A descida aos subterrâneos do humano | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O historiador das idéias
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
Mais Recentes
>>> Mistérios Divinos de Neil Gaiman e P. Craig Russel pela Devir (2006)
>>> HQ A Lenda do Batman - Batman e Filho de Bob Kane e Bill Finger pela Eaglemoss Collections (2017)
>>> Metade é Verdade, o Resto é Invenção de Pedro Antônio de Oliveira pela Formato (2007)
>>> HQ Os X-Men - Ameaça do Fanático! e A Origem do Professor X de Biblioteca Histórica Marvel vol. 2 pela Panini Books (2022)
>>> HQ O Espetacular Homem-Aranha - De Volta Ao lar de A Col. Oficial de Graphic Novels 21 pela Salvat (2013)
>>> Hq Homem-Aranha - O Nascimento de Venom de A Col. Definitiva Marvel 18 pela Salvat (2017)
>>> HQ Homem-Aranha - Inferno de A Col. Definitiva Marvel 28 pela Salvat (2018)
>>> HQ Os Novos Titãs - A Origem de Lilith de Marv Wolfman - José Luis pela Panini Comics (2019)
>>> HQ Homem-Aranha - O Rapto de Mary Jane de Col. Definitiva Marvel 24 pela Salvat (2018)
>>> HQ A Mulher Invisível - Os Heróis Mais Poderosos da Marvel 16 de Marvel comics pela Salvat (2015)
>>> Para Tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/11/2006
A descida aos subterrâneos do humano
Guilherme Conte

+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

É incomum que o público tenha a chance de assistir um espetáculo com a força deste Toda nudez será castigada trazido pela Armazém Companhia de Teatro. Não é com outro sentimento que não admiração que se vê um trabalho de tamanha consistência - prova da maturidade de um grupo coeso sob a batuta de um diretor que já deu várias provas de sua competência, Paulo de Moraes.

Montado à exaustão, o brilhante texto de Nelson Rodrigues (1912-1980) ganha uma roupagem ousada, extremamente original. Não se poderia esperar outra coisa do grupo, que já brindou o público com espetáculos que já marcaram seu lugar na história do teatro brasileiro contemporâneo, como Alice através do espelho (1999) e Pessoas invisíveis (2002).

Formada em Curitiba no ano de 1987 e radicada no Rio de Janeiro desde 1998, a companhia se pautou principalmente pela busca de uma dramaturgia própria. A identidade alcançada por essa postura traz a segurança evidenciada nessa montagem de Toda nudez será castigada.

O início é absolutamente alucinante. O mergulho radical e violento joga o espectador fundo na poltrona e sinaliza que o que se segue é um percurso nada agradável por uma história que gradativamente ganha ares de pesadelo. E a expectativa não é frustrada. O subtítulo que Nelson atribui ao texto - "Obsessão em três atos" - é construído com precisão pelo grupo.

Classificada como uma de suas "tragédias cariocas", Toda nudez... coloca em questão um dos temas caros ao dramaturgo, o puritanismo. Conta a história de Herculano, um viúvo que reprime seus desejos em nome de uma castidade inflexível. É um homem devastado e sem perspectivas, que passa os dias chorando a morte da esposa.

A conselho de seu irmão Patrício, Herculano dirige-se embriagado ao bordel onde trabalha a prostituta Geni. Ela se apaixona instantaneamente por ele, que se entrega a ela no decorrer da história. O enlace entre os dois acarreta em uma sucessão de acontecimentos que desemboca em um desfecho trágico.

Os falsos moralismos, as hipocrisias e a força inexorável dos instintos humanos explodem a olhos vistos. Nelson conduz o fio narrativo com maestria: a história começa em um cenário caótico e descamba em um final violento e desolado. Não há um respiro; o espectro da tragédia ronda cada gesto, cada palavra.

Nesse verdadeiro campo de batalha transitam tias solteironas em luto perpétuo, um filho desequilibrado, médicos, padres, delegados. O olhar ácido sobre as pequenezas do ser humano é implacável. Toda nudez é um monumento ao que o homem tem de animal por baixo das máscaras sociais. E o resultado não é nada redentor; ao contrário, é um retrato imposto goela abaixo tal qual um purgante amargo.

Este é um ponto em que reside uma diferença vital entre Toda nudez e as grandes tragédias shakespereanas. Otelo é um general grandioso, um herói clássico que comete uma falha trágica que sela seu destino e dá início à série de catástrofes que se impõem sobre ele. Herculano, por outro lado, nada tem de herói. É um fraco, um homem incapaz de lidar com o turbilhão de contradições que carrega dentro de si. Mais humano, talvez.

Seu irmão Patrício, por sua vez, é um antagonista na acepção mais ortodoxa do termo. Movido pela vingança, trava uma marcha inabalável rumo à queda de Herculano. E faz tudo o que tem a seu alcance para que esta queda seja a mais dolorosa e humilhante possível. Hábil manipulador, joga com todo o entorno para que tudo siga conforme seus sórdidos desígnios.

E Geni é a prostituta que luta contra sua própria natureza em nome da ilusão de uma mudança de vida ao lado de seu amor. Sua queda, não menos cruel, ganha forma na medida em que o mundo construído por Herculano começa a ruir. Também cega por seus sentimentos, entrega-se aos tortuosos caminhos do pesadelo rodriguiano e termina suicidando-se.

A trama é carregada da ironia e do humor cáustico próprios do dramaturgo. Momentos como os dilemas patéticos de Herculano, a hipocrisia das tias na cerimônia de casamento ou o tragicômico ladrão boliviano arrancam de uma platéia por vezes atônita (o texto surpreende) um riso ora nervoso ora constrangido, indigesto.

O subtítulo não poderia ser mais apropriado. São todos obssessivos: Herculano pela mulher e depois por Geni, essa pela perspectiva de uma vida diferente, Patrício por vingança, o filho Serginho pela falecida mãe, as tias pela moral e pelo recato. É um desfile de personagens que bem podiam ter saído do divã mais próximo.

A concepção de Paulo de Moraes é inovadora sem que a fidelidade a esse universo seja comprometida. Ao contrário: a tradução é acuradíssima. A começar pelo cenário, etéreo, esfumaçado, quase sobrenatural. A profusão de efeitos visuais é impressionante. Paulo, diretor com "D" maiúsculo, é inegavelmente um visionário; o que depõe contra a montagem é justamente o excesso de efeitos, que termina por, em alguns momentos, dispersar a atenção para com o texto.

A dupla de protagonistas - Thales Coutinho como Herculano e Patrícia Selonk como Geni - dá conta de intrincados papéis com precisão e sensibilidade. A honestidade dessas interpretações é vital para a grandeza da montagem. Fabiano Medeiros constrói um Patrício que é um verdadeiro calhorda, transbordando de ódio e sordidez.

O resto do elenco cumpre, com exceções pontuais, as exigências do texto. A reserva mais séria fica por conta do papel do filho Serginho, interpretado por Sérgio Medeiros. Esse controverso e curioso personagem, um filho que aparece como um problemático e torna-se peça-chave chave no enredo, cheio de nuances, fica resumido aqui a um tipo afeminado e arredio.

Tem-se, em resumo, uma montagem de alto nível para um dos textos fundamentais da dramaturgia nacional. Ainda bem que temos Nelson Rodrigues e o Armazém para que possamos ter nossas contradições expostas com tamanha eficácia e, por que não, beleza. O espetáculo pode não ser redentor; nem deveria sê-lo. Mas que é transformador, isso é um fato inquestionável.

Para ir além
Toda nudez será castigada - Centro Cultural São Paulo - Sala Jardel Filho - Rua Vergueiro, 1.000 - Liberdade - Tel. (11) 3383-3402 - R$ 12 - Quarta a sábado, 21h, domingo, 20h - 110 min. - Até 12/11.


Guilherme Conte
São Paulo, 10/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão de Elisa Andrade Buzzo
02. Freud explica de Renato Alessandro dos Santos
03. Em defesa da arte urbana nos muros de Fabio Gomes
04. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
05. Liberdade de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
02. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
03. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2006
1. Argh
03h18min
Conheci um sujeito, nos tempos de colégio, que era intensamente atraído por todo tipo de escatologia. Da meleca ao peido, passando pela bosta e outras tantas - não preciso mencionar todas as palavras, todo mundo já entendeu - ele era fissurado nesses assuntos. Sabia um sem número de piadas, as mais escabrosas e não vacilava em contar. As meninas fugiam dele; invariavelmente ele comentava que elas também defecavam, etc. A gente, meio safadamente, tolerava um pouco o cara, mas ele nos entristecia mais do que nos divertia e, principalmente, cansava. Pela repetição, pela patente infantilidade. Era evidente que o cara tinha um problema. Acabou escorraçado. A simples presença já incomodava. Um professorzinho, meio suburbano, tentou sua defesa, dizendo que ele colocava em xeque nossa mentalidade pequeno-burguesa. A gente riu; a piada foi boa. Agora: quando leio (ou leio sobre) Nelson Rodrigues, acho que eu estou voltando no tempo. Argh.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Embaixador
Morris West
Record
(1965)



Paula de São Paulo 6ªedição (1997)
Mariângela Bueno, Sonia Dreyfruss
Callis
(1997)



Angel
Roberto Shinyashiki
Gente
(1993)



Eu Fico Loko 1
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Paginas
(2015)



Manual de Tributos da Atividade Rural
Pedro Einstein dos Santos Anceles
Atlas
(2002)



O Homem Mais Rico da Babilônia
George S Clason
Harper Collins
(2019)



Ler, Viver e Amar
Jennifer Kaufman
Casa da Palavra
(2011)



O Corcunda de Notre-dame série Reencontro
Victor Hugo (adaptação José Angeli)
Scipione
(2002)



Desenvolvimento e Mudança Social: Formação da Sociedade(1978)
Juarez Rubens Brandão Lopes
Scielo - Centro Edelstein
(1978)



Dizimo e Oferta na Comunidade
Antoninho Tatto
O Recado
(1983)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês