Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 21/2/2017
Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3500 Acessos



Eu levei um ano e meio para ler O Regresso: a última viagem de Rimbaud, de Lúcia Bettencourt, publicado em 2015 pela editora Rocco. Não, o livro não tem 3.000 páginas. Tem apenas 191 páginas. Mas são 191 páginas de pura poesia. E não se lê poesia às pressas. E quando essa poesia tem o sabor de um pêssego maduro, deve-se devorá-lo com calma, sentindo prazer em cada um de seus detalhes, na observação da sua cor, na sua textura, no seu cheiro, na sua doçura, no seu caldo suave... O livro de Bettencourt é um Cântico dos Cânticos para Rimbaud.

O livro se propõe um encontro ficcional com o poeta Arthur Rimbaud. Apesar de ficcional o livro é embasado em informações objetivas sobre a vida do poeta e sobre a sua obra. No entanto, os dados objetivos são transfigurados pela escrita poética de Bettencourt que recria Rimbaud de uma forma absolutamente sensorial, num texto que vai da descrição sensual dos movimentos da natureza à revelação das aventuras e desventuras da existência física e espiritual do escritor.

Uma cópula literária como nunca se viu sobre Rimbaud, num fraseado poético que fala de si mesmo, ou seja, da própria natureza dessa escrita que recria o poeta: “Percorro com os dedos o seu corpo. Será que você advinha as palavras que traço? Jamais escrevo aquelas que me parecem muito solenes, desaconselháveis. Uma a uma, vou traçando as letras, usando ora as pontas dos dedos, essas almofadinhas macias e redondas, suaves, ou a ponta das unhas, que vão deixando na sua pele traços finos que depois apago com a língua.”

Luxo e voluptuosidade na escolha das palavras: quem ama o feio, através da literatura, bonito lhe parece. Rimbaud torna-se aleijado, seu corpo queimado, mal nutrido, sendo destruído pela doença que o matará, aparece para Bettencourt em todo seu horror, terror e desvario. Ao grande poeta, reduzido à uma existência física dolorosa, longe do mundo das letras, lhe resta repensar momentos de sua existência terrível, sempre passeando no inferno: “Revejo em minha infância os rostos sujos e famintos de crianças, maltratadas, brutalizadas, que, por sua vez, maltratavam os seres menores que elas, fossem irmãos mais novos, animais ou répteis e insetos. Com que requinte de crueldade aprisionavam pássaros e furavam seus olhos redondos como contas brilhantes!”

Rememorando o momento em que ainda a existência ganhava algum sentido, o poeta de Bettencourt mergulha em nostalgias melancólicas: “Houve um tempo em que as palavras serviam de consolo. Quando o real se tornava insuportável, um livro abria-se dócil e nos carregava em suas páginas mágicas para outros mundos, lugares em que o mal acabava sempre sendo castigado e onde todo sofrimento recebia sua recompensa, ainda na terra.” Corroído pela dor, pela solidão, pela desgraça que o abate, o sentido da existência é colocado em dúvida por Rimbaud: “Quantas vezes me perguntei por que existimos? Que Deus cruel e sádico terá criado esses bonecos cheios de sentimentos e emoções, para se divertir destruindo todas as suas ilusões?”

A literatura de Bettencourt não apela aos sentimentos fáceis, ao contrário investiga o coração amargurado de Rimbaud, trazendo para esse universo de sofrimento as sequelas reais da sua vida. Ao perder a perna, por exemplo, a descrição da tensão na natureza torna-se o preâmbulo para a descrição angustiosa do enterro de seu membro: “Na manhã úmida, o vento soprava inquietando as folhas das árvores, que sussurravam coisas incompreensíveis. (...) Impossível acreditar que tinha sido preciso fazer uma cerimônia fúnebre para um membro inútil! (...) Uma perna, numa cova, como uma semente que se planta.” Essa correlação entre natureza e natureza interior do personagem e entre objetos e a existência de Rimbaud faz a poesia surgir a todo momento no livro de Bettencourt.

A amargura não é só de Rimbaud, ela atravessa a vida de sua família, mãe e irmã, que o socorrem no fim da vida, visitando hospitais, acompanhando suas lamúrias, sua dor, seu desespero. Para encontrar o poeta é preciso encontrar a alma de sua família, o desespero de sua mãe solitária, mas desejosa da vida plena, como quando reclama da ausência do marido: “Queria a sensação dos bigodes louros esfregando-se em seu pescoço, queria sentir a pele firme e os pelos dourados que a cobriam, queria o cheiro do macho, seu gozo resfolegante, o calor que lhe abrasava as coxas e o ventre e lhe provocava risos e gemidos.”

O livro perpassa os vários momentos em que Rimbaud se angustia diante das feridas que o consomem e o impossibilitam de continuar sua vida de aventureiro. A difícil trajetória até o hospital e as más notícias que sua doença lhe traz, seu desespero depois do veredicto: “No dia seguinte eles vieram, os médicos. E, desta, vez, falaram. Nas suas vestes brancas, os longos aventais brancos, eles se achegaram, semelhantes a anjos. Abriram suas bocas e me condenaram. Achei que era o fim. Que aquele seria o pior momento, a queda. (...) abanaram as cabeças, negando as esperanças de seus olhos. A sentença foi unânime: Amputação.”

Através do texto de Bettencourt vamos entrando lentamente na alma do “adolescente indomável” que foi Rimbaud, na sua pior fase, a do regresso do poeta ao seu país, à sua família, às suas memórias. “Começo a perceber que meu regresso será meu ponto de partida.”



Morrendo o poeta, reinventa-se infinitamente o mito. “Talvez eles se interessem apenas pelo meu velho baú, companheiro de tantas viagens. (...) E meus papéis. Os papéis que cobri de tinta e de lágrimas, de ódio e esperança. E os livros: dicionários, manuais, guias geográficos.”

Bettencourt elabora o final da vida de Rimbaud a partir dos sentimentos de sua mãe e de sua irmã, solitárias no enterro do poeta: “Desnorteada, esvaziada, deixava-se embalar pelo balanço do trem e se agasalhava, friorenta, cobrindo-se com a manta de algodão que pertencera a seu irmão e que tinha, entranhados, cheiros exóticos, distantes."

A descrição do sepultamento enche-se de imagens dolorosas: “O trem chegou numa manhã enevoada, mas, enquanto descarregavam o caixão e o colocavam na carroça, sem luxos, o sol timidamente fez sua aparição. (...) Não havia ninguém mais acompanhando o corpo. Só elas duas, empoleiradas no banco da frente, e o caixão, pesado e escuro. Não havia flores para enfeitar o túmulo. (...) Agora, em novembro, não havia flores nos campos.” Isabelle quebrou um galho ainda verde de uma árvore ali perto e depositou-o sobre a terra que cobria o irmão. Ela chorava, torcia as mãos, e repetia ´pobre Arthur`. A mãe manteve-se calada. Ao fim, disse, como se aliviada: “descansou”.

Isabelle o descobre, como poeta, depois da sua morte. Descobre a eternidade que pairava sobre o cadáver do irmão: “Ela nunca tinha lido nada de seu irmão. Quando leu, a obra mudou sua vida. Descobriu ´o livro sem fim, aquele que jamais envelhecerá, que nunca sairá de moda, que será, sempre, atual`”.

E eterno, o menino poeta de Charleville, inspira esse O Regresso: a última viagem de Rimbaud, que nos dá Lúcia Bettencourt, na forma de um poema narrativo. E que os leitores amantes de Rimbaud não deixem de reencontrá-lo, iluminado, pela prosa sensível desse livro.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 21/2/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
02. Serge Daney: o cinema como espelho de Humberto Pereira da Silva
03. Dê-me liberdade e dê-me morte de Eduardo Mineo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2017
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri - 9/5/2017
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal - 26/12/2017
03. Amy Winehouse: uma pintura - 28/3/2017
04. A poesia afiada de Thais Guimarães - 3/10/2017
05. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux - 17/1/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IPANEMA DOM DIVINO
NORMA PEREIRA REGO
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 6,48



AS MAIS DELICIOSAS REQUINTADAS E EQUILIBRADAS RECEITAS DA CULINÁRIA
MÁRCIO BONTEMPO
GROUND
(1983)
R$ 6,00



EDUCAÇÃO & SOCIEDADE
REVISTA DA CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO
PAPIRUS
(1991)
R$ 6,00



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS-ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRESTÍGIO
(2001)
R$ 19,90



UM TÚMULO EM GAZA
MATT REES
RECORD
(2008)
R$ 7,90



SÉRIE REENCONTRO - ROBIN HOOD
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(1987)
R$ 5,00



MUDANDO O MUNDO O CAMINHO PARA UMA VIDA FELIZ
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
(2013)
R$ 23,50



KIDS BOX ACTIVITY BOOK 4
CAROLINE NIXON E MICHAEL
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 9,90



CIÊNCIAS SOCIAIS E SAÚDE NO BRASIL
ANA MARIA CAESQUI
HUCITEC
(2007)
R$ 25,00



O MUNDO DAS ORQUÍDEAS - ACOMPANHA VAPORIZADOR E TESOURA DE POLDA
BÉNÉDICTE BOUDASSOU
COOK LOVERS
(2011)
R$ 139,95





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês