Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/2/2014
Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos
Humberto Pereira da Silva

+ de 3600 Acessos

Por do Sol
Adolphe Monticelli, Pôr do Sol, óleo sobre tela, 1882-4, 27,9 X 41,3 cm, The National Galery, Londres, Inglaterra


1.

Na correspondência com seu irmão Theo - pouco antes de se estabelecer em Paris em 1886 -, Van Gogh afirma estar seguro de que continuará a obra do pintor provençal Adolphe Monticelli (1824-1886). Com essa determinação em mente, tomaria para si sua causa, tanto no que se refere à obra quando na maneira de viver e morrer. Ora, Van Gogh é um dos artistas mais celebrados da história; Monticelli, no entanto, é praticamente desconhecido. A dívida do famoso holandês para com o provençal pode ser pensada de diversas maneiras. A aproximação entre esses dois artistas, de fato, dá margem a especulações e instiga curiosidades. Tendo isso em vista, vale destacar a exposição Van Gogh-Monticelli, que ocorreu entre setembro de 2008 e janeiro de 2009. Organizada no Centre de la Vielle Charité, em Marselha, reuniu e colocou lado a lado retratos, autorretratos, buquês de flores, paisagens que reivindicam afinidades entre os dois.

A exposição levou em conta, principalmente, que, entre as várias lendas ou anedotas que cercam a vida de Van Gogh, merece atenção a reverência dele a Monticelli: se há um dado inconteste que liga os dois é o fato de que hoje qualquer referência a Monticelli está quase sempre associada àquele que o "imortalizou" na correspondência com o irmão. Subtraída a reconhecida devoção de Van Gogh, Monticelli praticamente não teria registro de sua obra fora do ambiente provençal, mais precisamente em Marselha, onde nasceu e morreu.

A esse respeito, surpreendentemente no que se refere ao culto, à glória posterior, uma grande ironia. Van Gogh morreu praticamente ignorado; melhor, conhecido num círculo restritíssimo. Dono de temperamento difícil, excêntrico, sua obra não foi aceita, gerou incompreensões mesmo no universo artístico que lhe era mais próximo (é célebre sua diatribe com Gauguin): ele próprio não fez esforço para que ela circulasse, ainda que seu irmão tenha sido um influente marchant no competitivo universo parisiense do final do oitocentos. Morto, restou empilhada no apartamento do irmão e muitos outros lugares por onde errou. Monticelli, em contrapartida, era conhecido e reverenciado entre os artistas provençais; de fato, ele viveu e sobreviveu de sua arte, que circulou tanto em Marselha como em Paris ou Londres: seis de suas telas foram compradas por Theo, que teria negociado uma única tela do irmão.

Feitas as contas, vemos quão caprichosos os caminhos na história da arte. Estes ao mesmo tempo condicionam a glória e o esquecimento: ignorado, Van Gogh reclamava para si um artista ignorado pela história. Com isso, convém ressaltar, não há ajuizamento de valor, mas tão somente um dado sobre os insondáveis trajetos da fortuna.

2.
Desde 14 de dezembro último até 17 de março próximo no Atelier Grognard, em Rueil Malmaison, região da Île-de-France, o público pode ver a exposição Les peintres du paysage provençal: 1850-1920. Essa exposição tem entre os objetivos mostrar as experiências e as inovações da Escola de Marselha, que vigorou entre 1850 e 1880. E assim, destacar sua influência sobre a representação da paisagem na segunda metade do oitocentos. Tanto quanto os Impressionistas em Paris, a Escola de Marselha manifesta o gosto pela pintura em "plein air"; portanto, clara e luminosa, frequentemente espontânea, livre de convenções da academia. Destacam-se entre os grandes nomes da arte provençal da Escola de Marselha Émile Loubon (1809-1963), Paul Guigou (1854-1871), Félix Ziem (1821-1911), Raphael Ponson (1835-1904), Jean-Baptiste Olive (1848-1936), Joseph Garibaldi (1863-1941) e Adolphe Monticelli.

Artista de exceção, a obra de Monticelli ocupa uma posição complexa na segunda metade do século XIX. Por um lado, ela é um prolongamento do Romantismo, na medida em que seus temas são inspirados em alegorias do passado. Mas na mesma medida ela prefigura o Impressionismo, pela análise da cor e a vibração da pincelada, tanto quanto o Simbolismo, pela emotividade exotérica, e o Fauvismo, pelos tons carregados e o gosto pelo empastamento.

Monticelli viveu algum tempo em Paris, onde nos anos de 1860 se integrou à vida artística, cultivou ligações com Paul Cézanne, Camile Corot e se encantou com Antoine Watteau e suas fêtes galantes, com quem suas telas terão grande afinidade. A estada em Paris foi importante em seu processo de formação; contudo, apenas uma etapa, que termina com a queda do II Império e a derrota francesa na guerra franco-prussiana; ele então retorna a Marselha, onde efetivamente seu estilo se desenvolve, com a execução de uma obra fecunda e variada.

É nesse período que ele, com grande liberdade na utilização da cor, pinta retratos cujos rostos são tomados por uma luminosidade empastada, naturezas mortas e buquês com cores vibrantes, assim como paisagens saturadas pela luz solar. A esse respeito, os estudiosos da obra de Monticelli são categóricos: a cor é considerada em primeiro plano, associada a uma utilização vigorosa do tema. Seus quadros de fundos sombreados sobre os quais se espalham empastamentos de cor, seus tons quentes de ocre e marrom, os levam a entender o entusiasmo de Van Gogh por um Monticelli colorista.

A exaltação da cor nas pinturas de Monticelli é tão surpreendente que não faltou quem visse nela sintomas de uma hiperestesia sensorial, que o teria feito perceber exageradamente as cores. Diagnóstico, aliás, semelhante ao de Albert Aurier, que no artigo "Les Isolés", publicado no Mercure de France (primeira crítica à obra de Van Gogh), o considera "antes de tudo um hiperestésico, que percebe com suas intensidades anormais os imperceptíveis e secretos caracteres das linhas, das formas, e mais ainda as cores, as luzes...".

o semeador
Vicent Van Gogh, O Semeador, óleo sobre tela, 1888, 73,5 X 92 cm, Bührle Fundation, Zurique, Suiça


3.
Para um olhar irrefletido, diante de certas obras de Monticelli e Van Gogh a semelhança de estilos e temáticas é notável. Como também é notável a distância que separa a fortuna crítica que tiveram. Mais de século depois, as exposições recentes - de Monticelli e da Escola de Marselha no todo - visam lançar luz, expor e instigar devidamente o exame de obras realizadas à margem da convulsão parisiense. Nisso, contudo, certa condescendência que não se disfarça, ou mesmo mal estar pela fluidez de critérios de avaliação: implícito um juízo de valor, pois, que carrega sentimento de reparo, de tentativa de revisão.

Consideremos, contudo, que as semelhanças e ajuizamentos não são isentos de problemas. No confronto entre Monticelli e Van Gogh, a se pensar numa linha evolutiva, a filiação entre o segundo e Watteau teria de ser devidamente posta em pauta. A filiação é decorrência de afinidades partilhadas? A influência de Watteau sobre Monticelli não se faz sentir com a mesma intensidade em seu retorno a Marselha, quando ele se dedica principalmente à paisagem e à natureza-morta. É dessa fase de pinturas de tons quentes e luminosidade empastada que Van Gogh vai se deslumbrar. Mas essas características apenas foram radicalizadas em sua fase marselhesa: temperamento eclético, Monticelli mantém o "espírito" de Watteau. Por analogia, este também estaria nas telas de Van Gogh.

Mas não parece o caso. Melhor: entre Watteau e Van Gogh não só soaria estranho estabelecer filiação sem apreciação conceitual como, se possível, traria problemas quando se tem em vista a evolução da arte francesa do barroco ao pós-impressionismo. Ou seja, inevitável conjecturar, do ponto de vista da escolha de uma metodologia histórica, que em algum momento houve uma fratura, e que esta teria determinado momentos históricos distintos. Por conseguinte, escolhas artísticas com pesos e finalidades distintas na história da arte.

Um passo atrás, então, para refletir que a Escola de Marselha - tendo Monticelli como um de seus grandes representantes - bem podia se sustentar em propósitos semelhantes aos dos artistas antiacadêmicos de Paris, em meados de 1860. Mas a evolução desses espaços de realização artística não seria a mesma. Os pontos de convergência resultam de questões históricas, de autonomia de concepções artísticas e influências diversas, em razão das diferenças entre os condicionantes culturais.

Que Van Gogh tenha sido em grande parte impulsionado por Monticelli, isso não só parece claro quando se contrapõe obras dos dois na superfície, como reconhecido e reivindicado por ele. Ocorre que quando se trata de influência, aquilo que um artista declara pode gerar mais mal entendido que esclarecimento. As motivações e estímulos de um estão sujeitos a entrar em confronto com o que servia de guia para o outro. Ao reivindicar para si seguir Monticelli, talvez seja o caso de ponderar que Van Gogh tinha nele muito mais uma fonte de inspiração do que propriamente influência.

No modo de vida e escolhas dos dois, que se reflete evidentemente na arte que realizaram, não há de fato convergência. De Marselha, Monticelli vai para Paris, onde se embebeda com o clima cultural e artístico, mas corta os laços que o ligam a esse ambiente e retorna às suas origens. Concebe então uma obra que, em certo aspecto, é provinciana, pois afastada do burburinho de Paris. Nessa escolha certa despretensão, como se tivesse consciência de não ir além da província; o que corresponde à sequência dos acontecimentos: não saiu dela senão pela referência a Van Gogh.

Já Van Gogh, em contrapartida, que teria se inspirado no exemplo de isolamento de Monticelli, acorre ao sul, a Arles, mas jamais rompeu com Paris. Ainda, em seu trajeto, uma pintura que se inicia sob o peso da Escola de Haia, mas esse momento fica para trás, pois ele não volta às origens (sua pintura após a chegada em Paris em 1886 representa uma ruptura com a fase holandesa). Ou seja, e isso se reflete em suas telas, um anseio por novas experiências, por um desafio que possivelmente não se encontre em Monticelli.

4.
Não é fortuito, portanto, que Monticelli tenha atrás de si Watteau, mas dele não tenha se descolado e assim se mantenha preso ao século XVIII, enquanto a obra de Van Gogh se separa da de Monticelli e se abre para o século XX. Não se trata de saber se, por emulação, Monticelli faria jus a melhor fortuna do que a que teve quando se olha Van Gogh. Mas tão somente ressaltar que a obra deste último não se confinou nos arredores da província; ainda que, talvez equivocadamente, ele tivesse outro conceito sobre Monticelli.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 5/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palácio dos sabores 1/5 de Elisa Andrade Buzzo
02. Despindo o Sargento Pimenta de Luiz Rebinski Junior
03. O sem sentido da vida de Bóris de Marcelo Spalding
04. O náufrago, de Thomas Bernhard de Julio Daio Borges
05. Para você que escreve e tem mais ou menos 30 anos de Marcelo Spalding


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTES HOMENS FIZERAM O JUDAÍSMO
MARCOS MARGULIES
BNAI BRITH
(1974)
R$ 4,98



PEDAGOGIA RACIONALISTA
ARNOULD CLAUSSE
RÉS
(2001)
R$ 17,75



PENSÃO RISO DA NOITE
JOSÉ CONDÉ
PRODUÇÃO CONJUNTA
(1973)
R$ 10,00



DOURO 8 - ESTUDOS E DOCUMENTOS
VÁRIOS AUTORES
UTA
(1996)
R$ 97,77



DO CANCIONEIRO DE D. DINIS
D. DINIS
FTD
(1995)
R$ 30,00



PACOTE COC - ENSINO MÉDIO 1ªSÉRIE - LING, COD (04 LIVROS) - 2014
VARIOS
COC
(2014)
R$ 16,30



CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO NA INDÚSTRIA
RICHARD DRAKE & PETER SMITH
MCGRAW-HILL
(1977)
R$ 10,00



A ORIGEM DO MUNDO
JORGE EDWARDS
COSAC NAIFY
(2014)
R$ 13,41



O CAVALEIRO SEM NOME
SUZANA DIAS - BECK
MODERNA
(1988)
R$ 10,50



A REBELIÃO DAS MASSAS - JOSÉ ORTEGA Y GASSET
JOSÉ ORTEGA Y GASSET
LIVRO IBERO-AMERICANO
(1959)
R$ 25,00





busca | avançada
39401 visitas/dia
1,4 milhão/mês