Tarantino e o espírito do tempo | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> Livro - Piaget-vygotsky - Novas Contribuições para o Debate de José Castorina e Outros pela Atica (1995)
>>> Pro-posições Revista QUadrimestral da faculdade unicamp - nº 3 1990 de Vários Autores pela Cortez (1990)
>>> O caminho quádruplo (como novo) de Angeles Arrien pela Agora (1997)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel Garcia Marquez pela Editorial Oveja Negra (1992)
>>> Livro - A Poesia Épica de Camões de Rosemeire da Silva pela Policarpo (1996)
>>> Contradições no ensino de português de Rosa Virgínia Mattos e Silva pela Contexto (2002)
>>> Livro - Festa no Mar - Festa no Céu / Livro Vira-vira 2 Em 1 de Lúcia Hiratsuka pela Dcl (2007)
>>> Livro - Robinson Crusoé - Coleção Reencontro de Daniel Defoe pela Scipione (2001)
>>> Ética a Nicômaco de Aristóteles pela Martin Claret (2009)
>>> Pro-posições Revista QUadrimestral da faculdade unicamp - nº 4 1991 de Vários Autorez pela Cortez (1991)
>>> Livro - O Estranho Caso do Cachorro Morto de Mark Haddon pela Record (2013)
>>> Heróis da Fé de Orlando Boyer pela Cpad (2009)
>>> Livro - Alguns Medos e Seus Segredos de Ana Maria Machado pela Global (2023)
>>> Livro - Matemática Mortífera - Saber Horrível de Kjartan Poskitt pela Melhoramentos (2010)
>>> Damas de Honra de Jane Costello pela Record (2012)
>>> Livro de Neemias de Elinaldo Revovato de Lima pela Cpad (2015)
>>> Leilão das Galerias Organização Canvas e E-arte - 2008 de Vários Autores pela Canvas Galeria e-Arte (2008)
>>> Repertório das essências florais - 4ª Ed (raro exemplar) de Patricia Kaminski e Richard Katz pela Aquariana (1992)
>>> Livro - Egito - Arte na Idade Antiga de Sueli Lemos; Edna Ande pela Callis (2011)
>>> O Passe: Seu Estudo, suas Técnicas, sua Prática de Jacob Melo pela Feb (1999)
>>> Livro - A Extraordinária Jornada de Edward Tulane de Kate Dicamillo pela Martins Fontes (2011)
>>> Livro - As Politicas De Igualdade Racial: Reflexões e Perspectivas de Matilde Ribeiro (org.) pela Fundação Perseu Abramo (2012)
>>> Os médicos do espaço de Luiz da Rocha Lima e o Lar de Frei Luiz pela Mauad (2006)
>>> Iniciação à Administração de Recursos Humanos de Idalberto Chiavenato pela Manole
>>> Livro - Caçadas de Pedrinho de Monteiro Lobato pela Globo (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/10/2009
Tarantino e o espírito do tempo
Luiz Rebinski Junior
+ de 7000 Acessos

Cada época tem o cineasta que merece. Se os anos do pós-guerra foram marcados por realizadores que enfatizavam a desesperança de seu tempo, com um realismo à flor da pele, a década de 1960, no cinema, teve como fio condutor a efervescência das ruas, dos levantes e das revoluções que afloravam pelo mundo. A nossa época, imersa na cultura pop e na revolução tecnológica, também tem seu retrato bem desenhado na telona. E o cineasta que parece encarnar com mais fervor o espírito do nosso tempo atende pelo nome de Quentin Tarantino.

Goste-se ou não das doses de bobagem que recheiam seus filmes, o cinema feito pelo norte-americano é o retrato fiel de nossa época, um mundo fragmentado, onde as fronteiras da arte se evaporam em um cipoal de referências onde Mao Tsé-Tung é tão pop quanto Elvis Presley.

O último trabalho de Tarantino, Bastardos Inglórios, talvez seja o seu filme mais representativo. Mais até do que Pulp Fiction, o filme-vídeoclipe, e Kill Bill, o escarro de um cinéfilo exibido.

Mudar os rumos da História em um filme não é propriamente algo inédito. Mas a maneira com que Tarantino o faz é que lhe dá o status de realizador afinado com seu tempo, mesmo quando olha para trás. O longa, que retrata um período da Segunda Guerra Mundial, quando a França esteve sob ocupação nazista, tem a cara da nossa cultura atual. Ainda que recrie o ambiente, as roupas e as paisagens de sessenta anos atrás, tudo ali nos é familiar. Não só por conta das intervenções gráficas, que deixam certas passagens do filme com cara de desenho animado ou propaganda publicitária. O esquadrão de caçadores de nazistas que dá nome à obra, bem que poderia ser uma banda de rock. Apresentados ao público em cortes narrativos que mostram suas peripécias violentas, os integrantes da legião da má vontade, liderados por um surpreendente Brad Pitt, são anti-heróis que não precisam de muito para ganhar a plateia. As atrocidades que cometem, como tirar o escalpo de prisioneiros nazistas, têm, claro, um bom propósito: matar Hitler, um dos maiores carrascos de todos os tempos. E isso é o bastante. Mas Hitler mesmo não bota medo em ninguém, é um arremedo de carrasco, mais para cômico do que para malvado. Essa é a senha para Tarantino divagar, mandar a história da Segunda Guerra pro espaço e assassinar Hitler em um teatro de Paris, com a cara desfigurada por rajadas de metralhadora. Afinal, quem nunca sonhou com um fim mais cruel do que aquele que teve o Führer em seu bunker?

Tarantino sacia a vontade alheia e brinca com um dos temas mais sérios e discutidos do cinema. Daí a ousadia de seu longa: fugir da lenha que é falar, de modo original, de um assunto tão batido, ainda por cima com a pilhéria que lhe é característica.

Mas o público, mesmo o mais desavisado dos espectadores, sabe que ali, na história de Tarantino, só há espaço para as meias-verdades, àquilo que poderia ser e não foi. O cineasta brinca de fazer cinema, se diverte e diverte seu público, que não deixa de rir nos momentos mais aterrorizantes, ciente do humor por trás de cenas aparentemente sérias e dramáticas. A exceção é a cena inicial, em que uma família de judeus é dizimada, sobrando apenas uma garotinha, que mais tarde vai desempenhar papel fundamental no desfecho da trama. Essa passagem até engana, sugerindo que Tarantino vai conduzir um filme de acordo com a História e as convenções realistas. Ledo engano. Na cena seguinte já se vê Brad Pitt, com o queixo proeminente e um sotaque hilário, recrutar seus bastardos para a cruzada contra os nazi.

Mesmo sendo claramente picaresco, o filme consegue incutir altas doses de suspense no espectador. Mesmo o coronel Hans Landa, um implacável caçador de judeus, tem seus momentos divertidos, com um humor negro afinado. A violência, característica do cinema de Tarantino, dá as caras em cenas grandiosas, muito menos nonsense do que em Kill Bill. Aqui Tarantino parece muito menos preocupado em mostrar que conhece as mais obscuras cinematografias e se concentra em seu próprio cinema - ainda que isso represente uma série de citações subliminares aos mais diversos filmes e cineastas.

Os diálogos longos e caprichados estão de volta. A cena inicial, em que Landa interroga um agricultor que esconde a família judia, deve durar, por baixo, uns dez minutos. A cena faz lembrar os diálogos contidos em Cães de Aluguel, em que os homens de preto divagam sobre quase tudo. São essas pequenas bobagens que dão corpo ao roteiro de Tarantino, que continua com um humor ácido e politicamente incorreto.

Nem sempre as escolhas de Tarantino são compreendidas. Godard, que talvez tenha sido o primeiro cineasta a rechear um filme com referências à cultura pop e a unir alta e baixa cultura em um mesmo take, sempre achou o cinema do norte-americano uma grande idiotice. Nem mesmo a homenagem que Tarantino lhe fez, colocando o nome de sua produtora de "Band a Part" (filme do francês da década de 1960) fez Godard digerir melhor o samba do crioulo doido que é o cinema de Tarantino. Realmente é pouco provável que um cineasta engajado como Godard pudesse gostar de filmes que mais parecem séries de TV.

Mas é a capacidade de transformar lixo cultural em cinema que fez de Tarantino um nome cultuado da sétima arte. É impossível não pensar nas origens cinéfilas do diretor quando se assiste Uma Thurman posando de samurai com aquela roupa amarela em Kill Bill. Mas, no meio de tudo isso, do sangue em excesso surrupiado dos filmes de George Romero e dos tiroteios inspirados nos faroestes de Sergio Leone, há substância. Tarantino é um bom roteirista, que sabe a hora de falar sério em um história cheia de gags. Suas tramas inteligentes fizeram de seus filmes da década de 1990 grandes clássicos do cinema. A dança de Thurman com Travolta em Pulp Fiction já faz parte da galeria de cenas antológicas do cinema mundial. E Bastardos Inglórios parece que terá o mesmo destino: entrar para o cânone. A notícia triste é que Tarantino pretende filmar o Kill Bill 3. Um indício perigoso de autoplágio, desnecessário a um cineasta tão inspirado e singular quanto Quentin Tarantino.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 28/10/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos
02. YouTube, lá vou eu de Adriane Pasa
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner de Wellington Machado
04. São Luiz do Paraitinga de Ricardo de Mattos
05. Elvis e Michael: do extrativo ao industrial de Diego Viana


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009
05. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Asp: o Guia Essencial - Segunda Edição
A. Keyton Weissinger
Campus
(2000)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



O Cálculo Em Prática Trabalhista (1996)
Antônio Gomes das Neves
Ltr
(1996)



Ser Protagonista Geografia - Livro Aluno Completo
Fernando dos Santos Sampaio
Sm Didático
(2014)



Britain Today
Richard Musman
Prentice Hall Press
(1977)



Livro - Revista de Microbiologia - Vol. 20 Nº4 - Confira!
Sociedade Brasileira de Microbiologia
São Paulo
(1988)



Conecte Biologia - Volume 1 (2011)
Editora Saraiva
Saraiva
(2011)



Segredos Revelados
Fern Michaels, Anderson Alexandre da Silva
Novo Conceito
(2012)



O Livro das Magicas, Truques e Codigos Secretos (1960)
Stella Leonardos
Ediouro
(1960)



Nos Caminhos da Vida
Guiomar de Oliveira Albanesi
Moderna
(2012)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês