É possível conquistar alguém pela escrita? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Dos palcos para as leituras radiofônicas
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Internet difundindo livros
>>> O marketing da mendicância
>>> Os Mutantes são demais
>>> Ser intelectual dói
>>> Jerry Lewis, um verdadeiro louco
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> Pra entender a Lei Rouanet
>>> Uma baby boomer no Twitter
>>> No pé da orelha
Mais Recentes
>>> Os Sonhos Morrem Primeiro de Harold Robbins pela Abril Cultural (1983)
>>> A Faca no Coração de Dalton Trevisan pela Record (1979)
>>> Ensaios Sobre o Ensino em Geral e o de Matemática em Particular de S. F. Lacroix pela Unesp (2013)
>>> Phutatorius de Jaime Rodrigues pela Globo (1979)
>>> Ensaios Sobre o Ensino em Geral e o de Matemática em Particular de S. F. Lacroix pela Unesp (2013)
>>> Conspiração Violenta de Peter Driscoll pela Record (1972)
>>> Conspiração Violenta de Peter Driscoll pela Record (1972)
>>> Crescer é Perigoso de Marcia Kupstas pela Moderna (1986)
>>> Na Colmeia do Inferno de Pedro Bandeira pela Moderna (1991)
>>> Pra Que Serve de Ruth Rocha; Amanda Grazini pela Salamandra (1996)
>>> Computabilidade e Lógica de George S.Boolos e outros pela Unesp (2012)
>>> Bairro dos Estranhos de Wilson Frungilo Jr pela Ide (1986)
>>> Historias para Aquecer o Coracao das Maes de Jack Canfield pela Sextante (2002)
>>> A Bruxa de Portobello de Paulo Coelho pela Planeta (2006)
>>> Ninguém é de Ninguém de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2000)
>>> Direito Tributário Brasileiro de Aliomar Baleeiro pela Forense (1983)
>>> Curso de Direito Constitucional Positivo - 17ª de José Afonso da Silva pela Malheiros (2000)
>>> Doutrina Legislação e Jurisprudencia do Transito - Vol. 01 de Geraldo de Faria Lemos Pinheiro pela Saraiva (1982)
>>> Criminalística Básica de Ascendino Cavalcanti pela Litoral (1987)
>>> Roteiro Sistemático de Direito Civil - Parte Geral de Natanael Sarmento pela Nossa Livraria (2002)
>>> Nossa Lingua Curiosa de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2003)
>>> 24 Horas, a Primeira Vista, Cidade Em Chamas de Greg Iles Luanne Rice Lee Child pela Reader, S Digest (2003)
>>> Mary Higgins Clark de Alguem Espia Nas Trevas pela Circulo do Livro (1978)
>>> Minhas Vidas de Shirley Maclaine pela Record (1983)
>>> Minhas Vidas de Shirley Maclaine pela Record (1983)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/1/2011
É possível conquistar alguém pela escrita?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 9900 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Foi durante a leitura de um livro de Ricardo Piglia que essa pergunta me intrigou. Era uma leitura de férias, depois de meses paquerando aquele livro em cima da mesa. Comprei o volume numa loja depois de tempos com aquele título na cabeça. Por sua vez, O último leitor havia sido sugestão de alguém ou dica retirada de alguma revista que andei lendo. Uma coisa puxou a outra e lá estava eu, sentada na cama, de costas para o Sol, lendo Piglia. O que ele dizia era que, sim, é possível conquistar alguém por meio da escrita. A letra, a palavra, o discurso... amoroso, ou não. O debate, as ideias, a inteligência. Isso são porções de uma paquera. E o texto de Piglia se baseava numa questão vivida por Kafka, seria ele? Sim, o diálogo dele com o amigo Max Brod. Seria possível conquistar uma mulher tendo a escrita como intermediária? Interface, veículo, canal, que nome isso tenha. A moça era Felice, um grande amor de Kafka, vivido na escrita, pela escrita, sem interrupções.

De outro lado, a lamparina. Quem escreve sob a luz da lamparina hoje? O abajur, o candelabro, o lustre. Cá estou eu sob a luz fria (mais econômica). O escritor sustentável. Este é meu personagem. Kafka queria apenas saber se a vida conjugal poderia, por algum momento, ser conciliada com a vida de escritor. O grande problema são as interrupções. Como é possível escrever uma obra, se se é interrompido a todo instante? Chamados, pedidos, socorros, reclamações, lamentos, lamúrias, carências, "me ajude", "venha ver", "venha ouvir", "olha só", "amor!". Quem escreve algo a par dessa sabotagem? Claro, amorosa, mas sabotagem. Quem entende a concentração de um escritor em ato?

A escrita pode ser análoga ao mitológico canto da sereia. Quem não leu as aventuras de Ulisses (Odisseu) que leia. A escrita cria personagens, ficções, protagonistas e antagonistas, inclusive em cartas e e-mails. A escrita cria avatares. Sim, novas identidades sob as quais muitos vivemos. Aquelas aulas sobre o narrador, sobre o eu lírico, indecifráveis... não eram mero delírio de professores loucos por provas bestas. Os avatares são construções do discurso. E eles seduzem não apenas os outros, os leitores, com quem se interage, mas costumam nos seduzir a nós, que os criamos e neles cremos, neles vivemos, inclusive sendo, neles, muito mais do que realmente somos (ou ao menos diferentes). As simpatias, os escrúpulos, o tom e as memórias narradas de um avatar (personagem) são, em grande medida, romances e ficções.

Não raro eu mandava cartas. Coleciono ainda algumas, as que restaram dos diálogos que emendei sem interrupções. Nem todas geraram avatares muito diversos de mim, mas isso não foi incomum. O que podem fazer os e-mails? Unir e desunir. O que podem fazer os diálogos virtuais nos chats? Nos microblogs? Tudo. Contam histórias inteiras, nem sempre verdadeiras. E lá vem o último leitor criar ficções em torno de avatares.

Tenho certeza de que Kafka conquistou Felice por meio de sua escrita. E ela a ele. Quem escreve gosta de respostas. Há então um duelo de textos, uma esgrima intelectual que passa a contar uma história. Não são poucas as pessoas que se apaixonam por narradores. Não me lembro de muitas ocorrências, mas chorei pelo fim da narração de Riobaldo. Não era ele, não era Rosa, não eram eles, mas seu modo de escrever. Era Etienne, de Zola, que me parecia ter uma voz dura de quem me narrava aquelas histórias da mineração.

Eu narrei, várias vezes, de um jeito que não sou eu. Nem sempre me reconheço nas narrativas que conto. Cada um, a seu modo, constrói um personagem que, às vezes, se confunde comigo. E era comum me chamarem pelo título de um dos meus livros, Perversa, inclusive esperando de mim que eu me vestisse como uma lenda. E nem bem era eu.

Frequentemente, eu era conquistada pela inteligência dos outros. Em alguns casos, fui conquistada até o amor mesmo. Não apenas uma admiração de superfície, mas um gosto absurdo pelos textos de outrem. As distorções linguageiras de que o narrador/a pessoa era capaz, um virtuosismo que me empolgava. Não foi raro o texto vir antes das pessoas. E era uma espécie de cartão de visitas ou mesmo de presença diária. Uma imensa honra saber que eu inspirara algo. Maior presente do mundo. Ser personagem, ser musa, ser causa e consequência. Mesmo quando a motivação era ódio e delírio. Fricção, urgência sexual, quando eu li o texto do narrador em público e ele estava na plateia, não exatamente o narrador, mas o escritor. Sedução e provocação. Ao mesmo tempo, imenso incômodo ouvir meu texto em outra voz, nem sempre no ritmo que eu quis dar. Presente, alucinação ou desejo. A escrita continua lá e cá, entre a luz e os lampejos. Não se brinca com quem escreve bem. Não se troca carta ou e-mail com quem arremata prêmios apenas com lances de verbo. É risco, na certa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 21/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
04. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
05. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011
05. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/1/2011
22h23min
A literatura revela o interior de quem escreve, e a forma como estabelece um texto é, na verdade, a forma de grafar a sedução através das palavras.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
24/1/2011
10h55min
O escritor chama de avatar, "outro ser", personalidades flutuantes, ou qualquer nome que diga que o escrito não é dele, mas de "alguém". Será sempre assim, o ato de escrever!? Inspirar-se em quem, afinal? Neles, os "fantasmas" que rondam e querem aparecer? Um grande "dom" ou simplesmente um "ator" de personagens, transcritos da mente ensandecida e colocada em letras para entendimento geral? Mas se nem o "autor" sabe, como pode dizer o que é? Escritor, cuidado. Não se fie em personagens. Todos eles são estranhos. Parabéns, Ana Elisa. Agora é tarde, você já foi conquistada. Quando puder, nos diga todos os segredos. Deles. Abraços!
[Leia outros Comentários de Cilas Medi]
25/1/2011
15h40min
Acho que conciliar casamento e escrita não é problema! Machado de Assis, Drummond, Victor Hugo, Dostoiévski... Todos eles foram casados e ótimos escritores! Inclusive, suas mulheres eram um ponto de ajuda e apoio para que eles pudessem escrever - principalmente para Dostoiévski. Sobre criar avatares, isso se dá. Mas nem sempre! Às vezes é só nossa Síndrome de Zuckerman trabalhando.
[Leia outros Comentários de Melquisedec Ferreira]
21/12/2011
16h30min
Bom artigo, este, pra refletir sobre esta questão de seduzir via palavra. Acredito piamente que é possível seduzir só com palavras e textos sim. Há um grude erótico (inconsciente, acredito eu, na maior parte do tempo) no que os grandes escritores escrevem. O curioso é que, na vida real, esses tipos verbalmente sedutores podem não sê-los fisicamente, podem até mesmo ser caladões, taciturnos e nada atraentes. Isso me faz pensar no que disse Proust, que a ficção é produto de um Eu que nada tem a ver com o Eu social. Seduzimos com a arte e podemos ser fiascos como sedutores na realidade. De qualquer modo, é bom que seja assim, pra que o complexo de onipotência dos criadores literários - cuja vaidade não pode ser subestimada - seja freado e uma sobriedade e uma humildade necessárias se instalem em seus egos.
[Leia outros Comentários de francisco lopes]
29/1/2012
19h45min
O texto remete-me (estamos em uma teia) à obra "A louca da casa", da jornalista e escritora espanhola Rosa Montero. Belíssima crônica sobre o trabalho da imaginação, da ficcão, da arte narrativa.
[Leia outros Comentários de Rose]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário de uma Mae Verdadeira
Daniela Barros
Bb
(2012)



Manual de Culinária para Ignorantes Em Cozinha
Sergio Gonçalves
Angra
(1999)



Fatores de Risco Coronariano
Jorge Martins de Oliveira
Guanabara Koogan
(1978)



Macau na Poesia de Edinor Avelino
Walter Wanderley (dedicatória)
Pongetti (rj)
(1967)



Teoría e Investigación Históricas En La Actualidad
Richard Dietrich (ed.)
Gredos (madrid)
(1966)



Organização e Administração
Kast e Rosenzweig
Pioneira
(1976)



Evans Technical Dictionary
Laurence Urdang (compilação)
Ao Livro Técnico (rj)
(1982)



Networking: Desenvolva Sua Carreira Criando Bons Relacionamentos
Diane Darling
Sextante
(2007)



Administre Seu Tempo Assuma o Controle da Sua Vida
Mauro Silveira
Abril



A Volta de Nietzsche
J. Fagundes
Discovery
(2012)





busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês