Mais uma crise no jornalismo brasileiro | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 3/9/2015
Mais uma crise no jornalismo brasileiro
Julio Daio Borges

+ de 3000 Acessos

"Passaralho" no Globo. 400 demitidos. Li as publicações do Pedro Doria, da Manya Millen (e da filha dela), do Marcelo Melo (onde o Eduardo Fleury me pediu comentários), da Lucia Guimarães e da Renata D'Elia. Sei que há muitas outras. Mas já bastaram para me levar a dizer o que penso.

Elaborei a uma lista de dez pontos que vou tentar discutir ao longo do texto (senta que lá vem "textão"): O que vai acontecer com as publicações? E com os jornalistas? O que vai acontecer com a audiência (vai sobrar alguma)? Alguém voltará a *pagar* por informação? (Se sim, por qual *tipo* de informação?) Quais as consequências disso para o (bom) jornalismo? A informação de qualidade vai "morrer"? (Se não, por quê?) Adianta remar contra a maré? Conselhos para quem quer começar. Conselhos para quem quer *sobreviver*. Até que ponto minhas opiniões são "neutras"...

Começo pelo final: minhas opiniões *não são* neutras. Eu sou um filho bastardo do jornalismo com a internet. Então sempre vou defender a internet. Tanto quanto vou tentar defender o jornalismo em que eu acredito. Se você é radicalmente contra a internet - acha que ela é a "o mal" -, pode parar de ler por aqui.

Agora justifico minha defesa da internet: eu não existiria sem a internet. Meu jornalismo não existiria sem a internet. E o Digestivo Cultural, por óbvio, não existiria sem a internet.

Será que nós ajudamos a "matar" os cadernos culturais, por sermos "internet"? Eu acho que não. Eu acho que levamos a cultura mais longe. A mais pessoas. Revelamos "gente nova". Fortalecemos nomes já consagrados. Não consigo ver nenhum mal nisso...

Claro que não conseguimos resolver os "problemas estruturais" do jornalismo (brasileiro). Mas não acredito que esse seja o nosso papel (resolver). Já que está na moda se meter nessa discussão: o Uber não vem para resolver "o problema" dos taxistas. Também não vem para, intencionalmente, criar mais problemas para eles. Acontece que ninguém detém a marcha do progresso. Se tem alguém que paga - ou: se a conta fecha -, o negócio vai pra frente. Se não tem, ou se tem cada vez menos, esse negócio vai ter problemas. O jornalismo, também, sobreviveu desse jeito. Porque fazia sentido para muita gente. Enquanto fizer sentido...

Vale uma crítica aos jornalistas: deixem de ser egocêntricos. Parem de pensar só em vocês. É óbvio que a crise atinge vocês, pessoalmente. Mas não acho que alguém que opta por ler uma notícia "de graça" na internet o faz, deliberadamente, para prejudicar algum jornalista.

Quando eu topo com um "paywall" que não me deixa ler, e que me obriga a me cadastrar (ou, pior, a pagar), não acho que isso está resolvendo "o problema" do jornalismo. Acho que, pelo contrário, está gerando antipatia. Se me disserem que "se não pagar, jornalistas vão ficar sem emprego", não acho que isso vá me comover. O leitor - o consumidor de notícias - precisa de outro tipo de sedução para abrir a carteira. Não é instalando catracas, e pedágios, que as empresas de mídia vão sobreviver.

Outra coisa: vocês, jornalistas, foram avisados de que o fim estava próximo. Estamos nesta discussão desde 2006, pelo menos. (Quando saiu aquele livro prevendo o fim dos jornais impressos em 2043. Hoje eu acho que o autor foi otimista.) A maioria dos jornalistas, do Brasil, fingiu que não ouviu. Quis tapar o sol com a peneira. Agora não se façam de vítimas...

Por que eu já achava que não ia haver futuro (desde 2006, ou antes)? Porque as pessoas - o público - não paga(m) mais por notícias. Está no DNA da internet, ou da Web, ou do copy&paste do PC. Mas não é "culpa" da tecnologia. Quem colocou as notícias - de graça -, no começo da Web, foram as empresas de mídia! E os jornalistas...

Todo mundo apostou que a publicidade on-line pagaria a conta. O Digestivo, inclusive. Só que ninguém contava que as pessoas - e as empresas - fossem anunciar diretamente no Google. Ou no Facebook. Além de ser mais barato, é mais eficiente. No mundo da tecnologia, quem domina são as empresas de tecnologia. E, não, as outras...

OK, não deu certo com a publicidade, podemos voltar atrás e começar a cobrar dos leitores (dos internautas)? Não dá mais. Se eu trombo num paywall agora, sabe o que eu faço? Eu tento em outro navegador. Se não dá, eu tento em outra máquina. Eu procuro no Google. Eu procuro em algum blog. A verdade é que, em 99% dos casos, eu encontro. (OK, eu entro com login e senha no site da Folha. Mas porque eu tenho e-mail do UOL. E porque eu *pago* pelo UOL. Mas, pelo UOL - e, não, pela Folha. No mundo da tecnologia... quem domina mesmo?)

Estou errado? Sou corrupto? Não acho que sou. Talvez não esteja certo... Mas ontem mesmo: a professora Eliana Cardoso compartilhou um link do Valor Econômico. Eu não consegui acessar o texto (o paywall do Valor é quase intransponível). Tentei blogs. Tentei Google. Isso aconteceu pela manhã... À tarde, quando eu já havia esquecido, o texto ressurgiu, copiado & colado na "postagem" de um eminente pensador brasileiro. Um comentarista político dos que eu mais admiro. Colaborador de jornais, inclusive. Ele está errado? Ele é corrupto? Não! Só faz o que todo mundo sempre fez. (Os paywalls não têm a simpatia de ninguém...)

O que eu acho que as empresas de mídia deveriam fazer: deveriam desenvolver seu DNA em tecnologia. Como? Refundando a empresa? Talvez... Ou *fundando* uma empresa nova! Como o UOL. Como a Folha fez... Hoje o UOL vale mais do que a Folha. Mas não existiria sem ela! O Estadão não fez o que a Folha fez. (Não existe o UOL do Estadão.) Olha o resultado... Mas a Globo não fez - como a Folha -, e o Globo não está demitindo mesmo assim? Eu não conheço o caso específico deles. Mas sei que a TV Globo sustentou as Organizações Globo por muito tempo. Antes de se pensar em internet, o Grupo Globo investiu na tecnologia que existia na época: a TV. Eles vão sobreviver na internet, por causa da TV? Não sei. São outros tempos...

E os profissionais, e os jornalistas - o que devem fazer? Devem se reinventar. Ou mudar de profissão. Mas tomando a tecnologia como base. Se não houver sustentação tecnológica por trás, nada vai sobreviver. O conteúdo vem depois. Aceite enquanto é tempo. Sem tecnologia por trás, o melhor conteúdo morre inédito. Vemos isso, aqui, todos os dias. Quem não sabe distribuir conteúdo, não aparece - não existe.

Se você odeia tecnologia, se você passa o dia inteiro falando mal dela, não vejo muito futuro para você. Não no jornalismo. Na era da televisão, os jornalistas se reinventaram. Muitos foram para a TV. Muitos se consagraram nela. Quem demonizou a TV não sobreviveu? Sobreviveu, também, mas perdeu espaço. Ganhou menos. Perdeu valor de mercado. É fato. Não tem a ver com gostar ou não de TV. Mesma coisa com internet.

O conteúdo de qualidade vai sobreviver? Vai. Justamente porque não é mais "monopólio" dos jornalistas. E os jornalistas vão ter de lidar com isso. Acontece em muitas outras profissões também. O pessoal do Porta dos Fundos é menos talentoso do que o pessoal da TV Pirata? Não acho que seja (menos). Talvez dure menos. (Não há uma "Globo" por trás...) Mas talvez ganhem mais dinheiro. Talvez realizem outros empreendimentos. Essa história toda é muito recente para a gente saber com certeza...

Falei das empresas, falei dos profissionais, falei do conteúdo. E os veículos, o que vai acontecer com eles? "Você viu o que aconteceu com o Prosa & Verso?" Eu vi, mas eu não acho que o Rascunho, do Rogério Pereira, seja menos importante, para a literatura brasileira, do que o Prosa & Verso. "Ah, mas o Rascunho não é internet, é papel!". Mas o Rogério pensa como um empreendedor de internet. O Rascunho nasceu dentro de um jornal, como o Prosa & Verso nasceu. Só que encontrou sua sobrevivência fora dele, como empresa independente. E o Rascunho fez 15 anos... É um exemplo!

E o leitor desamparado, como vai sobreviver? Vai ter de se virar sozinho. Correr atrás. Organizar suas leituras, suas buscas por conteúdo. É confuso, é desorganizado, é atordoante. Eu sei, eu passo por isso todos os dias. Mas não tem outro jeito. É o preço que se paga por todo mundo poder publicar livremente. Você preferia antes, quando meia dúzia publicava e o resto só podia ler e, no máximo, enviar "cartas à redação"? Se preferia, talvez não estivéssemos aqui, neste momento.

Como eu faço no Digestivo? O fim dos jornais foi decretado em 2006 e, não por mera coincidência, eu fui mexer com e-commerce em 2007. Igualmente foi um ciclo que se esgotou, para mim, em 2014 (o e-commerce). Só que estou desenvolvendo projetos *a partir do Digestivo*. Como os Blogs. Como o marketplace do Digestivo Cultural (o Portal dos Livreiros). Se eu ficasse preso ao modelo de publicidade, já teria "morrido" faz tempo.

O fato é que ninguém paga, diretamente, pelo conteúdo que eu produzo, quase todos os dias. Mas, indiretamente, meus projetos me pagam, sim. Eu não vou deixar de produzir porque não tem alguém me pagando, regiamente, por isso. Eu já "nasci" e "cresci" neste mundo. Se tiver alguma coisa a dizer, eu vou dizer. Até pelo *prazer* de dizer. Acho que isso vale muito. Vocês não acham?

Para ir além
Compartilhar


Julio Daio Borges
São Paulo, 3/9/2015


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2015
01. Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos - 25/5/2015
02. Regras de civilidade (ou de civilização) - 21/9/2015
03. Man in the Arena 100 (e uma história do Gemp) - 30/11/2015
04. Como Steve Jobs se tornou Steve Jobs - 4/11/2015
05. 10 coisas que a Mamãe me ensinou - 10/5/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês