqui, por outro lado, há os singles: são bem mais baratos de produzir e exigem menos trabalho - bastam duas boas canções. Também há trocentas gravadoras menores. E há sujeitos, muitos, que investem e conseguem criar um pequeno estúdio de gravação em suas casas.

Preparando minhas "paradas", semana após semana, curiosamente passei a entender a cultura do pop. E posso dizer que, ainda que aparentemente não exista uma verdadeira sinceridade na produção musical desses sujeitos da parada, é empolgante ver como eles se matam para chegar ao topo. É como se um campeonato inteiro fosse jogado em apenas sete dias, e no final, na segunda-feira, sempre surgisse um novo campeão. Às vezes, o campeão da semana anterior prevalece. Às vezes, um ilustre desconhecido, com um troço qualquer que por algum mistério conquistou a simpatia dos consumidores, bate monstros sagrados do show businness com os olhos vendados. Quando isso acontece, vai por mim, é hilário.

Nestes últimos meses, isso aconteceu duas vezes por aqui. Duas vezes... não sei se vocês no Brasil ouviram falar de um sujeito chamado Afroman(foto acima). Ele chegou ao topo da parada britânica em 21 de outubro com o single Because I got High. Because I got High é uma singela canção em que Afroman - com convincente autoridade - fala sobre as besteiras que fez e sobre as coisas importantes que deixou de fazer por ter fumado maconha demais. A melodia é monótona, a letra uma piada completa, um escracho. No video clip, aparece ele fumando um baseado gigantesco. Na mesma semana em que chegou ao topo, ele derrubou artistas do porte de Britney Spears. Um trechinho da letra genial de Afroman: I messed up my entire life because I got high/ I lost my kids and wife because I got high/ now I'm sleeping on the sidewalk and I know why/ because I got high /I messed up my entire life because I got high/ I lost my kids and wife because I got high/ now I'm sleeping on the sidewalk and I know why/ because I got high. Genial, brother.

Um outro exemplo - ainda mais ilustrativo. Daniel Bedingfield era um sujeito absolutamente desconhecido no cenário musical britânico até o início do mês passado, quando foi o campeão. Seu sucesso, Gotta Get Thru This, foi (pelo que informou a imprensa) todo gravado por ele próprio em sua casa, e lançado pelo selo independente Relentless. Depois do seu sucesso repentino, Bedingfield passou a ser o "procurado" das gravadoras. Esperamos todos que não seja um cara de um hit só na vida, como tem tantos por aí...

Além de permitir, via acaso, que sujeitos desconhecidos ou piadistas se tornem heróis por uma semana ou duas, o "sistema de paradas do pop britânico" (vamos chamar assim) também abre espaço para verdadeiras batalhas épicas, epopéias que estremecem os leitores dos tablóides e os DJ das rádios e discotecas. Veja o exemplo de Kylie Minogue. Pouco conhecida no Brasil (seus maiores sucessos por aí devem ter sido I Should Be so Lucky e Especially for You, de 1988), a loirinha australiana é uma pessoa bastante querida dos britânicos, graça ao seu sorriso e jeito meiguinho. Há muito tempo Kylie não lançava nada, não tinha sucesso. Havia até, enfim, aqueles que achavam que ela já era. Outra cantora que para muitos já estava enterrada é a ex-Spice Girl Victoria Beckham, a Posh Spice, que é titular absoluta das capas de revistas de fofoca por aqui mas, como cantora, sempre foi e continua sendo um grande nada (são os críticos daqui que falam, não eu). Pois é, olha que coincidência: as duas decidiram lançar trabalhos novos justamente na mesma semana, disputando juntinhas o topo da parada. A vitória não foi de Vitória: Kylie arrasou com Can't Get you Out of My Head, um hit poderosíssimo, coisa realmente assustadora, que até hoje continua sendo uma das canções mais executadas nas rádios. Não sei se fez sucesso por aí. Se não tiver feito, procure.

Que incrível, não? Eu, falando, empolgado, de Kylie Minogue e música pop. Sabe, depois de meu feliz mês fazendo paradas e acompanhando esse mundinho de perto, descobri que, de vez em quando, ainda consigo ficar surpreendido com o que esses músicos fazem. Acho que é tudo uma questão de gosto - se eu estou no clima de ouvir Jazz, ouço Jazz; se estou no clima de ouvir pop, ouço pop. O que me espanta e entristece, entretanto, é ainda não sentir vontade, nem de vez em quando, de ouvir o É o Tchan. Amaldiçoe-me! É, amigo, ainda aprendo a ser brasileiro de verdade...


Arcano9
Londres, 7/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 80 anos de Alfredo Zitarrosa de Celso A. Uequed Pitol
02. Planejamento de Daniel Bushatsky
03. Ideologias em forma de spam de Diogo Salles
04. Youtube, o mega-saldão de verão de Pilar Fazito
05. SOS: Mar Del Plata Urgente de Rennata Airoldi


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2002
01. It’s my shout - 18/3/2002
02. Bom esse negócio de Hit Parade - 7/1/2002
03. Sua empresa faz festa de Natal? - 27/12/2002
04. Quatro nomes para o êxtase britânico - 10/6/2002
05. Ganha-pão - 29/4/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/1/2002
18h52min
Achei interessante sua coluna! É bom saber como funciona a indústria inglesa de música pop. Por mais que o Pop seja simples, tenha uma estrutura montada de três a quatro partes, acho que é a forma mais democrática de se comunicar em música. As pessoas aprendem fácil a combinar três acordes, criar um refrão e se tornar "compositor". No aprendizado da expressão tem que haver um começo, não? Quando o Pop funciona como porta para a arte, o primeiro lapso de interesse pela arte que fará a criatura descobrir como é maravilhoso poder se expressar em notas ou belas harmonias, temos que valorizá-lo de alguma forma. Contra todo lixo enlatado, feito para produzir dinheiro e iludir a massa eu sou a favor do bom pop, aquele que busca informações de outros estilos, mesmo em um formato mais contemporâneo, com auxílio de samplers, por exemplo. Existe muita coisa boa, principalmente aí em Londres. Gosto de Portishead, Radiohead, Goldfrapp, DJ Shadow... foram descobertas que fui fazendo ao acaso e com atraso... Estas descobertas me fizeram buscar mais informações sobre música, me fizeram querer estudar música, a ouvir os estilos que não ouvia com outro senso crítico... Meu ouvido foi sendo apurado aos poucos, hoje escuto jazz, por exemplo, com um prazer muito aquém do de alguns anos atrás. O fato de qualquer um ter acesso e chance é interessante. O triste é a disputa por vaidades e interesses. O Brasil precisa de um bom pop, daqueles como de Cazuza, que escrevia bem e tinha ótimos parceiros como arranjadores. Só assim o povo pode ser reeducado musicalmente. Do contrário estaremos condenados a conviver com as mais variadas qualidades de "Tchans" e "Tigrão" ou outros tipos de oportunistas existentes. OBRIGADA E UM ABRAÇO!
[Leia outros Comentários de Patrícia Rocha]
8/3/2002
21h07min
Eu gostaria de receber, se possível, a letra completa da música, Because I Got High do Afroman. vlws.
[Leia outros Comentários de Leandro]
12/3/2002
3. Clip
17h30min
Onde eu posso arrumar o clip da música Because I Got High do Afroman ?
[Leia outros Comentários de Afonso]
29/3/2002
11h02min
Eu gostaria de receber a letra da música ''because I got high'' completa por e-mail se possivel achei o máximo!
[Leia outros Comentários de Vanessa]
30/3/2002
08h06min
Tentem o seguinte link: http://www.songlyrics.co.nz/lyrics/a/afroman/afroman_because_i_got_high.htm boa sorte!
[Leia outros Comentários de Arcano9]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POR QUE CONSTRUÍ BRASÍLIA
JUSCELINO KUBITSCHEK
BLOCH
(1975)
R$ 35,00



SUPER INTERESSANTE ED. ESPECIAL PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 90 ANOS - 9248
ROBERTO CIVITA
ABRIL
(1987)
R$ 28,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 29 SILVE SOUTE
DIVERSOS AUTORES
EDITORIAL ENCICLOPÉDICA
(1998)
R$ 45,00



BRANCO COMO O ARCO-ÍRIS
EDGARD TELLES RIBEIRO
COMPANHIA DAS LETRAS
(1998)
R$ 19,90
+ frete grátis



MESTRES DA PINTURA - EUGÈNE DELACROIX (1798-1863)
VICTOR CIVITA (EDITOR)
ABRIL
(1978)
R$ 8,00



VOCE PODE CURAR SUA VIDA: COMO DESPERTAR IDEIAS POSITIVAS...
LOUISE L. HAY
BEST SELLER/ SP.
R$ 51,90



RECEITAS PARA FICAR DOENTE
DR. MARCIO BONTEMPO
HEMUS
R$ 7,70



THE DESK REFERENCE LIBRARY - 3 VOLS.
THE TIME
TIME
(1978)
R$ 25,82



HISTORIA UNIVERSAL VII
H. G. WELLS
CIA ED NACIONAL
R$ 5,00



TRAJETÓRIAS OPOSTAS - COLEÇÃO BRASIL 500 ANOS
PEDRO JOSIAS DE OLIVEIRA
PLURARTS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês