A realidade, na verdade, é mentira | Ivan Bilheiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Livro - A Ararajuba - Série natureza brasileira 2 de Rubens Matuck pela Biruta (2003)
>>> Arsène Lupin e Victor, da Brigada Anticrime (como novo) de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Livro - Os Pássaros - Coleção Infanto Juvenil de Germano Zullo Albertine pela 34 (2013)
>>> Livro - Betina de Nilma Lino Gomes pela Maza (2009)
>>> Agente em campo (como novo) de John le Carré pela Record (2021)
>>> Fantasma sai de cena (muito bom) de Philip Roth pela Cia das letras (2008)
>>> Gota d’água - Coleção Teatro Hoje de Chico Buarque (Autor), Paulo Pontes (Autor) pela Civilização Brasileira (1977)
>>> Privação Cultural e Educação Pré-Primária de Maria Helena Souza Patto pela Livraria José Olympio (1977)
>>> Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins pela Planeta (2015)
>>> A Franco Maçonaria. Origem Historia e Influencia (raro exemplar) de Robert Ambelain pela Gnose (1990)
>>> O Desmonte de Amarildo Felix pela Patuá (2021)
>>> Diário de um Ladrão de Jean Genet pela Nova Fronteira (2005)
>>> Comédias para se ler na escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira Auto da Índia de Gil Vicente pela Atica (2005)
>>> Eu não disse? (muito bom) de Mauro Chaves pela Perspectiva (2004)
>>> Os Sofrimentos Do Jovem Werther de Johann Wolfgang Von Goethe pela Martins Fontes (1998)
>>> O Quarto Reich (capa dura- ótimo estado) de M. A. Costa pela Livros de guerra (2018)
>>> A Inocência do Padre Brown (raro exemplar) de G. K. Chesterton pela Record
>>> Ventos de Quaresma (muito bom) de Leonardo Padura Fuentes pela Cia das letras (2008)
>>> Perseguido (muito bom) de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Cia das letras (2003)
>>> O Rei De Girgenti (muito bom) de Andrea Camilleri pela Record (2004)
>>> D. Pedro I (Perfis Brasileiros) de Isabel Lustosa pela Companhia das Letras (2006)
>>> Quatro Estações de Stephen King pela Objetiva (2001)
>>> Wicca Gardneriana de Mario Martinez pela Gaia (2005)
>>> O Feitiço do Cinema Ensaios de Griffe Sobre a Sétima Arte de Juan Guillermo D. Droguett e Flavio F. A. Andrade pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/8/2011
A realidade, na verdade, é mentira
Ivan Bilheiro

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Sobre as múltiplas e traiçoeiras faces da realidade. Assim é apresentado o livro Infâmia (Objetiva/Alfaguara, 2011, 277 págs.), de Ana Maria Machado, em uma de suas orelhas. Ou seria mais sobre a construção de múltiplas versões da realidade que, assim, sepultam a verdade? Quando se diz por aí que "os fatos são indiscutíveis, é necessário interpretá-los", estranhe. No final das contas, interpretações se fantasiam de fatos, os verdadeiros fatos são sepultados pelas versões e, assim, a realidade se perde. O que se vê, na verdade, é que as várias interpretações tornam-se onipresentes, e o necessário (e complicado) é interpretá-las...

A obra de Ana Maria Machado é muito mais sobre a infâmia ― com artigo definido ― do que, propriamente, a respeito de alguma infâmia. No caso, duas histórias, correndo em paralelo, que cumprem o papel de fazer um alerta, muito forte e atual, sobre os mecanismos através dos quais vidas são destruídas por conta de mecanismos de ocultação e deturpação da verdade.

De um lado, o embaixador Manuel Serafim Soares de Vilhena, chamado Manu entre os íntimos, chefe de uma família com tradição na carreira diplomática brasileira. Leitor por gosto e profissão, gosta de se dizer "intruso" das histórias, que lê e acompanha de perto, vivenciando-as. Ao longo da trama, por conta de uma catarata, encontra-se impossibilitado de fazer leituras e contrata a filha de um amigo para que cumpra a função de seus olhos, lendo para ele. No curso dos acontecimentos, o embaixador, que se nota tão perspicaz diante dos acontecimentos noticiados na mídia e das viagens encontradas na literatura, sente-se fracassado por não ter conseguido acompanhar a decadência da filha recém-perdida. Manu se questiona, por várias vezes, como foi que ele não conseguiu enxergar a urgência do caso da filha, o sofrimento que a vitimou. Neste caso, não foi "intruso", não foi um bom leitor.

Em paralelo, a história de um chefe de almoxarifado de uma repartição pública, chamado Custódio Fialho Borges Filho. Há anos trabalhando naquele Instituto, Custódio subiu até onde podia na carreira. Nessa condição, conseguiu dar meios para que os filhos corressem atrás dos próprios sonhos profissionais. Sentia-se satisfeito com isso. Mas, em sua posição, acabou constatando certas irregularidades que vinham sendo feitas pela nova diretoria. Em busca de justiça, por entender que um funcionário público, como diz o nome, deve funcionar para o público, resolve buscar meios de denunciar o ocorrido em seu local de trabalho. Através do contato com um jornalista, dispara a investigação da mídia e lança, "em horário nobre", o podre que se apossava do Instituto nos últimos tempos.

Embaixador e funcionário público: distantes em seus postos, próximos em suas tragédias. Ambos começam a notar que a realidade nem sempre corresponde à verdade e que, muitas vezes, versões magistralmente construídas são postas em seu lugar e iludem, fazendo da verdade uma opção descartada na construção desta realidade. Lançados em cenários construídos com muitas peças falsas, sofrem na busca do verdadeiro que está por trás, acreditando ser possível encontrá-lo.

Manuel Serafim Soares Vilhena, experiente nos meios políticos e diplomáticos, choca-se com a mentira a respeito da morte da filha. De fragmentos escritos pela mesma, até relatos de pessoas próximas, muitas pistas são recolhidas a fim de desvelar o que, efetivamente, ocorreu. Sentindo-se cada vez mais descrente do que lhe fora relatado, coloca-se no encalço da verdade, o que muda todo o cenário, altera cursos de vida, desfaz imagens sobre pessoas... A investigação mostra que o chão firme da realidade não passava de ilusão.

Custódio, por sua vez, constata rapidamente que a verdade nem sempre é o que importa. Vendo toda a sua denúncia, na busca da justiça, tornar-se um monstro incontrolável capaz de destruir vidas, pela deturpação de interpretações, o funcionário público luta para manter a esperança. Na mídia, vê toda a verdade revelada, mas apresentada de forma a servir à mentira, à farsa, ao roubo... "Tudo é verdade e nada é verdade", constatação do velho trabalhador ― a mesma d'O Estrangeiro de Camus, quando via o processo de que era réu fazer-se por uma ligação de fatos verdadeiros que construíam uma interpretação, uma versão somente favorável à acusação.

Ligadas, na trama, por relacionamentos entre os vários personagens, as histórias encaixam-se no sentido de construir o alerta: a infâmia, vil mecanismo de ocultação da verdade, tão presente na sociedade contemporânea, é um mal gravíssimo. A lição de um dos personagens é clara: "Atento, fui aprendendo que todo relato tem interpretações. Mais de uma. Nenhuma é a única correta. Mas muitas são apenas falsas, mentirosas".

A infâmia gera consequências terríveis, irreparáveis, e muitas vezes ela é construída pela fé cega que se tem em relatos, argumentos de autoridades, versões da mídia, gritos e acusações dos inimigos... Já Hamlet, de Shakespeare, lembrava que basta uma partícula impura para que toda a substância torne-se desprezível, que um pequeno defeito solapa toda a moral de um homem aos olhos alheios. Assim, maculadas pela infâmia, ainda que em uma mísera partícula (uma denúncia infundada), vidas inocentes são terrivelmente destruídas.

História permeada de referências a acontecimentos recentes do país, Infâmia é um livro que chama à responsabilidade o leitor: de que se alimentam as infâmias, as interpretações grotescas e deturpadas da verdade, se não do eco a elas feito? "Muitas vezes o crime não é aquilo que está sendo denunciado, mas a denúncia em si. Verdadeiros assassinatos de caráter, que é o nome técnico que os especialistas dão a isso", diz o embaixador personagem. Cumpre que os leitores, da imprensa, da literatura, dos relatos cotidianos, não sejam meros reprodutores, mas tornem-se críticos. Que as distorções da realidade não tornem a história infame...

Para ir além






Ivan Bilheiro
Juiz de Fora, 17/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Rodolfo Felipe Neder (1935-2022) de Julio Daio Borges
02. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
03. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva
05. Senhorita K de Carina Destempero


Mais Ivan Bilheiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/8/2011
10h54min
Ana Maria Machado disse uma coisa curiosa num programa de televisão, a respeito desse livro: que ele vinha numa linha de títulos como "Desonra", de Coetzee, "Reparação", de Ian McEwan, "Humilhação", de Roth, e outros. Verdade: o que será que leva tantos autores de países diferentes a criar títulos assim, em onda mundial?
[Leia outros Comentários de francisco lopes]
24/8/2011
18h37min
Belo texto, Ivan! Essa discussão sobre a verdade é interessantíssima. E a frase "descontruída" no primeiro parágrafo já foi motivo de outras conversas. Pra ser sincero, não conhecia nem a autora nem o livro, mas me parece muito bom! As menções a Camus e Shakespeare engrandecem ainda mais o texto e a discussão em si.
[Leia outros Comentários de Rogério Arantes Luis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Estorvo
Chico Buarque
Companhia das Letras
(1991)



A Clara e a Gema - O Viver na Escola e a Formação de Valores
Paulo Afonso Caruso Ronca
edesplan
(1998)



O Curupira Em uma Dança da Pesada - Bicho do Mato
Jorge Saad
Ftd
(1997)



Mata Atlântica - a Floresta Corre Perigo 1 (2000)
Coleção de Olho no Mundo (recreio)
Abril
(2000)



Metodologia do Trabalho Científico - 21 Ed Revista e Ampliada
Antônio Joaquim Severino
cortez
(2000)



Estatuto da Advocacia e a Ordem dos Advogados do Brasil Codigo de Etic
Luiz Flavio Borges Durso
Oab-sp
(2005)



Reegenharia de Processos
Thomas H. Davenport
Campus
(1993)



Os Pensadores - Xiii - Novum Organum Ou Verdadeiras Indicações...
Francis Bacon
Abril Cultural
(1973)



Os Simpsons e a Ciência
Paul Halpern
Novo Conceito
(2012)



Instrumentos do Tempo
Francisco Cândido Xavier
geem
(1974)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês