Tarantino e o espírito do tempo | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/10/2009
Tarantino e o espírito do tempo
Luiz Rebinski Junior
+ de 7400 Acessos

Cada época tem o cineasta que merece. Se os anos do pós-guerra foram marcados por realizadores que enfatizavam a desesperança de seu tempo, com um realismo à flor da pele, a década de 1960, no cinema, teve como fio condutor a efervescência das ruas, dos levantes e das revoluções que afloravam pelo mundo. A nossa época, imersa na cultura pop e na revolução tecnológica, também tem seu retrato bem desenhado na telona. E o cineasta que parece encarnar com mais fervor o espírito do nosso tempo atende pelo nome de Quentin Tarantino.

Goste-se ou não das doses de bobagem que recheiam seus filmes, o cinema feito pelo norte-americano é o retrato fiel de nossa época, um mundo fragmentado, onde as fronteiras da arte se evaporam em um cipoal de referências onde Mao Tsé-Tung é tão pop quanto Elvis Presley.

O último trabalho de Tarantino, Bastardos Inglórios, talvez seja o seu filme mais representativo. Mais até do que Pulp Fiction, o filme-vídeoclipe, e Kill Bill, o escarro de um cinéfilo exibido.

Mudar os rumos da História em um filme não é propriamente algo inédito. Mas a maneira com que Tarantino o faz é que lhe dá o status de realizador afinado com seu tempo, mesmo quando olha para trás. O longa, que retrata um período da Segunda Guerra Mundial, quando a França esteve sob ocupação nazista, tem a cara da nossa cultura atual. Ainda que recrie o ambiente, as roupas e as paisagens de sessenta anos atrás, tudo ali nos é familiar. Não só por conta das intervenções gráficas, que deixam certas passagens do filme com cara de desenho animado ou propaganda publicitária. O esquadrão de caçadores de nazistas que dá nome à obra, bem que poderia ser uma banda de rock. Apresentados ao público em cortes narrativos que mostram suas peripécias violentas, os integrantes da legião da má vontade, liderados por um surpreendente Brad Pitt, são anti-heróis que não precisam de muito para ganhar a plateia. As atrocidades que cometem, como tirar o escalpo de prisioneiros nazistas, têm, claro, um bom propósito: matar Hitler, um dos maiores carrascos de todos os tempos. E isso é o bastante. Mas Hitler mesmo não bota medo em ninguém, é um arremedo de carrasco, mais para cômico do que para malvado. Essa é a senha para Tarantino divagar, mandar a história da Segunda Guerra pro espaço e assassinar Hitler em um teatro de Paris, com a cara desfigurada por rajadas de metralhadora. Afinal, quem nunca sonhou com um fim mais cruel do que aquele que teve o Führer em seu bunker?

Tarantino sacia a vontade alheia e brinca com um dos temas mais sérios e discutidos do cinema. Daí a ousadia de seu longa: fugir da lenha que é falar, de modo original, de um assunto tão batido, ainda por cima com a pilhéria que lhe é característica.

Mas o público, mesmo o mais desavisado dos espectadores, sabe que ali, na história de Tarantino, só há espaço para as meias-verdades, àquilo que poderia ser e não foi. O cineasta brinca de fazer cinema, se diverte e diverte seu público, que não deixa de rir nos momentos mais aterrorizantes, ciente do humor por trás de cenas aparentemente sérias e dramáticas. A exceção é a cena inicial, em que uma família de judeus é dizimada, sobrando apenas uma garotinha, que mais tarde vai desempenhar papel fundamental no desfecho da trama. Essa passagem até engana, sugerindo que Tarantino vai conduzir um filme de acordo com a História e as convenções realistas. Ledo engano. Na cena seguinte já se vê Brad Pitt, com o queixo proeminente e um sotaque hilário, recrutar seus bastardos para a cruzada contra os nazi.

Mesmo sendo claramente picaresco, o filme consegue incutir altas doses de suspense no espectador. Mesmo o coronel Hans Landa, um implacável caçador de judeus, tem seus momentos divertidos, com um humor negro afinado. A violência, característica do cinema de Tarantino, dá as caras em cenas grandiosas, muito menos nonsense do que em Kill Bill. Aqui Tarantino parece muito menos preocupado em mostrar que conhece as mais obscuras cinematografias e se concentra em seu próprio cinema - ainda que isso represente uma série de citações subliminares aos mais diversos filmes e cineastas.

Os diálogos longos e caprichados estão de volta. A cena inicial, em que Landa interroga um agricultor que esconde a família judia, deve durar, por baixo, uns dez minutos. A cena faz lembrar os diálogos contidos em Cães de Aluguel, em que os homens de preto divagam sobre quase tudo. São essas pequenas bobagens que dão corpo ao roteiro de Tarantino, que continua com um humor ácido e politicamente incorreto.

Nem sempre as escolhas de Tarantino são compreendidas. Godard, que talvez tenha sido o primeiro cineasta a rechear um filme com referências à cultura pop e a unir alta e baixa cultura em um mesmo take, sempre achou o cinema do norte-americano uma grande idiotice. Nem mesmo a homenagem que Tarantino lhe fez, colocando o nome de sua produtora de "Band a Part" (filme do francês da década de 1960) fez Godard digerir melhor o samba do crioulo doido que é o cinema de Tarantino. Realmente é pouco provável que um cineasta engajado como Godard pudesse gostar de filmes que mais parecem séries de TV.

Mas é a capacidade de transformar lixo cultural em cinema que fez de Tarantino um nome cultuado da sétima arte. É impossível não pensar nas origens cinéfilas do diretor quando se assiste Uma Thurman posando de samurai com aquela roupa amarela em Kill Bill. Mas, no meio de tudo isso, do sangue em excesso surrupiado dos filmes de George Romero e dos tiroteios inspirados nos faroestes de Sergio Leone, há substância. Tarantino é um bom roteirista, que sabe a hora de falar sério em um história cheia de gags. Suas tramas inteligentes fizeram de seus filmes da década de 1990 grandes clássicos do cinema. A dança de Thurman com Travolta em Pulp Fiction já faz parte da galeria de cenas antológicas do cinema mundial. E Bastardos Inglórios parece que terá o mesmo destino: entrar para o cânone. A notícia triste é que Tarantino pretende filmar o Kill Bill 3. Um indício perigoso de autoplágio, desnecessário a um cineasta tão inspirado e singular quanto Quentin Tarantino.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 28/10/2009

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009
05. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês