Casa cor-de-rosa | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
>>> Espetáculo de dança da amazonense Francis Baiardi Estreia no Mezanino do Sesc Copacabana
>>> Estação Educativa Futuros realiza oficinas de jogos teatrais
>>> Rolé Carioca abre inscrições para passeio no Museu do Samba
>>> Exposição Maréu: Um mergulho no céu, um voo no mar chega no Sesc São João de Meriti
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> História (não só) de livraria
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Ninguém me chama de Baudelaire
>>> O que mais falta acontecer?
>>> Casa de bonecas, de Ibsen
>>> Façam suas apostas
>>> 6 Atentado poético em BH
>>> A jornada do herói
>>> O filósofo da contracultura
>>> Acordo Internetês Ortográfico
Mais Recentes
>>> Estratégias De Vida de Phillip Mcgraw pela Elsevier (1999)
>>> Contratos coligados no direito brasileiro de Francisco Paulo de Crescenzo Marin pela Saraiva (2009)
>>> Chassidim de Daniel Oppenheimer pela Daniel Oppenheimer (2018)
>>> Self-Hypnosis The Complete Manual for Health and Self-Change de Brian M. Alman e Peter Lambrou pela Brunner (1992)
>>> Mulheres que Foram à Luta Armada de Luís Maklouf Carvalho pela Globo (1998)
>>> Os Órfão de Ruanda de Elmore Leonard pela Rocco (2003)
>>> Agência Nº1 de Mulheres Detetives de Alexander McCall Smith pela Companhia das Letras (2003)
>>> Vocabolario Napoletano Italiano de Raffaele Andreoli pela Igei (1988)
>>> Descobertas e Extravios - história de maria I e Mão de Luva de Vera de Vives pela Record (1997)
>>> House of Trump House of Putin The Untold Story of Donald Trump and the Russian Mafia de Craig Unger pela Dutton (2018)
>>> Obra Poetica Mil Novecientos Sesenta y Nueve Dos Mil de Edna Pozzi pela Vinciguerra Colección Metáfora (2000)
>>> Rumo à Estação Finlândia de Edmund Wilson pela Rumo à Estação Finlândia (1995)
>>> A Visão Integral de Ken Wilber pela Cultrix (2008)
>>> O Livro das pequenas Infidelidades de Edgard Telles Ribeiro pela Record (2004)
>>> Medicina dos Espíritos de Luiz da Rocha Lima pela Frei Luiz (2013)
>>> Tudo sobre arte de Stephen Farthing e Richard Cork pela Sextante (2011)
>>> The Permanent Playboy de Ray Russell pela Crown Publishers Inc (1959)
>>> Árvore da Vida - A Arte de Viver Segundo a Cabala de Rabino Joseph Saltoun pela Meron (2013)
>>> Lorenzo da Ponte memórias de Lorenzo da Ponte pela Lacerda (1998)
>>> Teorias da Aprendizagem de Guy R. Lefrançois pela Cengage Learning (2013)
>>> Preto e Branco - A Importância da Cor da Pele de Marco Frenette pela Publisher Brasil (2000)
>>> A Misteriosa Chama da Rainha Loana de Umberto Eco pela Record (2005)
>>> Metodologia do Trabalho Científico de Antônio Joaquim Severino pela Cortez (2016)
>>> My Dead Dad Was in ZZ Top de Jon Glaser pela Harper Perennial (2011)
>>> Manuel Bandeira Seleta de Prosa de Manuel bandeira pela Nova Fronteira (1997)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/11/2007
Casa cor-de-rosa
Elisa Andrade Buzzo
+ de 8400 Acessos

Não pode passar em branco o que aconteceu na Casa das Rosas. Com decoração de bico fino, altas-rodas - que ainda não conheciam o imóvel arquitetado na década de 1930 pelo escritório Ramos de Azevedo -, caíram de pára-quedas na história da Avenida Paulista, e contemplaram, enfim, o elefante sentado em pleno coração financeiro do país.

Da entrada à saída respirava-se um ar perfumado, naquela que foi a primeira edição no Brasil do evento internacional CAD - Casa, Arte e Design. A Casa das Rosas, Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura desde 2004, teve 39 ambientes decorados por 54 arquitetos. De quebra, ganhou elevador, rampas de acesso, uma reforma na estrutura elétrica e hidráulica.

Além das noites paulistanas terem ficado mais iluminadas com os 116 projetores de lâmpadas halógenas, instalados sem qualquer tipo de incisão que danificasse a construção. Era uma casa, muito engraçada, não tinha teto, não tinha nada.

Um portentoso carrilhão em piso revestido de carpete escuro recebia os visitantes de tapete vermelho. A bilheteria teve ingressos variando de R$ 12,50 a R$ 30,00 durante a exposição, que permaneceu entre os dias 04 de setembro e 07 de outubro deste ano.

Para quem não conhecia as atividades culturais da Casa, como é afetivamente chamada por seus freqüentadores, ficava difícil imaginar que o quarto e a sala íntima do casal, por exemplo - ricamente decoradas com gravuras inglesas de 1731 -, são utilizadas como salas de aula. Tudo geometricamente ornamentado: abajur à direita, abajur à esquerda, sofá ao centro, um tapete creme felpudo, ideal para se andar descalço. Um pequeno buquê de rosas para quebrar a disposição friamente calculada.

Direto das lojas chiquitriques da França chega o servil hoteleiro que oferece revistas e folders, as cadeiras com forros customizados e divertidos. Marilyn Monroe não está nua, mas seu espírito resplandece serigrafado em algum encosto almofadado preso na alfândega. Já Fernando Pessoa não chegou a render visita, mas psicografaram versos seus n'alguma parede nuazinha de tão branca.

A biblioteca circulante, quem diria, transformou-se em sala de jantar com mesa vermelha "ultramoderna" e um belíssimo espelho... de que nacionalidade? Ah, sim, francesa. Espelho, sub-reptício espelho, meu professor de disfarce. Quem poderá disfarçar-se sem recorrer ao seu conselho? Antigüidade anacrônica desajustada em terras tupiniquins.

O grande terraço, irreconhecível, ganhou cobertura abrigando spa com direito à cabine de sauna, ofurô e estúdio de dança. Um piano elétrico Roland. Mármore egípcio no projeto de lavanderia. E a impressão de que tudo ficou maior, mesmo mobiliado. Aqui as regras de arquitetura se esqueceram de entrar - casa absurda, surreal.

Funcionárias dedicadas aguam as plantinhas do restaurante fictício decorado com grades, portas e janelas que pertenceram a velhos casarões da avenida. Depois mostram o banheiro químico de cheiro pouco agradável (coisa que não combinou com o evento) de um dos ambientes do exterior. Da madeira certificada dos bancos até o cartãozinho da arquiteta responsável em papel reciclado, a moda ecológica provou que veio para ficar, seja por pura necessidade, seja para fazer charme.

Aos poucos os guias vão explicando como foi feita toda a montagem dos cômodos de maneira a não danificar os pisos originais e outros detalhes da Casa, como a louça dos banheiros, as torneiras da cozinha, o piso. Como o imóvel foi tombado em 1985 pelo Condephaat, há mais lírios nos vasos, há menos gente do que antes. Tudo continua visível e intocado. Há também o famoso jardim, resistente, engrossando suas raízes. Rosas, rosas, rosas: avisam os arranjos semióticos dos canteiros ao ar livre, perto da edícula restaurada.

Impressionaram no CAD as tentativas de conter o ruído, qualquer que seja sua origem... a tampa da privada, projeto de banheiro público, se fecha em fases... a fonte da varanda tenta em vão acalmar o movimento da Avenida Paulista. Tapumes não funcionam em certas ocasiões, e o que foi um dia não voltará a ser como antes. Que o diga a antiga proprietária da Casa, Lúcia, filha do arquiteto Ramos de Azevedo.

Não importa, porque chegou o dia da glória. Escritores finalmente aparecem nas colunas sociais. Textos de poetas consagrados decoram/estampam/servem de papel de parede para os ambientes, antes relançam a tendência da caligrafia na decoração de interiores. Além do velho diálogo entre o clássico e o contemporâneo. Pesadas cortinas de tecido fosco e muitos, muitos lustres de cristal são as peças-chave na maioria dos ambientes.

Mas agora chega de tendências, que já aterrissam velhas de cansaço depois de 12 horas de vôo. Como a Casa deve voltar à ativa em novembro, com sua vocação de espaço reservado à literatura? Algo do CAD deverá ser mantido? A escada espiralada em mármore, meu tobogã; os lustres da escada de serviço, bordel de luxo; a arte de Sorgenicht, Eu, moça-vitral, fruta cristalizada. Será que sou amada? Mistérios...


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 8/11/2007

Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2007
01. Ecos digitais: poema-em-música - 4/1/2007
02. Casa cor-de-rosa - 8/11/2007
03. A Via Láctea de Lina Chamie - 27/12/2007
04. Meninas eu vi - 26/4/2007
05. A brasileira - 22/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Os Pensadores XXVI
Abril Cultural
Abril Cultural
(1973)



Harley-davidson
Escala
Escala
(2008)



Comércio Internacional e Legislação Aduaneira
Rodrigo Luz
Campus
(2012)



Livro Literatura Estrangeira Still Me
Jojo Moyes
Penguin Books
(2018)



A Força das Ideias para um Capitalismo Sustentável
Raymundo Magliano Filho
Manole
(2014)



A Vocação do Cristão
Jacques Leclercq
Quadrante
(1967)



Equilíbrio emocional
Fausto Oliveira
Auto-ajuda
(2006)



A Luta Corporal
Ferreira Goular
Civilização Brasileira
(1975)



Biossegurança de Ogm Vol. 1 uma Visão Integrada
Marco Antonio F. da Costa e Outro (org.)
Fiocruz
(2009)



Histoire de France
Jean Mathiex
Hachette
(1981)





busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês