Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> A volta de Steve Jobs à Apple
>>> Muitos amores ao mesmo tempo
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Para tudo existe uma palavra
Mais Recentes
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> As Formas e a Vida: Estética e Ética no Jovem Lukács (1910-1918) de Carlos Eduardo Jordão Machado pela Unesp (2004)
>>> Supernatural - O Guia De Caca De Bobby Singer de David Reed pela Gryphus (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 02 - O Filho de Netuno de Rick Riordan pela Intrínseca (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 01 - O Herói Perdido de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> O Diário de um Mago de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban de J.K. Rowling pela Rocco (2019)
>>> C++: Como Programar (Com CD-ROM) de H. M. Deitel pela Bookman (2001)
>>> Contos de Imaginação e Mistério de Edgar Allan Poe pela Tordesilhas (2012)
>>> Golem e o Gênio - Uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela Darkside Books (2015)
>>> O Físico - Edição Capa dura (Novo - Embalado) de Noah Gordon pela Rocco (2018)
>>> Por Que Calar Nossos Amores? - Poesia Homoerótica Latina de Raimundo Carvalho pela Autêntica (2017)
>>> O universo numa casca de noz de Stephen Hawking pela Intrínseca (2016)
>>> Supernatural - O Livro Dos Monstros, Espíritos, Demônios e Ghouls de Alex Irvine pela Gryphus (2011)
>>> O Espiritismo - a Sciencia Condemna de Dr. Jacob Huddleston Slater pela Autor
>>> Tratado de La Naturaleza Humana - V. 3 e último de David Hume pela Calpe (1923)
>>> Assassins Creed, Vol. 4 - Revelações de Oliver Bowden pela Galera Record (2013)
>>> A Revelação de Baháullah - Vols. 1 e 2 - Bagdá 1853 - 1863 de Adib Taherzadeh pela Bahai do Brasil (2002)
>>> Assassins Creed, Vol. 02 - Irmandade de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Em Busca da Satisfação dos Interesses da Vítima Penal de Alline Pedra Jorge pela Lumenjuris (2005)
>>> Acontece por Acaso de Pedro Luis Schlindwein pela Autores Paranaenses (2019)
>>> The Dictionary of Dreams and Their Meanings de Richard Craze pela Hermes House (2005)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 04 - O Furioso Quinta-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2010)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 03 - Quarta-feira Submersa de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 2 - O Horrível Terça-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2009)
>>> As Chaves do Reino, Vol. 01 - Sr. Segunda-Feira de Garth Nix pela Fundamento (2008)
>>> Hipnose - Descubra o poder da sua mente de Pyong Lee pela Outro Planeta (2018)
>>> A Chave para Rondo de Emily Rodda pela Fundamento (2010)
>>> As Crônicas das Irmãs Bruxas, Vol. 01 - Enfeitiçadas de Jessica Spotswood pela Arqueiro (2014)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 01 - A Bússola de Ouro de Philip Pullman pela Objetiva (1995)
>>> Trilogia Fronteiras do Universo, Vol. 02 - A Faca Sutil de Philip Pullman pela Objetiva (1997)
>>> Assassins Creed, Vol. 05 - Renegado de Oliver Bowden pela Galera Record (2012)
>>> Os Heróis do Olimpo, Vol. 05 - O Sangue do Olimpo de Rick Riordan pela Intrínseca (2014)
>>> Sonho Febril de George R. R. Martin pela Leya (2019)
>>> Juízo Final: Odisseia dos Deuses de Horst Schadeck pela Chiado (2018)
>>> The Mystery of the Missing Antimatter de Helen R. Quinn pela Princeton University Press (2007)
>>> São José da Terra Firme de Gilberto Gerlach e Osni Machado pela Cultura Turismo São José (2004)
>>> Geometry - the Easy Way de Lawrence S. Leff pela Barrons (1997)
>>> A Solução Anabólica para Fisiculturistas de Dr. Mauro Di Pasquale pela Phorte (2006)
>>> Fallen, Vol. 3.5 - Apaixonados, Histórias de amor de Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> The Black Atlantic de Paul Gilroy pela Verso (1993)
>>> Fallen, Vol 03 - Paixão de Lauren Kate pela Galera Record (2016)
>>> Nos Céus de Paris - O romance da Vida de Santos Dumont de Alcy Cheuiche pela LPM Pocket (2001)
>>> Perda de uma Chance e Responsabilidade Civil dos Profissionais de Lisiane Lazzari Pietroski pela Conceito (2013)
>>> Acampamento Shadow Falls, Vol. 1 - Nascida à Meia-Noite de C.C. Hunter pela Jangada (2011)
>>> Comentários à Lei 11. 419/06 e as Práticas Processuais por Meio de Alexandre Atheniense pela Juruá (2010)
>>> Fallen, Vol. 04 - Êxtase de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Administrando para Obter Resultados de Peter Drucker pela Thomson Pioneira (1998)
>>> Fallen, Vol. 01 de Lauren Kate pela Galera Record (2010)
>>> Clínica e Política: Subjetividade e Violão dos Direitos Humanos de Cristina Rauter / Eduardo Passos pela : Ifb Te Corá (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 5/2/2014
Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos
Humberto Pereira da Silva

+ de 3500 Acessos

Por do Sol
Adolphe Monticelli, Pôr do Sol, óleo sobre tela, 1882-4, 27,9 X 41,3 cm, The National Galery, Londres, Inglaterra


1.

Na correspondência com seu irmão Theo - pouco antes de se estabelecer em Paris em 1886 -, Van Gogh afirma estar seguro de que continuará a obra do pintor provençal Adolphe Monticelli (1824-1886). Com essa determinação em mente, tomaria para si sua causa, tanto no que se refere à obra quando na maneira de viver e morrer. Ora, Van Gogh é um dos artistas mais celebrados da história; Monticelli, no entanto, é praticamente desconhecido. A dívida do famoso holandês para com o provençal pode ser pensada de diversas maneiras. A aproximação entre esses dois artistas, de fato, dá margem a especulações e instiga curiosidades. Tendo isso em vista, vale destacar a exposição Van Gogh-Monticelli, que ocorreu entre setembro de 2008 e janeiro de 2009. Organizada no Centre de la Vielle Charité, em Marselha, reuniu e colocou lado a lado retratos, autorretratos, buquês de flores, paisagens que reivindicam afinidades entre os dois.

A exposição levou em conta, principalmente, que, entre as várias lendas ou anedotas que cercam a vida de Van Gogh, merece atenção a reverência dele a Monticelli: se há um dado inconteste que liga os dois é o fato de que hoje qualquer referência a Monticelli está quase sempre associada àquele que o "imortalizou" na correspondência com o irmão. Subtraída a reconhecida devoção de Van Gogh, Monticelli praticamente não teria registro de sua obra fora do ambiente provençal, mais precisamente em Marselha, onde nasceu e morreu.

A esse respeito, surpreendentemente no que se refere ao culto, à glória posterior, uma grande ironia. Van Gogh morreu praticamente ignorado; melhor, conhecido num círculo restritíssimo. Dono de temperamento difícil, excêntrico, sua obra não foi aceita, gerou incompreensões mesmo no universo artístico que lhe era mais próximo (é célebre sua diatribe com Gauguin): ele próprio não fez esforço para que ela circulasse, ainda que seu irmão tenha sido um influente marchant no competitivo universo parisiense do final do oitocentos. Morto, restou empilhada no apartamento do irmão e muitos outros lugares por onde errou. Monticelli, em contrapartida, era conhecido e reverenciado entre os artistas provençais; de fato, ele viveu e sobreviveu de sua arte, que circulou tanto em Marselha como em Paris ou Londres: seis de suas telas foram compradas por Theo, que teria negociado uma única tela do irmão.

Feitas as contas, vemos quão caprichosos os caminhos na história da arte. Estes ao mesmo tempo condicionam a glória e o esquecimento: ignorado, Van Gogh reclamava para si um artista ignorado pela história. Com isso, convém ressaltar, não há ajuizamento de valor, mas tão somente um dado sobre os insondáveis trajetos da fortuna.

2.
Desde 14 de dezembro último até 17 de março próximo no Atelier Grognard, em Rueil Malmaison, região da Île-de-France, o público pode ver a exposição Les peintres du paysage provençal: 1850-1920. Essa exposição tem entre os objetivos mostrar as experiências e as inovações da Escola de Marselha, que vigorou entre 1850 e 1880. E assim, destacar sua influência sobre a representação da paisagem na segunda metade do oitocentos. Tanto quanto os Impressionistas em Paris, a Escola de Marselha manifesta o gosto pela pintura em "plein air"; portanto, clara e luminosa, frequentemente espontânea, livre de convenções da academia. Destacam-se entre os grandes nomes da arte provençal da Escola de Marselha Émile Loubon (1809-1963), Paul Guigou (1854-1871), Félix Ziem (1821-1911), Raphael Ponson (1835-1904), Jean-Baptiste Olive (1848-1936), Joseph Garibaldi (1863-1941) e Adolphe Monticelli.

Artista de exceção, a obra de Monticelli ocupa uma posição complexa na segunda metade do século XIX. Por um lado, ela é um prolongamento do Romantismo, na medida em que seus temas são inspirados em alegorias do passado. Mas na mesma medida ela prefigura o Impressionismo, pela análise da cor e a vibração da pincelada, tanto quanto o Simbolismo, pela emotividade exotérica, e o Fauvismo, pelos tons carregados e o gosto pelo empastamento.

Monticelli viveu algum tempo em Paris, onde nos anos de 1860 se integrou à vida artística, cultivou ligações com Paul Cézanne, Camile Corot e se encantou com Antoine Watteau e suas fêtes galantes, com quem suas telas terão grande afinidade. A estada em Paris foi importante em seu processo de formação; contudo, apenas uma etapa, que termina com a queda do II Império e a derrota francesa na guerra franco-prussiana; ele então retorna a Marselha, onde efetivamente seu estilo se desenvolve, com a execução de uma obra fecunda e variada.

É nesse período que ele, com grande liberdade na utilização da cor, pinta retratos cujos rostos são tomados por uma luminosidade empastada, naturezas mortas e buquês com cores vibrantes, assim como paisagens saturadas pela luz solar. A esse respeito, os estudiosos da obra de Monticelli são categóricos: a cor é considerada em primeiro plano, associada a uma utilização vigorosa do tema. Seus quadros de fundos sombreados sobre os quais se espalham empastamentos de cor, seus tons quentes de ocre e marrom, os levam a entender o entusiasmo de Van Gogh por um Monticelli colorista.

A exaltação da cor nas pinturas de Monticelli é tão surpreendente que não faltou quem visse nela sintomas de uma hiperestesia sensorial, que o teria feito perceber exageradamente as cores. Diagnóstico, aliás, semelhante ao de Albert Aurier, que no artigo "Les Isolés", publicado no Mercure de France (primeira crítica à obra de Van Gogh), o considera "antes de tudo um hiperestésico, que percebe com suas intensidades anormais os imperceptíveis e secretos caracteres das linhas, das formas, e mais ainda as cores, as luzes...".

o semeador
Vicent Van Gogh, O Semeador, óleo sobre tela, 1888, 73,5 X 92 cm, Bührle Fundation, Zurique, Suiça


3.
Para um olhar irrefletido, diante de certas obras de Monticelli e Van Gogh a semelhança de estilos e temáticas é notável. Como também é notável a distância que separa a fortuna crítica que tiveram. Mais de século depois, as exposições recentes - de Monticelli e da Escola de Marselha no todo - visam lançar luz, expor e instigar devidamente o exame de obras realizadas à margem da convulsão parisiense. Nisso, contudo, certa condescendência que não se disfarça, ou mesmo mal estar pela fluidez de critérios de avaliação: implícito um juízo de valor, pois, que carrega sentimento de reparo, de tentativa de revisão.

Consideremos, contudo, que as semelhanças e ajuizamentos não são isentos de problemas. No confronto entre Monticelli e Van Gogh, a se pensar numa linha evolutiva, a filiação entre o segundo e Watteau teria de ser devidamente posta em pauta. A filiação é decorrência de afinidades partilhadas? A influência de Watteau sobre Monticelli não se faz sentir com a mesma intensidade em seu retorno a Marselha, quando ele se dedica principalmente à paisagem e à natureza-morta. É dessa fase de pinturas de tons quentes e luminosidade empastada que Van Gogh vai se deslumbrar. Mas essas características apenas foram radicalizadas em sua fase marselhesa: temperamento eclético, Monticelli mantém o "espírito" de Watteau. Por analogia, este também estaria nas telas de Van Gogh.

Mas não parece o caso. Melhor: entre Watteau e Van Gogh não só soaria estranho estabelecer filiação sem apreciação conceitual como, se possível, traria problemas quando se tem em vista a evolução da arte francesa do barroco ao pós-impressionismo. Ou seja, inevitável conjecturar, do ponto de vista da escolha de uma metodologia histórica, que em algum momento houve uma fratura, e que esta teria determinado momentos históricos distintos. Por conseguinte, escolhas artísticas com pesos e finalidades distintas na história da arte.

Um passo atrás, então, para refletir que a Escola de Marselha - tendo Monticelli como um de seus grandes representantes - bem podia se sustentar em propósitos semelhantes aos dos artistas antiacadêmicos de Paris, em meados de 1860. Mas a evolução desses espaços de realização artística não seria a mesma. Os pontos de convergência resultam de questões históricas, de autonomia de concepções artísticas e influências diversas, em razão das diferenças entre os condicionantes culturais.

Que Van Gogh tenha sido em grande parte impulsionado por Monticelli, isso não só parece claro quando se contrapõe obras dos dois na superfície, como reconhecido e reivindicado por ele. Ocorre que quando se trata de influência, aquilo que um artista declara pode gerar mais mal entendido que esclarecimento. As motivações e estímulos de um estão sujeitos a entrar em confronto com o que servia de guia para o outro. Ao reivindicar para si seguir Monticelli, talvez seja o caso de ponderar que Van Gogh tinha nele muito mais uma fonte de inspiração do que propriamente influência.

No modo de vida e escolhas dos dois, que se reflete evidentemente na arte que realizaram, não há de fato convergência. De Marselha, Monticelli vai para Paris, onde se embebeda com o clima cultural e artístico, mas corta os laços que o ligam a esse ambiente e retorna às suas origens. Concebe então uma obra que, em certo aspecto, é provinciana, pois afastada do burburinho de Paris. Nessa escolha certa despretensão, como se tivesse consciência de não ir além da província; o que corresponde à sequência dos acontecimentos: não saiu dela senão pela referência a Van Gogh.

Já Van Gogh, em contrapartida, que teria se inspirado no exemplo de isolamento de Monticelli, acorre ao sul, a Arles, mas jamais rompeu com Paris. Ainda, em seu trajeto, uma pintura que se inicia sob o peso da Escola de Haia, mas esse momento fica para trás, pois ele não volta às origens (sua pintura após a chegada em Paris em 1886 representa uma ruptura com a fase holandesa). Ou seja, e isso se reflete em suas telas, um anseio por novas experiências, por um desafio que possivelmente não se encontre em Monticelli.

4.
Não é fortuito, portanto, que Monticelli tenha atrás de si Watteau, mas dele não tenha se descolado e assim se mantenha preso ao século XVIII, enquanto a obra de Van Gogh se separa da de Monticelli e se abre para o século XX. Não se trata de saber se, por emulação, Monticelli faria jus a melhor fortuna do que a que teve quando se olha Van Gogh. Mas tão somente ressaltar que a obra deste último não se confinou nos arredores da província; ainda que, talvez equivocadamente, ele tivesse outro conceito sobre Monticelli.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 5/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
04. Vocês, que não os verei mais de Elisa Andrade Buzzo
05. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MUNDO EM PORTUGUÊS - UM DIÁLOGO
FERNANDO HENRIQUE CARDOSO, MARIO SOARES
PAZ E TERRA
(1998)
R$ 25,00



A ARTE MESTIÇA ESCOLA CUSQUENHA DE PINTURA (EDIÇÃO BILÍNGUE)
MANUEL JULIO VERA DEL CARPIO

R$ 60,00



OXFORD ESCOLAR PARA ESTUDANTES BRASILEIROS DE INGLÊS - PORTUGUÊS-INGLÊS INGLÊS-PORTUGUÊS - EDIÇÃO ATUALIZADA
OXFORD
OXFORD
(2013)
R$ 35,00



OBRAS
EL MARQUES DE SANTILLANA
ESPASA
(1956)
R$ 30,28



KERNEL ONE STUDENTS BOOK TWO VOLUME PART B
ROBERT O NEILL
LONGMAN
(1978)
R$ 14,00



LACRIMOSA
HELTON CENCI
NOVO SECULO
(2010)
R$ 6,00



MANUAL DE CONTABILIDADE DAS SOCIEDADES POR AÇÕES
SERGIO DE IUDICIBUS E OUTROS
ATLAS
(2000)
R$ 40,00



FOR LOVE OF EVIL
PIERS ANTHONY
AVON BOOKS
(1988)
R$ 20,00



O CONDE ENFEITIÇADO
JULIA QUINN
ARQUEIRO
(2015)
R$ 19,90



USE A CABEÇA! SERVLETS & JSP
BRIAN BASHAM-KATHY SIERRA E BERT BATES
ALTA BOOKS
(2005)
R$ 69,90





busca | avançada
38549 visitas/dia
1,3 milhão/mês