Tarantino e o espírito do tempo | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/10/2009
Tarantino e o espírito do tempo
Luiz Rebinski Junior

+ de 5900 Acessos

Cada época tem o cineasta que merece. Se os anos do pós-guerra foram marcados por realizadores que enfatizavam a desesperança de seu tempo, com um realismo à flor da pele, a década de 1960, no cinema, teve como fio condutor a efervescência das ruas, dos levantes e das revoluções que afloravam pelo mundo. A nossa época, imersa na cultura pop e na revolução tecnológica, também tem seu retrato bem desenhado na telona. E o cineasta que parece encarnar com mais fervor o espírito do nosso tempo atende pelo nome de Quentin Tarantino.

Goste-se ou não das doses de bobagem que recheiam seus filmes, o cinema feito pelo norte-americano é o retrato fiel de nossa época, um mundo fragmentado, onde as fronteiras da arte se evaporam em um cipoal de referências onde Mao Tsé-Tung é tão pop quanto Elvis Presley.

O último trabalho de Tarantino, Bastardos Inglórios, talvez seja o seu filme mais representativo. Mais até do que Pulp Fiction, o filme-vídeoclipe, e Kill Bill, o escarro de um cinéfilo exibido.

Mudar os rumos da História em um filme não é propriamente algo inédito. Mas a maneira com que Tarantino o faz é que lhe dá o status de realizador afinado com seu tempo, mesmo quando olha para trás. O longa, que retrata um período da Segunda Guerra Mundial, quando a França esteve sob ocupação nazista, tem a cara da nossa cultura atual. Ainda que recrie o ambiente, as roupas e as paisagens de sessenta anos atrás, tudo ali nos é familiar. Não só por conta das intervenções gráficas, que deixam certas passagens do filme com cara de desenho animado ou propaganda publicitária. O esquadrão de caçadores de nazistas que dá nome à obra, bem que poderia ser uma banda de rock. Apresentados ao público em cortes narrativos que mostram suas peripécias violentas, os integrantes da legião da má vontade, liderados por um surpreendente Brad Pitt, são anti-heróis que não precisam de muito para ganhar a plateia. As atrocidades que cometem, como tirar o escalpo de prisioneiros nazistas, têm, claro, um bom propósito: matar Hitler, um dos maiores carrascos de todos os tempos. E isso é o bastante. Mas Hitler mesmo não bota medo em ninguém, é um arremedo de carrasco, mais para cômico do que para malvado. Essa é a senha para Tarantino divagar, mandar a história da Segunda Guerra pro espaço e assassinar Hitler em um teatro de Paris, com a cara desfigurada por rajadas de metralhadora. Afinal, quem nunca sonhou com um fim mais cruel do que aquele que teve o Führer em seu bunker?

Tarantino sacia a vontade alheia e brinca com um dos temas mais sérios e discutidos do cinema. Daí a ousadia de seu longa: fugir da lenha que é falar, de modo original, de um assunto tão batido, ainda por cima com a pilhéria que lhe é característica.

Mas o público, mesmo o mais desavisado dos espectadores, sabe que ali, na história de Tarantino, só há espaço para as meias-verdades, àquilo que poderia ser e não foi. O cineasta brinca de fazer cinema, se diverte e diverte seu público, que não deixa de rir nos momentos mais aterrorizantes, ciente do humor por trás de cenas aparentemente sérias e dramáticas. A exceção é a cena inicial, em que uma família de judeus é dizimada, sobrando apenas uma garotinha, que mais tarde vai desempenhar papel fundamental no desfecho da trama. Essa passagem até engana, sugerindo que Tarantino vai conduzir um filme de acordo com a História e as convenções realistas. Ledo engano. Na cena seguinte já se vê Brad Pitt, com o queixo proeminente e um sotaque hilário, recrutar seus bastardos para a cruzada contra os nazi.

Mesmo sendo claramente picaresco, o filme consegue incutir altas doses de suspense no espectador. Mesmo o coronel Hans Landa, um implacável caçador de judeus, tem seus momentos divertidos, com um humor negro afinado. A violência, característica do cinema de Tarantino, dá as caras em cenas grandiosas, muito menos nonsense do que em Kill Bill. Aqui Tarantino parece muito menos preocupado em mostrar que conhece as mais obscuras cinematografias e se concentra em seu próprio cinema - ainda que isso represente uma série de citações subliminares aos mais diversos filmes e cineastas.

Os diálogos longos e caprichados estão de volta. A cena inicial, em que Landa interroga um agricultor que esconde a família judia, deve durar, por baixo, uns dez minutos. A cena faz lembrar os diálogos contidos em Cães de Aluguel, em que os homens de preto divagam sobre quase tudo. São essas pequenas bobagens que dão corpo ao roteiro de Tarantino, que continua com um humor ácido e politicamente incorreto.

Nem sempre as escolhas de Tarantino são compreendidas. Godard, que talvez tenha sido o primeiro cineasta a rechear um filme com referências à cultura pop e a unir alta e baixa cultura em um mesmo take, sempre achou o cinema do norte-americano uma grande idiotice. Nem mesmo a homenagem que Tarantino lhe fez, colocando o nome de sua produtora de "Band a Part" (filme do francês da década de 1960) fez Godard digerir melhor o samba do crioulo doido que é o cinema de Tarantino. Realmente é pouco provável que um cineasta engajado como Godard pudesse gostar de filmes que mais parecem séries de TV.

Mas é a capacidade de transformar lixo cultural em cinema que fez de Tarantino um nome cultuado da sétima arte. É impossível não pensar nas origens cinéfilas do diretor quando se assiste Uma Thurman posando de samurai com aquela roupa amarela em Kill Bill. Mas, no meio de tudo isso, do sangue em excesso surrupiado dos filmes de George Romero e dos tiroteios inspirados nos faroestes de Sergio Leone, há substância. Tarantino é um bom roteirista, que sabe a hora de falar sério em um história cheia de gags. Suas tramas inteligentes fizeram de seus filmes da década de 1990 grandes clássicos do cinema. A dança de Thurman com Travolta em Pulp Fiction já faz parte da galeria de cenas antológicas do cinema mundial. E Bastardos Inglórios parece que terá o mesmo destino: entrar para o cânone. A notícia triste é que Tarantino pretende filmar o Kill Bill 3. Um indício perigoso de autoplágio, desnecessário a um cineasta tão inspirado e singular quanto Quentin Tarantino.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 28/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
03. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
04. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
05. K 466 de Renato Alessandro dos Santos


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA AVENTURA DE ASTERIX O GAULÊS- ASTERIX NOS JOGOS OLÍMPICOS 8991
R GOSCINNY E A UDERZO
CEDIBRA
(1968)
R$ 15,00



NASCIMENTO DA ERA CAÓRDICA
DEE HOCK
CULTRIX
(2000)
R$ 22,31
+ frete grátis



A GAROTA DE SÃO PAULO
ADA PELLEGRINI
ARX
(2004)
R$ 17,85



MEUS FILHOS
ALFONS BALBACH
EDEL
R$ 12,24



REPÚBLICA DO TACAPE
ROGÉRIO REZENDE
UNITED
(2004)
R$ 11,22



O APLAUSO FINAL
MONIQUE RAPHEL HIGH
RECORD
(1981)
R$ 7,19



HISTÓRIA DE AMOR, UMA
CARLOS HEITOR CONY
EDIOURO MCPM
(2006)
R$ 12,00



A FILOSOFIA DE ESPINOSA
WILL DURANT
EDIOURO
(1980)
R$ 7,90



O DOCUMENTO R
IRVING WALLACE
CÍRCULO DO LIVRO
(1988)
R$ 10,10



DISQUE FANTASMA
EVA IBBOTSON
ROCCO
(2003)
R$ 8,00





busca | avançada
37001 visitas/dia
1,4 milhão/mês