O dinossauro de Augusto Monterroso | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Relacionamentos amorosos com homens em cárcere é tema do espetáculo teatral ‘Cartas da Prisão’, monó
>>> Curso da Unil examina aspectos da produção editorial
>>> “MEU QUINTAL É MAIOR DO QUE O MUNDO - ON LINE” TERÁ TEMPORADA ONLINE DE 10 A 25 DE ABRIL
>>> Sesc 24 de Maio apresenta Música Fora da Curva: bate-papos sobre música experimental
>>> Música instrumental e natureza selvagem conectadas em single de estreia de Doug Felício
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
>>> Autocombustão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vida de aspirante a escritor
>>> Cesar Huesca
>>> 24 de Maio #digestivo10anos
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> 22 de Maio #digestivo10anos
>>> Intravenosa
>>> A primeira batalha do resto da guerra
>>> Metal for babies, o disco
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Sidney Lumet, invisível
Mais Recentes
>>> Três autos da alma da barca do inferno de Gil Vicente pela Folha
>>> Clara dos Anjos e outras histórias de Lima Barreto pela Folha
>>> O cortiço de Alusío Azevedo pela O globo
>>> Sonetos de Bocage pela Folha
>>> As pupilas do senhor reitor de Julio Dinis pela Folha
>>> Amor e Perdição de Camilo Castelo Branco pela O globo
>>> O noviço de Martins Pena pela Folha
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Folha
>>> O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Companhia Das Letras (2017)
>>> The Host de Stephenie Meyer pela Litle (2009)
>>> Uns e Outros de Helena Terra e Luiz Ruffalo pela Dublinense (2017)
>>> A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyer Scilar pela Folha (2012)
>>> Pegasus e o fogo do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Tempo de Geografia de Axé Silva e Jurandyr Ross pela Brasil (2019)
>>> Pegasus e a batalha pelo olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2011)
>>> Pegasus e as origens do olimpo de Kate Ohearn pela Leya (2014)
>>> Pégasus e os novos olímpicos de Kate Ohearn pela Leya (2013)
>>> Harry Potter e a Criança Amaldiçoada de J.K. Rowling pela Rocco (2016)
>>> Elite da tropa de Luiz Eduardo Soares, Andre Batista, Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Missão Silverfin de Charlie Higson pela Galera (2006)
>>> O Retrato de Charlie Lovett pela Novo Conceito (2013)
>>> História Telares 7º de Cláudio Vicentino e José Bruno Vicentino pela Atica (2019)
>>> Eu de Ricky Martin pela Planeta (2010)
>>> Geografia Telares 7º ano de J.W.Vesentini e Vânia Vlach pela Atica (2019)
>>> Vida e Proeza de Aléxis Zorbas de Nikos Kazantzákis pela Tag (2021)
COLUNAS

Terça-feira, 10/4/2007
O dinossauro de Augusto Monterroso
Marcelo Spalding

+ de 35100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Menos de cinqüenta letras: esse é o tamanho do texto mais famoso de Augusto Monterroso, "O dinossauro", que é também considerado o microconto mais famoso do mundo:

"Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá."

O texto tornou-se célebre porque foi a partir dele que se criou a onda dos microcontos, ou microrelatos, que temos vistos nos últimos anos, inclusive na literatura brasileira. Foi no texto de Monterroso, por exemplo, que Marcelino Freire se inspirou para organizar a antologia Os cem menores contos brasileiros do século. E neste último que Laís Chaffe e a Casa Verde se basearam para os Contos de bolso e Contos de bolsa.

Mas se o nome de Monterroso já tornou-se famoso, sua obra, sua biografia e sua história são absolutamente desconhecidas no Brasil, o que prejudica inclusive a interpretação desta pérola que é "O dinossauro".

Augusto Monterroso, hondurenho que foi ainda jovem para a Guatemala, fez carreira literária no México, para onde mudou-se em 1944, aos 23 anos, por motivos políticos. Seu primeiro livro foi publicado em 1959 com o curioso e irônico título Obras completas (y otros cuentos), o que já aponta para o estilo caricatural e satírico de sua obra. O conjunto de narrativas do livro de estréia é muito influenciado pela trajetória política do escritor, que utiliza o humor de maneira crítica para ressaltar situações de injustiça social e discriminação. Talvez por opção estética, talvez por estratégia literária diante de um período tão conturbado politicamente, já são marcas de suas narrativas a concisão, a brevidade, a caricatura e as referências cultas que o leitor não percebe numa primeira leitura. É nesta obra da metade do século que está publicado "O dinossauro".

Dez anos mais tarde, Monterroso publica outro livro com pequenas narrativas, mas desta vez as chama de fábulas: La oveja negra y demás fábulas. A obra, que ganhou edição brasileira pela Record, traduzida por Millôr Fernandes e ilustrada por Jaguar, em 1983, traz quarenta pequenas narrativas com feitio fabular que voltam a utilizar a paródia e o humor para fazer denúncias sociais, como em "O raio que caiu duas vezes no mesmo lugar" e no texto que dá título ao livro.

"O raio que caiu duas vezes no mesmo lugar" é o menor texto da edição, com 28 palavras - bem maior que "O dinossauro" - e conta de um raio que caiu duas vezes no mesmo lugar, mas ficou muito deprimido porque achou que, na primeira vez, já tinha feito estrago suficiente. "A ovelha negra", de 59 palavras, conta a história de uma ovelha negra fuzilada pelo rebanho em um país distante, rebanho este que, arrependido, lhe levantou uma estátua; a partir de então, sucessivamente, "cada vez que apareciam ovelhas negras eram rapidamente passadas pelas armas para que as futuras gerações de ovelhas comuns e vulgares pudessem se exercitar também na escultura".

Na orelha da edição da Record, nomes como Gabriel García Márquez, Carlos Fuentes e Isaac Asimov louvam o livro. O russo criado nos Estados Unidos, por exemplo, afirma que "os pequenos textos de Monterroso, aparentemente inofensivos, mordem os que deles se aproximam sem a devida cautela e deixam cicatrizes. (...) Depois de ler 'O macaco que quis ser escritor satírico' jamais voltarei a ser o mesmo".

O terceiro livro de Monterroso sai em 1972, Movimiento perpetuo, e se inicia com uma citação de Lope de Vega: "Quiero mudar de estilo y de razones". Depois de um livro de "contos" e outro de "fábulas", neste o que predomina são os ensaios ou reflexões literárias, ainda que a obra seja, como indica o título, um oscilar perpétuo entre distintos gêneros, pois como assegura o autor no prefácio o ensaio é um conto que pode inclusive se tornar um poema.

Nesta obra encontramos um texto particularmente interessante, com menos de uma página, chamado "La brevedad". No texto, Monterroso toca no ponto central de sua obra, a brevidade, surpreendendo, entretanto, quem dele esperava um manifesto contundente em defesa deste valor. Vejamos um bom trecho em tradução livre deste resenhista:

"Com freqüência escuto elogiar a brevidade e eu mesmo fico feliz quando ouço repetir que o bom, se breve, é duas vezes bom. Contudo (...) o escritor de brevidades nada anseia mais no mundo do que escrever interminavelmente grandes textos, grandes textos em que a imaginação não tenha que trabalhar, em que depois de feito, coisas, animais e homens se cruzem, se busquem ou fujam, vivam, convivam, se amem ou derramem livremente seu sangue sem se sujeitar ao ponto e vírgula, ao ponto. A este ponto que neste instante me é imposto por algo mais forte que eu, algo que respeito e que odeio."

Seis anos depois, Monterroso publica a novela Lo demás es silencio, única narrativa longa de sua vida, em que narra a vida de um escritor, Eduardo Torres, tido por alguns como alter-ego do próprio autor. Talvez seja a vitória do autor sobre o ponto e a vírgula ou a libertação política que o tenha permitido estender-se.

Claro que daqui do Brasil, onde não se tem acesso a obra de Monterroso, é difícil falar que a escrita elíptica e repleta de silêncios é uma forma de lidar com o conturbado período latino-americano, os anos sessenta de muita violência e repressão. Sabe-se, porém, que sua obra esconde numa aparente simplicidade e ingenuidade diversas referências cultas e provoca profundas reflexões no leitor, como já dissera Asimov. Ler "O dinossauro" como um reles jogo de linguagem, portanto, pode ser apenas metade da verdade do texto, que talvez esconda, a partir do substantivo dinossauro, o adjetivo jurássico que bem caberia a tantos governantes de então, jurássicos porque carnívoros, selvagens, violentos e antiquados, ainda que fortes e poderosos.

Não por acaso, antes de morrer em 7 de fevereiro de 2003, Monterroso foi condecorado com a Águila Azteca por seu aporte à cultura do México e viu sua obra fazer parte de coletâneas com os melhores livros do século XX em língua espanhola. Notícias, aliás, que me deixaram muito feliz, pois fica evidente que um bom texto, seja grande ou micro, só nasce de um grande autor.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 10/4/2007


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
03. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/4/2007
02h31min
Obrigada pela explanação. Apesar da brevidade (rs) consegui entender o espírito do autor, desconhecido por mim até então.
[Leia outros Comentários de Vanessa Beck]
10/4/2007
11h53min
Muito fascinante o seu texto. Já tinha ouvido e lido alguns breves trechos desse autor, em uma aula de filosofia, sobre a questão do tempo... Bem, obrigada, vou tentar achá-lo por aí, escondido em alguma livraria, quem sabe? Abraço, Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
22/4/2008
20h18min
Este célebre da literatura realmente merece todo nosso apreço. De maneira lúdica e descontraída seus textos levam em consideração situações que a sociedade está passando. São críticas válidas para todas as pessoas pensantes. Gostaria de pode conhecer mais sobre o autor e suas obras.
[Leia outros Comentários de Jose A. Aguiar Gama]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Fazer Amigos e Influenciar Pessoas - Livro de Bolso
Dale Carnegie
Nacional
(2016)



Quero Ver Você Me Obrigar!
Bill Ohanlon
Gente
(2004)



100 Dúvidas de Carreira para Executivos de Finanças
José Cláudio Securato / Luiz Roberto Calado
Saint Paul
(2009)



O Esqueleto Atrás da Porta
Stella Carr
Moderna
(2003)



História Maravilhosa de Masaniello
Rui de Altamira
Arco
(1944)



Perdas e Ganhos
Lya Luft
Record
(2003)



Dúvidas Internas Sobre a Dívida Externa
Homero Higino de Souza
Liney



A Ciência por Dentro
Newton Freire Maia
Vozes
(2000)



Madrugada Suja
Miguel Sousa Tavares
Companhia das Letras
(2013)



El Quinto En Discordia
Robertson Davies
Libros del Asteroide
(2009)





busca | avançada
71995 visitas/dia
2,6 milhões/mês