Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet | Noah Mera | Digestivo Cultural

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> I do not want this
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> La Guerra del Fin del Mundo
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
Mais Recentes
>>> A Filha da Tempestade de H. Rider Haggard pela Nacional (1984)
>>> Por uma Semente de Paz de Ganymédes José pela Do Brasil (1990)
>>> A Loja De Tudo Jeff Bezos e A Era Da Amazon de Brad Stone pela Intrinseca (2014)
>>> Ressurreição e Vida de Yvonne A. Pereira pela Feb (2021)
>>> A Desintegração da Morte de Origenes Lessa pela Moderna (1983)
>>> Eles Morrem , Você Mata! de Stella Carr pela Moderna (1987)
>>> Algodao Doce de Carla Denise pela Cubzac (2015)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Circulo do Livro (1973)
>>> A Herdeira de Henry James pela Abril Cultural (1984)
>>> As cinco pessoas que você encontra no céu de Mitch Albom pela Sextante (2004)
>>> Novelas Exemplares de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1971)
>>> Literatura Brasileira das Origens aos Nossos Dias. de José de Nicola pela Scipione
>>> O Menino e o Presidente de Wilson Rio Apa pela Brasiliense (1983)
>>> Matemática Contexto & Aplicações Vol. 3 de Luiz Roberto Dante pela Ática (2011)
>>> Queda Livre de Renato Tapajós pela Atica (1998)
>>> Detetives por Acaso de Carlos de Marigny pela Brasiliense (1983)
>>> Senhor Vento e Dona Chuva de Sylvia Orthof pela Melhoramentos (1986)
>>> A Montanha dos Lagartos de Ouro de Renato Chagas pela Ftd (1993)
>>> O Caso Colombo de Maqui pela Scipione (1995)
>>> O Falsário Ou a Vida Extraordinária de Fernand Legro de Roger Peyrefitte pela Record (1976)
>>> A Menina que Roubava Livros - Volume 1 de Markus Zusak pela Intrinseca (2013)
>>> Cabelos ao Vento de Salwa Salem pela Best Seller (1993)
>>> O Segredo Azul de Pedro Bloch pela Ediouro
>>> O Quarto Protocolo de Frederick Forsyth pela Record (1984)
>>> Os Desafios do Rebeldes de Assis Brasil pela Saraiva (1996)
COLUNAS

Quinta-feira, 16/2/2012
Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
Noah Mera

+ de 5100 Acessos

A necrofilia da arte
Dá meu endereço a quem não gosto
A necrofilia da arte
Faz compreender quem não conheço
Pato Fu - A necrofilia da arte


Depois de morto, todo mundo vira santo observa a sabedoria popular. Esta é uma revisão natural, procurar o que há de bom nos feitos e na vida de qualquer pessoa falecida, não por alguma inclinação gentil da humanidade, mas sim porque a morte nos espanta. A morte, só se sabe a dos outros, e é a prova última da igualdade de toda a raça dos humanos. Nas inigualáveis palavras do poeta Ariano Suassuna o morto Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca de nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo morre. Se a morte nos iguala, acho que os elogios póstumos não vêm de nenhum altruísmo, mas sim até de um certo egoísmo motivado por essa empatia forçada diante do mistério. Fazemos pelo morto o que queremos que seja feito por nós.

Mas o movimento contrário também é tão natural quanto essa identificação súbita - Principalmente quando se trata de uma figura pública. Sempre há alguém a nos lembrar que o morto não era esse santinho que se pinta. O mecanismo que leva à admiração súbita ou à falta de empatia me parece completamente aleatório. Não dá pra saber como a morte de uma figura pública vai impactar quem quer que seja.

Quando o morto é algum artista o fenômeno é ainda mais visível. Baixamos nossa guarda quanto ao julgamento moral e estético e assim podemos nos pegar elogiando as qualidades de quem implicamos a vida inteira - quiçá descobrir uma admiração antes impossível. É a morte vencendo a barreira do tecladinho de churrascaria e quetais, levando àqueles fenômenos de consumo que seguem a morte dos artistas.

Na internet, onde a opinião se tornou um imperativo e tudo gera discussões intermináveis (até chegar o próximo assunto) o velório público dos artistas alcançou um novo patamar. A morte de algum artista rapidamente se transforma em uma disputa de argumentos sobre a legitimidade da obra do artista. É isso que identifica a jornalista Rosana Hermann no artigo em que analisa alguns tweets sobre a morte do cantor Wando e comparando com os dedicados à Amy Winehouse.

Eu nunca fui o público do Wando. Nunca escutei uma música inteira do Wando (nem "Fogo e Paixão" que eu só conheço o refrão que todo mundo conhece) mas sempre tive a maior simpatia pela figura do cantor. Wando, Amado Batista, Odair José e semelhantes são representantes e porta-vozes de um tipo folclórico de brasileiro - o macho romântico como define Xico Sá (seu panegírico dedicado ao Wando é ouro). Feliz do país que conta com um tiozão colecionador de calcinhas em seu rol de celebridades populares! O Brega é o nosso punk. É música feita do povão para o povão, mas sem a parte carrancuda - que música é lugar de festa, cerveja, suor e sexo e defender o seu é na labuta de sol-a-sol. Estilo sincero e consciente de si, os artistas do brega nunca se levaram muito a sério - Quer característica mais brasileira que essa? Acho que é essa falta de artifícios que afasta a pretensa inteligentsia mais que a tosqueira da produção. Quem vê aquela montagem comparando Aí se eu te pego do Popstar Michel Teló com a letra pedantíssima de Daniel na Cova dos Leões do Renato Russo sabe do que eu estou falando.

E é assim que me sinto credenciado, mesmo conhecendo patavina da obra do Wando a saudá-lo! Foi com espanto que no dia de sua morte me vi necessitado a escrever alguma coisa, um conto remotamente inspirado no mundo do brega - Vida e morte de um outro rei do brega.



Noah Mera
Curitiba, 16/2/2012


Mais Noah Mera
Mais Acessadas de Noah Mera
01. As Midias Sociais e a Intimidade Inventada - 11/5/2011
02. Querem acabar com as livrarias - 17/1/2011
03. Anos 90, lado B - 15/6/2011
04. Informação, Redes Sociais e a Revolução - 9/3/2011
05. Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet - 16/2/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Princípio
Nanda Pertile
Chiado
(2019)



Guia Addresses da 3ª Idadde
Denise Pinheiro e Luiza Pinheiro
Addresses
(2009)



A Forma Custa Caro
Rodolfo Mesquita
Cepe
(2017)



Introdução a Ciencia do Direito
Roberto Thomas Arruda (capa Dura)
Juriscredi (sp)
(1972)



La Batalla Contra las Bacterias
Peter Baldry
Reverté (barcelona)
(1981)



Um Dia no Passado
Pedro Santiago
Eme
(2006)



Otelo - Coleção L&pm Pocket
William Shakespeare
L&pm
(2002)



Normas de Auditoria Governamental
Vários
Irb
(2011)



Os Subterrâneos da Liberdade II - Agonia da Noite
Jorge Amado
Martins
(1974)



Literatura Comentada Oswald de Andrade
Jorge Schwartz
Nova Cultural
(1988)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês