Cinema de Conflito e Entretenimento | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/1/2016
Cinema de Conflito e Entretenimento
Guilherme Carvalhal

+ de 2700 Acessos



O cinema nacional vem experimentando um excelente momento nos últimos anos. Seu nível de profissionalismo cresceu, a abordagem de temas se tornou mais vasta, os roteiros mais sofisticados e isso tem dado uma forte credibilidade às produções em termos de crítica (o que não necessariamente se converte em público).

Dentro de uma perspectiva da tradição do cinema brasileiro, uma das principais heranças é a contextualização das muitas dualidades sociais, tema constante nas películas lançadas. Os embates de Deus e o Diabo na Terra do Sol, a fé popular e a posição oficial da igreja em O Pagador de Promessas, as desigualdades sociais em Rio Quarenta Graus, a violência em Cidade de Deus; temos uma forte tradição em mostrar uma sociedade em contínuo conflito. Assalto ao Trem Pagador, Bye, Bye, Brasil, Toda Nudez Será Castigada, há uma extensa lista de obras que expõe um país complexo.

Outro viés da produção está em um cinema mais leve, menos preocupado com conflitos e focado em levar entretenimento ao telespectador. Nas pornochanchadas o objetivo era superlotar as salas através da sensualidade exposta - mesmo que em conflito com a censura da Ditadura Militar - até essa tática se tornar difusa através da abertura da televisão a obras com certas doses de sensualidade e de uma indústria pornográfica mais direta ao ponto. No âmbito da comédia, o país teve seu pontapé inicial com a Atlântida, que gerou alguns dos grandes nomes do humor nacional e em alguma escala tentou levar temas sérios para serem escrachados, como em O Homem do Sputnik.

Essa tradição de um cinema mais leve sempre esteve em consonância com a indústria norte-americana. Na década de 1980, com a consolidação de muitos ícones através da televisão, começaram a chover produções que tentavam trazer referências a obras estrangeiras, como das comédias adolescentes que abundaram na Sessão da Tarde. Atores, cantores e apresentadores de TV meteram suas caras em produções sem muito conteúdo tendo por objetivo apenas divertir o espectador. Esse modelo permanece atualmente, apesar de ser produzido em maior qualidade, sem deixar de em muitos casos ser um verdadeiro pastiche das comédias dos Estados Unidos.

Quando se fala em Que horas ela volta?, o filme de Anna Muylaert que tem recebido muitos comentários recentemente, podemos notar que é uma obra que se insere nessas duas vertentes. É um filme de conflitos, mostrando que somos uma sociedade segmentada onde os espaços de cada grupo social são bem definidos e que até para extrapolar essas fronteiras é preciso seguir alguma regra. Por outro lado, as doses de um cinema de entretenimento, que visa agradar ao espectador de maneira leve e com alguns momentos de bom humor e final feliz, se faz bastante presente.

A diretora Anna Muylaert mantem esse estilo com propriedade. No cult Durval Discos ela já consegue mesclar com boas doses o drama particular com doses de humor. E a proposta desse seu último filme é a mesma. Aqui, temos Regina Casé no papel de Val, empregada doméstica de uma família de classe média alta em São Paulo. Imigrante nordestina, ela deixou sua filha Jéssica aos cuidados de outras pessoas para ganhar a vida em outro estado, e parte do seu salário sempre destinou para que a jovem recebesse uma boa educação.

Val trabalha há anos na casa de Bárbara e Carlos, morando em um quartinho aos fundos. Tudo nessa casa é bem definido: ela serve a família na sala de jantar, mas não pode participar das refeições, pode consumir os produtos da geladeira sem tocar naqueles específicos da família. Mesmo sendo peça fundamental para o bom funcionamento da casa e da estrutura cotidiana, seu espaço é bem definido no meio deles.

A residência é marcada pela frieza nas relações, uma crítica relativamente corriqueira à classe alta, a de que a renda mais alta acaba transformando as relações humanas em algo mecânico. Bárbara e Carlos são um casal meramente burocrático. Ela se preocupa com sua carreira e sua aparência enquanto o marido - que possui uma herança e se dedica a cuidar de sua produção artística - fica deixado de escanteio, sendo que em seu lar quem possui voz de mando é a esposa. Já o filho Fabinho é o típico garoto mimado, que recebe tudo dos pais, menos afeto.

Nesse meio mecânico, Val funciona como o ponto de equilíbrio da casa. Ela é bem humorada em um local de regras rígidas e é quem oferece a Fabinho o carinho negado pela mãe. No começo do filme, quando ele ainda é criança e pergunto a Val "que horas ela volta?" querendo a mãe já se pode saber que é ela de fato o sustentáculo emocional do rapaz.

O abalo estrutural se dá quando Val recebe uma ligação de Jéssica afirmando que vai para São Paulo realizar o vestibular. Sem ver a filha há mais de 10 anos, a empregada toma um choque e pede aos patrões para que possa hospedá-la dentro de seu quarto de empregada, pedido que é prontamente aceito. O que não esperavam era que o comportamento de Jéssica destoasse tanto do da mãe. Se Val é submissa e obediente, Jéssica rompe as barreiras e não se envergonha de transitar pelos espaços. Ela pede para dormir no quarto de hóspedes, toma banho na piscina (onde Val em todo esse tempo nunca entrou), toma o sorvete que é exclusivo de Fabinho e ainda cai nas graças de Carlos, que procura na jovem uma paixão que não encontra na esposa.

Se Val é a personagem principal em quem toda a ação se centra, Jéssica é seu contraponto que abala a ordem estrutural. Se com sua graça atrai a atenção de Fabinho e Carlos, provoca a ira de Bárbara ao ver seu posto de mãe, esposa e dona de casa ameaçado, sensação jamais provocada por Val, essa sempre mantenedora da ordem. Tanto é que Val sempre tenta enquadrar sua filha dentro das regras estabelecidas, o que acaba gerando o rompimento entre as duas.

Pensar em Brasil remete ao conceito de cordialidade, algo que à primeira vista se define como uma simpatia natural, mas por trás esconde uma sociedade estratificada. Bárbara inicialmente aceita de bom grado a presença da moça, porém quando ela começa a se aproximar demais de seu marido e filho e usufrui de privilégios, ela imediatamente tenta cerceá-la, utilizando o argumento da propriedade privada, dizendo que a casa continua sendo dela.

Anna Muylaert consegue produzir um filme que, apesar de uma temática um tanto quanto batida e tão repleta de clichês quanto a relação entre patrão e empregada doméstica, consegue proporcionar uma bela visão sobre essa divisões existentes no Brasil, nesse caso específico no ambiente privado. Nossa tradição artística sempre mostrou esses atritos em outros meios, como na indústria (Eles não usam Black Tie), rural (Guerra de Canudos), política (Pra frente, Brasil). Já levar o foco da câmera para o ambiente doméstico e mostrar esse conflitos por dentro dos muros de casa foi uma proposta interessante que, apesar de não ser de fato novidade, foi mostrada com precisão.

Se pensarmos o cinema enquanto um registro de época, Que horas ela volta? é um bom indicador da cultura dos tempos atuais. É a empregada fofocando sobre a vida dos patrões, adolescentes empolgados com vestibular e conferindo suas notas na internet, um modelo de vida privada que se marca através da história.

É nesse aspecto que o filme possui seu lado negativo. Enquanto fruto de um modelo artístico que preze também pelo entretenimento, muito dele é obvio até demais. Os personagens seguem perfis fixos de modo a situar quem assiste sem maiores explicações. O foco principal é nas relações entre as três mulheres. Fabinho, enquanto jovem de classe média alta, é um mero clichê, e assim é absorvido. Da mesma maneira são Val e Bárbara, respectivamente a empregada pobre e futriqueira e a dona de casa com jeito de dondoca. Apenas Jéssica foge de estereótipos, pois de jovem pobre e desacreditada, que deveria apenas levar sua vida seguindo ordens sem questionar, mas que foi fruto de uma educação com um viés inclusivo, sai de qualquer percepção a priori que se possa ter.

O principal momento do filme, que é quando Val resolve entrar na piscina e finalmente quebra as barreiras existentes entre ela e os patrões, é posto abaixo pelo diálogo. É possível notar apenas pela cena que ela entrar na piscina representa essa quebra. Porém, ela fala pelo telefone com sua filha que está entrando na piscina, explicando verbalmente algo que dispensa falas. É a mesma lógica de explicar uma piada ou aqueles risos que aparecem nas sitcoms para informar que é a hora de rir. É técnica de cinema de entretenimento.

Que horas ela volta? funciona bem enquanto filme de conflitos e obra de entretenimento. Apesar de não ser uma obra de humor, muitas de suas cenas chegam a causar risos, até pelo estilo de Regina Casé, que definitivamente rouba a cena. E é uma obra que consegue dar destaque às relações sociais tão rígidas do Brasil. Esse sim é seu grande trunfo, por se debruçar sobre o ambiente doméstico e como mesmo nele o país é tão complexo em sua estrutura.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 7/1/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest) de Renato Alessandro dos Santos
02. O Vendedor de Passados de Marilia Mota Silva
03. Ainda a insustentável leveza do cérebro feminino de Ana Elisa Ribeiro
04. Carga mais leve para Pedro e Bino de Adriana Baggio
05. O que realmente importa de Arcano9


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2016
01. Três filmes sobre juventude no novo século - 3/11/2016
02. Submissão, oportuno, mas não perene - 5/5/2016
03. Brasil em Cannes - 30/6/2016
04. Dheepan, uma busca por uma nova vida - 28/7/2016
05. Os novos filmes de Iñárritu - 17/3/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês