Comentários de francisco lopes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Maiores audiências da internet
>>> Amando quem não existe
>>> 18 de Outubro #digestivo10anos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
>>> Geração abandonada
>>> O dia em que a Terra parou
>>> A Geração Paissandu
>>> Srta Peregrine e suas crianças peculiares
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Publicar em papel? Pra quê?
Mais Recentes
>>> Condessa de Barral: a Paixão do Imprerador de Mary del Priore pela Objetiva (2008)
>>> Isso Me Traz Alegria de Marie Kondo pela Sextante (2016)
>>> As Aventuras de Benjamim: o Muiraquitã de Camila Franco; Marcela Catunda; e Outros pela Companhia das Letrinhas (2004)
>>> Vitrines e Coleções de Christine Ferreira Azzi pela Memória Visual (2010)
>>> El Nacimiento de Europa de Robert S. López pela Editorial Labor (1963)
>>> O Que é Isso, Companheiro? de Fernando Gabeira pela Companhia das Letras (1997)
>>> Mística e Espiritualidade de Leonardo Boff; Frei Betto pela Vozes (2010)
>>> As Aventuras de Pinóquio de Carlo Collodi pela Companhia das Letrinhas (2002)
>>> Livro das Perguntas de Ferreira Gullar; Pablo Neruda; Isidro Ferrer pela Cosac & Naify (2008)
>>> Entrevista Com o Vampiro de Anne Rice pela Rocco (1991)
>>> Pais Brilhantes - Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Ciranda de Pedra de Lygia Fagundes Telles pela Rocco (1998)
>>> Uma Janela Em Copacabana de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2001)
>>> Trópico de Câncer de Henry Miller pela Biblioteca Folha (2003)
>>> Our Man in Panama de John Dinges pela Random House (1990)
>>> Os Princípios da Competição Empresarial de Luís Paulo Luppa; Johnny Duarte pela Landscape
>>> O Supermanager de Robert Heller pela Mcgraw - Hill (1987)
>>> Limites sem Trauma de Tania Zagury pela Record (2008)
>>> Iracema de José de Alencar pela Travessias (1984)
>>> Rachel de Queiroz - o Quinze de Rachel de Queiroz pela Jose Olympio (2010)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Introdução ao Direito das Agências Reguladoras de Sergio Guerra pela Freitas Bastos Não (2004)
>>> Iracema de José de Alencar pela Ciranda Cultural
>>> Iracema / Senhora - 2 Romances pelo Preço de 1 de José de Alencar pela Scipione (1994)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sexta-feira, 27/1/2012
Comentários
francisco lopes


Bem, sou contista, com três...
Bem, sou contista, com três livros de contos publicados, e fui naturalmente me interessando por novelas e romances, até por decorrência de uma necessidade de um mergulho mais extenso em meus personagens. Mas reconheço que o conto perdeu a sua "aura de prestígio" realmente, e lamento. O mercado editorial é insano. Nas Letras, gênero não importa, o que importa é talento, criação. Mas o comercialismo só consegue pensar de um jeito, infelizmente...e este jeito é anti-artístico, quase sempre.

[Sobre "Os contistas puros-sangues estão em extinção"]

por francisco lopes
http://verdes trigos
27/1/2012 às
13h48 189.13.55.245
 
Gostei do artigo - simples,...
Gostei do artigo - simples, objetivo. Há nele grandes verdades, e creio que uma parte se destaca: o isolamento (muito deliberado,por vezes) em que ficam os escritores que não querem chegar ao público ou achariam subserviência vil agradar ao leitor, "fazer o jogo do mercado", como dizem. Há nisso um elitismo obtuso, porque grandes autores sempre procuraram o diálogo com o público. Não o procuram aqueles mais obstinados em viver num círculo limitadíssimo, que, claro, têm direito a isso, mas pouco contribuem para o universo da leitura em geral. Sem leitores num número razoável, nenhum autor cresce, e, com a certeza de ser lido, um autor se torna mais leal, menos individualista e árido em suas perspectivas, depura seu estilo, procura maior clareza, melhor comunicação, sem perder suas características; pode-se dizer que o leitor é a grande medida viva do escritor.

[Sobre "Considerações sobre a leitura"]

por francisco lopes
http://verdes trigos
23/12/2011 às
07h43 187.49.199.126
 
Muito bom. Pondé me atraiu,...
Muito bom. Pondé me atraiu, às vezes, pela coragem (aparente) de alguns de seus argumentos, até que percebi um ranço pessimista/comodista em seus artigos que começou a me afastar de sua leitura. A articulista aqui acertou em todos os alvos - esse machismo revestido de auto-indulgência filosófica parece ranço do pior Schopenhauer e prega o ressentimento, lamentando a servidão feminina perdida. Excelente.

[Sobre "Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé"]

por francisco lopes
http://verdes trigos
22/12/2011 às
07h37 187.49.199.101
 
Bom artigo, este, pra refle...
Bom artigo, este, pra refletir sobre esta questão de seduzir via palavra. Acredito piamente que é possível seduzir só com palavras e textos sim. Há um grude erótico (inconsciente, acredito eu, na maior parte do tempo) no que os grandes escritores escrevem. O curioso é que, na vida real, esses tipos verbalmente sedutores podem não sê-los fisicamente, podem até mesmo ser caladões, taciturnos e nada atraentes. Isso me faz pensar no que disse Proust, que a ficção é produto de um Eu que nada tem a ver com o Eu social. Seduzimos com a arte e podemos ser fiascos como sedutores na realidade. De qualquer modo, é bom que seja assim, pra que o complexo de onipotência dos criadores literários - cuja vaidade não pode ser subestimada - seja freado e uma sobriedade e uma humildade necessárias se instalem em seus egos.

[Sobre "É possível conquistar alguém pela escrita?"]

por francisco lopes
http://verdes trigos
21/12/2011 às
16h30 187.49.199.101
 
Clichês romântico/filosóficos
Não posso concordar: "Comer, rezar, amar" foi dos piores filmes que vi ultimamente: fraco, esticado artificialmente, parece terminar várias vezes e segue em frente, acumulando superficialidades. Javier Bardem está em seu pior papel tentando parecer brasileiro, Julia Roberts não tem estofo pra protagonista de um filme tão longo e tudo que seu personagem parece é uma dondóca fútil que tem dinheiro e parte em busca de Deus - ou melhor, de clichês romântico/filosóficos e cartões postais - pelo mundo. Uma enorme futilidade besta.

[Sobre "Comer, Rezar, Amar, o filme, com Julia Roberts e Javier Bardem"]

por francisco lopes
21/12/2011 às
14h21 187.49.199.117
 
Leitores pela metade
Torero: Só te conhecia de nome e li isso agora, me deliciando. Na verdade, como contista, desde meu primeiro livro, "Nó de sombras" (IMS/SP, 2000), tenho me deparado com esses leitores pela metade ou por alto que são, em geral, os resenhistas. Não diga que não haja leitores cuidadosos e que realmente leêm os livros da gente do começo ao fim, dando-nos, aliás, ótimas sugestões, fornecendo reparos e observações pertinentes (tive algumas experiências felizes assim também). Mas, no geral, o que há é chute, chute "impressionista", como se queira, preguiça, má vontade, enrolação, falta de tempo. Assim, por conta das "sombras" do título do meu primeiro livro, não há quem não me rotule como "sombrio". E o curioso, então, é o capítulo das influências - já foi dito que tive influências de gente que nunca, nunca li, como Juan Rulfo e Carpentier. O samba-do-crioulo-doido é completo. Daí se explica o teu verme, que acabou sendo o de Brás Cubas. Só mesmo rindo...

[Sobre "Como resenhar sem ler o livro"]

por chico lopes
14/9/2011 às
10h55 187.127.0.174
 
Temos que ser humildes
Ótimo. Sou escritor (três livros de contos publicados), escrevo sobre filmes e às vezes sobre livros também. Meu empenho é exatamente este: dividir com o leitor uma paixão que sinto, sem maiores compromissos teóricos e ideológicos, por um determinado livro. O resto (a classificação como crítico literário) me parece pompa, pretensão, ou, como foi observado por Castelo, algo parecido com intimidação. Temos que ser humildes, quero dizer: gostar do que gostamos sem maiores frescuras, e desprezar o que desprezamos com a mesma atitude. Eu, francamente, prefiro a admiração ao desprezo. Até porque a admiração é mais fecunda e, admirando, crescemos.

[Sobre "Crítica literária ainda existe?"]

por francisco lopes
14/9/2011 às
10h43 187.127.0.174
 
Pra ficar só na Literatura
Crítica honesta anda meio escassa, por toda parte. Creio que se vê comprometimento pessoal (ou empregatício) com patotas ou carteirinhas ideológicas por toda parte num grau nunca visto. Ademais, há "impressionismo" excessivo na era digital - pra ficar só na Literatura, vê-se em alguns lugares resenhas que deixam óbvio que o resenhista leu quando muito a orelha de um livro e se deixou levar por uns fragmentos de enredo, juntando cacos e construindo uma peça unitária cujo fundamento básico foi a preguiça e o palpite, não mais. Como sou escritor (e também comento livros alheios), sei que é assim. Muitas vezes li comentários sobre livros meus que me deixaram fulo da vida pela imprecisão, pelos chutes... (enumerando influências de escritores que nem li). Jamais comentei um livro que não houvesse lido cuidadosamente, e isso me parece o fim da picada. Mas parece que hoje em dia a crítica, se for elogiosa, é considerada sempre benvinda pelo escritor, ainda que parta de alguém que nem o leu.

[Sobre "O Crítico, em Exercício Findo, de Décio de Almeida Prado"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
12h41 187.49.199.100
 
Enxergar claro
Que bom! Serenidade e estoicismo são aconselháveis em alto grau, principalmente quando se vai envelhecendo e se entende que nossas queridas ilusões sobre as pessoas (mesmo as que mais amamos) e sobre nós mesmos (principalmente) se dissipam irremediavelmente. No entanto, são substituídas por uma capacidade maior de enxergar claro, isto é, com uma desilusão objetiva e tranquila. Aí os ideais de Bem ou Mal enfáticos já não nos pegam mais...

[Sobre "Sobre os enganos do mundo, de Sêneca"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
11h00 189.107.64.141
 
Títulos assim
Ana Maria Machado disse uma coisa curiosa num programa de televisão, a respeito desse livro: que ele vinha numa linha de títulos como "Desonra", de Coetzee, "Reparação", de Ian McEwan, "Humilhação", de Roth, e outros. Verdade: o que será que leva tantos autores de países diferentes a criar títulos assim, em onda mundial?

[Sobre "A realidade, na verdade, é mentira"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
10h54 189.107.64.141
 
Irresponsabilidade total
Isso de fato é constrangedor, e os equívocos pipocam o tempo todo. As pessoas não querem conferir a origem clara do que dizem, não querem ouvir os autores, só querem mesmo é propagar suas ideias através de citações incompletas, errôneas ou até mesmo deliberadamente adulteradas. A Internet é um território democrático, e democracia, no Brasil, parece ter sempre soado como permissão para a total anarquia. Irresponsabilidade total.

[Sobre "Textos mortos vivos"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
08h25 187.49.199.123
 
Rumo ao refinamento e à poesia
Pura verdade. "Abraços partidos" foi mal compreendido, porque sempre se espera exotismo e humor escrachado, além de toques pornográficos, em Almodóvar, enquanto ele foge cada vez mais de qualquer vulgaridade rumo ao refinamento e à poesia.

[Sobre "Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
08h02 187.49.199.123
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gestão por Valores
Simon Dolan e Salvador Garcia
Qualitymark
(2006)



The Collapse of the Common Good
Philip Howard
Ballantine Books
(2001)



Já é Tempo de Saber...
Gladys Denny Shultz
Brasiliense
(1968)



Aquele Tombo Que Eu Levei
Toni Brandão
Melhoramentos
(1991)



A culpa não é minha!?
Adryanah Carvalho, Allessandra Canuto, Ana Luiza Isoldi
Literare Books International
(2018)



Estudos de Direito Processual Civil 3º Vol.
José Fernando da Silva Lopes (capa Dura)
Jalovi
(1983)



Contos de Perrault - Clássicos da Infância
Vários Autores
Círculo do Livro
(1995)



Journey to Tricon
Travis
Aurora Productions
(1998)



Constituição e Responsabilidade Fiscal
Mário Antonio Sussmann
Valer (manaus)
(2013)



Rabos de Lagartixa
Juan Marsé
Arx
(2004)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês