A brasileira | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 22/2/2007
A brasileira
Elisa Andrade Buzzo

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Contaram-me quem eu era: a brasileira. Foram tantas as cartas, então? Se a correspondência é recordação sempre viva para quem a recebe, agora é longínqua, carne despregada e quase esquecida para quem a envia (e quem teve o prazer de rever uma carta enviada, sente um filho doado que retorna, já irreconhecível).

O perigo e imprevisível das correspondências é alcançar a distância confortável que nos separa do local onde elas chegam. Afinal, o não estar lá é condição para o uso do correio. Transformar o não poder estar lá em estar lá (ver o local exato onde as cartas chegam) pode ser fatal para a vida dos remetentes e destinatários.

Por isso, conheci apenas parte da calle Barros Arana, espécie de centro velho paulistano em forma concentrada de um só calçadão-rua, mais limpo e com menos ambulantes. Como rua principal de Concepción (que é considerada a segunda maior cidade do Chile, ainda que alguns digam que é a terceira), o primeiro andar da maioria dos prédios é composto de cafés, sorveterias, restaurantes, lojas de departamento, galerias. Estas, em sua luz amarela e fraca, num emaranhado labiríntico de lojas de roupas e noivas antiquadas, chaveiros, emplastificação de documentos, caneterias, papelarias.

Atiçada diante dos rostos novos, dos ladrilhos e das pegadas que buscava, a resposta dos moradores era tranqüilidade refastelada nos bancos das praças, na grama das universidades, no sorvete esquecido diante da boca. Acima de todos, da manhã até a madrugada, gaivotas planando no céu - sempre aberto e azul cristal -, vindas do mar em incansável procissão diária. Escarnecendo em gritos estridentes daquela paisagem urbana absurda, urbana pacata, pois enquanto elas moravam no alto, lá embaixo era a vida de mentira, rasteira, das coisas desimportantes esquecidas nas calçadas...

As cartas devem chegar no bico rasante do vôo das gaivotas. Ou melhor, elas devem chegar no grito raivoso e enérgico do vôo das gaivotas. Quando pousam na Barros Arana, as cartas já foram seladas, sonhadas com o açúcar do tempo. Aceitam pacíficas seu destino endereçado, seu retorno inviável. Onde não há fome nem sono, lugar de ser simplesmente. Agora, os desatinos têm vida longa e própria, estão prontos para a lucidez da leitura póstuma.

As cartas devem chegar embaladas pela música líquida das ruas movimentadas do centro da cidade. Na primeira claridade intensa, os mosaicos e as lixeiras reluzindo, no horário em que o sonho se redesenha em movimento, jornais e revistas expondo a crônica do dia.

E estouram no canto da moça que toca violão em frente ao badalado Mamute restaurant, e esperneiam em frente ao Campanil da universidade - objeto cara-metade, ainda que seja minha a marca inscrita, são mãos brancas de veias azuis que se confundem no papel e tinta.

Fugir, fugir, fugir para Conce - menor e palpável - segura serena imaginada - pequena agradável. Fugir como o Carlos, de Person em São Paulo S.A., inconformado, indomável. Recomeçar, recomeçar, recomeçar sempre, mil vezes recomeçar. A cidade agora é um fantasma esvoaçando na memória.

O homem que entregava as cartas perguntava que era da brasileira. Veio para casar, selar compromisso definitivo? Não, apenas a passeio, no apelo da cordilheira. Só que de Concepción não se vêem os Andes. A natureza formidável de lá aparece no ventre do Rio Bío Bío, nesta época de verão castigado pela seca, areias movediças à mostra - chamando para o abismo.

Quando se espera uma cordilheira, se encontra um rio; é em se ganhar que se perde. Ainda assim, por que não satisfaz ter visto parte de Barros Arana? Se tivesse toda a calle seria, afinal, suficiente?


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 22/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 7 de Setembro de Luís Fernando Amâncio
02. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
03. A lírica pedregosa de Mário Alex Rosa de Jardel Dias Cavalcanti
04. Copacabana-Paulista-Largo das Forras de Ana Elisa Ribeiro
05. Vania Abreu tão perto e tão longe da Multidão de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/2/2007
06h35min
Sou orfão dos carteiros, que levavam as saudades vencidas em troca de mordidas de cachorro; que eram cúmplices nas cartas de amor confesso e foram se transformando em funcionários de cobranças de um tempo miserável. Noutros tempos, conduziam saudades e confissões, agora trazem urgência telegráfica; a avareza das cobranças em boletos. Quero de novo a ânsia de seus passos, a expectativa em envelopes vermelhos, que era a cor que ela usava e nos revelava em todo meu desespero. Quero de volta o ritual das cartas, que estancava o tempo em caixas de papelão, onde depositava minhas frágeis paixões e suspendia minha memória para ,algum tempo depois, novamente me emocionar. Neste tempo e-mail, o amor chega com a urgência seca das cobranças, inventariado, sem histórico e envolvido na posse do egoísmo sem memória. Perdido o romantismo, a musa onírica é somente egoísta e passional, deseja somente minha posse. Quando antigamente ela por carta teria, confesso, toda minha fé, meu ardor e meu desespero...
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Colunáveis
Dominick Dunne
Record
(1994)



José e Maria - as Mais Famosas Histórias da Bíblia
Cedic
Cedic
(2013)



O Fluminense Me Domina!
Heitor Dalincourt
Leitura
(2009)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



The Uses of Science in the Age of Newton
John G. Burke (edited)
University of California Press
(1983)



Dialogue Avec Mon Psychanalyste
Simone Korff Sausse
Hachette
(2001)



Tiradentes o Herói Que Inventou a Pátria
Vários Autores
Lições de Minas



As Religiões na História: Judaísmo Dispersão e Unidade
Moacyr Scliar
Atica
(1994)



Brussels, Bruges, Ghent& Antwerp Eyewitness Top 10
Antony Mason
Dk Travel Guides
(2010)



Controle do Uso do Solo Urbano
Serfhau
Min Interior; Serfhau
(1974)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês