O medo como tática em disputa eleitoral | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
>>> História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo
>>> Sinatra e Bennett (1988)
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
Mais Recentes
>>> English in Formation 6 de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metodologia de análise gramatical de Ursula Wiesemann, Rinaldo de Mattos pela vozes (1980)
>>> Marketing de Guerrilha de Jay Conrad Levinson e Charles Rubin pela Record (2000)
>>> Pescadores de Corações de Padre Antonio Maria pela Universos dos Livros (2011)
>>> Modelo de Atendimento Terapêutico Com Informática - Modelo Barbosa & D de George Barbosa e Outros pela Vetor (2003)
>>> falencia da critica de leyla perrone moises pela perspectiva (1999)
>>> The Science of Jurassic Park and the Lost World de Rob Desalle & David Lindley pela Harper Perennial
>>> Contabilidade Gerencial - Nova Edição de Ray H Garrison Eric W. Norreen pela Ltc (2001)
>>> Jornalismo investigatigação - O caso Quércia de Sérgio Buarque de Gustão pela Civilização Brasileira (1993)
>>> A Vertigem da Imortalidade de Paulo Schiller pela Companhia das Letras (2000)
>>> Retalhos da Minha Vida de Laurentina Murici de Medeiros pela Do autor (2008)
>>> Tatuagem de Jenifer Lynn Barnes pela Rocco (2005)
>>> Contabilidade Financeira de Stickney & Weil pela Atlas (2001)
>>> Viver vale a pena de Lucília Junqueira de almeida Prado pela Moderna (1988)
>>> Direito e Justiça de Victor Avarbach pela Pini (1991)
>>> Revolução Em Tempo Real de William G Mcgowan pela Campus (1991)
>>> Sortes de Villamor de Nilma Lacerda pela Scipione (2010)
>>> Inventario de Desimportâncias de Grupo escritores pela Obaduque (2013)
>>> Livros de Christiane Zschirnt pela Globo (2006)
>>> A Cerimônia do Chá de Paulo Coelho pela Caras
>>> Semântica - Série Princípios de Roldofo Ilari e João Wanderley Geraldi pela Atica
>>> Kings Ransom de Ed Mcbain pela Oxford Bookworms
>>> Procura-se na Mansao Banks de Rafael Malagutti pela Sinergia (2012)
>>> Quando é Inverno em nosso coração de Américo Simões pela Barbara (2012)
>>> Indentidades Trocadas de Lisa Scottoline pela Abdr (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/10/2014
O medo como tática em disputa eleitoral
Humberto Pereira da Silva

+ de 13500 Acessos

1
Em 1651 o filósofo inglês Thomas Hobbes publicou o Leviatã. O livro, que se tornou referência obrigatória no contexto de legitimação do Estado Absolutista na Europa, gerou e gera infindas discussões. Seu autor defende a ideia de um estado forte, com o poder centralizado na figura do monarca.

Mas o Estado forte defendido por Hobbes resultaria da concordância dos súditos. Expostos a toda sorte de violência, numa eterna luta de todos contra todos, eles se submeteriam por meio de um contrato a um único homem, que garantiria a segurança de todos.

A ideia básica que permeia o pensamento de Hobbes é o medo. Este seria resultado da situação em que cada homem é um lobo para o outro. Isso, por sua vez, colocaria todos diante de situação de violência sem fim: uma guerra de todos contra todos.

Em certo aspecto é descabido pensar a política hoje, especificamente no Brasil, a partir do estigma do medo, concentrando o poder de decisão numa pessoa, que teria o dever de garantir a segurança coletiva. Claro, em certo aspecto, pois a atemorização não deixa de ser um elemento pregnante em nossa política, mesmo que o contexto no qual vivemos seja tão distinto do que Hobbes viveu.

Ora, se Hobbes hoje não seria exatamente um nome a ser evocado quando tratamos de política, não convém tampouco que um dos temas capitais de seu pensamento, o medo, seja subestimado. Tanto a fim de que ponderemos sobre o que está em jogo numa disputa eleitoral, como, com a eleição presidencial deste ano, para realçarmos que um grande pensador nunca perde a atualidade. Daí, em grande parte, a força de seu pensamento.

2
Uma das discussões mais frequentes da disputa eleitoral deste ano é a de que o partido que está no poder nos últimos doze anos, o PT, faz uso de procedimentos de atemorização para mantê-lo. Para a oposição, a candidata à reeleição pelo partido, Dilma Rousseff, faz propaganda pautada pelo medo, ao acusar seus concorrentes de colocar em risco conquistas sociais de seu governo, como o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida etc.

Os beneficiários destes programas, intimidados, votariam com a pressão de eventual perda. A ameaça de perda de benefícios, de que uma vitória da oposição traria insegurança, tem sido uma constante em praticamente todos os debates eleitorais.

No contexto de disputa eleitoral, o PT e Dilma Rousseff são acusados de fazer uma campanha suja, renhida, sórdida, que ao fim e ao cabo, usaria dos meios mais espúrios para vencer a eleição. Em tom de exagero, há quem afirme ser esta a eleição de nível mais baixo que já houve no país.

Bem entendido, a temperatura de uma eleição desperta paixões. Muita coisa é dita sem o devido cuidado, sem as devidas considerações que permitem entender o porquê de uma disputa que joga com interesses e matizes ideológicos conflitantes.

A esse respeito, não se pode esquecer uma dado importante, quando se fala do agitado clima político atual: as manifestações de junho do ano passado anteciparam o clima de animosidade que contamina o sentimento de necessidade de mudança pelas urnas.

3
As manifestações do ano passado, que expressaram a insatisfação com a forma de condução da política, dão a senha para se considerar as razões de uma disputa pautada pelo medo. Mas, convenhamos, nisso nada de novo em nossa política. O medo incutido pelo PT, hoje, não difere do de 1989, na eleição vencida por Fernando Collor. Assim como não difere do das eleições presidenciais que ocorreram entre 1945 e 1960.

Sem estas lembranças históricas, as discussões se confinam ao mero clima de exaltação de paixões. Agora, a questão é: o medo, a intimidação de eleitores, é um elemento a ser simplesmente ignorado numa disputa eleitoral no Brasil?

Sim, ele não é um ingrediente necessário. Ou não deveria sê-lo, se pensarmos numa sociedade coesa, sem as disparidades sociais da brasileira, num momento em que mudar, para muitos, é uma situação de risco.

O tema do medo traz à baila a relação delicada entre ética e política. Não conviria, convenhamos, como tática a ser empregada numa eleição, digamos, limpa. Acontece que a política, o poder, não é exatamente um exercício entre crianças bem educadas. Basta olharmos nossa própria história. Com exceção em certa medida ao período que teve início com a eleição de Fernando Henrique Cardoso, em 1994, que se deu num clima de razoável normalidade, as eleições no Brasil foram invariavelmente tensas, violentas, por baixo do verniz de nossa cordialidade.

Isso em grande parte porque os contrastes sociais no Brasil são maiores do que conviria a um papel do bom mocismo. Para o bem ou para o mal, o que acontece nesta eleição reflete como quem está no poder, com um projeto político definido programaticamente por trás, faz de tudo para mantê-lo.

Em 2002 o PT alçou ao poder com seu projeto de país bem definido na "Carta ao povo brasileiro". E nesta eleição, que coloca em risco esse projeto, não mede esforços e joga com o medo. Mas, alguém imagina que seria diferente se não fosse o PT? Assim, a era Vargas durou quinze anos e a dos militares vinte e um. O medo, então, é tão somente um ingrediente num jogo em que desconsiderá-lo tem seu preço.

Ao adotar a tática do medo, Dilma Rousseff tem consciência de que se assim não o fizer não sairá vencedora da eleição. Sim, Lula venceu José Serra em 2002 com o slogan "Lulinha paz e amor". Sim, uma das maiores fraquezas políticas de FHC foi não ter controle do PSDB e assim emplacado um sucessor com seu aval.

Ainda, Serra é o mesmo que dias atrás disse que o "PSDB não quer colocar fogo no Brasil...". Mas em evidente contraste com essa postura de Serra, Dilma, que na abertura da Copa do Mundo foi hostilizada por segmentos da elite paulistana fiéis ao PSDB, respondeu: "eu perdoo, mas não esqueço...".

Disputa eleitoral é uma arena. Se se quiser de outro modo: nas palavras de Carl von Clausewitz, "a guerra é uma extensão da política por outros meios..."

4
Só um esclarecimento talvez oportuno: tática é qualquer elemento componente de uma estratégia; assim, enquanto estratégia busca uma visão "macro", de conjunto, portanto, tática ocupa-se de visão "micro", e assim sendo particular em relação ao todo. O medo, nesse sentido, é tão somente uma tática de campanha eleitoral.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 8/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Epitáfio do que não partiu de Luís Fernando Amâncio
02. Eu, o insular Napumoceno de Renato Alessandro dos Santos
03. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
04. O retalho, de Philippe Lançon de Wellington Machado
05. Maradona, a série de Julio Daio Borges


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O caso Luis Suárez - 16/7/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Brasil: Território e Sociedade no Inicio do Século XXI
Milton Santos e Maria Laura Silveira
Record
(2001)



Lamenin
Pólo Noel Atan
Ação Mental Interplanetária
(1999)



Amores Infernais
Melissa Marr e Outros
Galera
(2011)



Bruce
Peter Ames Carlin; Paulo Roberto Maciel Santos
Nossa Cultura
(2013)



Ágape
Padre Marcelo Rossi
Globo
(2010)



O Que é Energia Nuclear
José Goldemberg
Brasiliense
(1981)



Você Pode Enteder a Bíblia !
Watch Towe Bible and Tract Society
Watch Towe Bible and Tract Soc
(2016)



Curso de Direito Administrativo
Aloísio Zimmer Júnior
Metodo
(2009)



Desastre na Mata
Pedro Bandeira
Melhoramentos
(2003)



The French art of tea
Mariage Frères
Mariage Frères
(2002)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês