Polly | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 28/5/2009
Polly
Elisa Andrade Buzzo

+ de 4300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

polly havia se tornado sua vida, ou melhor, sua sobrevivência dependia das escolhas dela, do tempo que seus dentes levariam para transformar o almoço numa pasta indefinida, do tempo que sua língua a deglutiria, do tempo duração e do tempo desejo e esquecimento, do tempo que seus passos levariam para chegar ao metrô e que ela desistisse de sair do vagão para pegar o outro trem que passava na direção contrária, por ser o novo modelo com as portas largas, revestimento verde-água e menos lugares para se sentar, a distração na hora de escolher a saída mais próxima, o farol fechado aos pedestres no instante exato em que polly irromperia aos prantos se pudesse chorar, dali pra frente a vida seria em marcha lenta, como o tempo desejável do amor e estendido da angústia de não ser mais amado tem uma duração indefinida quando as coisas já passaram, ela não lembrava mais do grito estridente que sua garganta poderia oferecer para surpresa de quem passava, pois se um transeunte fosse atropelado, era verdade, haveria gente em volta e ambulância, mas pobre, pobre polly, apodreceria anônima na multidão até o momento em que sua dona irrompesse do prédio, a tomaria em seus braços e reconheceria seu corpo sem pouco pânico, desafiando as leis da física e de trânsito, polly, polimórfica, se transformou em carro, carne, ônibus, moto, foto, atravessou estações e evaporou na avenida, haveria outras maneiras de contar como polly não fora atropelada, dependendo do ângulo de visão e do histórico pessoal de sensibilidades, como o do motoqueiro que desviou radicalmente sua trajetória para não passar a roda por cima de seu pequeno corpo conturbado, ou do motorista que teve a coragem de desacelerar sob a pena de uma derrapagem, os motoboys falam da história do animal com entusiasmo e sabem da dor da perda, os taxistas que viram a cena num ponto distante e não fizeram nada, quando alguém pergunta sobre o destino de polly, há muita conversa e pouca ação, pois polly simplesmente não tivera o privilégio de fazer parte de seu campo de visão, sem quem tivesse ânimo para juntar as peças, correr atrás da imprevisibilidade de um encontro, à la sherlock holmes ela farejou sua trajetória, ponderou a baixa probabilidade dela ter sobrevivido, assim como a possibilidade de encontrá-la num rasgo temporal, estremecida e ardente no recôndito tranquilo da rampa de acesso do supermercado vazio, na invisibilidade dos mendigos e pedintes, sabe-se lá se polly, sem coleira nem rabo, uma escoriação no olho e a pata traseira manca levara uns pontapés no traseiro enquanto percorria o périplo paulista-maria figueiredo-santos, rasteira aos taxímetros e a qualquer outro enquadramento de tempo e espaço, circulavam no imponderável, como no dia em que descendo as escadas a imagem dele ficara latente e cabisbaixa, um cruzamento em que não houve de fato um atropelamento, apenas um leve esbarrão, que é do sutil que o grande se dimensiona, cada movimento estaca do tempo, uma escolha que não se escolhe, momento fera, polly não deixaria que a tocasse para levá-la para casa, já ele a levaria para casa e a tocaria, não sem antes avisar dos perigos, mas quando a fuga acontece os passos são incontroláveis, polly correu sem direção, atravessou a rua, havia o fogo do desespero em seus olhos, correu sem noção dos perigos, ponto marrom na avenida, se ela era a única a poder montar as peças deste quebra-cabeças, interrompeu o sentido, retornou, não se deixou levar pela corrente, pela velocidade da vida em geral, polly, prioridade, polly não chegou a cruzar a avenida, sentiu as consequências inalteráveis do deslocamento, não sem relutar, ela, por sua vez deixou-se entregar na passagem da fronteira, havia uma luz nos olhos dele, aquela luz amedrontadora que de repente se acende nos apaixonados, mas que se apaga deixando polifonias, o castanho melancólico da dúvida, até quando o fato vivido no passado se mantém cristalizado, longe das impurezas do dia a dia, o final de contos de fadas ao menos para polly, lentamente, em direção aos braços da dona, até que, levando-a à masmorra, não pôde escapar de sua mordida por trás da grades.

Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 28/5/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O primeiro e pior emprego de Marta Barcellos
02. Quando morre uma paixão de Adriane Pasa
03. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar de Carla Ceres
04. A Virada, de Stephen Greenblatt de Ricardo de Mattos
05. Lições que aprendi com o Millôr de Diogo Salles


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2009
05h57min
Estética legal do seu texto, Elisa. Bem ao estilo do glorioso Saramago.
[Leia outros Comentários de Antonio P. Andrade]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ser Mãe é Sorrir Em Parafuso
Lô Galasso
Integrare
(2007)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Receitas de Pratos Que Combinam Com Cerveja
Maria José Rios e Lizete Teles de Menezes
Marco Zero
(1992)



Sociologia Guia Alfabético
Jean Duvignaud
Forense Universitária
(1974)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Die Italienische Begeisterung: Roman
Gerd Peter Eigner (capa Dura)
Kiepenheuer e Witsch
(2008)



Negociando Racionalmente
Max H Bazerman
Atlas
(2008)



A Raça Santa Gertrudes
Alberto Alves Santiago
Inst de Zootecnia (sp)
(1974)



O Fundo Falso Pesquisas: a Ciência das Verdades Torcidas
Cynthia Crossen
Revan
(1996)



Os Planos da Vida
Kate Lúcia Portela
Ide
(2007)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês