Pra ficar só na Literatura | francisco lopes

busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alfredo Bosi e a dignidade da crítica
>>> Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa
>>> Sábia, rubra, gorda (e gentil)
>>> Sol sem luz
>>> Letícia Sabatella #EuMaior
>>> Réquiem reloaded
>>> Fábio Porchat no Comedia em Pé
>>> La dolce vita
>>> Discurso de Isaac B. Singer
>>> O Iconoclasta, de Gregory Berns
Mais Recentes
>>> Mãe de Máximo Gorki pela Palla
>>> A Vida de Lima Barreto de Francisco de Assis Barbosa pela José Olympio (1952)
>>> O Perigo do Dragão de Bruna Lombardi pela Círculo do Livro (1984)
>>> Condição da Mulher - Artigos de Marta Suplicy pela Brasiliense (1984)
>>> Sob a Cruz das Estrelas de Odette de Barros Mott pela Ftd (1986)
>>> Foi Mesmo... de Perseu Lemos pela Bagaço (1997)
>>> As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Fim do Século de Hillel Schwartz pela Editores Associado (1992)
>>> Como Educar Crianças Em Grupo de Marie Winn e Mary Ann Porcher pela Ibrasa (1975)
>>> Coração de Vidro de José Mauro Vasconcelos pela Melhoramentos (1981)
>>> A Segunda Abolição de Cristovam Buarque pela Paz e Terra (1999)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1990)
>>> Literatura Comentada de Jorge Amado pela Abril Cultural (1981)
>>> A Divina Paródia de Alvaro Cardoso Gomes pela Globo (2002)
>>> A Mulher pela Metade de Patricia Tenorio pela Caliban (2009)
>>> De Bacamartes de Festa de Devoção de George Michael Alves Organizador pela Funcultura (2014)
>>> Eça de Queiroz, Agitador no Brasil de Paulo Cavalcanti pela Cepe (2000)
>>> Joaquim Nabuco e o Novo Brasil de Humberto França Organizador pela Cepe (2011)
>>> Aventura e Rotina de Gilberto Freyre pela José Olympio (1953)
>>> Antologia Poética de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1989)
>>> Eu Sei Que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor pela Record (1986)
>>> A Correnteza de Ricardo Gontijo pela Best Seller (1988)
>>> Candido Ou o Otimismo de Voltaire pela Newton Compton Brasil (1996)
>>> Dez Anos e Nove Meses de Fred Paronuzzi pela Comboio de Corda (2011)
>>> Morte ao Invasor de Gilvan Lemos pela Prefeitura do Recife (1984)
COMENTÁRIOS

Sexta-feira, 19/8/2011
Comentários
Leitores


Pra ficar só na Literatura
Crítica honesta anda meio escassa, por toda parte. Creio que se vê comprometimento pessoal (ou empregatício) com patotas ou carteirinhas ideológicas por toda parte num grau nunca visto. Ademais, há "impressionismo" excessivo na era digital - pra ficar só na Literatura, vê-se em alguns lugares resenhas que deixam óbvio que o resenhista leu quando muito a orelha de um livro e se deixou levar por uns fragmentos de enredo, juntando cacos e construindo uma peça unitária cujo fundamento básico foi a preguiça e o palpite, não mais. Como sou escritor (e também comento livros alheios), sei que é assim. Muitas vezes li comentários sobre livros meus que me deixaram fulo da vida pela imprecisão, pelos chutes... (enumerando influências de escritores que nem li). Jamais comentei um livro que não houvesse lido cuidadosamente, e isso me parece o fim da picada. Mas parece que hoje em dia a crítica, se for elogiosa, é considerada sempre benvinda pelo escritor, ainda que parta de alguém que nem o leu.

[Sobre "O Crítico, em Exercício Findo, de Décio de Almeida Prado"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
12h41 187.49.199.100
(+) francisco lopes no Digestivo...
 
Enxergar claro
Que bom! Serenidade e estoicismo são aconselháveis em alto grau, principalmente quando se vai envelhecendo e se entende que nossas queridas ilusões sobre as pessoas (mesmo as que mais amamos) e sobre nós mesmos (principalmente) se dissipam irremediavelmente. No entanto, são substituídas por uma capacidade maior de enxergar claro, isto é, com uma desilusão objetiva e tranquila. Aí os ideais de Bem ou Mal enfáticos já não nos pegam mais...

[Sobre "Sobre os enganos do mundo, de Sêneca"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
11h00 189.107.64.141
(+) francisco lopes no Digestivo...
 
Títulos assim
Ana Maria Machado disse uma coisa curiosa num programa de televisão, a respeito desse livro: que ele vinha numa linha de títulos como "Desonra", de Coetzee, "Reparação", de Ian McEwan, "Humilhação", de Roth, e outros. Verdade: o que será que leva tantos autores de países diferentes a criar títulos assim, em onda mundial?

[Sobre "A realidade, na verdade, é mentira"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
10h54 189.107.64.141
(+) francisco lopes no Digestivo...
 
Irresponsabilidade total
Isso de fato é constrangedor, e os equívocos pipocam o tempo todo. As pessoas não querem conferir a origem clara do que dizem, não querem ouvir os autores, só querem mesmo é propagar suas ideias através de citações incompletas, errôneas ou até mesmo deliberadamente adulteradas. A Internet é um território democrático, e democracia, no Brasil, parece ter sempre soado como permissão para a total anarquia. Irresponsabilidade total.

[Sobre "Textos mortos vivos"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
08h25 187.49.199.123
(+) francisco lopes no Digestivo...
 
Rumo ao refinamento e à poesia
Pura verdade. "Abraços partidos" foi mal compreendido, porque sempre se espera exotismo e humor escrachado, além de toques pornográficos, em Almodóvar, enquanto ele foge cada vez mais de qualquer vulgaridade rumo ao refinamento e à poesia.

[Sobre "Abraços Partidos, de Pedro Almodóvar"]

por francisco lopes
19/8/2011 às
08h02 187.49.199.123
(+) francisco lopes no Digestivo...
 
Um filme de guerra às avessas
Discordo totalmente. A graça do filme está na subversão das personagens históricas. Não estamos falando de "O resgate do soldado Ryan", que tinha outro propósito e, ainda com toda aquela produção realista, falha em várias verdades históricas, a ponto de tratar os alemães, em algumas cenas, como crianças brincando de guerra. Tarantino, melhor que Spielberg (e Rodat), cumpre seu propósito inicial: um filme de "guerra" às avessas. Quem se incomoda com a história corrompida que vá assistir a documentários.

[Sobre "Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino"]

por Nathalia
http://twitter.com/nathalia_ck
18/8/2011 às
15h08 201.92.59.221
(+) Nathalia no Digestivo...
 
Nossa mente plástica
Acho que o ser humano está constantemente se re-inventando, desde as cavernas, desde o evento (explosao, era glacial ou quente) que provocou o nascimento da linguagem. Não dá pra saber que neuronios, que sinapses surgirao ou desaparecerao de nossa mente plástica. É uma extraordinária aventura, imprevisivel de mtas formas, que essa nossa espécie bárbara vai vivendo. Gostaria de viver mais cem anos pra ver isso.

[Sobre "The Shallows, by Nicholas Carr"]

por Marilia Mota
18/8/2011 às
14h05 69.250.147.232
(+) Marilia Mota no Digestivo...
 
A capacidade de raciocinar
Entendo a argumentação de Carr e seu tom apocalíptico, numa sociedade onde as informações chegam e são esquecidas com uma velocidade incrível poucos pararariam pra ler uma informação que não tivesse um teor de fim do mundo. O tom apocalíptico serve pra chamar a atenção das pessoas num mundo onde as pessoas estão perdendo a concentração e interesse. Porém é bom entender que não só de escolas se baseia a salvação do mundo, seres humanos são moldados desde que nascem e o exemplo em casa ainda é muito importante. O Google é uma empresa porém tem sim responsabilidade pelo conteúdo que oferece aos usuários. Num mundo onde as leis não cooperam com a melhora da educação, tudo que se lê, se ouve e se comenta pode ser utilizado para ajudar as pessoas em seu crescimento intelectual. O que Carr mostra é simplesmente algo muito simples de se verificar no twitter ou mesmo nas escolas, nossas crianças sabem ler mas estão perdendo a capacidade de raciocinar e argumentar sobre o que foi lido.

[Sobre "The Shallows, by Nicholas Carr"]

por Samantha
http://www.fadasnajanela.blogspot.com
18/8/2011 às
11h47 189.68.164.142
(+) Samantha no Digestivo...
 
A ocorrência de um excesso
"Ir ao cinema é ficar perto do esquecimento, levado pela esperança de transformação. Ninguém vai ao cinema para se tornar mais sensível, experiente e culto, ainda que pense estar fazendo isso. Todos querem ser arrebatados para a terra de um milagre inexorável. Entram no cinema ainda escuro, como num lugar em que se pode contar com a ocorrência de um excesso." Frank Böckelmann,(autor do libro Kafka e o Cinema) Ins Kino (Ir ao Cinema), 1994.

[Sobre "Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino"]

por Caulos
http://www.caulos.com
18/8/2011 às
11h28 201.29.224.163
(+) Caulos no Digestivo...
 
Anúncio do fim do mundo
O problema de uma opinião assim são seus precedentes, tão apocalípticos quanto. Pelo que parece, na época dos gregos se dizia que a palavra escrita prejudicava o pensamento; depois de Gutenberg, que a palavra impressa tinha menos valor que a anterior, escrita, e que a imensidão de livros surgidos geraria confusão para sempre. Foi criado um personagem que afirmava que, a partir daí, só deveríamos ler catálogos. Quer dizer, é o mesmo anúncio do fim do mundo de sempre.

[Sobre "The Shallows, by Nicholas Carr"]

por Duanne Ribeiro
http://www.revistacapitu.com
18/8/2011 às
10h06 200.196.153.34
(+) Duanne Ribeiro no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Estratégia Empresarial - 3ª Edição
Agricola Bethlem
Atlas
(2001)



A Investigação Nas Ciências Sociais
João Ferreira de Almeida e José Madureira Pin
Presença
(1976)



Para Querer Bem - Antologia Poética de Manuel Bandeira
Manuel Bandeira
Moderna
(2005)



Terminologia de Mercado
Roberto Lobo
Fauna (rj)
(1969)



Dom Camilo e os Cabeludos
Giovanni Guareschi
Círculo do Livro
(1976)



Economia & Mercados Introdução à Economia e ao Marketing
Sérgio Guimarães
Ática
(1988)



Economia 17ª Ed
Paul A. Samuelson e William D. Nordhaus
Mcgraw Hill
(2004)



Glossário de Defesa Civil e Estudos de Riscos e Medicina de Desastres
Antônio Luiz Coimbra de Castro
Ministério de Integr. Nacional
(2004)



Imposto de Renda Pessoa Juridica para Contadores - Segunda Ed
Cleônimo dos Santos e Sidney Ferro Barros
Thomson Iob
(2007)



El Delito de Defraudacion Tributaria; Estado Actual de las Teoria
Revista de Direito Tributário, Nº 39 de 1987
Revista Tribunais
(1987)





busca | avançada
70300 visitas/dia
2,6 milhões/mês