Meu primeiro computador pessoal | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
>>> As Vantagens de Ser Invisível de Stephen Chbosky pela Rocco (2007)
>>> Doces Venenos de Lidia Rosenberg Aratangy pela Olho Dágua (2008)
>>> A máquina extraviada de José J. Veiga pela Civilização brasileira (1974)
>>> Cara ou coroa ? de Fernando Sabino pela Ática (2000)
>>> Conte Sua História de São Paulo de Milton Jung pela Globo (2006)
>>> Letras Perdidas de Luís Dill pela Oceano Indústria Gráfica (2006)
>>> Minhas vidas passadas de Mario Prata pela Planeta (2012)
>>> A Cadeira do Dentista & Outras Crônicas de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (2002)
>>> Os Recicláveis de Toni Brandão pela A Caixa verde (2010)
>>> Sete desafios para ser rei de Jan Terlouw pela Atica (2003)
>>> Quem Diria Que Viver ia Dar Nisso de Martha Medeiros pela L&PM (2018)
>>> Entre os Monges do Tibete de Lobsang Rampa pela Record (1960)
>>> O menino do dedo verde de Maurice Druon pela José Olympio (2013)
>>> Ruínas do Tempo de Jess Walter pela Verus (2013)
>>> Os nossos pés de todos os dias de Apollo Taborda França pela Do autor (1984)
>>> Por Um Fio de Drauzio Varella pela Cia das Letras (2004)
>>> Gay Plays de William M. Hoffman pela Avon Books (1979)
>>> Existe Sempre uma Razão de Elisa Masselli pela Mensagem de Luz (2007)
>>> A Segunda Vida: um guia para a mulher madura de Marisa Sanabria pela Êxito (2015)
>>> Outra Vez a Esperança de Antonio Carlos Neves pela Mercado Aberto (1987)
>>> Os Bons e os Justos de Lourenço Cazarré pela Mercado Aberto (1993)
>>> Clebynho - O Babalorixá Aprendiz de Leandro Müller pela Pallas (2010)
>>> As Maluquices do Imperador de Paulo Setúbal pela Nacional (1983)
>>> A Felicidade é Fácil de Edney Silvestre pela Record (2011)
>>> Contos. Porque Conto - autografado de Públio José pela Do autor (2009)
>>> Paratii: entre dois pólos de Amyr Klink pela Companhia da Letras (1992)
>>> É Possível Salvar a Europa? de Thomas Piketty pela Intrínseca (2015)
>>> Pensão Riso da Noite de José Condé pela José Olympio / Civilização Brasileira / Três (1973)
>>> O Caminho Para O Céu: Livro II das Crônicas da Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Ioiô Pequeno da Várzea Nova de Mario Leônidas Casanova pela Clube do Livro (1979)
>>> O Papa e Mussolini. A Conexão Secreta Entre Pio XI e a Ascensão do Fascismo na Europa de David I. Kertzer pela Intrínseca (2017)
>>> Entrevero de Vários Autores pela L&PM / Mpm
>>> Pesquisa FAPESP Nº 265 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> O Longo Adeus a Pinochet de Ariel Dorfman pela Companhia das Letras (2003)
>>> Contos de Voltaire pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 263 de Diversos Autores pela Fapesp (2018)
>>> Divina Comédia - Coleção A Obra-Prima de Cada Autor, Série Ouro de Dante Alighieri pela Martin Claret (2002)
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/5/2006
Meu primeiro computador pessoal
Julio Daio Borges

+ de 17600 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Eu, meu irmão e o nosso primeiro computador pessoal

Eu não lembro porque, de repente, quis um computador pessoal em 1985. Porque, talvez, desde 1983, o videogame já estivesse presente em nossas vidas, minha e do meu irmão (minha irmã nunca se interessou muito). Na minha cabeça, deveria ser algo como um videogame mais sofisticado — e meus pais devem ter percebido esse meu anseio, porque eu e meu irmão ganhamos, no Natal daquele ano, nosso primeiro computador pessoal: um Apple II+, fabricado aqui, no Brasil, pela Unitron.

Eu lembro também que, nessa época, o computador pessoal estava em todo lugar — como uma novidade. Em 1985, não havia lojas de informática (não havia nem a palavra), mas havia as lojas de "cine, foto & som", como a Áudio e a Fotoptica. Eu lembro ainda de "namorar" computadores pessoais no extinto Mappin. Outras lojas de eletrodomésticos, como a G. Aronson, deviam também comercializar, porque o nosso videogame, por exemplo, estava sempre associado a eletrônicos e a televisores em geral.

Meu interesse, modesto, era, inicialmente, por um TK 85. O TK 85 equivaleria a o quê hoje? Não sei dizer. Depois meu interesse se voltou para um CP 400 e, logo a seguir, para um CP 500. Era aquele tipo de computador que tinha o teclado, o monitor e provavelmente o disk drive integrado numa só peça. Decorativamente falando, devia ser horroroso, mas eu achava o máximo (e olha que nem existia essa expressão). Penso que o Papai anunciou, em algum momento, que nós ganharíamos um Unitron, mas quando efetivamente ganhamos eu não sabia nada sobre aquela máquina (nunca tinha visto) — e fiquei encafifado...

Lembro que, naquele Natal, fomos assistir à missa do galo e eu, por alguma razão, tive de voltar ao carro e — sem querer ou querendo — abri o porta-malas e espiei o computador que, à meia-noite, ganharíamos, eu e meu irmão. Um monte de caixas. Depois, transportamos e embalamos — num saco de Natal, de Papai Noel? — para a minha irmã, ainda menina, não desconfiar de nada...

Na noite mesma do Natal, eu abri as caixas, desembalei tudo e empilhei as peças do computador — sem entender ainda direito como elas se interconectavam —, com a ajuda do meu irmão. Existem, inclusive, fotos de mim ao lado da máquina (se eu encontrar, prometo que levo ao ar...). Passava o Natal conosco o futuro marido de uma prima, que sempre me falava no programa "Lotus", então pedi a ele que nos ajudasse a ligar. Ele não sabia.

Passamos o dia seguinte tentando encontrar uma combinação possível de cabos, portas de entrada & saída, e peças que funcionassem. Não havia manual. Ligávamos a CPU, ela dava boot no disk drive, que parecia um pássaro cacarejando, com a luz vermelha sempre piscando... Ligávamos o vídeo, ou "monitor", mas, na tela, nada aparecia. Demoramos um certo tempo para descobrir, por exemplo, que havia um "disco de inicialização", que o computador lia, e então, só assim, as coisas começavam...

Não era como o videogame que você ligava e já aparecia uma tela de apresentação, com opções. Você enfiava um cartucho e o jogo começava a funcionar. Os comandos eram poucos, e básicos. Manuais. No computador, não: o computador era uma máquina programável — a primeira de nossas vidas — então, imagine, as possibilidades eram infinitas... Mas nós, claro, não sabíamos.

Depois de descobrirmos o disco de inicialização, nossa vida ficou mais fácil. Vinha junto um livro — que acho que guardo até hoje — e ele ensinava alguns comandos bem gerais. Na capa se lia "Basic". Foi uma festa quando descobrimos a instrução "catalog", que listava o que havia no disco em questão. Descobrimos, da mesma forma, a instrução "run", para executar um arquivo. E, depois de muitas tentativas, a "brun", para executar programas escritos em código de máquina. Nessa altura, já rodávamos uma aplicação para música e um programinha tipo Windows Explorer (sic): bastava digitar "run aux" e apertar "return".

Devorei nas semanas — ou nos meses — seguintes o livro de Basic, da Unitron. Foi meu primeiro curso de programação. Eu escrevia programinhas básicos, claro, para mostrar palavras na tela, para trabalhar com as posições dos caracteres no monitor. No shopping, na Siciliano, descobri, lá no fundo, outros livros de programação, com programas de jogos. Eu e o meu irmão jogávamos. Eram jogos em texto, onde o computador praticamente "conversava" com você. Do videogame, que era gráfico, para o computador, que era puro texto, foi um downgrade considerável em termos de apresentação, mas nós nem ligávamos.

Lembro de um aniversário em que eu passei, de manhã até a tarde, programando para meus amigos, que seriam convidados. O computador perguntava o nome da pessoa e, em seguida, brincava com as letras, com as sílabas, fazendo-as dançar, juntando em blocos, subindo e descendo, enchendo e esvaziando a tela... mais para frente, fazia umas perguntas bobas e dava algumas respostas engraçadas. Meus amigos se divertiam e davam risadas.

Foi uma revelação quando eu e meu irmão descobrimos que poderíamos gravar os nossos programas em disco. (E eu devo ter ainda alguns desses programas... Será que os disquetes ainda funcionam?) Agora não era mais preciso passar o dia inteiro digitando o programa, para ele rodar na memória, e se perder para sempre no escaninho do computador, quando nós o desligássemos... — agora poderíamos gravar e continuar no dia seguinte. Estávamos descobrindo o fogo, eu e meu irmão.

Comecei a comprar, nas bancas, a revista Micro Sistemas e a minha maior admiração, nessa época, era um sujeito que tinha doze anos (um ano a mais do que eu), chamado Eduardo Saito, e que publicava mensalmente seus programas. Eu copiava o código e aprendia um monte de coisas com a Micro Sistemas e com o Eduardo Saito. Quando entrei na faculdade, em 1992, me deu um orgulho meio besta ao observar que, junto comigo, em Mecatrônica (eu havia entrado em Elétrica/Computação), estava lá... o Eduardo Saito! Oito anos se passaram se que tivesse ouvido falar de novo do Saito...

Na Micro Sistemas, ainda, havia anúncios de vendedores de software. Lembre-se: não havia internet, ninguém, da minha idade, tinha computador... de onde nós iríamos tirar mais programas? Um anúncio me chamou a atenção: "Aplicativos a preço de banana". Era lá na Conchinchina. Passamos uma tarde de carro, para chegar no tal lugar. Antes havíamos ido até a Unitron, no bairro da avenida Água Fria, para ver se eles nos conseguiam alguns programas — mas o único que obtivemos, deles, foi uma aplicação para converter de cruzeiros para cruzados...

Então, para o Natal do outro ano, eu pedi ao Papai (Noel) uma porção de programas. Fui para as férias sonhando com aqueles programas. E voltei ainda sonhando. Eram, na maioria, jogos. E algumas aplicações — para as quais, naquela idade, eu ironicamente via pouca aplicação. Em pleno início da adolescência, quem iria precisar de uma planilha — VisiCalc —, por exemplo? Um dos nossos jogos preferidos era o Karateka, e havíamos recém-adquirido a sua "parte II", ou continuação.

O Karateka I havia sido gravado, para nós, por um bondoso vendedor da Fotoptica, ou da Áudio, não lembro mais. Passávamos as tardes jogando e "passando de fase", eu e meu irmão. Meu melhor amigo da escola, na época, também jogava o jogo na loja de sua mãe, uma confecção na rua João Cachoeira, onde se precisava, igualmente, de computador. Dávamos dicas um para o outro, na escola, de manhã — e jogávamos à tarde.

Em todas as datas comemorativas, dali por diante, quando eu tinha direito a algum presente, eu sempre escolhia alguma coisa para o computador. Foi assim que ganhei uma expansão de memória, para 128 Kb, que eu mesmo instalei, uma placa CP/M (para planilhas e bases de dados!), um segundo disk drive — para copiar disquetes era bem mais rápido —, uma impressora e até uma placa para ligar na televisão e ver aquelas sete ou oito cores (em alta resolução, HGR), que não sei se eram piores ou melhores do que o preto & branco (ou o fósforo verde com fundo preto)...

A impressora foi um capítulo à parte. Era caríssima — mais cara do que qualquer outra peça do computador. Mais cara que o próprio computador. Duas vezes mais cara; três vezes mais cara... Mas, num esforço por parte do meu Pai, nós ganhamos. Devorei, dessa vez, o manual da impressora. Era escrito por um ex-professor do meu Pai, da engenharia do Mackenzie...

Provavelmente dois dos programas mais sofisticados que eu desenvolvi naquele ano — 1986 — foi um relacionado à Copa do Mundo e outro a uma base de dados para arquivar fitas de vídeo (VHS). No da Copa, a coisa funcionava como uma tabela eletrônica, e você ia marcando os resultados dos jogos. O programa ia avançando nas chaves e mostrando as oitavas, depois as quartas de final e, por último, a final. Ele ficava triste e soltava um muxoxo toda vez que o Brasil perdia. No dos vídeos, eu podia cadastrar títulos, atores, diretores (creio), ano e dar uma "nota". Depois imprimir relatórios, usando os recursos de texto da impressora. (Já fazia crítica de cinema e nem sabia...)

Ainda programei o computador usando a revista americana Nibble, que eu comprava também na Siciliano. Era em inglês e eu aprendia sempre um pouco da língua. Via os anúncios dos computadores originais da Apple e ficava babando... O auge da minha interação com a revista foi adquirir um jogo, Spy vs. Spy II, pelo correio. Não tinha cheque, muito menos cartão de crédito, quanto mais internacional: enfiei uns dólares que havia ganho de algum parente, de aniversário ou Natal, num envelope, escrevi uma carta falando que não podia remeter, do Brasil, "checks" ou "money orders" (vales-postais) e... meses depois... o pacote chegou. Cheio de isopor picado, como hoje chegam os livros da Amazon.

Meu irmão, embora não programasse, continuou interessado no computador — principalmente na parte de jogos e num programa que tínhamos para gerar trabalhos (apresentações?) na impressora, o Print Shop. Nossas primas gostavam muito dessa aplicação (dos papéis de carta, dos cartões e tal). E, em umas férias, disputávamos tanto a máquina com um primo que decidimos cronometrar, e alternar, o tempo de cada um na frente do computador. Era meia-hora para cada. Eu, quase sempre, usava a minha meia-hora para programar.

O computador foi ficando meio de lado à medida que fomos "crescendo". Veio outro videogame, o Nintendo. E veio, principalmente, as festinhas, as matinês nas boates — mais notadamente na Up&Down. As meninas encabeçavam a minha nova lista de interesses — e eu voltei ao computador, no colegial, meio que por causa delas... Foi por causa do Videotexto, da extinta Telesp, "usado" e "freqüentado" por colegas da minha nova escola.

Seguindo a minha série de peripécias, comprei e instalei um modem. Não havia cabo próprio e eu tive de soldar fio a fio, para fazer funcionar. Compensou. Mormente por causa do Videopapo e da Videomensagem, o Orkut da época. Nós nos correspondíamos com meninas que conhecíamos ali e, às vezes, íamos encontrar no shopping. Não deu em nada, claro — ou, para um colega contador de vantagens, até deu... Ele ia aos encontros do Videotexto. Roubava uma porção de senhas e hackeava inocentemente as caixas postais do pessoal. Estávamos em 1990. A WWW seria inventada em 1991, por Tim Berners-Lee. Era a internet da época.

* * *

Eu escrevi este texto porque, em abril de 2006, a Apple e o computador pessoal fizeram 30 anos. No ano passado, eu fiz 20 anos de programação, e de computador — mas não tive muito tempo para comemorar... Nem preciso dizer como toda essa história foi central para eu ser o que sou (e quem eu sou). Então, quando falam aquelas bobagens, de que não existem mais gênios hoje, eu tenho vontade de perguntar: "E o Steve Jobs? E o Steve Wozniak?". Você já pensou o que seria do mundo, da internet, até das empresas, do Bill Gates, do Google, sem o computador pessoal?


Julio Daio Borges
São Paulo, 5/5/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/5/2006
16h42min
Grande Julio, fantástico o texto! Uma nostalgia só! Claro que sua história foi muito parecida com a minha, e me idenfico demais com você quando você diz que essa história toda foi central para definir o que você é hoje. Não é à toa que fomos colegas de faculdade, afinal de contas. Grande abraço, Pi
[Leia outros Comentários de Pi]
25/10/2008
11h11min
Olá, xará! Obrigado pelo texto! Também tive uma experiência parecida com a sua. Deu uma saudade imensa dos tempos de Unitron e IIGS. Captain Mac (The Army)
[Leia outros Comentários de Júlio Coutinho]
7/6/2011
16h01min
Julio, por acaso lembras qual o nome daquela caminhonete azul de brinquedo? Era da Estrela?
[Leia outros Comentários de wanderson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IPANEMA DOM DIVINO
NORMA PEREIRA REGO
NOVA FRONTEIRA
(1983)
R$ 6,48



AS MAIS DELICIOSAS REQUINTADAS E EQUILIBRADAS RECEITAS DA CULINÁRIA
MÁRCIO BONTEMPO
GROUND
(1983)
R$ 6,00



EDUCAÇÃO & SOCIEDADE
REVISTA DA CIÊNCIA DA EDUCAÇÃO
PAPIRUS
(1991)
R$ 6,00



O PODER DOS ANIVERSÁRIOS-ESCORPIÃO
SAFFI CRAWFORD E GERALDINE SULLIVAN
PRESTÍGIO
(2001)
R$ 19,90



UM TÚMULO EM GAZA
MATT REES
RECORD
(2008)
R$ 7,90



SÉRIE REENCONTRO - ROBIN HOOD
JOEL RUFINO DOS SANTOS
SCIPIONE
(1987)
R$ 5,00



MUDANDO O MUNDO O CAMINHO PARA UMA VIDA FELIZ
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
SRILA B. A. PARAMADVAITI SWAMI
(2013)
R$ 23,50



KIDS BOX ACTIVITY BOOK 4
CAROLINE NIXON E MICHAEL
CAMBRIDGE
(2015)
R$ 9,90



CIÊNCIAS SOCIAIS E SAÚDE NO BRASIL
ANA MARIA CAESQUI
HUCITEC
(2007)
R$ 25,00



O MUNDO DAS ORQUÍDEAS - ACOMPANHA VAPORIZADOR E TESOURA DE POLDA
BÉNÉDICTE BOUDASSOU
COOK LOVERS
(2011)
R$ 139,95





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês