Polly | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/5/2009
Polly
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

polly havia se tornado sua vida, ou melhor, sua sobrevivência dependia das escolhas dela, do tempo que seus dentes levariam para transformar o almoço numa pasta indefinida, do tempo que sua língua a deglutiria, do tempo duração e do tempo desejo e esquecimento, do tempo que seus passos levariam para chegar ao metrô e que ela desistisse de sair do vagão para pegar o outro trem que passava na direção contrária, por ser o novo modelo com as portas largas, revestimento verde-água e menos lugares para se sentar, a distração na hora de escolher a saída mais próxima, o farol fechado aos pedestres no instante exato em que polly irromperia aos prantos se pudesse chorar, dali pra frente a vida seria em marcha lenta, como o tempo desejável do amor e estendido da angústia de não ser mais amado tem uma duração indefinida quando as coisas já passaram, ela não lembrava mais do grito estridente que sua garganta poderia oferecer para surpresa de quem passava, pois se um transeunte fosse atropelado, era verdade, haveria gente em volta e ambulância, mas pobre, pobre polly, apodreceria anônima na multidão até o momento em que sua dona irrompesse do prédio, a tomaria em seus braços e reconheceria seu corpo sem pouco pânico, desafiando as leis da física e de trânsito, polly, polimórfica, se transformou em carro, carne, ônibus, moto, foto, atravessou estações e evaporou na avenida, haveria outras maneiras de contar como polly não fora atropelada, dependendo do ângulo de visão e do histórico pessoal de sensibilidades, como o do motoqueiro que desviou radicalmente sua trajetória para não passar a roda por cima de seu pequeno corpo conturbado, ou do motorista que teve a coragem de desacelerar sob a pena de uma derrapagem, os motoboys falam da história do animal com entusiasmo e sabem da dor da perda, os taxistas que viram a cena num ponto distante e não fizeram nada, quando alguém pergunta sobre o destino de polly, há muita conversa e pouca ação, pois polly simplesmente não tivera o privilégio de fazer parte de seu campo de visão, sem quem tivesse ânimo para juntar as peças, correr atrás da imprevisibilidade de um encontro, à la sherlock holmes ela farejou sua trajetória, ponderou a baixa probabilidade dela ter sobrevivido, assim como a possibilidade de encontrá-la num rasgo temporal, estremecida e ardente no recôndito tranquilo da rampa de acesso do supermercado vazio, na invisibilidade dos mendigos e pedintes, sabe-se lá se polly, sem coleira nem rabo, uma escoriação no olho e a pata traseira manca levara uns pontapés no traseiro enquanto percorria o périplo paulista-maria figueiredo-santos, rasteira aos taxímetros e a qualquer outro enquadramento de tempo e espaço, circulavam no imponderável, como no dia em que descendo as escadas a imagem dele ficara latente e cabisbaixa, um cruzamento em que não houve de fato um atropelamento, apenas um leve esbarrão, que é do sutil que o grande se dimensiona, cada movimento estaca do tempo, uma escolha que não se escolhe, momento fera, polly não deixaria que a tocasse para levá-la para casa, já ele a levaria para casa e a tocaria, não sem antes avisar dos perigos, mas quando a fuga acontece os passos são incontroláveis, polly correu sem direção, atravessou a rua, havia o fogo do desespero em seus olhos, correu sem noção dos perigos, ponto marrom na avenida, se ela era a única a poder montar as peças deste quebra-cabeças, interrompeu o sentido, retornou, não se deixou levar pela corrente, pela velocidade da vida em geral, polly, prioridade, polly não chegou a cruzar a avenida, sentiu as consequências inalteráveis do deslocamento, não sem relutar, ela, por sua vez deixou-se entregar na passagem da fronteira, havia uma luz nos olhos dele, aquela luz amedrontadora que de repente se acende nos apaixonados, mas que se apaga deixando polifonias, o castanho melancólico da dúvida, até quando o fato vivido no passado se mantém cristalizado, longe das impurezas do dia a dia, o final de contos de fadas ao menos para polly, lentamente, em direção aos braços da dona, até que, levando-a à masmorra, não pôde escapar de sua mordida por trás da grades.

Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/5/2009


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2009
05h57min
Estética legal do seu texto, Elisa. Bem ao estilo do glorioso Saramago.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mistério 1 - Veneno
Alan Scholefield
Abril
(1981)



Dossiê Super Interessante Nº 386 a - Gravidez, o Antes o Durante
Editora Abril
Abril
(2018)



Da Figura do Mestre
Marlene de Souza Dozol
Autores Associados
(2003)



Análise da Estrutura dos Vertebrados
Milton Hildebrand
Atheneu
(1995)



Tdah Inclusão na Escola
Chary A. Alba Castro
Moderna
(2009)



O Livro dos nomes
Regina Obata
Nobel
(1994)



O Dom do Amor
Viviane Claudia Florencio
Panorama
(2002)



As Aventuras do Sr. Pickwick Volume 1 e 2
Charles Dickens
Abril Cultural
(1982)



O Túnel de Pombos
John Le Carré
Record
(2018)



Aprendendo Sobre los Juegos Olímpicos
Roberta Amendola
Santillana
(2014)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês