The Shallows, by Nicholas Carr | Digestivo Cultural

busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crônica e o futebol
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Avis rara hoje no jornalismo
>>> Entrevista com Paula Dip
>>> O diabo veste Prada
>>> Entre o velho e o novo
>>> 10º Búzios Jazz & Blues II
>>> Pensar puede matar
Mais Recentes
>>> Peixes de Aquário de Douglas Fabichak pela Nobel (1978)
>>> A Nova Ordem Mundial de José William Vesentini pela Ática (2003)
>>> Brasil Nunca Mais de D. Paulo Evaristo Arns pela Vozes (1985)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Companhia Nacional (1974)
>>> Era Verde? Ecossistemas Brasileiros Ameaçados de Zysman Neiman pela Atual (1989)
>>> Observação de Bebês de Manuel Pérez-sanchez pela Paz e Terra (1983)
>>> Coma Bem Viva Melhor de Dr. Rex Russell pela Betânia (1998)
>>> O Velho da Praça de Antonieta Dias de Moraes; Ciça Fittipaldi pela Atual Didáticos (1988)
>>> O Tempo Não Apagou de Don R. Christman pela Casa (1987)
>>> O Salto para a Vida (colecao Depoimento) de Célia Valente pela Ftd (1999)
>>> Cousteau uma Biografia de Axel Madsen pela Campus (1989)
>>> Amazônia de Luiz Gê; Alan Oliveira pela Saraiva Didáticos (2009)
>>> Peixes de Aymar Macedo Diniz Filho pela Ática (1997)
>>> Migrações da Perda da Terra à Exclução Social de Ana Valim pela Atual (1996)
>>> Artes e Oficios de Roseana Murray; Cao Cruz Alves pela Ftd (2007)
>>> Meu Primeiro Livro de Telma Guimarães Castro Andrade pela Aliança (2000)
>>> Tocaram a Campainha de Pat Hutchins pela Moderna (1998)
>>> Quenco, o Pato - Colecao Barquinho de Papel de Ana Maria Machado pela Atica (2012)
>>> Ladrão Que Rouba Ladrão de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Língua de Angelo Machado pela Nova Fronteira (2004)
>>> A Princesinha Boca Suja de Cláudio Fragata; Odilon Moraes pela Scipione (2005)
>>> Donnie! um Dia Com o Cão-guia de Vicky Ramos pela Global (2009)
>>> Para Onde o Coração Aponta de Marcelo Lelis; Murilo Silva Cisalpino pela Formato (1996)
>>> União Européia de Ivan Jaf; André Martin pela Atica (2007)
>>> Gafe Não é Pecado de Claudia Matarazzo pela Melhoramentos Jc (1996)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Internet

Quarta-feira, 29/6/2011
The Shallows, by Nicholas Carr
Julio Daio Borges

+ de 8900 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Digestivo nº 480 >>> The Shallows poderia ser livremente traduzido por: "Os Rasos" ou "Os Superficiais". E seu subtítulo é quase um vaticínio: "What the Internet is doing to our brains". Juntando as peças, ficaria assim: "Os Superficiais ou O Que a Internet Está Fazendo com os Nossos Cérebros". É o novo livro de Nicholas Carr ― ex-colaborador do New York Times, da Wired e da Atlantic ―, e tem um título efetivamente poderoso. Carr é um pensador da tecnologia ― se é que podemos chamá-lo assim ―, e, de repente, ficou preocupado com sua falta de concentração, sua crescente incapacidade de penetrar num livro, sua "cultura geral" ameaçada pelo famoso "mar de informação". Carr viveu num mundo antes da internet, antes da "computação pessoal", e, atualmente, não sabe se a civilização ocidental corre o risco de se perder em meio aos brumosos artefatos tecnológicos. A partir desse insight escreveu The Shallows, para entender o que está acontecendo e, mais do que isso, alertar sobre uma possível hecatombe civilizacional. Carr, resumidamente, teme que a "mente letrada" ― que gerou a Renascença, a Reforma, o Iluminismo e até o Modernismo ― esteja se desvanecendo no meio da fumaça de bits e bytes. Carr, por exemplo, não acha que computadores sejam apenas "ferramentas". Pesquisando alterações no cérebro adulto ― ou o que se chama, em inglês, de neuroplasticity ―, chegou à conclusão de que a mudança trazida pelos computadores, e pela internet, não é só aparente: é profunda, permanente e, quiçá, irreversível. Carr se assusta que, hoje, mesmo as nossas experiências do mundo real sejam mediadas por computadores. Sua preocupação pode ser consolidada numa frase: "A humanidade, que estamos sacrificando, pode ser mais valiosa do que toda a tecnologia que estamos implementando". Segundo Tyler Cowen, economista citado no livro, "estamos favorecendo o mais curto, o mais doce e o mais amargo". E, segundo Carr, novamente, "como toda ideia fica em aberto" (não conseguimos finalizar nada), "estamos abandonado o rigor do pensamento e [consequentemente] abdicando do [nosso] aperfeiçoamento". Em sua modesta opinião, estamos forjando algo como uma "mente pós-literária", que resultará em "pensadores" para quem a "tela" será, intelectualmente, mais importante do que a "página". Carr critica, enfim, nossa sociedade "maquinal", obcecada pela eficiência ― cuja bíblica, justamente, é o taylorismo, fruto da revolução industrial, para quem: "o cálculo é superior ao julgamento humano"; "o julgamento humano, portanto, não é confiável"; "a subjetividade é um obstáculo ao pensamento"; e "o que não pode ser medido, não tem valor ou sequer existe". Finalmente, para Carr, estamos perto de confirmar Heidegger, que temia uma era onde o "cálculo" seria a única forma "aceita" de "pensamento"...
>>> The Shallows
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Amores & Arte de Amar, de Ovídio (Artes)
02. Ponto Final, de Mikal Gilmore (Música)
03. Maria Bethânia em Amor Festa Devoção (Música)
04. Olhar Direto, de Paul Strand (Artes)
05. O Mundo é Mágico, por Bill Watterson (Artes)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/7/2011
10h28min
Fiquei agora um tanto preocupada com os efeitos da Internet no meu cérebro. Li o texto, concordei com ele, e em seguida cliquei "curtir". Terei salvação?
[Leia outros Comentários de Barbara Pollacsek]
20/7/2011
15h53min
A arma e a munição de Carr estão certas,mas o tiro saiu em direção ao alvo errado. Não cabe à Internet, ou ao Google, zelar pela (não) superficialidade das nossas mentes. Isso é função das escolas, da educação e seus conteúdos (anacrônicos). Aprenda a pensar, refletir, raciocinar, relacionar e co-relacionar, etc., etc., e você não será atingido mortalmente pelo que ficar exposto após um "mero clique" ou toque.
[Leia outros Comentários de Celso Filho]
18/8/2011
10h06min
O problema de uma opinião assim são seus precedentes, tão apocalípticos quanto. Pelo que parece, na época dos gregos se dizia que a palavra escrita prejudicava o pensamento; depois de Gutenberg, que a palavra impressa tinha menos valor que a anterior, escrita, e que a imensidão de livros surgidos geraria confusão para sempre. Foi criado um personagem que afirmava que, a partir daí, só deveríamos ler catálogos. Quer dizer, é o mesmo anúncio do fim do mundo de sempre.
[Leia outros Comentários de Duanne Ribeiro]
18/8/2011
11h47min
Entendo a argumentação de Carr e seu tom apocalíptico, numa sociedade onde as informações chegam e são esquecidas com uma velocidade incrível poucos pararariam pra ler uma informação que não tivesse um teor de fim do mundo. O tom apocalíptico serve pra chamar a atenção das pessoas num mundo onde as pessoas estão perdendo a concentração e interesse. Porém é bom entender que não só de escolas se baseia a salvação do mundo, seres humanos são moldados desde que nascem e o exemplo em casa ainda é muito importante. O Google é uma empresa porém tem sim responsabilidade pelo conteúdo que oferece aos usuários. Num mundo onde as leis não cooperam com a melhora da educação, tudo que se lê, se ouve e se comenta pode ser utilizado para ajudar as pessoas em seu crescimento intelectual. O que Carr mostra é simplesmente algo muito simples de se verificar no twitter ou mesmo nas escolas, nossas crianças sabem ler mas estão perdendo a capacidade de raciocinar e argumentar sobre o que foi lido.
[Leia outros Comentários de Samantha]
18/8/2011
14h05min
Acho que o ser humano está constantemente se re-inventando, desde as cavernas, desde o evento (explosao, era glacial ou quente) que provocou o nascimento da linguagem. Não dá pra saber que neuronios, que sinapses surgirao ou desaparecerao de nossa mente plástica. É uma extraordinária aventura, imprevisivel de mtas formas, que essa nossa espécie bárbara vai vivendo. Gostaria de viver mais cem anos pra ver isso.
[Leia outros Comentários de Marilia Mota]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Pequeno Filósofo
Gabriel Chalita
Globo
(2011)



Gastão e a Receita Perfeita
Anna Lavatelli
Escritinha
(2015)



As Novas Fronteiras do Direito Processual
Luiz Rodrigues Wambier
Rs
(2007)



Criando Meninas
Gisela Preuschoff
Fundamento
(2004)



Vade Mecum Tributario 12ªedição
Alexandre Mazza
Rideel
(2015)



A Outra Vida de Linus Hoppe
Anne Laure Bondoux
Melhoramentos
(2008)



Do Discurso Lírico D Camões: a Propósito do Episódio do Adamastor
Revista Boletim Cultural de Esposende, Nº 1
Tipografia Camões (varzim)
(1982)



Fique Forte - Você Pode Superar o Bullying
Nick Vujicic
Novas Idéias
(2015)



El Vuelo del Águila
Krishnamurti
Solar (bogotá)
(1988)



Viabilidade Econômica da Amazônia
Armando Mendes
Univ do Pará
(1971)





busca | avançada
82062 visitas/dia
2,7 milhões/mês