Digestivo nº 231 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 17/6/2005
Digestivo nº 231
Julio Daio Borges

+ de 5000 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Cinema >>> Que a força esteja com você
Se a Veja dá 10 páginas, e os cadernos de cultura dos principais jornais dão capa, pode desconfiar. Se você vê outdoors espalhados pela cidade e inserções as mais variadas na TV e no rádio, não espere nada: é blockbuster na certa. E não deu outra: Cruzada é uma superprodução para arrebentar na estréia de fim de semana e, em seguida, se apagar na memória – até que o DVD nos alcance, como sempre invasivo, igual à fita nas salas. Queremos crer, na verdade, que as pessoas estão cansadas dessa engrenagem e nem reagem mais a um assunto tão desconectado da sua realidade como, sei lá,... as Cruzadas. Apesar de Bush. Ridley Scott, que até enganou bastante gente com o Gladiador (e dá-lhe reportagens extensivas, pagas, sobre o making-of), tentou requentar a conquista da Terra Prometida, pela Europa medieval e cristã, ao emular o recente Tróia (no que ele tem de pior). O desânimo, no elenco, é patente, e a história se arrasta, por causa de um roteiro que, além de previsível nos mínimos detalhes, não empolga nem o espectador mais desinformado. É um desperdício atrás do outro: de Liam Neeson, de Jeremy Irons e até da novata Eva Green – de quem Bertolucci havia tirado algum suco, mas que, sem a condução do mestre italiano, se revelou apenas mais uma beldade (ou nem tanto) sem expressão e com caras&bocas, decoradas, de modelo iniciante. Do protagonista, nem vamos falar (se era um mero coadjuvante no superpopuloso O Senhor dos Anéis, nunca poderia ter encarado um papel principal). A ambientação, o figurino e até os diálogos se situam naquela época indefinível que tanto pode ser o Egito dos faraós, a Grécia antiga, o Império Romano... quanto o reinado de Arthur, a França pré-Revolução e as monarquias falidas do século XIX – em cinema é tudo a mesma coisa. Sem contar as misturas com ficção científica pós-Spielberg & Lucas. Cruzada é, além de uma perda de tempo (e de dinheiro) evidente, um desfile repetitivo de clichês hollywoodianos. Tudo bem, a máquina nunca vai parar de funcionar – mas nós, pelo menos, não vamos mais nos deixar enganar. [Comente esta Nota]
>>> Kingdom of Heaven | Kingdom of Heaven (resenhas)
 



Imprensa >>> Papel principal
Talvez em resposta à crise de idéias do mercado editorial, diante da digitalização das publicações depois do advento da internet, a Companhia Suzano de Papel e Celulose lançou a revista Idéia. Idéia, editada desde 2001 com coordenação da X-Press Assessoria em Comunicação, é antes de tudo uma celebração desse suporte humano, demasiado humano, popular desde pelo menos a prensa de Gutenberg, o papel. Idéia é hoje provavelmente o veículo mais criativo para iniciativas gráficas, abordando desde o consagrado “pólen” até o conhecido “cartão”, passando pelas mais variadas superfícies e técnicas, até o limite da imaginação do Designbüro de Helga Miethke – que é inesgotável. Quem tem o privilégio de receber a Idéia bimestralmente, já a viu chegar envelopada, encaixotada, grande, pequena, encadernada, solta, fina, grossa, de todas as cores, em todas as fontes, brilhante, fosca, suave, áspera, leve, pesada... enfim – em concepções até então impensadas, mas que, de repente, se pode(m) tocar e desfrutar. Descontando a exuberância na apresentação (se é que se pode abstrai-la afinal), Idéia veicula, como não poderia deixar de ser, idéias em entrevistas longas e reveladoras com personalidades ligadas ao impresso como o bibliófilo José Mindlin, o romancista João Ubaldo Ribeiro, a autora infantil Ruth Rocha e o poeta Ferreira Gullar. Sem contar matérias culturais e de interesse geral, sob a edição cuidadosa de Marcos Augusto Ferreira e Guilhermo Benitez. Num momento em que as revistas partem para a popularização mais rasteira (com ambições voltadas para as classes D, E e F), numa pobreza de conteúdo e de formas preocupante, é um alívio encontrar um projeto que segue corajosamente na via oposta, privilegiando a criatividade, a inteligência e o bom gosto – até para provar que as melhores idéias não estavam assim tão escassas, como se falava ou como nos queriam fazer acreditar. [Comente esta Nota]
>>> Suzano Papel e Celulose | XPress | O sorriso do lagarto | Palavras, muitas palavras
 



Literatura >>> Xeque-mate
Não resta dúvida – vale repetir – que Ivana Arruda Leite é uma das mais importantes escritoras brasileiras da atualidade. Obrigatória para quem quer se familiarizar com as tendências da nossa literatura contemporânea e, principalmente, para quem não agüenta mais ouvir falar em Clarices, Lygias e Hildas. Junto com Livia Garcia-Roza e Cíntia Moscovich, Ivana promove um sopro de renovação que só não enxerga quem não quer. Tanto que, embora Ivana Arruda Leite tenha sido publicada quase na meia-idade, já é possível falar numa obra e analisar seu desenvolvimento estético. Ivana começou, como é quase comum hoje (graças a ela), dentro da tendência dos pequenos contos, minicontos e microcontos. Nesse sentido, foi emblemático o seu Falo de Mulher (2002), que inspirou uma porção de jovens escritoras, como Ana Elisa Ribeiro (coisa que até já se disse aqui). Ivana então, merecidamente, despontou: virou colunista da revista da Folha e alcançou a graça das editoras grandes. Publicou o, mais uma vez, excelente Eu te darei o céu (2004) e, agora, chega com um lançamento pela remodelada Agir: Ao homem que não me quis (para variar, um título bastante acertado). Nesse livro – e por isso podemos falar num avanço –, ela abre com os mesmos pequenos contos, mas inteligentemente caminha para os contos tradicionais, no tamanho que normalmente se conhece. Ao homem que não me quis é uma obra de transição e ela deixou registrar essa evolução num livro de fronteira, digamos assim. Ivana continua hábil com as frases curtas, com as rajadas de bom humor e até com os insights, mas a novidade – e os melhores momentos – são as investidas nas narrativas de muitas páginas, como a melhor de todas, que dá título ao volume. Também Mulher do povo, uma história originalíssima contada de dentro de um hospital (por uma mulher, evidentemente, internada sem recursos). Apesar da necessidade constante, no Brasil, de se reafirmar o óbvio, Ivana dispensa elogios e a única coisa que lhe faltaria agora é uma acolhida junto ao grande público – porque, para isso, ela também tem potencial. [Comente esta Nota]
>>> Ao homem que não me quis - Ivana Arruda Leite - 88 págs. - Agir | Da difícil vida das rêmoras
 
>>> E O CONSELHEIRO CONTINUA POLEMIZANDO NA INTERNET

Fiquei com medo quando vi a Viviane Barbosa reclamando daquele artigo (...) onde obtive idéias para escrever (...) Commodity virou commodity. Para refrescar a memória, o link era Jornalista virou commodity e o artigo da Viviane é Ano que vem serei jornalista. Cheguei tarde? (...) Concordo com a posição da Viviane apesar de achar a do Julio Daio Borges válida. Hoje em dia, muitas notícias escapam antes por blogs e, quando realmente chegam em uma fonte "oficial", é só para oficializar o boato.

Continua em "Salvem os Jornalistas", de Fellipe Cicconi.

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* O futuro do universo e o futuro da Cosmologia
George Matsas e J. Ademir S. Lima
(Ter., 21/6, 19hs., CN)
* O mal, o bem e mais além: egoístas, generosos e justos
Flávio Gikovate
(Qua., 22/6, 18h30, CN)

>>> Noites de Autógrafos
* Achados e Perdidos - Maria Vanda
(Qua., 22/6, 18h30, CN)
* Micróbios na Cruz - Márcia Camargos
(Qui., 23/6, 19hs., CN)
* É possível amar duas pessoas ao mesmo tempo?
Noely Montes Moraes (org.)
(Qui., 23/6, 19h30, VL)
* Identidade nacional e outros ensaios - Gilberto Kujawski
(Sáb., 25/6, 11hs., CN)

>>> Shows
* Marcas de Ayer - Adriana Mezzadri e convidados
(Sex., 24/6, 20hs., VL)
* Espaço Aberto - Peppermint Band
(Dom., 26/6, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2005
09h51min
Quem leu Joseph Campbell sabe como os temas mitológicos são importantes no desenvolvimento humano. Cada povo se sabe como tal enquanto mantém vivas suas crenças, suas histórias. E não há como escapar disso. Quem não procura dentro de si o que o liga aos outros e ao universo como manifestação grandiosa de uma unidade com forças acima (e abaixo) de nós, provavelmente já encontrou tudo isso e muito mais na mediocridade das novelas das 8. Mas, enfim, cada um tem o referecial mitológico que merece.
[Leia outros Comentários de Barbara Louise Polla]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 5
Ademir Cavalheiros Leite e Outros
Uniderp
(2009)



Sobre La Agresión: El Pretendido Mal
Konrad Lorenz
Siglo Xxi
(1971)



Ser Como o Rio Que Flui
Paulo Coelho
Gold
(2009)



Somos Todos Iguais Nesta Noite
Marcelo Moutinho
Rocco
(2006)



Química na Abordagem do Cotidiano 2 - Físico-química
Francisco Miragaia Peruzzo e Eduardo Leite...
Moderna
(2010)



Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 6
Masami Kurumada
Jbc



Os Últimos Lírios no Estojo de Seda
Marina Colasanti
Leitura
(2006)



Prática de Cálculos Trabalhistas na Liquidação de Sentença
Paulo Cesar de Castilho
Rt
(1998)



365 Meditations Sur La Bible Tome 2 - Poèmes - les Psaumes
Gaston Brillet
Aubier
(1958)



Fisioterapia Actual
Dr. A. Zauner Gutmann
Editorial Jims
(1971)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês