A literatura do desgosto | Gabriela Vargas | Digestivo Cultural

busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evento de reinauguração da Praça do Centro de Convenções da Unicamp
>>> Oficina Som Entre Fronteiras está com inscrições abertas
>>> Projeto “Curtas de Animação” com estudantes da zona rural de Valinhos/SP
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Discurso de William Faulkner
>>> Os Incríveis
>>> Erik Satie
>>> Ronnie James Dio em 1983
>>> O Leão e o Unicórnio
>>> O outro Carpeaux
>>> Something that grows
>>> Façam suas apostas
>>> Tempo de aspargos
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
Mais Recentes
>>> Abarat de Clive Barker pela Companhia das Letras (2003)
>>> A Nova Classe no Poder de J. H. Dacanal pela Autor (1999)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Paixão de Cristo - Paixão do Mundo de Leonardo Boff pela Vozes (2003)
>>> Antes de Voce Dormir de Linn Ullmann pela Rocco (2000)
>>> Curso de Direito Civil Parte Geral de Washington de Barros Monteiro pela Saraiva (1981)
>>> Painter 6 de Ligia Bugay e Nataska Bugay pela Visual Books (2000)
>>> Gerenciamento de Projetos: o Processo Gerencial 4e de Clifford F. Gray pela Mcgraw-hill (2009)
>>> Fora de Mim de Martha Medeiros pela Objetiva
>>> Ecumenismo para o Século Xxi: Subsidios Teológicos para a Vocação... de Alessandro Rocha (org.) pela Fonte (2011)
>>> A Vida de Francisco - o Papa do Povo de Evangelina Himitian pela Objetiva (2013)
>>> Negro: Reconstruindo Nossa História de Nancy Caruso Ventura pela Noovha América (2009)
>>> A Arte do Rock - Imagens Que Marcaram a era Clássica do Rock de Paul Grushkin pela Nacional (2011)
>>> O Mendigo e o Milionário - um Intrigante Conto Filosófico de Benoit Saint Girons pela Vozes (2009)
>>> Lúbia de Hyarbas Olavo Ferreira pela Jayssém (1985)
>>> Pacto de Sangue de Fanny Abramovich pela Vaga Lume (2000)
>>> Contos Bruxólicos de Inês Carmelita Lohn pela Pistis (2014)
>>> A Sociedade do S de Susan Hubbard pela Novo Século (2010)
>>> O Diário (nem Sempre) Secreto de Pedro de Telma Guimarães Castro Andrade; Paulo Tenente pela Atual (2004)
>>> Pai Rico Pai Pobre: o Que os Ricos Ensinam a Seus Filhos Sobre Dinheir de Robert T. Kiyosaki pela Alta Books (2017)
>>> Sir Richard Francis Burton: o Agente Secreto Que Fiz a Peregrinação... de Edward Rice pela Companhia das Letras (1991)
>>> O Milagre de Cada Dia de Giselda Laporta Nicolelis pela Scipione (1990)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Matemática Financeira: Teoria e 700 Questões 5ª Edição... de Benjamin Cesar pela Impetus (2004)
>>> Mãe, Você Não Tá Entendendo... de Heloisa Perisse Tiza Lobo pela Objetiva (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 9/10/2008
A literatura do desgosto
Gabriela Vargas

+ de 7700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Muitos escritores são bons. Alguns escritores são realmente bons. Poucos conseguem ultrapassar as barreiras nacionais para tornarem-se mundialmente conhecidos. Podem ser contados nos dedos os escritores que são tão amados e odiados como Michel Houellebecq.

Ao pôr fim à difícil situação em que a literatura francesa se encontrava há mais de quarenta anos, restrita apenas a região, ele abriu as fronteiras não apenas da França, mas também do continente europeu, com o seu primeiro romance. Extensão do domínio da luta (Sulina, 2002, 142 págs.) foi lançado em 1994 pela editora Maurice Nadeau e traduzido para o português por Juremir Machado da Silva pela Editora Sulina, em 2002.

Após esse livro, Houellebecq lançou outros tantos que causaram polêmica e fizeram sucesso, como Partículas Elementares, que o tornou multimilionário com a recente adaptação para o cinema. O longa-metragem foi dirigido por Oskar Roehler e, naturalmente, chegou aos cinemas do Brasil com dois anos de atraso.

O escritor francês adquiriu notoriedade e respeito na área da literatura ao ser comparado a grandes escritores. Seu texto duro, pesado, cru, sem grandes variações lingüísticas muito lembra Jean-Paul Sartre. Alguns críticos freqüentemente comparam-no a Balzac e Schopenhauer.

Em Extensão do domínio da luta, de apenas 142 páginas, o leitor tem a impressão de morrer progressivamente, primeiro levando bofetadas e depois cuspindo sangue. O personagem principal é um jovem analista de programas de uma empresa de informática que narra sua vida, desde a primeira página, com uma voraz descrença no mundo. Alguns traços autobiográficos são notáveis. O narrador sofre pela separação ocorrida há algum tempo com Verónique. Michel Houellebecq entrou em depressão após o término do seu casamento. Seguindo mais ou menos por essa linha, o narrador-personagem vai se perdendo. Primeiro, é o carro. Ele esquece onde estacionou e desiste de procurar. Depois, são meses viajando a trabalho e, durante esse meio tempo, cresce a depressão profunda e destrutiva.

O próprio autor considera o seu romance a aprendizagem do desgosto. Pelos pensamentos e narrativa do personagem, nota-se o total desencanto com a humanidade e o desespero de uma pessoa que não vê mais razão na vida, apenas um vazio. Em certos momentos vem à cabeça o grande filósofo Nietzsche e o seu niilismo, em que não se tem valorização no sentido e muito menos presença de finalidade.

Em meio ao conflito existencial-social do narrador, ele escreve bestiários, gênero improvisado pelo próprio, o que era, originalmente, na Idade Média, um catálogo escrito por monges sobre os animais. "O bestiário é um gênero literário como qualquer outro, talvez até superior aos outros. Seja como for, escrevo bestiários". Através das vielas alternativas da arte ele consegue sentir prazer na vida transformando-se num indivíduo livre e solitário, o que diminui a sensação do vazio proporcionada pela sociedade contemporânea homogeneizada, a qual ele se refere com duras críticas.

"Debaixo dos nossos olhos, o mundo se uniformiza; os meios de comunicação avançam; o interior dos apartamentos se enriquece de novos equipamentos. As relações humanas tornam-se progressivamente impossíveis, o que reduz, na mesma proporção, a quantidade de peripécias de que se compõe uma vida. E, aos poucos, o rosto da morte aparece, em todo o seu esplendor. O terceiro milênio mostra a sua cara".

Uma questão extremamente relevante no livro é a teoria que o personagem cria com a relação entre a hierarquia financeira e a hierarquia sexual.

"Em nossas sociedades o sexo representa, clara e abertamente, um segundo sistema de diferenciação, completamente independente do dinheiro; e se comporta como um sistema de diferenciação no mínimo tão impiedoso quanto o outro [...] Num sistema econômico totalmente liberal, alguns acumulam fortunas consideráveis; outros chafurdam no desemprego e na miséria. Num sistema sexual totalmente liberal, alguns têm a vida erótica variada e excitante, enquanto os outros estão reduzidos à masturbação e à solidão. O liberalismo é a extensão do domínio da luta."

Nesse momento o leitor pára e tenta refletir, meio atordoado. Houellebecq escreve verdades cortantes, mas mesmo assim continua-se lendo, à espera do próximo corte. É como se o texto tão limpo e cruel causasse dependência. O seu estilo, único, pode levar a uma leitura positiva. Como assim? Ele é o pessimismo em pessoa, realmente... Porém, através de uma explicação niilista, essa crítica à sociedade, que a revela sem escrúpulos e mostra os indivíduos sem um real fundamento dentro da mesma, pode servir para incentivar a nossa responsabilidade e liberdade. Agora, se o leitor entender o livro em sua forma mais simples e brutal, no aniquilamento de todos os valores, declínio constante e perda de sentido na vida, creio que seja melhor não ler nem a primeira página.

Michel Houellebecq é um escritor complicado. Nem os que admiram sua literatura são capazes de compreendê-la. Muitos o odeiam exatamente por essa razão, outros pelas freqüentes polêmicas que ele causa na imprensa. Mas todos terão de reconhecer que somente um bom escritor poderia gerar tanta controvérsia a nível mundial e que com idade relativamente jovem, 52 anos, o autor de Extensão do domínio da luta é um fenômeno.

Para ir além






Gabriela Vargas
Porto Alegre, 9/10/2008


Mais Gabriela Vargas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/10/2008
15h44min
Dez razões para se ler um livro deprimente:
1 - O leitor infeliz se identifica com o escritor infeliz.
2 - O leitor vê que sempre há alguém mais infeliz que ele.
3 - O leitor nota que, embora infeliz, é inteligente, porque o livro é considerado difícil (na verdade, difícil de agüentar).
4 - O leitor se acha muito humano, por sentir a dor do mundo.
5 - O leitor sente inebriado pela auto-piedade.
6 - O leitor sai dizendo que leu um livro para poucos e se considera um eleito.
7 - Se o livro tiver qualidade, acentuam-se as vantagens acima.
8 - Se o livro não tiver qualidade, o livro vira cult, o leitor vira fã e abre um fã clube.
9 - O leitor aprende outra língua, para ler no original.
10 - O escritor fica feliz com seus leitores, embora tenha que forçar o tom depressivo em suas obras pelo resto da vida.
[Leia outros Comentários de mauro judice]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Prosperidade Profissional 5ªed(1998)
Luiz Antonio Gasparetto
Vida e Consciência
(1998)



O Novo Posicionamento (1996)
Trout Jackrivkin Steve
Makron Books
(1996)



Como Empreender Com Equilíbrio Financeiro
Reinaldo Domingos
Dsop
(2012)



Charlie Brown e Sua Turma / 1ª Ed
Charles M. Schulz; Eduardo Brandão / Capa Dura
Companhia das Letrinhas
(2016)



Pequeno Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa
Jefferson L. Alves / Outros
Global
(2011)



Os Fundamentos Históricos da Pedagogia Espírita
Pinheiro Martins
leon denis
(2006)



Passageiro para Frankfurt
Agatha Christie
Nova Fronteira
(2005)



Um Mundo Transparente
Morris West
Record
(1983)



Transcomunicação Instrumental Espiritismo e Ciência
Sonia Rinaldi
DPL
(2000)



A Cidade dos Bebês (2001)
Jane Green
Record
(2001)





busca | avançada
64744 visitas/dia
1,7 milhão/mês