Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
Mais Recentes
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
>>> 120 Minutos para Blindar Seu Casamento de Renato Cardoso; Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson Brasil (2013)
>>> 120 Músicas Favoritas para Piano 8 Edição, Livro Raro! de Mário Mascarenhas pela Irmãos Vitale (1961)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro da Criança de 1 a 3 Anos de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 125 Brincadeiras para Estimular o Cérebro do Seu Bebê de Jackie Silberg pela Ground (2008)
>>> 13 Chaves para Compreender o Fim dos Tempos de Tim Lahaye; Ed Hindson pela Central Gospel
>>> 13 Mulheres e um Colar de Diamantes de Cheryl Jarvis pela Fontanar (2010)
>>> 1922 a Semana Que Não Terminou de Marcos Augusto Gonçalves pela Companhia das Letras (2012)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Nova Fronteira (1985)
>>> 1939: Contagem Regressiva para a Guerra de Richard Overy pela Record (2009)
>>> 1948 - o Início da Contagem Regressiva de Esqueias Gomes pela Semeando
>>> 1968 o Que Fizemos de Nós de Zuenir Ventura pela Planeta do Brasil (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/2/2014
Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos
Humberto Pereira da Silva

+ de 3900 Acessos

Por do Sol
Adolphe Monticelli, Pôr do Sol, óleo sobre tela, 1882-4, 27,9 X 41,3 cm, The National Galery, Londres, Inglaterra


1.

Na correspondência com seu irmão Theo - pouco antes de se estabelecer em Paris em 1886 -, Van Gogh afirma estar seguro de que continuará a obra do pintor provençal Adolphe Monticelli (1824-1886). Com essa determinação em mente, tomaria para si sua causa, tanto no que se refere à obra quando na maneira de viver e morrer. Ora, Van Gogh é um dos artistas mais celebrados da história; Monticelli, no entanto, é praticamente desconhecido. A dívida do famoso holandês para com o provençal pode ser pensada de diversas maneiras. A aproximação entre esses dois artistas, de fato, dá margem a especulações e instiga curiosidades. Tendo isso em vista, vale destacar a exposição Van Gogh-Monticelli, que ocorreu entre setembro de 2008 e janeiro de 2009. Organizada no Centre de la Vielle Charité, em Marselha, reuniu e colocou lado a lado retratos, autorretratos, buquês de flores, paisagens que reivindicam afinidades entre os dois.

A exposição levou em conta, principalmente, que, entre as várias lendas ou anedotas que cercam a vida de Van Gogh, merece atenção a reverência dele a Monticelli: se há um dado inconteste que liga os dois é o fato de que hoje qualquer referência a Monticelli está quase sempre associada àquele que o "imortalizou" na correspondência com o irmão. Subtraída a reconhecida devoção de Van Gogh, Monticelli praticamente não teria registro de sua obra fora do ambiente provençal, mais precisamente em Marselha, onde nasceu e morreu.

A esse respeito, surpreendentemente no que se refere ao culto, à glória posterior, uma grande ironia. Van Gogh morreu praticamente ignorado; melhor, conhecido num círculo restritíssimo. Dono de temperamento difícil, excêntrico, sua obra não foi aceita, gerou incompreensões mesmo no universo artístico que lhe era mais próximo (é célebre sua diatribe com Gauguin): ele próprio não fez esforço para que ela circulasse, ainda que seu irmão tenha sido um influente marchant no competitivo universo parisiense do final do oitocentos. Morto, restou empilhada no apartamento do irmão e muitos outros lugares por onde errou. Monticelli, em contrapartida, era conhecido e reverenciado entre os artistas provençais; de fato, ele viveu e sobreviveu de sua arte, que circulou tanto em Marselha como em Paris ou Londres: seis de suas telas foram compradas por Theo, que teria negociado uma única tela do irmão.

Feitas as contas, vemos quão caprichosos os caminhos na história da arte. Estes ao mesmo tempo condicionam a glória e o esquecimento: ignorado, Van Gogh reclamava para si um artista ignorado pela história. Com isso, convém ressaltar, não há ajuizamento de valor, mas tão somente um dado sobre os insondáveis trajetos da fortuna.

2.
Desde 14 de dezembro último até 17 de março próximo no Atelier Grognard, em Rueil Malmaison, região da Île-de-France, o público pode ver a exposição Les peintres du paysage provençal: 1850-1920. Essa exposição tem entre os objetivos mostrar as experiências e as inovações da Escola de Marselha, que vigorou entre 1850 e 1880. E assim, destacar sua influência sobre a representação da paisagem na segunda metade do oitocentos. Tanto quanto os Impressionistas em Paris, a Escola de Marselha manifesta o gosto pela pintura em "plein air"; portanto, clara e luminosa, frequentemente espontânea, livre de convenções da academia. Destacam-se entre os grandes nomes da arte provençal da Escola de Marselha Émile Loubon (1809-1963), Paul Guigou (1854-1871), Félix Ziem (1821-1911), Raphael Ponson (1835-1904), Jean-Baptiste Olive (1848-1936), Joseph Garibaldi (1863-1941) e Adolphe Monticelli.

Artista de exceção, a obra de Monticelli ocupa uma posição complexa na segunda metade do século XIX. Por um lado, ela é um prolongamento do Romantismo, na medida em que seus temas são inspirados em alegorias do passado. Mas na mesma medida ela prefigura o Impressionismo, pela análise da cor e a vibração da pincelada, tanto quanto o Simbolismo, pela emotividade exotérica, e o Fauvismo, pelos tons carregados e o gosto pelo empastamento.

Monticelli viveu algum tempo em Paris, onde nos anos de 1860 se integrou à vida artística, cultivou ligações com Paul Cézanne, Camile Corot e se encantou com Antoine Watteau e suas fêtes galantes, com quem suas telas terão grande afinidade. A estada em Paris foi importante em seu processo de formação; contudo, apenas uma etapa, que termina com a queda do II Império e a derrota francesa na guerra franco-prussiana; ele então retorna a Marselha, onde efetivamente seu estilo se desenvolve, com a execução de uma obra fecunda e variada.

É nesse período que ele, com grande liberdade na utilização da cor, pinta retratos cujos rostos são tomados por uma luminosidade empastada, naturezas mortas e buquês com cores vibrantes, assim como paisagens saturadas pela luz solar. A esse respeito, os estudiosos da obra de Monticelli são categóricos: a cor é considerada em primeiro plano, associada a uma utilização vigorosa do tema. Seus quadros de fundos sombreados sobre os quais se espalham empastamentos de cor, seus tons quentes de ocre e marrom, os levam a entender o entusiasmo de Van Gogh por um Monticelli colorista.

A exaltação da cor nas pinturas de Monticelli é tão surpreendente que não faltou quem visse nela sintomas de uma hiperestesia sensorial, que o teria feito perceber exageradamente as cores. Diagnóstico, aliás, semelhante ao de Albert Aurier, que no artigo "Les Isolés", publicado no Mercure de France (primeira crítica à obra de Van Gogh), o considera "antes de tudo um hiperestésico, que percebe com suas intensidades anormais os imperceptíveis e secretos caracteres das linhas, das formas, e mais ainda as cores, as luzes...".

o semeador
Vicent Van Gogh, O Semeador, óleo sobre tela, 1888, 73,5 X 92 cm, Bührle Fundation, Zurique, Suiça


3.
Para um olhar irrefletido, diante de certas obras de Monticelli e Van Gogh a semelhança de estilos e temáticas é notável. Como também é notável a distância que separa a fortuna crítica que tiveram. Mais de século depois, as exposições recentes - de Monticelli e da Escola de Marselha no todo - visam lançar luz, expor e instigar devidamente o exame de obras realizadas à margem da convulsão parisiense. Nisso, contudo, certa condescendência que não se disfarça, ou mesmo mal estar pela fluidez de critérios de avaliação: implícito um juízo de valor, pois, que carrega sentimento de reparo, de tentativa de revisão.

Consideremos, contudo, que as semelhanças e ajuizamentos não são isentos de problemas. No confronto entre Monticelli e Van Gogh, a se pensar numa linha evolutiva, a filiação entre o segundo e Watteau teria de ser devidamente posta em pauta. A filiação é decorrência de afinidades partilhadas? A influência de Watteau sobre Monticelli não se faz sentir com a mesma intensidade em seu retorno a Marselha, quando ele se dedica principalmente à paisagem e à natureza-morta. É dessa fase de pinturas de tons quentes e luminosidade empastada que Van Gogh vai se deslumbrar. Mas essas características apenas foram radicalizadas em sua fase marselhesa: temperamento eclético, Monticelli mantém o "espírito" de Watteau. Por analogia, este também estaria nas telas de Van Gogh.

Mas não parece o caso. Melhor: entre Watteau e Van Gogh não só soaria estranho estabelecer filiação sem apreciação conceitual como, se possível, traria problemas quando se tem em vista a evolução da arte francesa do barroco ao pós-impressionismo. Ou seja, inevitável conjecturar, do ponto de vista da escolha de uma metodologia histórica, que em algum momento houve uma fratura, e que esta teria determinado momentos históricos distintos. Por conseguinte, escolhas artísticas com pesos e finalidades distintas na história da arte.

Um passo atrás, então, para refletir que a Escola de Marselha - tendo Monticelli como um de seus grandes representantes - bem podia se sustentar em propósitos semelhantes aos dos artistas antiacadêmicos de Paris, em meados de 1860. Mas a evolução desses espaços de realização artística não seria a mesma. Os pontos de convergência resultam de questões históricas, de autonomia de concepções artísticas e influências diversas, em razão das diferenças entre os condicionantes culturais.

Que Van Gogh tenha sido em grande parte impulsionado por Monticelli, isso não só parece claro quando se contrapõe obras dos dois na superfície, como reconhecido e reivindicado por ele. Ocorre que quando se trata de influência, aquilo que um artista declara pode gerar mais mal entendido que esclarecimento. As motivações e estímulos de um estão sujeitos a entrar em confronto com o que servia de guia para o outro. Ao reivindicar para si seguir Monticelli, talvez seja o caso de ponderar que Van Gogh tinha nele muito mais uma fonte de inspiração do que propriamente influência.

No modo de vida e escolhas dos dois, que se reflete evidentemente na arte que realizaram, não há de fato convergência. De Marselha, Monticelli vai para Paris, onde se embebeda com o clima cultural e artístico, mas corta os laços que o ligam a esse ambiente e retorna às suas origens. Concebe então uma obra que, em certo aspecto, é provinciana, pois afastada do burburinho de Paris. Nessa escolha certa despretensão, como se tivesse consciência de não ir além da província; o que corresponde à sequência dos acontecimentos: não saiu dela senão pela referência a Van Gogh.

Já Van Gogh, em contrapartida, que teria se inspirado no exemplo de isolamento de Monticelli, acorre ao sul, a Arles, mas jamais rompeu com Paris. Ainda, em seu trajeto, uma pintura que se inicia sob o peso da Escola de Haia, mas esse momento fica para trás, pois ele não volta às origens (sua pintura após a chegada em Paris em 1886 representa uma ruptura com a fase holandesa). Ou seja, e isso se reflete em suas telas, um anseio por novas experiências, por um desafio que possivelmente não se encontre em Monticelli.

4.
Não é fortuito, portanto, que Monticelli tenha atrás de si Watteau, mas dele não tenha se descolado e assim se mantenha preso ao século XVIII, enquanto a obra de Van Gogh se separa da de Monticelli e se abre para o século XX. Não se trata de saber se, por emulação, Monticelli faria jus a melhor fortuna do que a que teve quando se olha Van Gogh. Mas tão somente ressaltar que a obra deste último não se confinou nos arredores da província; ainda que, talvez equivocadamente, ele tivesse outro conceito sobre Monticelli.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 5/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A convergência das mídias de Gian Danton
02. O Brasil é carioca de Luiz Rebinski Junior
03. O enigma de Michael Jackson de Marcelo Miranda


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SALOMÉ
MENOTTI DEL PICHIA
EDIOURO
R$ 8,90



O FEITIÇO DO CONGO
ROSELIE VON SASS
ORDEM DO GRAAL DA TERRA
(1979)
R$ 11,90



REVISTA BRASILEIRA DA FILOSOFIA
ND
INSTITUTO BRASILEIRO DE FILOSO
(2000)
R$ 5,00



TEMPO ESCOLAR HORA DE REFLETIR, PLANEJAR E CONSTRUIR A ESCOLA SAGARANA
VARIOS
LOÇÕES DE MINAS
(1999)
R$ 6,90



REVISTA MANCHETE 15 DE AGOSTO DE 1981
ADOLPHO BLOCH DIRETOR PRESIDENTE
BLOCH
(1981)
R$ 15,00



O LADRÃO DE ARTE
NOAH CHARNEY
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 5,50



OS GRANDES LÍDERES - WASHINGTON
ROGER BRUNS
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 6,90



BABBITT
SINCLAIR LEWIS
A SIGNET BOOK
R$ 7,90



CÓDIGO COMERCIAL
ANTONIO LUIS DE TOLEDO PINTO
SARAIVA
(2004)
R$ 20,00



O DIÁRIO DE DEMI LOVATO ? STAYING STRONG
DEMI LOVATO, PATRÍCIA AZEREDO (TRADUTOR)
BESTSELLER
(2014)
R$ 6,89





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês