Saia curta, liberdade longa. | Adriane Pasa | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> Conversas Com os Mestres da Sustentabilidade de Laura Mazur; Louella Miles pela Gente (2010)
>>> Uma História dos Povos árabes de Albert Hourani pela Companhia das Letras (1995)
>>> Le Chlorure de Magnésium Malin de Alix Lefief-delcourt pela Leduc. S (2010)
>>> Rei Lear de William Shakespeare pela Lacerda (1998)
>>> Economia Brasileira: uma Introdução Crítica de Luiz C. Bresser Pereira pela Brasiliense (1982)
>>> Bartleby e Companhia de Enrique Vila Matas pela Cosac & Naify (2004)
>>> Introducion a las Religiones de Australia de Mircea Eliade pela Amorrortu (1975)
>>> De Três Em Pipa de Louis Ferdinand Céline pela Assírio e Alvim (1985)
>>> Fotografia de Família Volume 6 de Editora Europa pela Europa (2017)
>>> The Big Picture B1 Pre-Intermediate - Workbook de Vários pela Richmond (2011)
>>> Great Explorers - Children de Varios Autores pela Nao Especificado (2022)
>>> Great Explorers - Children de Varios Autores pela Nao Especificado (2022)
>>> O Vendedor de Armas de Hugh Laurie pela Planeta do Brasil (2010)
>>> Dependencia e Desenvolvimento na America Latina de Fernando Henrique Cardoso; Enri Faletto pela Zahar Editores (1981)
>>> A Mulher Sexualmente Feliz de Juan Carlos Kusnetzoff pela Nova Fronteira (1988)
>>> The Curious Incident of the WMD in Iraq de Rohan Candappa pela Profile (2004)
>>> Sem Receita Ensaios e Canções de José Miguel Wisnik pela Publifolha (2004)
>>> Os Anões de Veronica Stigger pela Cosac Naif (2010)
>>> Castro de António Ferreira pela Clube de Literatura (2022)
>>> No Great Mischief de Alistair MacLeod pela M & S (2001)
>>> The Green House de Mario Vargas Llosa pela Faber and Faber (1995)
>>> River Angel de A. Manette Ansay pela Bard (1999)
>>> Of Mice and Men de John Steinbeck pela Penguin (1993)
>>> Deutschland Ein Wintermärchen de Heinrich Heine pela Fischer (1999)
>>> DeNiro`s Game de Rawi Hage pela Anansi (2006)
COLUNAS

Segunda-feira, 23/2/2015
Saia curta, liberdade longa.
Adriane Pasa

+ de 9800 Acessos


Duas moças vendo uma vitrine em Toronto, Canadá, 1937. (Alexandra Studios)

Em maio de 2014 eu estive em Vancouver, no Canadá, passando férias. Era começo da primavera e ainda estava um pouco frio, mas o que me chamou a atenção foi o comprimento das saias e shorts de algumas moças, que andavam tranquilamente pelas ruas com suas pernas brancas de fora (quem sou eu pra falar de pernas brancas...). Comecei a prestar atenção nisso e reparei que os homens não mexiam com nenhuma mulher, por mais curta que fosse a saia. E olha que algumas chegavam a mostrar um pedacinho da bunda. As adolescentes então andavam quase peladas, mesmo no frio. Fiquei imaginando como deveria ser no verão.

Depois de uns dias, com olhar mais apurado, reparei que os homens não só não mexiam como nem sequer olhavam. Os pescoços continuavam no lugar e cada um seguia seu rumo, tranquilamente. Na verdade, lá ninguém está nem aí com o outro, acho que podem andar com uma melancia na cabeça que ninguém liga. Meu marido estava estarrecido. Ele também nunca tinha visto coisa parecida. Fiquei "cuidando" dele porque virava o pescoço em vários momentos pois as saias eram realmente curtíssimas. Eu fiquei com medo de alguma mulher se sentir invadida e chamar a polícia. Eu também olhei, mas qualquer coisa eu podia alegar que estava admirando a roupa (eu adoro moda rsrs). A gente estava mesmo perplexo com a atitude dos homens, isso chamou a nossa atenção mais que qualquer perna de fora. Pelo menos a minha.

Lá as pessoas parecem até meio assexuadas se comparadas aos brasileiros. Mas não são, obviamente. São assim porque existem leis que protegem as mulheres desde sempre. E todo mundo sabe que leis mexem com culturas e hábitos das pessoas, influenciando suas atitudes. Eu já tinha ouvido falar sobre isso, tinha visto vídeos e lido coisas em vários blogs, tenho uma grande amiga que mora em Toronto e ela também havia comentado comigo a respeito, mas uma coisa é saber e outra é ver com os próprios olhos.

Eu não tinha levado nenhuma saia curta porque estava frio pra burro, equivalente ao começo do inverno em Curitiba, cidade onde moro. Mas devia ter levado e experimentado a sensação de liberdade que é andar por aí pelas ruas sem olhares engraçadinhos, assovios, carros que andam devagar ao teu lado parecendo ter um serial killer dentro, palavras chulas e por aí vai. Curitiba é muito ruim neste aspecto. Além de aturar os caras sem noção (não é à toa que chamam essa cidade de "Rússia Brasileira"), se a gente sai de saia curta ou qualquer roupa mais justa ou decotada, tem que aguentar também os olhares reprovadores das senhorinhas conservadoras de plantão ou das esposas ciumentas. Eu costumo dizer que sair de minissaia aqui em Curitiba é como cometer um crime. Quem mora aqui e é mulher sabe do que eu estou falando. Em lugares quentes a liberdade é maior. Mas aqui, onde a gente consegue usar minissaia umas três vezes por ano e é uma cidade ultraconservadora, é um ato de coragem.

Já ouvi todo tipo de besteiras em relação a este assunto. Como por exemplo, "ah, mas que graça tem morar num lugar como o Canadá, onde não mexem com você e nem te olham?", pois eu respondo: toda a graça do planeta. Não existe nada mais sensacional para uma mulher (e para qualquer pessoa) poder ir e vir sem ser invadida, sem ter que aturar desrespeito e sem ficar com medo. Por que dá medo. As pessoas precisam entender isso. Viver num lugar onde parte da população acha que os estupros acontecem porque as mulheres "provocam" usando roupas "ousadas" é muito perigoso. Outra bobagem é quando falam "ah, mas se for um homem bonito a mulher não acha ruim...". É claro que incomoda, porque o critério não é esse. A beleza não está acima do respeito. E tudo depende do contexto. Uma coisa é andar nas ruas e ser assediada, outra é estar na balada ou em algum lugar de paquera onde existe o desejo de ser notada. É claro que se uma mulher solteira vai a um lugar para paquerar e ninguém a nota, pode ser uma frustração. Mas ela quer isso, é diferente. E pra bom entendedor, um olhar de uma mulher basta pra saber o que ela quer ou não.

Mas voltando à Vancouver, com um olhar atento, observei a atitude das mulheres em relação a este assunto, no seu comportamento corporal. É totalmente diferente do nosso. Não existe gente puxando a saia pra baixo pra disfarçar, como quem quer "corrigir" um erro, não existe subir uma escada rolante e ficar cuidando de quem está atrás, não existe aquele olhar sempre em alerta que temos que ter por aqui, pensando que um dia ou outro teremos que usar nossos golpes de Muay Thai (aliás, é uma boa ideia fazer aulas de defesa pessoal).

Enfim, é uma liberdade absurdamente deliciosa. E se alguém olha, olha discretamente e segue seu rumo, sem extrapolar nenhum limite. Eu fiquei com inveja das mulheres de lá, nesse aspecto. Pensei como seria bom se pudéssemos sair na rua com qualquer roupa que fosse, sem sermos invadidas por olhares, palavras ou até fisicamente. Óbvio que em todo lugar do mundo mulher sempre tem que se cuidar, principalmente à noite. Lá também tem estupradores e psicopatas. A diferença é que os crimes são raros e quando existem, a polícia age na hora. E a população também. Todo mundo ajuda a "caçar" o bandido, informando e espalhando os retratos falados.

Tem uma "regra" social no Canadá que é sempre manter um braço de distância da outra pessoa estranha ou colegas de trabalho. A gente anda nos ônibus e metrôs e consegue ver isso claramente. Tudo bem que lá tem bem menos gente e se fizéssemos isso no transporte público aqui teríamos que ter o triplo da frota. Mas sem comparação direta, analisando esta atitude simples, é algo muito genial. Eu, como Curitibana que sou, adorei a ideia. Não há nada mais incômodo que gente te encostando ou querendo forçar uma intimidade que não existe. Ou aqueles colegas de trabalho que cumprimentam com ~beijinho~? Qual a necessidade disso, minha gente?? É chato qualquer tipo de invasão, qualquer tipo de coisa que não pedimos ou dissemos "ok, pode fazer". Isso é uma regra da vida.

Torço muito para que um dia a gente chegue nesse patamar de respeito às mulheres e a todos os cidadãos e que as leis aqui sejam mais severas. Sei que o ser humano tem seu lado primitivo e isso nunca vai mudar, mas cada lugar pode dar uma ajudinha pra cultura evoluir. Afinal, acho que a gente está aqui nesse mundo pra isso, pra deixar de ser ogro. Também sei que roupas como a minissaia mexem muito com o imaginário masculino, o que é normal. Mas imaginação nunca foi algo proibido, além de não prejudicar ninguém. Acho que os canadenses imaginam coisas como qualquer ser humano normal, mas ninguém precisa saber o que está na mente deles, certo? Sempre que toco nesses assuntos de comparação com países de primeiro mundo, eu penso em tudo o que a gente deixaria de se preocupar e o que mudaria na vida prática do nosso cotidiano. É muita coisa que muda. É muito espaço que sobra no nosso "HD" pra pensar em coisas boas. É muita toxina de estresse que a gente deixaria de ter. É muito tempo economizado fazendo coisas bacanas, é muito lugar bonito que a gente poderia conhecer na cidade sem precisar ter um segurança por perto. É muita minissaia que poderíamos usar, a hora em que quiséssemos, de todos os tecidos, tamanhos e cores, sendo o que nós deveríamos ser desde que nascemos: livres.

A minissaia chegou no começo dos anos 60, tendo sua invenção atribuída à britânica Mary Quant, embora alguns mencionam também o francês André Courrèges. Veio como uma forma de rebeldia, de reivindicar o direito à sensualidade e questionar o que a sociedade impunha às mulheres como "decência". Depois foi adotada pelo estilista Yves Saint-Laurent e também Pierre Cardin, que usaram modelos ainda mais curtos. Combinados com sapatos de salto alto ou botas, causaram frisson. Pernas de fora pelo jeito sempre vão "causar" por aqui. Tomara que um dia a gente possa sapatear de minissaia na cara dessa sociedade. Sem sofrer assédio, claro.

" type="application/x-shockwave-flash" wmode="transparent" width="400" height="288">



Adriane Pasa
Vancouver, 23/2/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Retrato arredio de cavalo de Elisa Andrade Buzzo
02. Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado de Jardel Dias Cavalcanti
03. Lisboa obscura de Elisa Andrade Buzzo
04. Alameda de água e lava de Elisa Andrade Buzzo
05. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos


Mais Adriane Pasa
Mais Acessadas de Adriane Pasa
01. YouTube, lá vou eu - 5/9/2016
02. Casamento atrás da porta - 3/2/2014
03. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil - 15/2/2016
04. Quando morre uma paixão - 22/9/2014
05. Saia curta, liberdade longa. - 23/2/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Autocad 2002 - Utilizando Totalmente 2ª Edição
Roquemar Baldam
Erica
(2002)



Verme
Carina Luft
Dublinense
(2014)



Brincadeira de Saci
Flávia Muniz
Abril Jovem



Mito Em Chamas - a Lenda do Justiceiro Mao Branca
Jose Louzeiro
Moderna
(1997)



Mickey Nº 826
Walt Disney
Abril
(2011)



Lord Jim
Joseph Conrad
Victor Civita
(1982)



Processo de Execução e Cautelar Volume 12
Marcus Vinicius Rios Gonçalves
Saraiva
(1999)



Triste Fim de Policarpo Quaresma - Serie Bom Livro ( 1987)
Lima Barreto
Ática
(1987)



Amor Adolescente
Elias Jose; Denise Rochael
Atual Didáticos
(1999)



O Gerente Minuto
Kenneth Blanchard; Spencer Johnson
Record
(1993)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês