Jackie O., editora | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Festa da Itália em BH
>>> Comentaristas de Seriados
>>> O NAVEGANTE DO TEMPO
>>> Meu amigo Paulo Francis
>>> Grandes Entrevistas do Milênio
>>> 15 de Novembro #digestivo10anos
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
Mais Recentes
>>> Shakti Número 2 - Maio de 1992 de Sri Aurobindo e Outros pela Sociedade Sri Aurobindo Brasil
>>> Hansel and Gretel and the Other Stories By the Brothers Grimm de Brothers Grimm pela Omega (1985)
>>> Momentos de Reflexão ( Com Afirmações de Louise L. Hay) de John Columbus Taylor pela Best Seller
>>> Gonçalves Crespo Poesia de Rolando Morel Pinto pela Agir (1967)
>>> Poemas da Juventude de João Cirino dos Santos pela Do Autor
>>> Gradig-gorm de Martina Selway pela Sesam (1990)
>>> Gossip Girl - Because Im Worth It de Cecily Von Ziegesar pela Bloomsbury
>>> Geomorfologia de Antonio Christofoleti pela Usp (1974)
>>> Das Stranggiessen Von Stahl Von - Stahleisen-schriften de Jobst Thomas Wasmuht pela Stahleisen (1975)
>>> The Knot Little Books of Big Wedding Ideas de Carley Roney pela Potter Style (2014)
>>> Taxi Driver Wisdom de Risa Mickenberg pela Chronicle Books (1996)
>>> O Moderno Conto Brasileiro - Antologia Escolar de Vários Autores pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Drogas, Eu Venci! de Fredson Miranda pela Livre Expressão (2011)
>>> Vi Elsker Mere de Christian Kampmann pela Gyldendals Traneboger (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela Qualitymark (2005)
>>> Unison: a Rede Social do Futuro de Andy Marino pela Jangada (2012)
>>> Caderno Seminal Nº 10 Ano 2001 de Darcilia Simões pela Digraf
>>> Erva Daninha 1 de Agnes Laury pela Edições Paulinas (1986)
>>> O Código Atlântico de Leonardo da Vinci de N/d pela Anubis
>>> Paisagismo e Jardinagem Edição 116 de N/d pela Casa Dois (2012)
>>> Princípios do Evangelho de Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias pela N/d
>>> O Noviço de Martins Pena pela Ediouro (2000)
>>> Solo de Clarineta - Memórias Primeiro Volume de Érico Veríssimo pela Globo (1973)
>>> Rich - the Life of Richard Burton de Melvyn Bragg pela Coronet (1988)
>>> Outras Palavras para o Amor de Lorraine Zago Rosenthal pela Galera Record (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 20/3/2014
Jackie O., editora
Eugenia Zerbini

+ de 6000 Acessos



Deus fez os escritores e, o Diabo, os editores. De um ano para cá, quem sabe por estar em busca de um editor para meu livro de contos, esse tem sido meu adágio predileto. Confesso que de minha autoria, inspirado, contudo, em outro sobre carne e cozinheiros: "Deus fez a carne e, o Diabo, os cozinheiros". Este me chegou por uma coluna assinada há décadas pela sábia Nina Horta. Esta se dirigia àqueles cujo fogo não respeita os tempos certos dos filés e assados.

Entretanto, nesse círculo mefistofélico - o dos editores - destacou-se uma mulher especialíssima, pouco conhecida pelo exercício dessa diabólica profissão. E sobre ela e seus dezenove anos de vida editorial é que discorre Greg Lawrence em Jackie editora - a vida literária de Jacqueline Kennedy Onassis (Record, 2014, 432 ps.). Em ângulo pouco enfocado por seus biógrafos, Jacqueline Lee "Jackie" Bouvier Kennedy Onassis (1929- 1994), reinventou-se aos 46 anos. Passou de viúva de dois dos homens mais poderosos do século XX - o mitológico ex-presidente Jack Kennedy e do multimilionário armador Aristóteles Onassis - à competente profissional.

O próprio autor teve três de seus livros editados por JOB (as iniciais adotadas por Jackie no início de sua vida corporativa na Vicking Press, insistindo no Bouvier de solteira). Para escrever o livro, amparou-se, além da própria experiência, em informações obtidas por intermédio de 125 entrevistas, de colaboradores de Jackie e de notáveis da indústria editorial. O resultado, além de palmilhar a trajetória profissional bem sucedida dessa notável mulher, é descrever o ambiente editorial norte-americano dos anos 1970 a 1990. Ou seja, antes da expansão dos processos de editoração eletrônica, da obsessão pelos ganhos do mercado, mas concomitante à formação dos grandes conglomerados.

Jacqueline nasceu, como os ingleses dizem, "com uma colher de prata na boca" (a silver spoon in her mouth), tendo recebido uma educação à altura. Como hobby, equitação. Como paixão, balé e a leitura. E, da mesma forma que acontece com a maioria dos entusiasmados leitores, um desejo oculto: "Sempre quis ser algum tipo de escritora... Como muita gente, sonhava em escrever o grande romance norte-americano", segredava ela nos tempos de faculdade, "naquela maldita Vassar" (curso superior exclusivamente feminino até 1969), até aparecer a oportunidade de cursar um ano em Paris, na Sorbonne. Terminou a carreira acadêmica com um diploma em literatura francesa na George Washington University, em Washington, em 1951.

No primeiro semestre de 1975, viúva pela segunda vez e milionária (o acordo fechado com Christina Onassis, única herdeira de Onassis, garantia-lhe 26 milhões de dólares), essa "feminista dentro do armário", nas palavras de Betty Fridman, notória defensora da causa das mulheres, Jackie deu início à busca de um lugar nas editoras novaiorquinas. Marcou um almoço com Jason Epstein (1928- ), ex-diretor editorial da Random House. Diante do inusitado pedido de emprego, Epstein explicou à Sra. Kennedy Onassis que havia uma liturgia a ser seguida para tornar-se editor da casa. Esses cargos eram reservados para os editores assistentes, treinados internamente. Para o cargo de editor assistente havia filas, dessa forma, admiti-la assim, de repente, seria um embaraço para todos.

Determinada, Jackie tentou a Vicking Press, então editora familiar dos Guinzburg, sob o comando de Tom, filho do fundador. Tom acomodou a situação propondo-lhe o cargo de editora consultiva. Não ficaria na linha de frente, sofrendo com a competição dos outros editores. Sua função seria a aquisição dos direitos dos livros e, ao passo que fosse familiarizando-se com as práticas editoriais, sua posição seria revista. No final do verão daquele ano, Jackie tinha conquistado seu primeiro emprego remunerado, desde 1953, quando trabalhara como repórter fotográfica do Washington Times-Herald.

Seu envolvimento com o trabalho surpreendeu a todos. Interessada, valia-se de seu carisma e pedia conselhos a todos, escutando atentamente os profissionais de todas as áreas da editora. Sendo um verdadeiro "Abra-te Sésamo" - não havia quem negasse a atender um chamado telefônico ou um convite de Jacqueline Kennedy Onassis -, logo nos primeiros dias de Vicking, essa aspirante a editora foi envolvida na preparação do livro Remember the ladies: Women in America 1750-1815. O projeto (atraído à Viking pela ilustre recém-contratada) tinha seu viés político, uma vez que não apenas seria publicado no quadro das comemorações do bicentenário da independência norte-americana, mas também no auge das discussões sobre os direitos civis e das mulheres. Incluiria imagens e textos tanto sobre a colonizadora branca como sobre índias locais e escravas negras. Essa concepção abrangente, nova na época, entusiasmou Jackie que se empenhou de corpo e alma no projeto. O livro, editorado em nove meses, foi publicado com sucesso, em 1976. Acompanhou uma exposição de mesmo nome, que viajou através dos Estados Unidos por dois anos. Esse foi o début triunfante de Jackie no ramo.

Para Jacqueline, ser editora era fazer livros que despertassem a curiosidade do público para assuntos, enredos e lugares nunca antes imaginados. Livros que de alguma forma transformassem o leitor. Todos os depoimentos, de chefes, colegas e subordinados, reconhecem-na como uma profissional incansável, de olhar acurado e bom gosto, fácil de conviver. Era uma mulher incrivelmente atraente e naturalmente chique. Por incrível que pareça, discreta: "Uma das coisas que me agradam no trabalho editorial é que o editor não é promovido - o objetivo é promover o livro e o autor", afirmou mais de uma vez. Boa ouvinte, durante suas viagens e eventos sociais costumava perguntar o que os outros estavam lendo e em que tipo de assunto se interessavam, esperando que da resposta surgisse ideia para novos projetos. Com o mesmo objetivo, pesquisava com frequência a Biblioteca Pública de Nova York, onde, mais de uma vez, encontrou material para seus livros. Preferia livros com textos longos e muitas ilustrações. Mas essa preferência não foi obstáculo para que editasse livros apenas textuais, como foi o caso, dos três livros que compõe a Trilogia do Cairo, do egípcio Naguib Mahfuz (1911-2006), prêmio Nobel em 1988. Sem mencionar o best-seller Dançando em meu túmulo (Rio Fundo, 1991), de Gelsey Kirkland (1952 - ), prima ballerina do New York City Ballet e do American Ballet Theatre. Por sinal, o livro, uma confissão de Kirkland de seus problemas alimentares (bulemia e anorexia), mesclados à sua dependência à anfetamina e outras drogas, foi escrito por insistência de Jackie. Paralelamente ao sucesso de vendas, foi uma das etapas do processo de resgate da dançarina, que retornou à vida artística.

Após dois anos de Vicking Press - não mais uma empresa familiar, já que adquirida pelo conglomerado britânico Pearson (leia-se Penguin) Longman Ltd -, Jackie apresentou sua demissão. O fato deveu-se à publicação pela Vicking do romance Vamos contar ao presidente (Record, 1977), do escritor de hits literários e político inglês, Jeffrey Archer (1940-), sobre o hipotético assassinato de Ted Kennedy, no cargo de presidente dos Estados Unidos. Em outubro de 1977, o New York Times anunciava zombeteiramente que Jackie O. estava desempregada. A ironia duraria pouco porque, no inicio do ano seguinte, foi anunciada sua contratação, como editora associada, pela Doubleday.

A mudança foi sua prova de fogo. A Viking contava com 200 empregados, um terço dos da Doubleday. Esta, ainda por cima, era conhecida como "clube de meninos", em que mulheres não tinham acesso à chefia. Na época, a Doubleday editava livros mais comerciais, em papel de qualidade inferior ao da Vicking. Por essas e outras, se duvidava se Jackie, com seus projetos sofisticados, iria sentir-se à vontade na nova casa. Engano. Em seu novo emprego, Jackie deu a idéia de uma autobiografia do cantor Michael Jackson, noticiada pela Doubleday, em janeiro de 1984. Para atraí-lo ao projeto, a editora valeu-se da promessa de que a própria Jackie escreveria a apresentação. Com trocas de ghost-writers pelo caminho, aos trancos e barrancos e completamente diferente do projeto inicial, Moonwalk foi publicado quatro anos depois. Apesar de tudo, superou as perspectivas de vendagem. O sucesso de Jackie ascendia, enquanto que a situação da Doubleday declinava. A editora foi adquirida pela alemã Bertelsmann.

A essa altura, entretanto, Jackie era uma profissional madura, dominando "o lado sombrio" da edição de livros tanto quanto qualquer outro da profissão. Em 1987, deu início a uma parceria com Bill Moyers(1934- ), seu conhecido dos tempos de primeira-dama, em Washington. O primeiro livro, publicado no ano seguinte, O poder do mito(Palas Athena), de Joseph Campbell (1904-1987), vendeu milhões de exemplares. Seu lançamento foi concomitante à apresentação, na TV, de uma série de entrevistas feitas por Moyers com o autor. Embora oficialmente a edição de O poder do mito seja assinada por uma erudita assessora de Moyers, ela reconheceu o papel definitivo de Jackie em sua publicação.

Quando Jackie faleceu, vítima de um câncer linfático, em 1994, ostentava o título de assistente sênior da Doubleday, em carreira construída por talento e esforço próprios. Sempre haverá as observações maldosas de seus críticos - como foi o caso de Truman Capote (1924-1984), com quem Jackie se desentendeu depois da publicação, em 1975, de conto "La Côte Basque, 1965" na revista Esquire (esse conto iria se tornar um dos capítulos do romance que Capote legou inacabado, Súplicas Atendidas, LPM, 2009) . Para o autor do clássico A sangue frio ela se assemelhava a uma boa atriz que durante a vida desempenhou o papel de Sra. Kennedy. Sua atuação profissional e a centena de depoimentos reunidos em Jackie Editora desmentem esse ponto de vista. Um livro que dá gosto de ler.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 20/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gênio: apontamentos ensaísticos de Jardel Dias Cavalcanti
02. Minha Estante de Juliano Maesano
03. A múmia de seios intumescidos de Adriana Baggio
04. Quatro vampiros na TV de Félix Maier
05. Lá vamos nós outra vez... de Rafael Lima


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Jackie O., editora - 20/3/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escritos Revolucionarios -Ciencias Politicas
Errico Malatesta
Novos Tempos
(1989)



The Case For Easter: a Journalist Investigates the Evidence
Lee Strobel
Zondervan
(2014)



Uma introdução ao Pert
Federal Eletronic Corporation
Pioneira
(1968)



Brida
Paulo Coelho
Klick
(1990)



Paulo, o Montanhês
Arnaldo Gama
Imprensa Nacional
(1981)



Tráfico de Anjos
Luiz Puntel
Ática
(1992)



Champanhe - edição de bolso
Adriano Aragão
Lge
(2007)



Cinco Dias de Sagração
Cunha de Leiradella
Record
(1993)



A Casa Torta
Agatha Christie
Círculo do Livro



Meu corpo minha casa
Planeta
Planeta
(2021)





busca | avançada
48579 visitas/dia
2,2 milhões/mês