Textos mortos vivos | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Textos Escolhidos de Condillac pela Abril Cultural (1979)
>>> Abragencia Dos Voos Poeticos De Avoante Do Cariri de Roberto Boaventura Da Silva pela Edufmt (2014)
>>> Sobre o infinito o universo e os mundos de Giordano Bruno pela Abril Cultural (1978)
>>> Dominando As Técnicas De Ensino de Joseph Lowman pela Atlas (2004)
>>> Curso de filosofia positiva de Auguste Comte pela Abril Cultural (1978)
>>> Investigações filosóficas de Ludwig Wittgenstein pela Abril Cultural (1979)
>>> Seu Madruga - Vila e Obra de Pablo Kaschner pela Mirabolante (2010)
>>> Mar Morto de Jorge Amado pela Círculo do Livro (1988)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros: Estática de Ferdinand P. Beer; E. Russell Johnston Jr. pela Makron Books (1991)
>>> Marketing Global de Charles David Forte pela Copidart (2004)
>>> Escritos Políticos de Thomas Jefferson pela Abril Cultural (1979)
>>> O Que Todo Cidadão Precisa Saber Sobre Ideologia de Ciro Marcondes Filho pela Global (1985)
>>> Feng Shui Harmonia Dos Espacos de Nancy Santopietro pela Nova Era (2004)
>>> Não Sou Este Tipo De Garota de Siobhan Vivian pela Novo Conceito (2011)
>>> Guia da Vida do Yin-Yang no Universo 1 de Toru Lida pela Yacon (2002)
>>> Manual dos Escoteiros Mirins de Abril pela Abril (2016)
>>> Ocultismo Prático de H. P. Blavatsky pela Pensamento
>>> A Yoga da Disciplina de Swami Chidvilasananda pela Sem (2001)
>>> 20 Lições Essenciais Para Ganhar no Mercado de Ações de Vários Autores pela Saraiva (2007)
>>> Sete Contos De Fúria de António Bracinha Vieira pela Globo (2002)
>>> Tocaia de Amil Alves pela Do autor (1979)
>>> Yoga Prático Yoga Sádhana de Pedro Kupfer pela Sem (2000)
>>> Feng Shui Para Mudar a sua Vida de Nancilee Wydra pela Pensamento (2010)
>>> Arquivo Pessoal de Nelson de Senna de Nelson Coelho de Senna pela Apcbh (2000)
>>> Duluth de Gore Vidal pela Rocco (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/6/2006
Textos mortos vivos
Julio Daio Borges
+ de 6500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Quando eu era mais jovem e não escrevia ainda, via autores reclamando de ter de "assumir" livros, e opiniões sobre eles (e dúvidas!), que não lhes diziam mais respeito - e achava aquilo estranho. Se o sujeito havia escrito o negócio, e publicado, por que agora, de repente, resolvia renegar? Deveria tomar mais cuidado antes de publicar, eu pensava.

Achava mais estranho ainda casos em que o livro era um sucesso estrondoso e o autor, ao contrário do que era de se esperar, até se envergonhava de si próprio. O episódio mais folclórico é o de J.D. Salinger, cujo sucesso de O Apanhador no Campo de Centeio lhe pareceu tão acintoso (para o seu gosto), que ele, Salinger, decidiu se resguardar para sempre dos holofotes. Há décadas não publica nada; nem aparece pras pessoas.

No Brasil, já vi a Lygia Fagundes Telles se arrependendo em público de um primeiro livro (de poemas?). Como se aos 80 anos, em cada palestra que ainda dá, tivesse de se justificar para a audiência por causa daquele arroubo... Existe um conto, ou uma crônica, do Luis Fernando Verissimo em que ele afirma que o pior sucesso é o "indesejado" (ou uma palavra similar). Algo como os best-sellers da Lya Luft, ou o best-seller (para ser mais exato), que, sem explicação aparente, emplacou como "auto-ajuda", embora ela tenha sido, a vida inteira, uma autora considerada "séria"... Ou ainda o Diogo Mainardi que, muito embora tenha investido seus "melhores anos" na literatura, ficou famoso mesmo como "polemista" da Veja.

Aqui, a perspectiva de uma carreira literária sólida é tão improvável (se o escritor não tiver outro trabalho), que autores se agarram a qualquer forma de sucesso, mesmo o mais deplorável... Um amigo jornalista - um dos poucos bem-sucedidos que eu conheço, com mais de 10 anos de BBC nas costas -, nas reuniões de fim de ano em família, às vezes ainda tem de ouvir da cunhada: "Por que você não lança um livro como o do Arnaldo Jabor?". E vai explicar pra ela que o Jabor não é jornalista; nem, muito menos, escritor... - talvez cineasta (ou foi).

Mas essa é outra história. O que eu queria dizer aqui é que entendo hoje melhor os autores que reclamam das mesmas perguntas, das mesmas reações da platéia, das interpretações de sempre... quando se trata de livros, ou textos, pelos quais eles não podem mais se responsabilizar (como antes puderam).

O maior problema da obra, dizia numa época o Polzonoff, é que você não pode controlar o que "a posteridade" vai falar. A interpretação (e o uso), principalmente no Brasil, é livre e descontrolado. Será que o Nélson Rodrigues aprovaria as inúmeras encenações que fazem de suas peças todos os anos? Será que o Guimarães Rosa atribuiria algum valor às efemérides que hoje se celebram em seu nome? Ou ambos teriam de dar "graças a Deus" por, no País do esquecimento, estarem sendo lembrados (do jeito que for)?

O Digestivo tem cinco anos, mas já colecionamos alguns casos de erro de interpretação. Lembro, bem no início, do Lisandro Gaertner perdendo a paciência com os Comentários - porque havia escrito um texto em que mencionava en passant o secretário de Estado dos EUA, Colin Powell. Os Comentaristas não quiseram nem saber: apesar das intervenções do próprio Lisandro no Fórum, insistiam em discutir a performance de Powell em uma entrevista da MTV... Os Comentários, ao que parece, são, por natureza, indomáveis. Outro dia li - e linquei no Blog - um estudo recente sobre o que a autora do paper chamava de "leitura esquizofrênica" - a que se faz na internet hoje... A gente insiste muito no diálogo, ou, no dizer do Cluetrain, na "conversação", mas sabe muito bem que o que predomina mesmo é o monólogo, ou o solilóquio, ou até o espetáculo solo, de pessoas que, pretensamente, se encontraram na Web para trocar idéias...

(Parece que estou cada vez mais longe do meu assunto, mas não estou, não.) Nos Estados Unidos - os franceses tentam, mas a nomenclatura vem toda de lá -, chamam o fenômeno dos textos que nunca morrem, graças aos Comentários, de "live posts" (por causa dos blogs). Aqui no site, é engraçado... O Juliano Maesano escreveu um texto em 2001 sobre a série Anos Incríveis, mais na base da diversão, mas que não passa uma semana sequer sem receber Comentários. A Clarissa Kuschnir, que teve uma passagem meio relâmpago pelo Digestivo Cultural, outro dia pediu para corrigir dois erros num texto seu de 2002, sobre o filme Dirty Dancing, porque, até hoje (2006), as pessoas não paravam de reclamar... E o Fabio Danesi Rossi deve ter se arrependido de brincar dizendo que, na sua Coluna de 2002, a Mariana Ximenes estava nua, bem na época de O Invasor... - pois, volta e meia, encontro Comentaristas sôfregos: "Pô, meu, vê se libera aí aquelas fotos!".

Do mesmo jeito, o Marcelo Miranda tem de aturar as defesas apaixonadas que o fãs do "Michael" (Jackson) fazem toda vez que visitam a página onde ele resenhou a biografia do cantor. Antes, era o Arcano9 que recebia manifestações de solidariedade porque uma vez, até como exercício de estilo, decidiu colocar em dúvida a imagem de "Jacko" promovida pela mídia... E, falando de novo em Salinger e O Apanhador, a republicação de um texto do Nemo Nox aqui no Digestivo é mais acessada que o original sobre o mesmo tema... (E dá-lhe interpretações adolescentes nos Comentários sobre a obra.) O mesmo Polzonoff teve de agüentar, por uns bons anos, a sanha dos seguidores de Olavo de Carvalho porque, em 2003, chamou-o de "roqueiro" e insinuou que o "filósofo" admirava mais os meninos do Los Hermanos do que sua própria legião de seguidores em forma de pseudônimo...

Aliás, o Alexandre Soares Silva quando cansava de discutir lá nos Wunderblogs, lincava pra cá, para um texto seu de 2002: "Polêmicas" - em que exemplificava como até Oscar Wilde, na era da internet, estaria condenado a erros de interpretação. O texto é um de seus maiores hits; e eu arrisco dizer que é um dos maiores hits da internet brasileira sobre o assunto... A ponto de, na última vez, o Alexandre, cansado de lincar pra cá, tê-lo reproduzido na íntegra no seu blog. Pra quê? Uma Colaboradora do Digestivo me repassou por e-mail como se fosse novidade... E, pior de tudo, o Daniel Piza - inspirador e Leitor do Digestivo Cultural de primeira água - reproduziu um trecho na sua coluna como se fosse, também, novidade.

Eu, pelo meu lado, tive uma certa canseira com os bloggers que, durante anos, decidiram considerar minha "primeira visão" dos blogs como definitiva. Tive de escrever outras, para esclarecer e ampliar a compreensão da "minha própria visão" (ou daquela que as pessoas me atribuíam). E o Lula, então? Semana passada, um Parceiro novo do Digestivo Cultural veio me xingar, naquele texto sobre o Lula de 2002, argumentando que, apesar de tudo o que eu disse, o País havia crescido, a economia estava bem, o Presidente iria entregar um Brasil melhor etc. A esse, fiz questão de responder: "É tudo culpa da herança maldita (de PSDB e de FHC)!". E ainda tasquei um (auto-)Comentário, onde Carlos Vereza, no Jô Soares - via YouTube -, tripudia em cima de Lula, em 2006, muito mais do que eu tripudiei em 2002.

Vai ver que é por isso que algumas pessoas brigam tanto comigo quando profiro (do verbo "proferir") algum juízo desfavorável sobre elas ou sobre suas obras... Possivelmente com medo de que, com o crescimento da internet (e do Digestivo, modéstia à parte), aquilo fique entalhado para sempre em mármore. Ora, mas os Comentários também ficarão! E os xingos, e os erros de interpretação, e todas as barbaridades que - por mais que a gente apague - ficarão registradas no Internet Archive ou no cache do Google... Ainda não aconteceu de nenhum Colaborador do Digestivo vir a falecer, mas, quando isso acontecer (espero que seja só no próximo século), lamentaremos informar à viúva, e aos descendentes do dito cujo, que eles continuarão a receber Comentários dos Leitores do Digestivo Cultural. Por toda a eternidade...


Julio Daio Borges
São Paulo, 23/6/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Lamartine Babo e futebol, uma simbiose de Marco Garcia
03. Hebreus e monstros, parte II de Guilherme Pontes Coelho
04. Minha lista possível de Luiz Rebinski Junior
05. Ter ou não ter de Marta Barcellos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2006
04h04min
É isso, é assim mesmo. Alguns textos funcionam como essas fotos 3x4 que a gente espalha pelos documentos e depois mal pode acreditar que aquele Quasímodo é a gente. É com relutancia que entregamos nossas carteiras de identidade. A nossa foto está lá e temos (o pior é isso) a obrigação de ser aquela pessoa que não somos mais. Ou fomos, por um momento que a gente gostaria de esquecer.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
24/6/2006
02h59min
Julio, acho que eu nunca tinha pensado nessa coisa de as polêmicas se seguirem com os textos dessa forma tão simples quanto você pensou. Muito boa a visão, parabéns. E realmente, a quantidade de comentários de Michael Jackson não é mole - considerando os que são puramente de fãs, que talvez nem tenham lido o texto (rsrsrsrs). Abraços!
[Leia outros Comentários de Marcelo Miranda]
7/8/2011
10h02min
Esplêndido seu texto! Este texto é a prova de que a internet é uma terra sem leis, no que toca a Literatura e à produção de textos. Eu gostaria que meu dia tivesse 30 horas pra passar pelo menos algumas horas a mais lendo o Digestivo. Trabalho textos daqui com meus alunos do Ensino Médio e este aqui vai suscitar discussões em muitas aulas. Um grande abraço e parabéns pelo texto. [Espero que não haja nenhum tipo de desvio de interpretação neste belíssimo escrito...rs]
[Leia outros Comentários de Milena Campello]
19/8/2011
08h25min
Isso de fato é constrangedor, e os equívocos pipocam o tempo todo. As pessoas não querem conferir a origem clara do que dizem, não querem ouvir os autores, só querem mesmo é propagar suas ideias através de citações incompletas, errôneas ou até mesmo deliberadamente adulteradas. A Internet é um território democrático, e democracia, no Brasil, parece ter sempre soado como permissão para a total anarquia. Irresponsabilidade total.
[Leia outros Comentários de francisco lopes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cenas da Vida Brasileira 1930 / 1954
João Câmara Filho
Prefeitura de Recife Fundação Roberto Marinho Grupo Othon
(1980)



Negociando Para o Sucesso
Henrique Sergio Gutierrez Da Costa
InterSaberes
(2013)



Livro Turismo Guia Visual Folha de São Paulo Paris
Alan Tillier
Dorling Kindersley
(1995)



Vereda Digital. Geografia (em Portuguese do Brasil)
Nelson Bacic Olic
Moderna
(2012)



Princípios da Filosofia Cartesiana e Pensamentos Metafísicos
Bento de Espinosa
Autentica
(2015)



A Qualidade Desde o Projeto
J. M. Juran
Pioneira
(1992)



Sinal de Vida (Teatro brasileiro)
Lauro César Muniz
Global
(1979)



Livro Artes Tarsila Sua Obra E Seu Tempo
Aracy A. Amaral
34
(2003)



Slash com Anthony Bozza
Slash
Ediouro
(2008)



O Príncipe
Machiavel
Escala





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês