Pequena poética do miniconto | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> A Democracia Intolerante Dutra Adhemar e a Repressão ao partido comunista de Pedro Estevam da Rocha Pomar pela Imprensa Oficial (2002)
>>> Livro dos Patronos Coletânea Biográfica de Academia Campinense Maçonica de Letras pela Vitoria (2008)
>>> Blood of the Demon de Diana Rowland pela Bantam (2010)
>>> Vá Direto ao Assunto de Stuart R Levine pela Sextante (2009)
>>> Alexis o El Tratado del Inútil Combate de Marguerite Yourcenar pela Alfaguara (2014)
>>> Manuale Di Azione Cattolica Vol. 1: La Teorica de Mons. Luigi Civardi pela Letteraria (1933)
>>> Sistemas de Informações Contábeis: Fundamentos e Análise de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2004)
>>> Casus Conscientiae Propositi a Card. de Lugo de A P. Beniamino Elbel a P. Ioanne Petro Gury pela Typographia Augustiniana (1901)
>>> Administração para Empreendedores de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Prentice Hall Brasil (2007)
>>> Novo Código de Processo Civil e Constituição Federal - 2017 de Vários Autores pela Saraiva Jur (2017)
>>> Eu Sei Que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2007)
>>> Garota do Calendario, a - Março de Audrey Carlan; Andreia Barboza pela Verus (2016)
>>> Florestas: Desmatamento e Destruição de Maria elisa Marcondes Helene pela Scipione (1996)
>>> O Drama da Puberdade de Alois Gruber pela Paulinas (1966)
>>> Você quer ser Diplomata? Concurso de Admissão á Carreita de Diplomata de Instituto Rio Branco pela Fundação Alexandre de Gusmã (2007)
>>> The Prisoner of Zenda de Anthony Hope pela Oxford University Press (2000)
>>> Ensaios Sobre História, Ciência e Educação de Livia Diana Rocha Magalhaes; e Outros pela Alinea (2011)
>>> Infância e Recreio da Vida de Gisele Donato pela Da Autora (2017)
>>> Sucesso Em Português e Redação - Vestibulares, Enem, Concursos Diverso de Álvaro Ricardo de Mello Gouveia Veiga pela Litteris (2016)
>>> Againts All Odds de Danielle Steel pela Sean (2020)
>>> 2020- O ano que não começou de Editora Reformatório pela Reformatório (2021)
>>> Português Com Professor Pasquale: Concordância Verbal de Professor Pasquale pela Publifolha (2000)
>>> Poeticamente Modificado de Paulo Eduardo da Rocha pela Age (2009)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Companhia das Letrinhas (2009)
>>> Recados Que A-mails Com Minicrônicas Virtuais de Saulo Mendonca pela A União (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 20/2/2007
Pequena poética do miniconto
Marcelo Spalding
+ de 29500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Você certamente já leu um miniconto e possivelmente já escreveu um. Miniconto é um tipo de conto muito pequeno, digamos que com no máximo uma página, ou um parágrafo. Alguns dizem que ele é o primo mais novo do poema em prosa, outros apontam as fábulas chinesas como origem, de certo é que desde meados do século XX o conto tem experimentado - com sucesso - formas extremamente breves a partir de textos de gente como Cortázar, Borges, Kafka, Arreola, Monterroso e Trevisan.

Nos últimos anos este tipo de ficção ganhou muito espaço na literatura de diversos países. Nos Estados Unidos, antologias sucessivas foram lançadas com textos cada vez menores culminando na chamada microfiction, cuja antologia inaugural reúne textos de até 300 palavras. A literatura latino-americana, responsável pela difusão inicial do gênero, tem não apenas apresentado antologias como também estudos acadêmicos acerca do que eles chamam de "microrelato". É de um hispano-americano, o guatemalteco Augusto Monterroso, o micro mais famoso:

Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá. E de outro latino-americano, o mexicano Juan José Arreola, o meu preferido:

"CONTO DE HORROR"
A mulher que amei se transformou em fantasma. Eu sou o lugar das aparições.
No Brasil, há uma grande quantidade de autores publicando livros com ou exclusivamente de minicontos: o pioneiro Ah, é?, de Dalton Trevisan (1994), Contos Contidos, de Maria Lúcia Simões (1996), O filantropo, de Rodrigo Naves (1998), Pérolas no decote, de Pólita Gonçalves (1998), Passaporte, de Fernando Bonassi (2001), Coração aos pulos, de Carlos Herculano Lopes (2001), Eles eram muitos cavalos, de Luiz Rufatto (2001), Mínimos Múltiplos Comuns, de João Gilberto Noll (2003), Os cem menores contos brasileiros do século, organizado por Marcelino Freire (2004), Ao homem que não me quis, de Ivana Arruda Leite (2005), Tentando entender Monterroso, de Luiz Arraes (2005), A milésima segunda noite, de Fausto Wolff (2005), Contos de Bolso e Contos de Bolsa, da Casa Verde (2005 e 2006), Curta-Metragem e Expresso 600, de Edson Rossatto (2006), Entre Duas Mortes, organizado por Frederico Alberti (2006), entre tantos outros. Há inclusive um livro de minicontos juvenis, do competente e criativo gaúcho Leonardo Brasiliense, Adeus conto de fadas (2006), que ao testar esta estética com outro público comprovou a flexibilidade do miniconto e a possibilidade de o tratarmos como um gênero (da mesma forma que os poetas tratam como gênero o haicai).

Devido ao seu formato enxuto e de rápida leitura, o miniconto se tornou um gênero cultivado não apenas pelos leitores como também pelos escritores das novas gerações, seduzidos pela (aparente) facilidade de se escrever um bom miniconto. Só aparente. Aqui nesta pretensiosa poética pretendo demonstrar como algumas regras são, se não fundamentais, bastante indicadas para que um miniconto funcione.

Concisão

A velha insônia tossiu três da manhã.
Dalton Trevisan (Ah, É?, 1994)
Ser breve e ser conciso são coisas diferentes. O miniconto precisa ser conciso, mais do que breve. Nesse sentido não deveríamos falar de um limite de número de letras, palavras ou páginas para o miniconto, e sim num limite conceitual. A história que ele conta precisa caber exatamente naquele pequeno tamanho, não mais, não menos. Não pode-se atrofiar uma narrativa, tampouco espichá-la. Por isso nem todos os temas e enfoques podem ser transformados em miniconto. Na verdade, raros o podem. Uma tosse às três da manhã pode ser a superfície de um miniconto; a insônia, não.

Narratividade

Caiu da escada e foi para o andar de cima.
Adrienne Myrtes (Os cem menores..., 2004)
Se a brevidade originada pela concisão diferencia o mini do conto tradicional, é a narratividade que primeiro diferencia o miniconto do haicai ou do poema em prosa (que não necessariamente são narrativos, ainda que possam sê-lo). Ser narrativo significa, por óbvio, narrar algo, contar a passagem de uma personagem de um estado a outro, implicitamente (como no mini do Trevisan) ou explicitamente (como neste exemplo da Adrienne). Sem essa narratividade, corre-se sempre o risco de fazer uma simples descrição de cena em vez de um miniconto.

Efeito

"TV NO QUARTO"
E os pais na sala, assistindo a um documentário sobre os dramas da adolescência.
Leonardo Brasiliense (Adeus conto de fadas, 2006)
O grande mestre do conto moderno, Edgar Allan Poe, talvez tenha sido quem primeiro colocou o efeito pretendido no topo dos objetivos do escritor. Ainda hoje é considerado um bom conto aquele que consegue provocar algo no leitor, seja medo, compaixão ou reflexão. Quando temos uma simples descrição, não chega a ocorrer no leitor este efeito, por menor que seja, enquanto em uma narrativa como a do Leonardo Brasiliense o leitor não tem como não pensar na sua adolescência ou na sua atitude com os próprios filhos.

Abertura

Um vida inteira pela frente. O tiro veio por trás.
Cíntia Moscovich (Os cem menores..., 2004)
Como pode um texto tão pequeno provocar efeito em quem lê? A resposta está no próprio agente da questão: o leitor. À Cíntia coube contar a história de uma pessoa que morreu assassinada numa representação contundente da banalização da vida. Mas se a vítima é um homem, uma mulher, gorda, magra, nova, velha, se mora na cidade, no campo, noutro país, se era bandido ou mocinho, amante ou amado, casto ou tarado, nada disso está dito, cabe ao leitor preencher as lacunas a partir de seus conceitos e experiências. Muito possivelmente um leitor urbano como nós verá aí uma ironia com a insegurança que ceifa a vida de tantos jovens. Mas talvez um trabalhador suburbano veja a covardia de quem mata pelas costas, e não o futuro perdido por quem morre. Essa abertura é uma das riquezas do conto potencializada no miniconto.

Exatidão

"AVENTURA"
Nasceu.
Luís Dill (Contos de Bolso, 2005)
Tudo bem que a abertura do texto para o leitor seja aspecto fundamental do miniconto, mas é importante que o autor seja suficientemente claro para criar o efeito desejado no leitor, e não seu oposto, sob o risco de não ser compreendido. Para tanto a escolha de cada palavra em cada posição é fundamental, quase como em um poema, pois disso depende o sucesso ou não da narrativa. Se Cíntia Moscovich escrevesse "Teria sido um ótimo escritor, mas o tiro veio por trás" o texto perderia seu recurso estético causado pela oposição frente/trás, vida/morte, comprometendo até o efeito semântico. Mesma coisa, e mais ainda, no texto "Aventura", do Dill. Não sei se existem outras duas palavras que se casem tão bem para formar uma narrativa instigante, aberta e ao mesmo tempo repleta de significados como esta. São apenas duas palavras, quinze caracteres tão bem dispostos que é difícil não sentirmos seu efeito. E percebermos ali o cerne do conto e da literatura.

Nota do Editor
Leia também "Micronarrativa e pornografia"


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 20/2/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. John Lennon, o homem de Marco Antonio Santos Silva
02. Fahrenheit 451, Oralidade e Memória de Mariana Portela
03. O livro de Dave e seu tradutor de Rafael Rodrigues
04. O físico que era médico de Eduardo Mineo
05. Um texto com esmalte vermelho de Adriana Baggio


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
02. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Pequena poética do miniconto - 20/2/2007
05. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2007
11h35min
Sem dúvida, o miniconto, quando bem escrito, é um colírio para o coração. É como os hai-kais: têm que ser perfeitos, com as palavras certas, para dar um tiro certeiro na alma. Parabéns pelo seu texto. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
23/2/2007
19h51min
Pois é Marcelo, sou viciada em minicontos. Também gosto de haikais, mas sou apaixonada mesmo por POETRIX. Diferente do haikai o POETRIX, apesar de ser também um terceto, permite título, rimas, temas urbanos, metáforas, e até 30 sílabas métricas. Foi criado pelo poeta baiano Goulart Gomes. Abraço meu.
[Leia outros Comentários de Ana Mello]
28/2/2007
03h58min
Marcelo, tu sempre passando teus conhecimentos adiante, né?!!! Obrigada por existires, por seres tão competente e amigo. Obrigada por suportar minhas dúvidas, inseguranças; meus "desconheceres". Quero deixar registrado aqui o quanto as dicas do Sr. Marcelo são eficazes, queridas e muito bem-vindas. Ao restante dos "Super" profissionais do DIGESTIVO, parabéns!!! Que bom que o Marcelo é um de vocês!
[Leia outros Comentários de Maira Knop]
28/2/2007
18h34min
Na correria diária da nossa vida nada como poder absorver essas pequenas delícias da literatura. Parabéns pelo texto e por ter lembrado de escrever sobre o que gosto tanto, ou seja, minicontos, haicais, Poe...
[Leia outros Comentários de Rose Peixer]
13/3/2007
15h17min
Sempre gostei de contos curtos, haicais (amo os do Leminski), versos minúsculos, um parágrafo de crítica. E a sensibilidade de Spalding reforça, agora, minha opinião diante dos prolixos...
[Leia outros Comentários de Chuchi Silva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cara Ou Coroa - uma Fábula Republicana
Chico Alencar
Moderna
(1996)



Travesti
Roberto Freire
Símbolo
(1978)



Meninas Inseparáveis
Lori Lansens
Globo
(2007)



Livro Literatura Estrangeira Cartas Lacradas 1850-1917
Dora Openheim
Record
(2013)



O Menino Narigudo
Walcyr Carrasco
Moderna
(2007)



Livro Teatro Lilia Cabral Descobrindo Lilia Cabral Coleção Aplauso Perfil
Ana Lúcia Ribeiro
Ana Lúcia Ribeiro
(2007)



Transformando Grama Em Ouro
Julio Casares
Gente
(2014)



Amanhã - no Terceiro Dia, a Geada
John Marsden
Fundamento
(2009)



Perda de Entes Queridos
Zilda Giunchetti Rosin
Comunhão Espírita de Brasília



A idade Média Narrada por um Vampiro II
Marcia Medeiros
Luva
(2018)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês