Dalton Trevisan revisitado | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carma & darma
>>> Sultão & Bonifácio, parte II
>>> Ensaio autobiográfico, de Jorge Luis Borges
>>> O código dos gênios
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Para você estar passando adiante
>>> Blogs roubam audiência
>>> O enigma da 21ª letra
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
Mais Recentes
>>> Livro A Maldição do Titã de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Livro Se Eu Ficar de Gayle Forman pela Novo Conceito (2019)
>>> Querido John de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Saudável aos 100 Anos de John Robbins pela Fontanar (2009)
>>> Chico Buarque Letra e Música - 2 Volumes de Chico Buarque de Hollanda pela Companhia das Letras (1989)
>>> Songbook Caetano Veloso - Vol. 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Songbook Bossa Nova - Vol. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Médio Dicionário Aurélio de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1980)
>>> Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa de Antônio Geraldo da Cunha pela Nova Fronteira (1982)
>>> Dolce Casa - Manuale Di Sopravvivenza Domestica de Grazia Dominici pela La Spiga (1984)
>>> Meu Mundo Caiu. a Bossa e a Fossa de Maysa. a Bossa e a Fossa de Maysa de Eduardo Logullo pela Novo Século (2007)
>>> Haroldo Costa de Vários Autores pela Rio (2003)
>>> Cancioneiro Popular Português e Brasileiro de Nuno Ctharino Cardoso pela Portugal-brasil Ltda (1921)
>>> Retratos - Dadá Cardoso de Dada Cardoso pela Avatar (1999)
>>> A Informação no Rádio de Gisela Swetlana Ortriwano pela Summus Editorial (1985)
>>> Yes, nos Temos Bananas - História e Receitas de Heloisa de Freitas Valle; Márcia Masca pela Senac São Paulo (2003)
>>> Manual de Modelismo de Albert Jackson; David Day pela Hermann Blume (1981)
>>> Madeira-mamoré. Patrimônio da Humanidade de Hércules Góes pela Ecoturismo (2005)
>>> Uma História de Agendas de João Rothschild pela Ernesto Rothschild (1990)
>>> Estética. La Cuestion del Arte de Elena Oliveras pela Aemecé (2007)
>>> Conheça o Pantanal de Nicia Wendel de Magalhães pela Terragraph (1992)
>>> Corpo de Baile de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1956)
>>> Línguas de Fogo. Ensaio Sobre Clarice Lispector de Claire Varin pela Limiar (2002)
>>> Pedagogia Diferemciada : das Intenções à Ação de Philippe Perrenoud pela Artmed (2000)
>>> Um General na Biblioteca de Italo Calvino pela Companhia das Letras (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 29/7/2009
Dalton Trevisan revisitado
Luiz Rebinski Junior

+ de 6100 Acessos

Há exatos 50 anos, Dalton Trevisan estreava na literatura. Em 1959, o contista debutou com Novelas nada exemplares, livro que lhe rendeu exposição nacional. Apesar de se tratar de uma estreia, a coletânea não era assinada por um estreante. Antes de publicar o livro, Dalton já era um escritor experiente. Pelo menos há uma década e meia o contista já experimentava sua literatura nas páginas da célebre revista Joaquim, fundada e editada por ele entre 1946 e 1948. Além disso, Dalton Trevisan havia escrito dois livros ― Sonata ao luar (1945) e Sete anos de pastor (1946) ― que, anos depois, renegaria.

Conhecido pelo estilo minimalista e criador de um universo próprio, Dalton dá, com sua primeira coletânea de contos, o pontapé inicial ao projeto literário que faria dele o grande contista nacional. Conferir como o escritor forjou sua temática e estilo único é certamente um bom pretexto para ler as reedições que a editora Record coloca na praça de Novelas nada exemplares (Record, 2009, 223 págs.) e de seu sucessor, Cemitério de elefantes (Record, 2009, 126 págs.). Os dois primeiros trabalhos de Dalton Trevisan iniciam a série de reedições que a editora carioca pretende fazer dos livros do vampiro de Curitiba. O novo livro do contista também deve ganhar as prateleiras este ano.

Para muitos um dos melhores livros de Dalton Trevisan, Novelas nada exemplares traz a gama de temas que o autor trabalharia, de modo exaustivo, nos seus livros subsequentes, tal como a traição, o alcoolismo, a farra e a pederastia. Elementos que compõem o singular "inferno conjugal daltônico". Ainda menos elíptica do que viria a ser, sua prosa já tem, na estreia, a marca do provincianismo que tanto caracteriza seus personagens. O livro dá conta do conflito entre a cidade grande e a província, entre o novo e o velho. Um tema certamente muito pertinente na Curitiba dos anos 1950 que se transformava, quando as carroças deixavam de reinar para dar lugar a carros e largas avenidas.

Contos como "Pensão Nápoles", em que um homem sonha se livrar da modorrenta Curitiba e viver dias felizes na bela Itália (Nápoles), e "À margem do rio", sobre um episódio violento originado por motivo banal, dão conta da mediocridade da vida provinciana que levam os personagens. Gente solitária que se apega a coisas comezinhas, de pouca importância, para se esquecer da banalidade do cotidiano. E nesse ambiente onde pouco ou nada acontece, o casamento é uma das poucas saídas para o drama da vida vulgar. Saída que se revela pouco eficiente, pois o matrimônio na literatura de Dalton é pura "solidão a dois". As desavenças conjugais, que seriam esmiuçadas com fervor em livros como Desastres do amor (1968) e A guerra conjugal (1969), já aparecem com força em Novelas nada exemplares.

São elas, as repetitivas histórias de traição, amor e ódio que dão corpo à "ilíada doméstica" de Dalton Trevisan, como o próprio autor já se referiu ao conjunto de pequenos dramas familiares vividos por seus Joões e Marias. A repetição de histórias, nomes e tragédias não é falta de criatividade ou algum tipo de bloqueio criativo do autor, mas uma opção consciente de retratar o mundo por meio de dramas universais que, seja na Curitiba de Trevisan ou na Rússia de Tchekhov (para citar outro mestre da crônica cotidiana), sempre são os mesmos. Assim como o destino de seus personagens: todos estão fadados a seguir a mesma trilha tortuosa, rotineira e sem um pingo de felicidade dos pais. Um caminho que inclui muita dor e pouco prazer. Se todos os homens procuram na bebida um paliativo para a vida provinciana, as mulheres não têm outra escolha a não ser resignar-se diante do destino que já lhe veio traçado. "Ao apagar as luzes, a mãe deixava acesa a do corredor. O destino da mulher é esperar pelo marido e, depois, pelos filhos'', lamenta-se uma mãe solitária em "O noivo", corroborando a tese de que, na obra de Dalton Trevisan, "toda Maria é uma coitada".

O grande romance
Se em Novelas nada exemplares há ainda mocinhas esperando por seu dote, em Cemitério de elefantes os personagens já estão inseridos na incipiente metrópole, o que não quer dizer que sejam totalmente urbanos. "Uma vela para Dario" talvez seja o conto-símbolo do livro. Aparentemente sofrendo um ataque do coração, Dario cai na rua, agoniza e morre sem que ninguém o ajude. Pior que isso, o personagem é roubado pelos transeuntes que se aproximam apenas por maldade. É a galeria de tipos de Dalton descobrindo e aprendendo a conviver com os novos tempos. O avanço da cidade grande se contrapõe à origem de seus habitantes e aos valores fora de foco de uma sociedade que ainda vive como se estivesse no campo. Esse sentimento de deslocamento, de marginalidade e de uma falsa inserção se faz notar no conto que dá título ao livro, no qual os bêbados, sagrados como os elefantes, representam a parcela não inserida da sociedade.

Montar e remontar novas histórias, sempre com a mesma matéria-prima, foi o objetivo literário perseguido por Dalton desde sempre. Seus livros não são mais do que pequenos experimentos, onde o autor brinca com os gêneros literários, ora flertando com a crônica ora com os haicais e, não raras vezes, misturando tudo e dando à sua literatura um caráter único. Os dois primeiros livros de Dalton são especialmente representativos das escolhas, tanto estéticas quanto temáticas, feitas pelo autor ainda no início da carreira. Fiel ao mundo que criou, Dalton Trevisan subverteu o fluxo natural de uma carreira literária, onde o conto é apenas um trampolim para o romance. A fidelidade ao gênero que escolheu, no entanto, não o impediu que escrevesse um grande romance, ainda inacabado e formado por centenas de contos, no qual Novelas nada exemplares e Cemitério de elefantes são os primeiros capítulos.

Para ir além









Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 29/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
02. Para que serve a poesia? de Ana Elisa Ribeiro
03. Paris, a festa continuou de Humberto Pereira da Silva
04. O que queremos do Natal? de Daniel Bushatsky
05. O Free, de Chris Anderson de Julio Daio Borges


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pesquisa Sobre Evolução dos Aluguéis
Neurb; Puc Rj
Neurb; Puc Rj
(1978)



El Dominio Maritimo del Estado Sobre La Zona Economica Exclusiva
D. José Luis de Azcarraga y Bustamante
Real Academia de Jurisprudenci
(1983)



Vamos para Casa: uma História de Amor
Maria do Carmo Lima de Rezende (dedicatória)
7letras
(2004)



O Projeto Dragão
Rubens Teixeira Scavone
Scipione
(1988)



Spain & Portugal (glovebox Atlas)
Automobile Association
Automobile Association
(1998)



Os 350 Melhores Restaurantes do Rio de Janeiro: Guia Gastronômico
André Luiz Pereira da Silva (capa Dura)
Caras
(2003)



El Concepto de Clases Sociales de Marx a Nuestros Dias
Georges Gurvitchi
Nueva Vision
(1957)



Manual de Termos Técnicos do Comércio Exterior e Transportes Marítimos
Abinael Morais Leal
Tempo
(1996)



O Nascimento da Terra
Roselis Von Sass
Ordem do Graal na Terra
(1990)



Praga Judia
Marie Vitochová, Jindrich Kejr e Miloslav Husek
Jitka Kejrová (praga)
(2004)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês