Você vem sempre aqui? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Maria a Vida Toda de Paulo Castelo Branco pela Dom Quixote (2004)
>>> Sociedades tribais de Marshall D. Sahlins pela Zahar (1983)
>>> União soviética: Há socialismo nisto? de Vladimir Palmeira pela Marco zero (1982)
>>> Nacionalismo, Retórica "socialista" e Marxismo na América Latina de Juan Dal Maso pela Iskra (2013)
>>> Gringo de Airton Ortiz pela Record (2012)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Klick (1998)
>>> O outro davos de François Houtart e François Polet pela Cortez (2002)
>>> Brasília Ideologia e Realidade Espaço Urbano Em Questão de Aldo Paviani pela Cnpq (1985)
>>> Brasil: Radiografia de um modelo de Nelson Werneck Sodré pela Vozes (1975)
>>> Trabalhadores pobres e cidadania de Nair Heloisa Bicalho de Sousa pela EDUFU (2007)
>>> País brilhantes, professores fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> I Fratelli Karamàzov Vol Primo de Fedor M Dostoevskij pela Club Degli
>>> A semana II - Obras completas de Machado de Assis pela Globo
>>> Um reformismo quase sem reformas de Valério Arcary pela Sundermann (2011)
>>> A esquerda e o movimento operário 1964-1984 volume 3 de Celso Frederico pela Oficina de livros (1991)
>>> Casório?! de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> As esquinas perigosas da história de Valério Arcary pela Xamã (2004)
>>> O Zahir de Paulo Coelho pela Rocco (2005)
>>> Marxismo Soviético - uma Análise Crítica de Herbert Marcuse pela Saga (1969)
>>> A Fortaleza de Sharpe de Bernard Cornwell pela Record (2005)
>>> O demônio e a srta. Prym de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> A carga de Mary Westmacott pela Nova fronteira (1956)
>>> A energia do dinheiro de Glória Maria Garcia Pereira pela Gente (2001)
>>> O Combate Sexual da Juventude Comentado de Gilson Dantas pela Iskra/centelha Cultural (2011)
>>> As armas da crítica de Emir Sader e Ivana Jinkings pela Boitempo (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/8/2011
Você vem sempre aqui?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 5100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Dado que hoje existem muitas, talvez dezenas de, maneiras de conhecer pessoas, eu me peguei dedicada a pensar nisso, mas, principalmente, em uma certa história de "longa duração" da maneira como conheci certas gentes nesta minha vida que já se aproxima aí das idades terminadas em "enta".

Como conheci você, leitor? Ainda não, não é mesmo? Mas muitos sei que sim, que conheci em congressos (como é o caso do Miguel, de São Paulo, ou do José, também de Sampa), portanto, presencialmente. Mas outros, não, outros conheci na rede, na web, conforme a moda de então ou o software que a suportasse.

No final da década de 1990, havia um jeito: os chats. Mas não eram estes chats fechadinhos, com pessoas pré-requisitadas. Eram chats abertos, num estilo que fazia lembrar um pouco os serviços de "disque amizade". Os chats do UOL talvez fossem os mais badalados. E mesmo cheios de gente e lotados de ações protocolares, não eram o que chamamos hoje de "redes sociais". Eram chats que promoviam papos entre pessoas (distantes geograficamente até) e, talvez, encontros presenciais. E foi assim que conheci o Pedro, dentista e músico, que travava papos engraçadíssimos comigo nos meus intervalos de aula, enquanto eu ainda fazia faculdade. Dessa amizade virtual nasceram outras, muitas, que se juntaram, mais tarde, em um blog (o Corvo) e resultaram em reuniões presenciais inesquecíveis no Rio, em São Paulo e em Belo Horizonte, pelo menos.

Na mesma época, conheci, não sei mais em que chat, o Beto, em quem ainda hoje descarrego doses cavalares de ansiedade e tristeza, nas horas ruins, e outras tantas doses de carinho, em momentos em que estou feliz. O Beto almoçou comigo muitas vezes, quando eu trabalhava na editora. E ainda hoje vigia meus voos no aeroporto de Confins.

A Marize, quase madrinha do meu ex-casamento, teve muita relação com a existência palpabilíssima do meu filho, realíssimo e incontido. Foi na gestão da amizade dela que conheci o JR, escritor fluminense que me fulminou com cantadas inescapáveis, à época. No entanto, não foi em chat que conheci o ex. Foi por e-mail.

Alguém imagina uma história dessas? Conhecer alguém por e-mail, namorar, engravidar, casar, separar (nessa ordem, mais ou menos)? JR é jornalista e à época participava de um coletivo desses meio locais que querem promover a literatura e, de quebra, dominar o mundo. Bom, dava certo. E eu era uma escritora meio iniciante, fêmea nesse mundo literário testosterônico, em 2002 ou 2003, autora de um blog razoavelmente conhecido (a Estante de Livros) e disposta a fazer turnês literárias pelo país.

Nos idos de 2002, havia encontros da Libre, Liga de editoras de pequeno porte que promovia (e ainda promove, graças a Deus) a Primavera do Livro. O charme era irresistível. O da Primavera, não exatamente o do JR. Mas o negócio foi que ele me entrevistou para uma revista eletrônica e essa entrevista gerou uma cascata de outros e-mails, que evoluíram para telefonemas e, numa Primavera, tornaram-se encontros presenciais. Isso deu em filho, casamento e tal e coisa. Essas mesmas possibilidades digitais ajudaram, e muito, a dar cabo desse casamento.

A web mexeu com as redes sociais que já estavam aí. A web aumentou as chances de os laços se formarem e se fortalecerem. Manter laços com amigos do colégio nunca foi tão fácil. E nunca foi tão difícil extinguir as pistas do que a gente está fazendo na vida. Isso sem falar no garimpo de encontrar pessoas do passado remoto dando sopa na internet hoje. Prós e contras, como em tudo.

Conheci Jaqueline na web, pelo Twitter, no ano passado ou antes um pouco. Pesquisadora, simpática, carioca sorridente, só fomos nos encontrar durante um congresso em Recife, em 2010. E quando nos vimos, foi só atualizar uma sensação de "eu te conheço". Em geral, o estranhamento vem por causa da foto. Jaque corresponde quase exatamente ao seu avatar, mas em muitos casos isso deve se transformar em uma completa reconfiguração. E os avatares são motivo de muito incômodo meu. Por que o avatar é quase sempre bonito, caprichado e mentiroso? Porque avatares são discurso, minha gente. São estampa, identidade e quimera.

O avatar é relativamente novo. Quando entrávamos em chats para conhecer pessoas não havia avatar, foto ou imagenzinha para nos promover. Se quiséssemos, era por e-mail que vinham as fotos dificultosamente escaneadas em casa (ou no trabalho). O avatar, hoje, é uma produção e meia.

Conheci a Ana quando tínhamos mais ou menos uns dois anos de idade. Eu de um lado do muro, ela, do outro. Fomos amigas e vida toda. Hoje ela mora em Portugal e eu, quase no mesmo bairro daquele muro chapiscado pelo qual nos comunicávamos. Mas como fico sabendo da Ana hoje? Pelo Twitter, por e-mail e pelo Facebook. Falo com ela com uma frequência que teria sido intransponível umas décadas atrás, principalmente porque avião era caro.

Conheço centenas de pessoas pelo Twitter. Todo dia alguém quer ser meu amigo. Talvez meu próximo namorado, meu próximo amigo ou amiga, meu próximo marido ou minha próxima desilusão esteja lá, atrás de alguma daquelas bolinhas verdes do Facebook ou de algum avatar malhado e seminu no quadradinho ao lado. Vai saber? O negócio é que as amizades não foram menos leais e os namorados não foram mais infiéis pescados na web do que presencialmente, naquele velho esquema "me apresenta seu amigo de camisa azul". Ah, sim, as chances de infidelidade talvez tenham aumentado muito. Nisso creio quase sem chance de contra-argumentação. Mas as chances de se desvendar sacanagens também cresceram. Todo mundo é um pouco hacker; e todo mundo é um pouco incompetente como criminoso. Agora, as chances de amizade, ah, essas acho que cresceram também, tanto das novas quanto da manutenção das antigas.

O que não dá mais (faz tempo) é para separar web e "realidade". Está tudo dominado, junto e misturado. Conheci o João porque comprei um livro dele, enviei uma carta pelos Correios, na qual eu dava meu e-mail, e ele me enviou um e-mail simpático. Júlio Daio Borges, editor desta perpétua casa, recebeu um jornal impresso pelos Correios no qual havia um perfil meu. Buscou, pesquisou e me achou na web, com blog e tudo. Daí partiu o convite para esta coluna que já dura 8 anos e me dá tanta alegria quanto meu filho (admito que a coluna me dá menos preocupação). Conheci melhor pessoas que estavam ao meu lado porque pude compartilhar ideias com elas por algum espaço virtual, como é o caso do Boave. E as pessoas que eu nunca encontrei, mas que participam da minha vida com mais intensidade do que meus vizinhos?

Conhecer pessoas continua difícil e melindroso. Gostar das pessoas continua improvável. Confiar nas pessoas se mantém uma tarefa hercúlea. A gente só não pode reclamar mais da falta de jeito.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 5/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seu Mauro de Marcelo Guedes Nunes
02. Patriotismo de Juliano Maesano


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. À primeira estrela que eu vejo - 7/10/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2011
01h04min
É um privilégio o contato permanente com essa artista: uma mulher de caráter, fibra e de uma ternura que ela nem sabe dimensionar, mas que é perceptível aos que ousam aceitá-la e, acima de tudo, admirá-la. E que venha a coletânea dos textos do Digestivo! Abraços.
[Leia outros Comentários de Érico San Juan]
7/8/2011
20h41min
Ana Elisa, quando posso e consigo... gosto de comentar seus posts. Neste não farei grandes 'discursos', quero somente parabeniza-la pelo o que escreve sempre e corretamente! Também eu descobri 'bons' amigos pela Internet, muitas vezes são mais sinceros se comparados com os que não são 'virtuais', mostram maior sensibilidade mesmo para 'não concordar' com o que postamos... talvez por estarem 'distantes'... 'cara a cara' pode ficar mais difícil. Mesmo que não seja um amigo seu em nenhuma rede social, a vejo sempre por aqui... e gosto do que leio... Abs. I. Boris Vinha
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
2/9/2011
22h44min
Oi, Ana, tem tempo que não "vejo voce", mas hoje, particularmente, sinto melancolia em suas palavras. Você tem razão. Viver, fazer novas amizades, e conservá-las, é extremamente difícil, mas... a gente consegue. Desde que comecei a ler tua coluna, não consigo abrir o digestivo, sem ler "voce". Às vezes passamos por caminhos que não entendemos: sofremos, amamos e aprendemos que tudo na vida tem seu tempo para acontecer. De uma coisa tenho certeza, as boas amizades ficam para sempre. Deus te ilumine.
[Leia outros Comentários de solange boy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Teorias e Políticas de Gênero na Contemporaneidade
Marlene Tamanini
Ufpr
(2017)



Start a craft - Decoupage
Lesley Player
Apple
(1996)



A ladeira da saudade
Ganymédes José
Moderna
(1983)



Os cadernos de don Rigoberto
Mario Vargas Llosa
Companhia das Letras
(1997)



A Qualificação da Escola
F. Javier Murillo
Artmed
(2007)



The Puppy Place - Maggie and Max
Ellen Miles
Scholastic
(2007)



Clássicos da Democracia 12 - a Democracia Em Ação
Francis Hankin
Ibrasa
(1963)



Fora de Série
Morris West
Círculo do Livro



O Que é Capital Internacional - Coleção Primeiros Passos
Rabah Benakouche
Brasiliense
(1982)



7 Orações Que Vão Mudar Sua Vida
Stormie Omartian
Thomas Nelson Brasil
(2007)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês