O medo como tática em disputa eleitoral | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/10/2014
O medo como tática em disputa eleitoral
Humberto Pereira da Silva

+ de 11600 Acessos

1
Em 1651 o filósofo inglês Thomas Hobbes publicou o Leviatã. O livro, que se tornou referência obrigatória no contexto de legitimação do Estado Absolutista na Europa, gerou e gera infindas discussões. Seu autor defende a ideia de um estado forte, com o poder centralizado na figura do monarca.

Mas o Estado forte defendido por Hobbes resultaria da concordância dos súditos. Expostos a toda sorte de violência, numa eterna luta de todos contra todos, eles se submeteriam por meio de um contrato a um único homem, que garantiria a segurança de todos.

A ideia básica que permeia o pensamento de Hobbes é o medo. Este seria resultado da situação em que cada homem é um lobo para o outro. Isso, por sua vez, colocaria todos diante de situação de violência sem fim: uma guerra de todos contra todos.

Em certo aspecto é descabido pensar a política hoje, especificamente no Brasil, a partir do estigma do medo, concentrando o poder de decisão numa pessoa, que teria o dever de garantir a segurança coletiva. Claro, em certo aspecto, pois a atemorização não deixa de ser um elemento pregnante em nossa política, mesmo que o contexto no qual vivemos seja tão distinto do que Hobbes viveu.

Ora, se Hobbes hoje não seria exatamente um nome a ser evocado quando tratamos de política, não convém tampouco que um dos temas capitais de seu pensamento, o medo, seja subestimado. Tanto a fim de que ponderemos sobre o que está em jogo numa disputa eleitoral, como, com a eleição presidencial deste ano, para realçarmos que um grande pensador nunca perde a atualidade. Daí, em grande parte, a força de seu pensamento.

2
Uma das discussões mais frequentes da disputa eleitoral deste ano é a de que o partido que está no poder nos últimos doze anos, o PT, faz uso de procedimentos de atemorização para mantê-lo. Para a oposição, a candidata à reeleição pelo partido, Dilma Rousseff, faz propaganda pautada pelo medo, ao acusar seus concorrentes de colocar em risco conquistas sociais de seu governo, como o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida etc.

Os beneficiários destes programas, intimidados, votariam com a pressão de eventual perda. A ameaça de perda de benefícios, de que uma vitória da oposição traria insegurança, tem sido uma constante em praticamente todos os debates eleitorais.

No contexto de disputa eleitoral, o PT e Dilma Rousseff são acusados de fazer uma campanha suja, renhida, sórdida, que ao fim e ao cabo, usaria dos meios mais espúrios para vencer a eleição. Em tom de exagero, há quem afirme ser esta a eleição de nível mais baixo que já houve no país.

Bem entendido, a temperatura de uma eleição desperta paixões. Muita coisa é dita sem o devido cuidado, sem as devidas considerações que permitem entender o porquê de uma disputa que joga com interesses e matizes ideológicos conflitantes.

A esse respeito, não se pode esquecer uma dado importante, quando se fala do agitado clima político atual: as manifestações de junho do ano passado anteciparam o clima de animosidade que contamina o sentimento de necessidade de mudança pelas urnas.

3
As manifestações do ano passado, que expressaram a insatisfação com a forma de condução da política, dão a senha para se considerar as razões de uma disputa pautada pelo medo. Mas, convenhamos, nisso nada de novo em nossa política. O medo incutido pelo PT, hoje, não difere do de 1989, na eleição vencida por Fernando Collor. Assim como não difere do das eleições presidenciais que ocorreram entre 1945 e 1960.

Sem estas lembranças históricas, as discussões se confinam ao mero clima de exaltação de paixões. Agora, a questão é: o medo, a intimidação de eleitores, é um elemento a ser simplesmente ignorado numa disputa eleitoral no Brasil?

Sim, ele não é um ingrediente necessário. Ou não deveria sê-lo, se pensarmos numa sociedade coesa, sem as disparidades sociais da brasileira, num momento em que mudar, para muitos, é uma situação de risco.

O tema do medo traz à baila a relação delicada entre ética e política. Não conviria, convenhamos, como tática a ser empregada numa eleição, digamos, limpa. Acontece que a política, o poder, não é exatamente um exercício entre crianças bem educadas. Basta olharmos nossa própria história. Com exceção em certa medida ao período que teve início com a eleição de Fernando Henrique Cardoso, em 1994, que se deu num clima de razoável normalidade, as eleições no Brasil foram invariavelmente tensas, violentas, por baixo do verniz de nossa cordialidade.

Isso em grande parte porque os contrastes sociais no Brasil são maiores do que conviria a um papel do bom mocismo. Para o bem ou para o mal, o que acontece nesta eleição reflete como quem está no poder, com um projeto político definido programaticamente por trás, faz de tudo para mantê-lo.

Em 2002 o PT alçou ao poder com seu projeto de país bem definido na "Carta ao povo brasileiro". E nesta eleição, que coloca em risco esse projeto, não mede esforços e joga com o medo. Mas, alguém imagina que seria diferente se não fosse o PT? Assim, a era Vargas durou quinze anos e a dos militares vinte e um. O medo, então, é tão somente um ingrediente num jogo em que desconsiderá-lo tem seu preço.

Ao adotar a tática do medo, Dilma Rousseff tem consciência de que se assim não o fizer não sairá vencedora da eleição. Sim, Lula venceu José Serra em 2002 com o slogan "Lulinha paz e amor". Sim, uma das maiores fraquezas políticas de FHC foi não ter controle do PSDB e assim emplacado um sucessor com seu aval.

Ainda, Serra é o mesmo que dias atrás disse que o "PSDB não quer colocar fogo no Brasil...". Mas em evidente contraste com essa postura de Serra, Dilma, que na abertura da Copa do Mundo foi hostilizada por segmentos da elite paulistana fiéis ao PSDB, respondeu: "eu perdoo, mas não esqueço...".

Disputa eleitoral é uma arena. Se se quiser de outro modo: nas palavras de Carl von Clausewitz, "a guerra é uma extensão da política por outros meios..."

4
Só um esclarecimento talvez oportuno: tática é qualquer elemento componente de uma estratégia; assim, enquanto estratégia busca uma visão "macro", de conjunto, portanto, tática ocupa-se de visão "micro", e assim sendo particular em relação ao todo. O medo, nesse sentido, é tão somente uma tática de campanha eleitoral.


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 8/10/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caetano, sem meio termo de Humberto Pereira da Silva


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




WONDER WOMAN - AVENTURAS DA SUPER-HEROÍNA - BOX COM 6 MINILIVROS
EQUIPE CIRANDA
CIRANDA
(2019)
R$ 32,00



O POBRE HOMEM RICO - 3ª EDIÇÃO
IRWIN SHAW
RECORD
(1970)
R$ 7,00



TRATADO DE BIORRADIESTESIA
PROF. F. PALHOTO
ANTONIO WALTER PORPILIO
(1967)
R$ 50,00



CASSANDRA
CHRISTA WOLF
ESTACAO LIBERDADE
R$ 40,50



À CAÇA DE HARRY WINSTON - 8661
LAUREN WEISBERGER
RECORD
(2009)
R$ 18,00



RONALDO SERGIO DE BIASI (TRAD. E COORD.)
CIRCUITOS A VÁLVULA E TRANSISTORIZADOS: VOLUME 3
RECORD
(1968)
R$ 6,00



...LONGE DA TERRA - 4ª EDIÇÃO
JOSÉ MAURO DE VASCONCELOS
MELHORAMENTOS
(1969)
R$ 7,00



LEITURA: COERÊNCIA E CONHECIMENTO PRÉVIO
EUNICE TREVISAN
UFSM
(1922)
R$ 20,00



FREI GALVÃO, BANDEIRANTE DE CRISTO: VIDA DO BEATO
MARISTELA ( 3ª EDIÇÃO)
VOZES
(1998)
R$ 32,00



O VIGARISTA: SEUS TRUQUES
HERMAN MELVILLE
ED. 34
(1992)
R$ 44,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês