Digestivo nº 195 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
Mais Recentes
>>> A Democracia Intolerante Dutra Adhemar e a Repressão ao partido comunista de Pedro Estevam da Rocha Pomar pela Imprensa Oficial (2002)
>>> Livro dos Patronos Coletânea Biográfica de Academia Campinense Maçonica de Letras pela Vitoria (2008)
>>> Blood of the Demon de Diana Rowland pela Bantam (2010)
>>> Vá Direto ao Assunto de Stuart R Levine pela Sextante (2009)
>>> Alexis o El Tratado del Inútil Combate de Marguerite Yourcenar pela Alfaguara (2014)
>>> Manuale Di Azione Cattolica Vol. 1: La Teorica de Mons. Luigi Civardi pela Letteraria (1933)
>>> Sistemas de Informações Contábeis: Fundamentos e Análise de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas (2004)
>>> Casus Conscientiae Propositi a Card. de Lugo de A P. Beniamino Elbel a P. Ioanne Petro Gury pela Typographia Augustiniana (1901)
>>> Administração para Empreendedores de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Prentice Hall Brasil (2007)
>>> Novo Código de Processo Civil e Constituição Federal - 2017 de Vários Autores pela Saraiva Jur (2017)
>>> Eu Sei Que Vou Te Amar de Arnaldo Jabor pela Objetiva (2007)
>>> Garota do Calendario, a - Março de Audrey Carlan; Andreia Barboza pela Verus (2016)
>>> Florestas: Desmatamento e Destruição de Maria elisa Marcondes Helene pela Scipione (1996)
>>> O Drama da Puberdade de Alois Gruber pela Paulinas (1966)
>>> Você quer ser Diplomata? Concurso de Admissão á Carreita de Diplomata de Instituto Rio Branco pela Fundação Alexandre de Gusmã (2007)
>>> The Prisoner of Zenda de Anthony Hope pela Oxford University Press (2000)
>>> Ensaios Sobre História, Ciência e Educação de Livia Diana Rocha Magalhaes; e Outros pela Alinea (2011)
>>> Infância e Recreio da Vida de Gisele Donato pela Da Autora (2017)
>>> Sucesso Em Português e Redação - Vestibulares, Enem, Concursos Diverso de Álvaro Ricardo de Mello Gouveia Veiga pela Litteris (2016)
>>> Againts All Odds de Danielle Steel pela Sean (2020)
>>> 2020- O ano que não começou de Editora Reformatório pela Reformatório (2021)
>>> Português Com Professor Pasquale: Concordância Verbal de Professor Pasquale pela Publifolha (2000)
>>> Poeticamente Modificado de Paulo Eduardo da Rocha pela Age (2009)
>>> Viagens de Gulliver de Jonathan Swift pela Companhia das Letrinhas (2009)
>>> Recados Que A-mails Com Minicrônicas Virtuais de Saulo Mendonca pela A União (2017)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 6/10/2004
Digestivo nº 195
Julio Daio Borges
+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Música >>> La Valse
A coluna social chamou de “noite erudita”, mas o fato é que não era mais. A Sala São Paulo esteve abarrotada durante três dias (foi aberto um terceiro, já que os dois primeiros não davam conta), para ver Nelson Freire e Martha Argerich “juntos” (a quatro mãos) ou “separados” (em dois pianos). O evento, que foi um verdadeiro “happening” dentro da Temporada 2004 do Mozarteum Brasileiro, mostra a força insuspeitada que o “documentário” de João Moreira Salles teve sobre as figuras de Nelson e de Martha. Pois, ela, sozinha, passaria por uma desconhecida pianista argentina (antes do filme); e ele, embora louvado em prosa & verso, pelos cadernos culturais, alcançou uma notoriedade incomparável, em termos pianísticos, depois da experiência em tela grande (basta comparar com o seu público em outras apresentações, em outros anos). E foi o contrário do que ambos, estrelas discretas de uma constelação fulgurante, apregoam: foi a força do “star system”, tão criticado por Nelson Freire, no agora DVD que leva seu nome, mas que pôde reunir dois dos maiores pianistas vivos, em alguns encontros memoráveis. Afinal, ele e João Moreira Salles conseguiram arrancar Martha Argerich da reclusão, embora antes não faltassem convites a essa mulher sempre tão requisitada... E Martha comandou a noite; e comandou Nelson – digam o que disserem. Como observou Daniel Piza, ela era “o lado forte”. Martha impôs o passo e a velocidade do compasso nas peças principais. Ela deu o tom logo de saída, em Brahms, levou-o por Rachmaninov afora, e encerrou com um Ravel bastante complicado. As sutilezas de Nelson, que parecia buscar espaços onde Martha não os ocupava, com pequenos ornamentos e floreios delicados, assumiram a batuta em Schubert e em Débussy (no bis). E, como notou Lauro Machado Coelho: pareceu um milagre que ambos, tão diferentes, tivessem combinado. Milagre maior, porque, nessa e em outras noites, a grande música (e não os horrores que temos inadvertidamente escutado) tomou conta da cidade, arrastando para a Sala uma pequena multidão. Mostrando, enfim, que é possível. E que a sensibilidade e a inteligência ainda têm lugar. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 



Literatura >>> O Mundo é das Mulheres
Ivana Arruda Leite está entre as boas escritoras da “nova geração”. Embora tenha mais de 50 anos, emergiu no recente “boom” que revelou Cíntia Moscovich, entre outras. Ivana é autora do constantemente evocado “Falo de Mulher” (2002, Ateliê Editorial), um título sugerido por Marcelino Freire (que acertou como em nenhum dos livros dele). Ivana confessa no “Rascunho” que sofre de logorréia e que escreve direto no computador. Assume também, como num papo com Ana Elisa Ribeiro, que detesta seu emprego (de funcionária pública) e que sonha viver de seus escritos. É, por último, colunista mal-humorada da “Folha” (pleonasmo?) e acaba de lançar “Eu te darei o céu”, um pequeno livro de memórias, pela Editora 34. Seu estilo é fluido e envolvente, e, como em sua ficção, não conseguimos parar de ler as aventuras da menina (e da adolescente) Titila, em capítulos, nos anos 60, 70 e 80. Ainda que Ivana seja hoje relativamente conhecida, a abordagem que faz de um universo culturalmente tão rico é 100% pessoal, e sempre do ponto de vista de alguém anônimo. Assim, difere completamente das reportagens jornalísticas que temos lido sobre o período, pois, apesar das referências históricas obrigatórias (pelas quais se pauta), desenvolve uma relação de cumplicidade com o leitor. Quando aborda, por exemplo, o fenômeno Roberto Carlos, é pelo prisma de fã – que perseguia-o divertidamente na TV, nas capas de disco e até na rua Albuquerque Lins (onde o Rei morava). Involuntariamente, Ivana traça um belo panorama da São Paulo naqueles anos – graças a refeições no Gigeto (com seus pais), a sessões no teatro Record (para ver a Jovem Guarda) e ao “frisson” de ter passado no vestibular e de ir conferir o resultado na Avenida Paulista. Titila fez FAU, namorou um calouro da Medicina (também da USP) e perdeu a virgindade em meio à final da Copa de 70. Ou seja: mesmo a algumas décadas de distância, é como se estivesse entre nós. “Eu te darei o céu” não tem tido a repercussão que merecia – já que, além de bem escrito, é um livro humano, demasiadamente humano. [Comente esta Nota]
>>> Eu te darei o céu e outras promessas dos anos 60 - Ivana Arruda Leite - 116 págs. - Editora 34
 



Além do Mais >>> Velha Roupa Colorida
Se o mercado fonográfico apresenta hoje baixos sinais vitais, ensaiando alguma recuperação com a venda de faixas (pela internet) e com o bom desempenho (ainda) do formato DVD, o mercado de instrumentos musicais vai de vento em popa. Basta circular pelos corredores da última Expomusic, que chacoalhou a cidade no Expo Center Norte. E pensar que, pouco mais de dez anos atrás, a pioneira Feira da Música se espremia em espaços exíguos no prédio da Bienal, no Parque do Ibirapuera. Um tempo em que, para se adquirir instrumentos importados, era preciso apelar para o contrabando (ou para a uma única loja que importava na Teodoro Sampaio), pois havia poucos fabricantes nacionais e a qualidade deixava muito a desejar. Havia, na verdade, poucos consumidores. Na Expomusic 2004, praticamente todos os principais fabricantes estrangeiros marcavam presença, e os brasileiros disputavam de igual para igual. Se na antiga Feira da Música era preciso aguardar horas para assistir a uma apresentação, num cubículo, de Viper ou Sepultura (ainda com Max, mas, na ocasião, especialmente desfalcado – com Andreas no vocal), atualmente, na Expomusic, são dúzias de clones de Joe Satriani, Jimi Hendrix e Steve Ray Vaughan: gente que sem ser obrigatoriamente virtuose, nesse meio tempo, aprendeu a tocar. E o Brasil não nega sua vocação musical. Além de fabricantes, publicações como a revista “Jazz+”, gravadoras como a Hellion Records e emissoras como a Brasil 2000 FM. E quantidades industriais de visitantes. Na casa dos milhares. A maioria jovem, assistindo às “performances” num misto de admiração e atenção didática. Foi uma revolução silenciosa. E não-televisionada. Principalmente depois dos anos 90, em que o rock foi considerado morto e a era eletrônica ameaçava reduzir toda instrumentação a “pick-ups” e cabines de mixagem. Sem demérito para os DJs, que abriram uma frente completamente nova – e só deles –, os instrumentistas, no sentido clássico (guitarra, baixo e bateria) parece que ensaiam agora uma volta. Será? [Comente esta Nota]
>>> Expomusic
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Noites de Autógrafos
* Os Nascimentos de São Paulo - Eduardo Bueno (org.)
(Seg., 4/10, 18h30, CN)
* Como e por que Ler o Romance Brasileiro - Marisa Lajolo
(Ter., 5/10, 18h30, CN)
* Ateliês Brasil - Bruno Giovannetti e Leila Kiyomura Moreno
(Qua., 6/10, 18h30, CN)
* Regência - Uma arte complexa - Ricardo Rocha
(Qui., 7/10, 19hrs., VL)

>>> Exposições
* Sônia Menna Barreto
(de 1º a 15 de outubro de 2004, CN)

>>> Shows
* Musica das Nações - Lenine Santos (tenor) e Nancy Bueno (pianista) (Seg., 4/10, 20hrs., VL)
* O Jazz no Pós-Guerra - Traditional Jazz Band
(Sex., 8/10, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Ivan Quintana Trio
(Dom., 10/10, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2004
15h52min
Gostaria de comentar que tanto Nelson como Marta sempre lotaram casa aqui no Rio. E tambem em Sao Paulo, como ja testemunhei. E Marta, há muitos anos, é conhecida de nosso público. E apreciada. O Documentário de João Moreira Salles veio a tornar público o que sempre foi de conhecimento geral nos meios musicais: a grande afinidade de Nelson e Marta. O filme certamente contribuiu para maior divulgacao do fato, mas nao creio que tenha sido responsavel pelo interesse do publico paulistano pelo duo. Cordialmente, Francisco de Mello
[Leia outros Comentários de Francisco de Mello]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cara Ou Coroa - uma Fábula Republicana
Chico Alencar
Moderna
(1996)



Travesti
Roberto Freire
Símbolo
(1978)



Meninas Inseparáveis
Lori Lansens
Globo
(2007)



Livro Literatura Estrangeira Cartas Lacradas 1850-1917
Dora Openheim
Record
(2013)



O Menino Narigudo
Walcyr Carrasco
Moderna
(2007)



Livro Teatro Lilia Cabral Descobrindo Lilia Cabral Coleção Aplauso Perfil
Ana Lúcia Ribeiro
Ana Lúcia Ribeiro
(2007)



Transformando Grama Em Ouro
Julio Casares
Gente
(2014)



Amanhã - no Terceiro Dia, a Geada
John Marsden
Fundamento
(2009)



Perda de Entes Queridos
Zilda Giunchetti Rosin
Comunhão Espírita de Brasília



A idade Média Narrada por um Vampiro II
Marcia Medeiros
Luva
(2018)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês