Em defesa do mar de informação | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 24/3/2006
Em defesa do mar de informação
Julio Daio Borges
+ de 6400 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Um dos meus maiores problemas, no dia-a-dia, é a administração da informação. Meu métier de jornalista - vamos admitir aqui que eu sou - me obriga a separar o joio do trigo, ou, pelo menos, tentar. É um esforço recorrente e, quanto mais eu sofistico minhas fontes de informação (ou as refino), mais parece que o problema está longe de sua solução. Ou seja: quanto mais eu me aproximo da informação que realmente me interessa, menos tranqüilidade eu alcanço, mais inquietação esse exercício me proporciona.

Para um jornalista, é excitante lidar com informação. Eu confesso que nunca havia sentido essa excitação antes, porque, como eu acabei percebendo, nunca me identifiquei 100% com o jornalismo nacional. Nem com o cultural. Os jornalistas culturais brasileiros, no que se refere à informação, são os mais preguiçosos de todos, porque preferem aquela consulta de gabinete a encarar, frente a frente, a realidade. A internet, por exemplo, é uma realidade que está na cara deles, mas que eles preferem ignorar, e apelar para fontes convencionais de informação...

Não quero ficar falando muito do jornalismo tupiniquim, mas já que eu entrei no assunto, vamos continuar por mais um parágrafo. Os jornalistas daqui, invariavelmente, requentam informação. E morrem de medo de citar uma fonte primária. Precisam de autorização do chefe, do chefe-do-chefe, do chefe-do-chefe-do-chefe - e assim vai. É como o Mauro Dias, um dia, me contou: "Mas quem é esse músico?", o editor do "Caderno2", certa vez, lhe perguntou; e o Mauro astutamente respondeu: "Olha, se eu não escrever, você não vai saber...".

Ou seja: o jornalismo - mais este parágrafo só -, que deveria ser a vanguarda da informação, hoje precisa da aprovação de Deus e o mundo, de modo que é perfeitamente reativo e não traz nenhuma novidade (notícias em inglês se diz "news" - parece que os jornalistas esqueceram a origem desta palavra...). Mas não é só um problema do Brasil. Volta e meia, numa área que eu conheço razoavelmente bem - internet -, vejo blogueiros especializados apontando para uma matéria (atrasada) do New York Times e exclamando: "Where were these guys?" (Ou, em português aproximado: "Onde estavam esses caras [que só agora resolveram dar]?").

Eu vivo falando dos feeds (e dos agregadores de conteúdo) no Digestivo, e me embrenhei de tal maneira na selva de notícias, via RSS ou XML, que para mim é inconcebível, hoje, aquela constatação triste diante do televisor: "Mas não tem nada pra assistir!". Para assistir pode não ter nada mesmo, mas, para ler, tem um montão. E mesmo antes dos feeds já havia. Está certo que eu sou um caso à parte, recebo cualquier cantidad - como se diz em castelhano - de e-mails, livros, discos, periódicos, releases e convites. Desisti, como vocês sabem, de atender a todos. Logo, antes de viver soterrado pelos feeds de agora, eu já vivia soterrado pela informação. Mas a idéia, aqui, é tratar das fontes de informação gratuitas, disponíveis a todo mundo... e que, hoje, são infinitas na prática.

Eu queria começar este texto com a metáfora de um mundo em que toda e qualquer informação, que você desejasse, estivesse à sua disposição. Ainda não chegamos lá, logicamente, e talvez, no limite, nunca cheguemos, mas num mundo em que você já não consegue dar conta da informação de que dispõe - sabendo que boa parte dessa informação é de qualidade - não é um mundo que serve bem à nossa metáfora? Eu sei que, - daí da sua poltrona - você não vai concordar, mas eu vivo nesse mundo agora. "Assino" uma porção de fontes de informação de qualidade, e de graça, e, neste momento, não dou conta do fluxo de informação. Vamos partir deste meu cenário então?

Antes de prosseguir, por que estou estendendo esse meu exemplo a todas as outras pessoas? Por que eu acredito que esse dia vai chegar para todas as pessoas. Pelo menos, para todas as pessoas que estão me lendo agora. O dia em que, por mais que você se esforce, por mais que você dedique seu tempo a esse esforço, você não vai conseguir dar conta dos estímulos todos. Nem de reagir a eles, nem mesmo de absorvê-los. Um dia em que você talvez sofra uma overdose de informação; um dia em que você talvez decida se afastar de tudo - e recomeçar sua vida no campo, em busca da placidez das vaquinhas pastando... Mas, cá entre nós, você sabe que essa não é a solução. Qual a solução então? É justamente o que eu estou procurando!

Eu percebo, por exemplo, que diante do "mar de informação" da internet, as pessoas se sentem nostálgicas do tempo em que já vinha tudo mastigado e o seu único trabalho era "filtrar" meia dúzia de fontes de informação. Na verdade, essa nostalgia é uma ilusão de ótica, porque o que acontecia - por baixo dessa imagem paternalista de que alguém empacotava direitinho a informação - era que você, o nostálgico, estava é sendo tutelado o tempo todo. Cinco ou seis veículos diziam, a você, que a notícia era aquela e você, bobinho, acreditava - ou então fingia acreditar; ou não acreditava e pronto. (A sua postura não alterava nada.)

Hoje só se você for, realmente, bobo, vai ler um ou dois jornais, assinar uma ou duas revistas, ouvir rádio durante o dia e assistir ao jornal da noite... e achar que essas são as únicas fontes de informação (as únicas notícias!); e vai repousar tranqüilo, sonhando que o mundo anda uma beleza (ou uma loucura), e que você só pode lamentar esse fato com seus familiares, enquanto se serve de mais uma colherada de arroz ou feijão...

Meu amigo, a não ser que você esteja morando em Marte (e até lá o Google já chegou), sinto lhe informar que essa ilusão bucólica acabou. Claro que muitos dos meios de comunicação continuam te tratando como se você fosse uma criança - afinal, durante anos, como tal você se comportou -, mas eu e o resto da internet, modéstia à parte, estamos tentando lhe mostrar, há mais de dez anos, que você precisa crescer e se virar diante do tal "mar de informação". É essa a discussão que importa agora; e, não, se fulano, beltrano ou sicrano vai deter o "monopólio da informação". A informação está solta, cabe a você aproveitá-la ou não.

Uma das perguntas que mais me fazem em entrevistas, sobre a internet, é: "Como navegar nesse mar de informação?". Em outras palavras: Como distinguir o que é certo do que é errado? O que é importante do que é desimportante? Uma fonte confiável de outra não confiável... Etc. Ou então, na calada da noite, de repente, um jornalista virar e soltar: "Eu não leio esses tais blogs [com cara de nojo]... Prefiro alguém que separe pra mim o que é bom do que é ruim... como Digestivo Cultural [sorriso forçado agora]". Claro que eu me sinto lisonjeado, mas não acho que essa seja a atitude mais correta a se tomar. Eu e a internet estamos falando que você deve desconfiar. Que você deve duvidar de tudo e de todos. Inclusive de nós!

Einstein teorizava sobre a relatividade (claro que em outro contexto), Nietzsche, sobre o perspectivismo, e Darwin explodia as categorias biológicas estáticas (e o criacionismo junto), decretando que tudo muda no mundo e que nada está parado. Mas, no que se refere à informação, as pessoas continuam buscando "a verdade". Lidam mal com o fato de que a verdade (esse ente imponderável) pode não estar em nenhum lugar, pode nem existir! (Essa é que é a graça, aliás.) A internet, então, talvez seja - e isso me ocorre agora - um "mar de opinião" e não um "mar de informação". (Digo na prática.)

A atitude, portanto, não deve ser de passividade, de se estar diante de uma certeza algo dogmática, mas de dúvida sistemática, como queria Descartes. Nessas horas, eu me lembro também de Kant, para quem a inteligência de uma pessoa se mede pelo número de contradições que ela consegue suportar. Não é à toda que estiveram tão na moda, no século passado, pensadores que implodiram com o edifício da linguagem - ...e do pensamento, e do conhecimento, e de qualquer construção intelectual -, como Wittgenstein. E óbvio que, se você estilhaça a realidade, depois não pode reclamar que muitas pessoas, muitas pessoas mesmo, corram, apavoradas, na direção oposta - do obscurantismo, do fundamentalismo, da religião...

E incertezas, claro, cansam. Do mesmo jeito que o jornalista contemporâneo evita a internet - porque não consegue processá-la -, é obviamente mais confortável se refugiar na antiguidade, na idade média, até na idade moderna (pus em minúsculas de propósito). Porque o pós-modernismo, de hoje, é maçante; o pós-modernismo é o Google, que te apresenta uma porção de resultados, para uma busca, e que você mesmo tem de validar! Pessoalmente, eu adoraria retroceder à minha cama da infância, ao meu quarto da adolescência ou até os meus caminhos da juventude, e achar que o mundo era aquele, que a vida era aquela, e que poderia me acomodar porque nada do que eu fizesse mudaria, efetivamente, as coisas... Estamos sempre querendo voltar ao útero - a sair pelo mundo, a enfrentar a realidade, a simplesmente admitir o custo de nossa inércia e o peso de nossas ações.

É por isso que eu acho, em resumo, que a grande educação hoje é para a informação. Para a administração da informação. Em qualquer fase da vida. O que era sólido ontem, agora se desmancha, amanhã virou ar (Marx). A postura conservadora, em relação ao novo - no atacado -, está fatalmente condenada. Porque é, no mínimo, covarde e não traz segurança - só ilusão de segurança (ou falsa segurança, que, às vezes, é pior do que a efetiva falta de segurança). O certo, ou a impressão de certeza, é um risco bem maior que a incerteza constatada. Porque saber que não se sabe, atualmente, é melhor do que achar que se sabe. (Voltamos a Sócrates.)

Finalmente, desconfie de apocalípticos em geral. Eles estão sempre querendo voltar a um "passado" supostamente "organizado" (e "glorioso") - porque processado hoje pela lente da História -, mas que apenas traz a impressão de organização. A internet não é a imagem da besta, como quer todo esse povo. Como não foi a televisão (embora estivesse, esteticamente, mais próxima), o rádio, os impressos, as comunicações... Temos de admitir que, a partir do momento em que todos somos potenciais fontes de informação, está instaurada a babel planetária. Mas também, talvez, uma nova possibilidade de entendimento, de compreensão e até de civilização.

"O pior não é a mentira ou a verdade. Isso nem existe filosoficamente. (E só 0,1% da população sabe disso.) O duro é conviver com a meia verdade e a meia mentira, baseadas em verdades e mentiras falsas, que inventamos para fazer de conta que estamos vivos. (...) A imprecisão é a constante de nossas vidas. E as pessoas se refugiam delas nas paixões, uma maneira barata de sintetizar em algo pseudo-sólido a nossa fluidez (...) sem medida."
Paulo Francis


Julio Daio Borges
São Paulo, 24/3/2006

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/3/2006
08h23min
Vale dar uma lida nos 2 textos a seguir: "Muita informação, informação nenhuma" e "Cheios de nada sobre tudo".
[Leia outros Comentários de Rafael]
24/3/2006
09h29min
Julio, existe um paradoxo nessa discussão toda, pois se, por um lado a informação está de fato a disposição de todos, sem distinção de raça, credo, ou qualquer outra coisa, por outro lado, tem que se peneirar a leitura, separar o joio do trigo, o que nem sempre é uma tarefa fácil, sobretudo para o leitor/internauta comum. Apesar disso tudo, porém, vejo também muito mais benefícios do que malefícios. Afinal, quem de fato gostaria de regressar ao passado e voltar a se colocar sobre pilhas e mais pilhas de livros (de documentos) para buscar uma simples informação? Não que isso às vezes não seja prazeroso, mas essa não é a questão agora. Além disso, temos sede e pressa de informação, embora isso também seja uma faca de dois gumes, pois, como já disse, nem todo mundo tem discernimento ou até mesmo competência suficiente para separar a verdade da lenda; e a lenda, quando contada por muita gente, adquire ares de verdade. Não faltam exemplos disso. Abraços.
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
24/3/2006
19h06min
Um leve comentário: Informação é prazerosa, e é confortável também, pois é fácil obter, e quanto mais fontes existem, maior a nossa impressão de que "cresceremos" e "evoluiremos" digerindo toda essa informação. Porém não acho que isso seja verdade, justamente porque ela é confortável e a nossa mente não aumenta conexões com coisas confortáveis. O nosso erro é achar que um raciocínio "lido" é um raciocínio integrado a nós, e isso não é verdade. O que promove o nosso desenvolvimento e, este sim nos faz diferentes, é o sofrimento do conflito: discussões "ao vivo" , defesa de idéias, angústia de entender o que é verdade ou não, manifestações em geral, que exijam algo mais além do simples entendimento da leitura (assim nossa cabeça irá tentar resolver o conflito crescendo de verdade). O excesso de informação deturpa nossa idéia de como devemos lidar com ela: tentar obter o máximo possível, mesmo que filtrado, não me parece bom... simplesmente porque é "fácil".
[Leia outros Comentários de Aluizio]
27/3/2006
14h26min
O problema não é simplesmente de informação, mas de substância. Do que adianta fulano ter acesso as informações que ele busca, se ele está se fazendo as perguntas erradas? Inteligência não é o que se acumula, mas o que se é capaz de descartar.
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
5/4/2006
20h16min
Adoro seus artigos filosóficos. Mas confesso que também odeio quando termino de lê-lo. Oras bolas, por quê? Me faz sentir perdida. Me coloca dentro do caos. E como já sou caótica por natureza, me identifico com o que fala mesmo quando percebo que ainda não entendi o que quer falar. O título do artigo me recupera porque também defendo o tal mar da informação, ou opinião. E, cá entre nós, relembro o quanto já desejei ter nascido em plena Europa na era dos filósofos porque acreditava que não havia momento mais frutífero para ser... Hoje você mudou meu desejo. Estou na era certa, plugada no lugar certo e lendo o cara certo porque definitivamente não há nada melhor que ter a liberdade de escolher sua própria verdade ou mentira na hora de se informar. Discordo quando aconselha desconfiar do Digestivo. Se quer confete vai ter, ele tem minha credibilidade.
[Leia outros Comentários de ceila santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedro Almodovar E A Feminilidade
Ana Lucilia Rodrigues
Escuta
(2008)



Livro Religião Cumes e Planícies Os Amigos de Jesus Volume III
Josefa Rosalia Luque Alvarez
Pensamento
(2000)



Livro Ensino de Idiomas Great Expectations
Charles Dickens
Macmillan Readers
(2005)



Livro Infanto Juvenis Eu, Super
Eric Peleias
Edição do Autor
(2014)



O Segredo de Chimneys
Agatha Christie
Círculo do Livro



La Crisis de La Educacion Occidental
Christopher Dawson
Emecé
(1963)



Eu Alberto Cacciola Confesso: o Escândalo do Banco Marka
Alberto Caciola
Record
(2001)



The Darkness Collected Editions
Garth Ennis / Marc Silvestri / Outros
Top Cow
(1997)



Os Anjos e a Sincronia Cósmica - Rituais dos Signos
Lucy Costa
Berkana
(1997)



O Que é Uma Mulher?
A.L. Thomas Diderot
Nova Fronteira
(1991)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês