Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
Mais Recentes
>>> Fala Sério, Professor! de Thalita Rebouças pela Rocco (2006)
>>> Português Linguagens de William Roberto Cereja Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2010)
>>> O Cavalo Em Chamas de Silveira de Souza pela Ática (1981)
>>> Tosco de Gilberto Mattje pela Alvorada (2009)
>>> Cadernos do Ced Nº8 de Org. Maria Conceição de Figueiredo Cardoso Silva pela Ufsc (1986)
>>> Manuale Di Giardinaggio de Peter Mc Hoy pela Fratelli Melita (1991)
>>> Devolver ao Remetente de Fern Michaels pela Lafonte (2012)
>>> Pais e Filhos de Lewis Yablonsky pela Melhoramentos (1990)
>>> A Feast For Crows (book 4) de George R. R. Martin pela Bantam (2011)
>>> Na Casa de Minha Mãe de Kim Chernin pela Imago (1988)
>>> O Quinto Set de Reato Chagas pela Le (1987)
>>> Vivências Empreendedoras -a Prática de Empreendedorismo Em Organização de Edis Mafra Lapolli pela Pandion (2012)
>>> Apuntes Sobre La Teoria de La Música de Maria a Piola pela Da Autora (1958)
>>> Mosaico Social Ano 2 N 2 de Ufsc pela Ufsc (2004)
>>> Consolidação das Leis Tributárias do Município de Florianópolis de Ademar Waterkemper pela Do Autor (1997)
>>> Diálogos Com a Literatura Brasileira I de Marco Vasques pela Movimento Ufsc (2004)
>>> En Defensa del Marxismo: El Derrumbe del Progresismo de Vários pela Rumbos (2001)
>>> Clássicos da Literatura no Vestibular de Carla Mano Paulo Cervi pela Pallotti (1996)
>>> Costela de Adão de Sérgio da Costa Ramos pela Letras Contemporâneas (2007)
>>> Revista Brasileira de Energia Vol 1 Nº 1 de Sociedade Brasileira de Planejamento Energético pela Nova Stella (1989)
>>> Jurisprudência do Cpc Vol Iv de Arruda Alvim Clito Fornaciari Júnior pela Rt (1978)
>>> Crianças sem Problemas de Eduardo Goldenstein; Luiz a S Freitas pela Gente (1994)
>>> Direito Comercial de Dejair Vieira pela Edipro (1993)
>>> O Segredo da Múmia de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala (1975)
>>> Paternidade - Investigação Judicial e Coisa Julgada de Glaci de Oliveira Pinto Vargas / Maslova Werlang pela Oab/sc (2004)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Cinema

Quarta-feira, 8/6/2011
Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino
Julio Daio Borges

+ de 7100 Acessos
+ 7 Comentário(s)




Digestivo nº 480 >>> Depois de Kill Bill, a obra-prima de Quentin Tarantino, o mundo esperava por outro filme grandioso. Inglourious Basterds, ou Bastardos Inglórios, portanto, talvez seja uma decepção nesse sentido. O tema, da Segunda Guerra, é certamente grandioso. Mas o tratamento dado é, no mínimo, naïf, de quem não conhece História. Talvez ler só histórias em quadrinhos, se especializar em filmes B e cultuar a violência acima tudo não seja exatamente a receita para se adquirir uma formação sólida. Todos respeitamos Tarantino como realizador, e a produção de Inglourious Basterds é quase virtuosística nos detalhes ― mas não foi suficiente para reconstituir personalidades complexas como as de Adolf Hitler e Joseph Goebbels. O personagem Hans Landa, por exemplo, interpretado por Christoph Waltz ― poliglota, destilando alemão, francês e italiano (sem nenhum sotaque) ― talvez pareça mais sofisticado que duas das mentes mais diabólicas do século passado... No longa de Tarantino, o Ministro da Propaganda está mais interessado em sua intérprete, e em agradar o Führer (essa parte talvez seja verdade), do que em maquinar qual o próximo passo no esforço de guerra (a verdadeira verdade). Já o Führer oscila entre infantil e abobalhado, quando, na vida real, estava mais perto de um megalomaníaco que levou a Europa, a Alemanha (e a si próprio) a um destino trágico. Ou seja, dois dos homens que quase acabaram com a civilização ocidental não poderiam ser representados como simples vilões de filmes de super-herói da Marvel. Tarantino, nesse ponto, errou a mão. Ao mesmo tempo, os Estados Unidos que salvou a Europa ― ou o que restava dela ― não poderiam ser representados por um grosseirão, sem modos, como Aldo Raine, o personagem de Brad Pitt. A licença poética de construir um final "onde os judeus vencem a guerra" é até respeitável, mas os verdadeiros nazistas não se deixariam envolver dessa forma, e nem os Estados Unidos da América confiariam a um cowboy "monoglota" a missão de libertar a Europa. Podemos conceder que a representação da França ocupada esteja um pouco mais fiel à realidade, fazendo sentir a opressão nazista até num cinema ou numa confeitaria. Também a tensão do diálogo inicial, típica de Tarantino, desde Cães de Aluguel, onde o pai de família entrega os judeus em seu sótão... Reconstituição histórica, contudo, exige mais do que a leitura de almanaques, a reprodução de estereótipos e a imaginação desenfreada de quem não viveu o período nem respeitou os sobreviventes. Não foi à toda que Le Monde acusou Tarantino de "se perder" ao "ficcionar" a Segunda Guerra. Assim como a imprensa israelense sentiu falta de "profundidade" nas questões morais. Ainda o crítico Daniel Mendelsohn acusou Tarantino de converter "judeus" em... "nazistas". Enfim, o diretor de Pulp Fiction é mestre em retroceder até a década de 70, mas sua autonomia parece que não chega a meados do século XX...
>>> Inglourious Basterds
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. WorkFlowy, de Mike Turitzin e Jesse Patel (Internet)
02. O Kindle 3 e as respostas da Amazon ao iPad (Literatura)
03. O iPad, da Apple e de Steve Jobs (Internet)
04. Como ganhar US$ 1 milhão na internet, de Ewen Chia (Internet)
05. O Brasil na capa da Economist (Imprensa)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/6/2011
14h21min
Discordo desta crítica. O universo de Tarantino é composto exatamente pelos pontos supostamente negativos de Bastardos Inglórios. A formação pop do diretor é a matéria prima do seu trabalho. Ninguém nunca quis aprender História com seus filmes, e cobrar isto de um filme cuja proposta é subvertê-la (Hitler é assassinado!), é pedir algo incoerente. Representar personagens como HQs da Marvel também é algo totalmente aceitável de quem fez isso em todos os seus filmes. Não há profundidade em nenhum personagem de seus filmes anteriores. Há assassinos que declamam trechos inexistentes da Bíblia, ou biografias contadas em animações "mangá", ou mesmo um filme que se inspira em literatura "pulp". Ou um fabricante oriental de espadas retirado de uma série de TV! Complexidade psicológica é para Bergman, não para Quentin Tarantino. Reconstituição histórica? Num filme onde Hitler e a cúpula nazista são assassinados num incêndio de cinema? Não, não iremos aprender História com Tarantino.
[Leia outros Comentários de Juca Azevedo]
19/6/2011
12h29min
Discordo também da crítica. Adorei o filme. E filme é filme.... funciona dentro de uma outra lógica. No caso específico de Bastardos Inglórios o diretor subverte a história mostrando que poderia ter sido diferente. Rita
[Leia outros Comentários de Rita Guimarães]
24/6/2011
11h27min
Também discordo da crítica. Bastardos é um dos melhores filmes do diretor. Certamente a intenção dele não foi reconstituir a história, se tivesse feito o contrário (ou como a crítica acima sugere) o filme não seria tão bom, pois sairia do foco. Acredito que mesmo não retratando a realidade, o filme é bastante completo.
[Leia outros Comentários de Candice Lindner]
7/8/2011
20h11min
Mais um a discordar desta crítica. Se filmes fossem livros de história, talvez concordasse com a crítica. Mas não são. Cinema é arte. E dentro da criação artística alguns limites impostos pela fiel observância dos fatos cedem passo ao objetivo da obra de arte: oferecer a sua visão do fato, da ideia, das pessoas. Ora, Quentin Tarantino, desde Caes de Aluguel - filme que retirou o cinema norte-americano do marasmo em que se encontrava no inicio da década de 90 - não se propõe a ortodoxias, venham de onde vierem. É muito lógico e até aceitável que pessoas com algum interesse direto na exposição dos pensonagens mais sinistros da 2ª GM queiram uma reconstrução história fiel dos fatos e pessoas. Mas repito: trata-se de uma obra de arte sobre a história e quem comanda o foco (ainda que alguns digam que ele o perdeu aqui) é Quentin. Por que Hitler não poderia ser retratado como uma criança grande cheia de vontades e abobalhada? Pois pra mim foi isso que ele foi em seus dias finais.
[Leia outros Comentários de Marlon Araújo]
18/8/2011
11h28min
"Ir ao cinema é ficar perto do esquecimento, levado pela esperança de transformação. Ninguém vai ao cinema para se tornar mais sensível, experiente e culto, ainda que pense estar fazendo isso. Todos querem ser arrebatados para a terra de um milagre inexorável. Entram no cinema ainda escuro, como num lugar em que se pode contar com a ocorrência de um excesso." Frank Böckelmann,(autor do libro Kafka e o Cinema) Ins Kino (Ir ao Cinema), 1994.
[Leia outros Comentários de Caulos]
18/8/2011
15h08min
Discordo totalmente. A graça do filme está na subversão das personagens históricas. Não estamos falando de "O resgate do soldado Ryan", que tinha outro propósito e, ainda com toda aquela produção realista, falha em várias verdades históricas, a ponto de tratar os alemães, em algumas cenas, como crianças brincando de guerra. Tarantino, melhor que Spielberg (e Rodat), cumpre seu propósito inicial: um filme de "guerra" às avessas. Quem se incomoda com a história corrompida que vá assistir a documentários.
[Leia outros Comentários de Nathalia]
28/8/2011
21h48min
Se eu quisesse um Hitler histórico não teria assitido aos bastardos. Essa foi uma crítica de quem não conhece o estilo do Tarantino.
[Leia outros Comentários de Julia Dionísio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Interlinear: Hebraico-português
Enih Gilead
Clube de Autores
(2018)



A Criança e a Violência na Mída
Ulla Carlsson/ Cecília Von Feilitzen (orgs.)
Cortez
(1999)



A Treatise on the Design and Construction of Roofs (1912)
N Clifford Ricker
Chapman & Hall
(1912)



Como Falar de Deus a Meu Filho (iniciação à Vida Cristã) / 4ª Ed
Pierre Ranwez
Loyola
(1987)



Livro - Garimpo
Beatriz Bracher
34
(2013)



No Tribunal de Meu Pai - Confira !!!
Isaac Bashevis Singer
Companhia das Letras
(2008)



Amor de Perdição
Camilo Castelo Branco
Ática
(1995)



Jesus o Evangelho- Em Quadrinhos
Casa Publicadora Paulista
Casa Publicadora Paulista
(2010)



Cómo Hacer y Manejar Marionetas - Guia Sencilla de La Técnica..
Diversos
Plesa
(1975)



Jurisprudência dos Alimentos
Limongi França
Revista dos Tribunais
(1980)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês