Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Direito Romano - Vol. II de José Carlos Moreira Alves pela Forense (2003)
>>> Divinas Desventuras: Outras Histórias da Mitologia Grega de Heloisa Prieto pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Le Nouveau Sans Frontières 1 - Méthode de Français de Philippe Dominique e Jacky Girardet e Michele Verdelhan e Michel Verdelhan pela Clé International (1988)
>>> Sobrevivência de Gordon Korman pela Arx Jovem (2001)
>>> Ética Geral e Profissional de José Renato Nalini pela Revista dos Tribunais (2001)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Abril (1982)
>>> O Menino no Espelho de Fernando Sabino pela Record (2016)
>>> Labirintos do Incesto: O Relato de uma Sobrevivente de Fabiana Peereira de Andrade pela Escrituras-Lacri (2004)
>>> Mas Não se Mata Cavalos ? de Horace McCoy pela Círculo do Livro (1975)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Patersin pela Salamandra (2006)
>>> O Desafio da Nova Era de José M. Vegas pela Ave-Maria (1997)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1970)
>>> Trabalho a Serviço da Humanidade de Escola Internacional da Rosa Cruz Áurea pela Rosacruz (2000)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Boll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ensinando a Cuidar da Criança de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Ensinando a Cuidar da Mulher, do Homem e do Recém-nascido de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Luxúria Encadernado de Judith Krantz pela Círculo do Livro (1978)
>>> Fundamentos, Conceitos, Situações e Exercícios de Nébia Maria Almeida de Figueiredo (org.) pela Difusão (2004)
>>> Personality: How to Unleash your Hidden Strengths de Dr. Rob Yeung pela Pearson (2009)
>>> Um Mês Só de Domingos de John Updike pela Record (1975)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Um Mês Só de Domingos Encadernado de John Updike pela Círculo do Livro (1980)
>>> Caravanas de James Michener pela Record (1976)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> A Terra Ainda é Jovem de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1981)
>>> Deus Protege os Que Amam de J.M. Simmel pela Nova Fronteira (1977)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> Um Ônibus do Tamanho do Mundo de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1976)
>>> O Quarto das Senhoras de Jeanne Bourin pela Difel (1980)
>>> Beco sem Saída de John Wainwright pela José Olympio (1984)
>>> Casais Trocados de John Updike pela Abril (1982)
>>> O Hotel New Hampshire Encadernado de John Irving pela Círculo do Livro (1981)
>>> As Moças de Azul de Janet Dailey pela Record (1985)
>>> Amante Indócil Encadernado de Janet Dailey pela Círculo do Livro (1987)
>>> A Rebelde Apaixonada de Frank G. Slaughter pela Nova Cultural (1986)
>>> Escândalo de Médicos de Charles Knickerbocker pela Record (1970)
>>> A Turma do Meet de Annie Piagetti Muller pela Target Preview (2005)
>>> O Roteiro da Morte de Marc Avril pela Abril (1973)
>>> Luz de Esperança de Lloyd Douglas pela José Olympio (1956)
>>> Confissões de Duas Garotas de Aluguel de Linda Tracey e Julie Nelson pela Golfinho (1973)
>>> Propósitos do Acaso de Ronaldo Wrobel pela Nova Fronteira (1998)
>>> Olho Vermelho de Richard Aellen pela Record (1988)
>>> A Comédia da Paixão de Jerzy Kosinski pela Nova Fronteira (1983)
>>> Casa sem Dono Encadernado de Heinrich Böll pela Círculo do Livro (1976)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> Ventos sem Rumo de Belva Plain pela Record (1981)
>>> O Caminho das Estrêlas de Christian Signol pela Círculo do Livro (1987)
>>> Longo Amanhecer de Joe Gores pela Best-seller (1988)
>>> As Damas do Crime de B. M. Gill pela Círculo do Livro (1986)
>>> Os Melhores Contos de Alexandre Herculano de Alexandre Herculano pela Círculo do Livro (1982)
COLUNAS

Terça-feira, 30/1/2007
Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas
Marcelo Spalding

+ de 25800 Acessos

Quando Cláudia Tajes publicou A vida sexual da mulher feia, no finzinho de 2005, ninguém poderia prever o sucesso do livro - pelo menos naquele verão - chegando a figurar entre os mais vendidos na categoria de não-ficção (sic). Narrado em primeira pessoa, o romance mais parece um diário ou um livro de memórias em que a feiosa Jucianara relembra de seus casos mal fadados e de sua dificuldade com os homens, tudo contado numa linguagem simples, com um bom humor constante mas pontadas certeiras de melancolia. Enfim, fórmula infalível para o sucesso de verão: boa escritora, bom tema, tratamento adequado (leia-se "leve").

Agora Cíntia Moscovich, também mulher, também gaúcha, também ótima escritora, publica Por que sou gorda, mamãe? (Record, 2006, 252 págs.), um livro também narrado em primeira pessoa em que ficção e realidade se confundem, um livro em que a protagonista também luta contra a estética e também deixa perpassar um fino ressentimento de mulher mal amada (será apenas pela mãe ou também pelo marido?). Semelhanças que talvez não sejam mera coincidência: Cláudia e Cíntia são amigas, a segunda de certo leu o livro da primeira e inclusive a convidou para escrever na orelha do seu romance.

Por que sou gorda, mamãe? é uma carta à mãe, onde a narradora - que jamais menciona seu nome - anuncia o início de um severo regime e o começo da escritura de suas memórias como forma de investigar as causas dessa obesidade. Menina judia de classe média, não deixa de mencionar a difícil chegada de seus antepassados ao país, as histórias das avós - a Gorda e a Magra - e o carinho que guardava por elas, a saudade do pai, já morto, a adolescência tresloucada mas sobretudo, sempre, em cada página, em cada linha, o que relembra é a dificuldade de relacionamento com a mãe.

"Entenda, a senhora: não tenho jeito ou paciência de fazer de meu amor substância, exceto por algo de meu tempo ao telefone. Fora isso, mamãe, fora do contato por um fio, a porta da rua vira mais do que serventia da sua casa, e o amor de uma filha por sua mãe é só pretexto para a ficção. Por isso, acho, virei escritora. Talvez por isso eu tenha virado uma escritora com corpo de prima-dona: a boca preenchida tem contato direto com o coração."

Diga-se desde já que a mãe era magra e esbelta, não precisava passar pelas humilhações dos regimes nem pelo sacrifício dos exercícios físicos, o que força a narradora a ingratas comparações - "eu sabia que não era bonita nem atraente. Era só nos comparar, as duas. Eu era criança, mas não era burra" -, comparações que expõem toda a fragilidade de ambas e faz com que a filha sinta a necessidade de escrever esta carta melancólica porém sincera, em que relembra cada momento da sua vida em que a mãe esteve ausente, doente ou neurótica.

"Vovó fora acusada de desamor anos a fio, eu já havia escutado aquela história antes. Mas parecia naquele momento algo mais severo e grave. A vó continuou com o rosto escorado pela mão olhando os bicos dos sapatos, como se tudo dependesse dos bicos dos sapatos - e eu me meti numa conversa de adultos, numa conversa que não era minha, me interpus entre vocês duas, e pedi que a senhora, mamãe, parasse com aquilo, a senhora estava maltratando a avó. (...) E foi só então que a senhora viu que eu estava na sala, e levantou a mão para mim, como quem vai desferir um tapa, e eu cobri o rosto com o braço, e o tapa não veio, felizmente não veio, e a senhora levantou o queixo, orgulhosa como quem diz a verdade de uma vida, e passou os dedos entre os cabelos, ajeitando o penteado desfeito à altura da nuca, e saiu dali com passos pesados de neurose, rejeição e trauma."

A temática do relacionamento afetivo já estava presente na primeira narrativa longa de Cíntia, Duas Iguais, lançada em 1998, onde duas meninas lutam por um amor impossível. Mas ao mudar o motivo da narração para algo tão jocoso como o excesso de peso de quem escreve, uma pessoa bem resolvida profissionalmente - a narradora tornou-se jornalista e escritora ainda que o pai e a mãe a desejassem médica ou advogada -, equilibrada financeiramente - a ponto de pagar um médico endocrinologista - e casada, Cíntia aproxima-se mais do leitor médio e, como Cláudia, evidencia como a preocupação com o corpo no mundo de hoje ganha importância.

Muito mais do que lamentar o excesso de peso, a filha-narradora deixa transparecer um profundo questionamento sobre os valores sociais em que sequer a relação entre a família está preservada, relação esta fundamental para que seus antepassados prosperassem em terra estrangeira. Olhar-se no espelho e ver-se gorda é deixar de ver-se triste, melancólica, solitária, talvez sem um sentido evidente para a vida. É deixar de procurar uma bandeira mais importante a erguer do que a perda de peso.

Verdade que a própria narrativa toca nos dois extremos desta aparentemente banal guerra com a balança. A narradora confessa, quase no fim do livro, que na adolescência chegou a sofrer tonturas e desmaios, tornando-se quase bulímica, "em tempos que bulimia e anorexia eram neologismos de uso alheio". Por outro lado, lembra de um episódio em que o pai deu carona para suas três tias paternas, todas extremamente gordas, e tanto que não conseguiam sequer entrar no carro sem a ajuda do irmão, e tanto que, quando finalmente as três entraram, quebrou-se o carro (aliás este capítulo, com feitio de conto, é um dos pontos altos do livro, o que não poderia ser diferente se tratando Cíntia de uma exímia contista).

Não espere a leitora, talvez gorda, talvez triste, de certo filha e talvez também mãe, não espere a leitora um livro de auto-ajuda e não coloquem as revistas o livro nas listas dos mais vendidos de não-ficção. Cíntia faz ficção, romance na mais clássica definição lukacsiana em que encontrar o equilíbrio físico é mais do que deixar de comer frituras ou correr trinta minutos por dia, é descobrir-se, investigar-se, vasculhar a própria identidade em busca de valores ainda sólidos que justifiquem o esforço diário de viver e devolvam o prazer diário de viver. Viver num mundo de beldades siliconadas mesmo sendo gorda e feia, desde que nunca mal amada.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 30/1/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
02. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
03. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
04. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
05. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ZAC POWER - MISSÃO TREINAMENTO RADICAL
H. I. LARRY
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 9,90



A PROSA FRATURADA
DONALDO SCHULER
UNIVERSIDADE FEDERAL RS
(1983)
R$ 26,82



A REVOLUÇÃO DAS MÍDIAS SOCIAIS
ANDRÉ TELLES
M.BOOKS
(2010)
R$ 15,00



SALAMBÔ
G. FLAUBERT
EDIBOLSO
(1969)
R$ 10,00



QUEM É GETÚLIO VARGAS
PEDRO LUÍS
NOVA JURISPRUDÊNCIA
R$ 50,00



INFRAESTRUTURA: OPÇÃO DE INVESTIMENTO AOS FUNDOS DE PENSÃO NO BRASIL
GUILHERME NOGUEIRA LOPES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



JEAN PIAGET O HOMEM E SUAS IDÉIAS
RICHARD I. EVANS
FORENSE
(1980)
R$ 19,83



HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA VOL 1
SILVIO CASTRO
ALFA
(1999)
R$ 26,40



HISTÓRIA DE CANÇÕES CHICO BUARQUE
WAGNER HOMEM
LEYA
(2009)
R$ 20,00



30 ANNOS DE THEATRO - HUMORISMO
REGO BARROS
TYPOGRAPHIA COELHO
(1932)
R$ 45,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês