Lourival, Dorival, assim como você e eu | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> OSC Usina da Imaginação, de SC, apresenta obras de crianças e jovens produzidas na pandemia
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O lado A e o lado B de Durval Discos
>>> Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi
>>> Açaí com jabá - curta-metragem
>>> End User: We read the manuals
>>> Vivo
>>> Águas de Março
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
Mais Recentes
>>> Tex Nº 247 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Os gansos selvagens de Bassan de Anne Hébert pela Guanabara (1986)
>>> Tex Nº 244 de G. L. Bonelli pela Globo (1990)
>>> Deixemos falar o vento de Juan Carlos Onetti pela Francisco Alves (1981)
>>> Tex Coleção Nº 125 de G. L. Bonelli pela Globo (1997)
>>> Tex Nº 303 de G. L. Bonelli pela Globo (1994)
>>> Tex Coleção Nº 33 de G. L. Bonelli pela Globo (1989)
>>> A Sutil Arte de Ligar o Foda-se de Mark Manson pela Intrinseca (2017)
>>> Desenho Mecânico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> Desenho Técnico de José Oliveira, Luiz Fiorani, Luiz Junior e Luiz Bonasi pela Tetra
>>> História da gastronomia paulista de História da gastronomia paulista pela Sem
>>> Resgate de um cão de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> O resgate do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2012)
>>> Small G de Patricia Highsmith pela Mandarim (1996)
>>> As Brumas de Avalon - A Grande Rainha - livro 2 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O amor não tem limites de Amadeu Ribeiro pela Vida & Consciência (2013)
>>> Fabulosos X-Men: Revolução de Brian Michael Bendis pela Panini Comics (2015)
>>> As Brumas de Avalon - A Senhora da Magia - livro 1 de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1989)
>>> O diário de Edith de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1989)
>>> Desperta ao amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> O grito da coruja de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1988)
>>> A maldição do tigre de Colleen Houck pela Arqueiro (2011)
>>> Cela de vidro de Patricia Highsmith pela Brasiliense (1990)
>>> Thor: Em Nome do Pai de J. Michael Straczynski pela Panini Comics (2012)
>>> O manual do bruxo de Allan Zola Kronzek pela Sextante (2003)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/8/2021
Lourival, Dorival, assim como você e eu
Elisa Andrade Buzzo

+ de 1200 Acessos

Ai, esses altos, esses baixos, essas ruas do bairro em que andávamos, e onde nunca nos encontrávamos, se tudo é uma mesma coisa, um mesmo conjunto contundente e severo de morros que, ora subimos, ora descemos, em montanha-russa adulta. Se a dor nos aflige, para em seguida alcançarmos breves louros, cuja coroa se desfolha em nossas cabeças recém-coroadas, e voltarmos a ser dolorosos e aflitos. E é aí, nessa transubstanciação de vitória em derrota, de derrota em vitória que nos espelhamos, nesta sala mágica, em que somos gordos ou magros, mas sempre os mesmos.

Encontrei Lourival, o antes magnífico e influente, num simples balcão de bar, daqueles originais da década de 1960, no início da madrugada, esperando seu prato. Havia ainda outros homens sozinhos, fugidos de seus compromissos familiares, jovens que comiam aquela porção sagrada de batata frita, alguns casais; eu comia o sacro hambúrguer de sempre. Imaginei, naquela gravata descomposta e naquele rosto agora brilhoso de Dorival, que Lourival encarnara, e estava de emprego novo. Um emprego novo, estranho, que não queria, mas pagava as contas que duplicavam. Costas arcadas, dolorida expressão disfarçada comendo seu hambúrguer.

Lourival se transformara em Dorival, mas logo volta a ser Lourival - um outro transformado pelos reveses da vida. Eu gosto mais dele do que de outros tipos Mister Confiança, que já se sentaram ao meu lado com o rosto estéril de Vitória de Samotrácia; porque nada se conquista definitivamente, tudo se encontra entre os dedos, balançando, e as mãos podem de repente não responder a movimentos bruscos. Os objetos, viventes ou não, são sempre escorregadios. E os dedos, estes, ainda que firmes, tremem em volubilidades; mesmo que se crispem em um murro, alongam-se mais tarde em um carinho.

E esta é a sua história, tal como é, tal como foi, ou tal como imagino que poderia ter sido: a de Lourival, ou Dorival, um antigo amigo meu. Estamos assim, numa corda-bamba, fracassados e hirsutos; mas, afinal, nesse parque de diversões em que nos encontramos confundidos pelas luzes, inebriados pelas sombras, que é o fracasso? Um tipo de vida sujeita a alterações, apenas, e não o contrário de sucesso. É comer um hambúrguer informal, saboroso e inesquecível, como na cena final de How to Marry a Millionaire: uma espécie de Santa Ceia, com Marilyn Monroe, Lauren Bacall e Betty Grable, todos juntos e unidos em um triunfo vindouro.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 19/8/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hugo Cabret exuma Georges Méliès de Wellington Machado
02. Clássicos para a Juventude de Ricardo de Mattos


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2021
01. Um antigo romance de inverno - 11/2/2021
02. Lisboa obscura - 22/4/2021
03. Das construções todas do sentir - 20/5/2021
04. Pobre rua do Vale Formoso - 7/1/2021
05. Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão - 4/2/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Magia da Comunicação
Dr. Lair Ribeiro
Leitura
(2002)



Você e a Eternidade
Lobsang Rampa
Record
(1965)



Farsantes & Fantasmas
Antonio Carlos Olivieri
Record
(2012)



O Pergaminho de Masada
Paul Block & Robert Vaughan
Novo Conceito
(2007)



Memorial de Maria Moura
Rachel de Queiroz
Mediafashion
(2008)



Daughters of Castle Deverill
Santa Montefiore
Simon & Schuster
(2016)



Ecos do Nada - Autografado
Izabel Fabiano Salles
Atena
(1963)



Descartes: Obras Escolhidas - 1ª Edição
J. Guinsburg (org.)
Perspectiva
(2010)



Psicologia Aplicada á Administração
Maria Aparecida Ferreira de Aguiar
Consultoria
(1992)



Gestão Estratégica
Martius Rodriguez
Campus
(2005)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês