A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2019
A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2700 Acessos



O poeta André Luiz Pinto acaba de publicar seu nono livro de poesias, Migalha, pela editora 7Letras. O livro mistura poesia e pequenas peças que poderíamos chamar de prosa.

É um livro em que os poemas são atravessados por uma mistura de melancolia, descontentamento, raiva, descrença e alguma ira - desde a escolha do título, e o poema que dá corpo ao título, Migalha, até poemas que parecem incorporar uma “autobiografia social”, como “Prazer, esse sou eu...” – o livro é uma bota de chumbo que pesa em descontentamento e perde, de certa forma, em lirismo.

São poemas fortes, cujo tom é facilmente verificável numa leitura em voz alta. Há vestígios claros de cobrança ou autocobrança social, como no poema “Ironia, sem dúvida”. Como há também afetos desarranjados movendo versos aqui e ali, fruto de relações amorosas ou familiares, que marcam o poeta em sua memória ou no tempo presente de suas relações. Há uma descrença no presente e no futuro - e não deixa de ser clara, direta, sem preocupação estilística sua prosa: “Resta a escuridão, hora em que a gente acorda e não tem mais nada. É mais ou menos assim que me sinto. Não preciso mais de metáforas. Poderia inventar até algumas agora, mas chega”.

Pode um contexto sócio-político (e, também, existencial) distorcer o desenvolvimento de uma literatura? É o que nos perguntamos ao longo do livro. Sentimos que o poeta está preso a um contexto social tão determinante, e que sua poesia não teme insinuá-lo ao leitor ao longo do livro, mesmo que não o deixe absolutamente exposto, que sentimos um certo prejuízo estético nessa equação. Esse contexto funciona como um chão esburacado que não o deixa andar em linha reta. Isso torna esse livro diferente dos outros (onde o lírico supera o social), com exceção, talvez, de Mas Valia, que se aproxima desse e onde o chão começou a ficar pedregoso e o nervo começou a ficar exposto.

No posfácio do livro, Tarso de Melo, vê positividade em tudo isso: “uma sabotagem, um prazer em decepcionar, uma forma abrupta de expulsar o leitor do poema”. Essa “indisposição”, que Tarso vê como marca da poesia de André, pode estar relacionada a uma descrença do escritor na função antisocial do poeta e da própria poesia enquanto arte maior. Essa descrença é uma espécie de inversão, pois ao acreditar que a POESIA não redime e por isso deve se degenerar em sua integridade (integrando-se aos discursos da verdade, do social), o poeta se esquece que a não redenção é o seu valor máximo. A arte só sobrevive quando verdadeiramente se nega ao mundo, quando não se adequa aos discursos de salvação, ajustamento, enquadramento. Ela deve ser, sim, o objeto perigoso que não se presta à utopia da República (de onde Platão a expulsou). Por isso, a marginalidade da poesia é muito superior à marginalidade das outras artes.

O diálogo com o mundo na poesia e na prosa de Migalha não deveria curvar-se ao não sentido dado pelo mundo, revelando-o tão diretamente. É forte a presença de afirmações como a seguinte: “tudo isso que é o mundo... segue sem dar motivos às nossas vidas”. Um destempero que na poesia seria resolvido na afirmação da própria poesia, que se satisfaz em ser poesia, pouco importa a qualidade do mundo.

A poesia deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação universal. Nesse sentido, reconciliar-se com a linguagem, é o que dará uma nova clave para André Luiz, um retorno ao que há de melhor em sua poesia inicial.

O caráter autônomo da poesia, sua constituição por leis internas próprias (que não tem nada a ver com formalismo purista), é o oposto da coisificação da linguagem. Como afirmava Adorno, a relação do “eu” com a sociedade é tanto mais perfeita, quanto menos tematizada no poema; o não social do poema acaba sendo o seu social: isso porque a linguagem lírica é uma contraposição à linguagem comunicativa. O mais importante do poema é aquilo que ele se nega a continuar dizendo.

Há versos de Migalha em que André Luiz alcança os momentos luminosos da grande poesia, sem precisar nomear o desastre: “Estou no mar/ O céu é de um turquesa inesquecível/ Sem brisa/ Sem chance alguma.” Eles pipocam aqui e ali, mas são, por vezes, cortados em seu lirismo pela navalha da realidade imediata que os outros versos indicam.

Outro poema em que podemos exemplificar esse poeta maior (da linhagem de um Georg Trakl, Paul Celan ou Stefan George), é Picada, que reproduzo à seguir:



PICADA

Foi numa noite

estranha...

Eu não conseguia parar

A coberta, por cima do corpo, fazia

do meu corpo uma montanha

E o braço, caído para fora,

da cama, fazia do velho braço um rio...

Mesmo assim sai à noite

Havia tantos ao redor. Gritei, sem ser ouvido.



UM RUÍDO AQUI

O poeta Charles Baudelaire teve que se ater com a literatura de cunho social quando escreveu um ensaio sobre Victor Hugo, pensando principalmente no lugar que uma obra como Os Miseráveis ocuparia na literatura de sua época. Para Baudelaire, enquanto existir danação social, ignorância e miséria, “livros da natureza deste aqui poderão não ser inúteis”. É o momento, segundo o autor de As Flores do Mal, em que “o poeta apodera-se da atenção pública e a curva para os abismos prodigiosos da miséria social”.

No entanto, esse tipo de literatura despertava nele a seguinte interrogação: “saber se a obra de arte deve ter outro objetivo além da arte, se a arte não deve exprimir adoração senão para si mesma, ou se um objetivo, mais nobre ou menos nobre, inferior ou superior, pode lhe ser imposto”.

O debate sobre a função social da arte não é nova, como sabemos, e aparece também em O Vermelho e o Negro, de Stendhal, na seguinte formulação: “A política é uma pedra amarrada ao pescoço da literatura e que em menos de seis meses a submerge. A política no meio dos interesses da imaginação é como um tiro no meio de um concerto. É um ruído que é cruel sem ser enérgico. Não harmoniza com o som de nenhum instrumento. Essa política irá ofender mortalmente metade dos leitores, e aborrecer a outra, que a viu de uma forma muito mais interessante e enérgica nos jornais da manhã”.

Dentro dessa problemática, Baudelaire defende Victor Hugo: “Não é útil, acaso, que, de tempos em tempos, o poeta pegue um pouco a Felicidade egoísta pelos cabelos e lhe diga, esfregando-lhe o focinho no sangue e na imundície: ´vê tua obra e bebe tua obra`?

Parafraseando Théophile Gautier, vamos traduzir a frase acima dessa maneira: “de nossa boca de poetas comumente saem diamantes, rubis e pérolas; gostaríamos, no entanto, de vez em quando, de vomitar um sapo, uma cobra e um camundongo, mesmo que fosse só para variar”.

No século XX o debate arte/sociedade correu páginas entre Walter Benjamim, Adorno e Luckács. Para Adorno, o social aparece de modo tão mais manifesto nas obras, quanto menos representada nela estiver. Benjamin, no Ensaio sobre Brecht, vai na mesma direção: “a obra só pode ser politicamente certa, se ela o for literariamente”. O debate é longo, e o espaço aqui não é suficiente para problematizar em profundidade tais ideias. Conclui-se que, dentro dessas questões que infernizaram essa geração, discutindo os prós e os contras do social na arte, ficou o seguinte, num resumo de Benjamin: “Se o escritor revolucionário existe, ele deve ser revolucionário por ser escritor, mostrando ter compreendido, enquanto tal, as razões revolucionárias de se ser literato”.

Sartre, em seu livro O que é literatura, também se ocupou da questão, temendo a “sociologização da arte”: “Se o poeta narra, explica ou ensina, a poesia se torna prosaica; ele perdeu a partida”.



CONCLUÍNDO: MIGALHA INDESPEJÁVEL

Essa “não pretensão à poesia” do livro, como apontou Tarso de Melo, acreditando que mesmo assim sejam poemas “elétricos” – eu diria, irados - leva o poeta a cometer um prosaísmo proposital que busca situá-lo no contexto de uma classe social (essa amplamente anotada por Tarso, a partir de uma longa nota do texto de Alberto Pucheu, que avalia essa geração de poetas como de pessoas que vêm do subúrbio e passam pela universidade – geração Lula), como indica O subúrbio lembra você.

É evidente que as “anotações sociais” na poesia de André Luiz não são diretas, embora, como comenta Ricardo Vieira na orelha do livro, “melhor retrate os dias atuais”, como no poema “Moço tá nervoso” onde uma tensão implícita no ar revela o drama que todos estamos vivendo na expectativa dos tempos obscuros que se aproximam.

O que preocupa o crítico é a prevalência de uma poética voltada para a interpretação social (ou interprenetração do social na poesia). Embora contida (ou represada) ainda por um desejo de poesia que André Luiz não abandona, e que faz de Migalha um livro “indespejável” (Tarso), esse enamoramento com o social aflora aqui e ali podendo tornar-se a poética do escritor. O risco é fazer-se datado, preso a circunstância histórica específica, como aconteceu com a arte engajada do período da ditadura no Brasil, que fez dessas obras mais um panfletário político (digno de respeito, mas faltando-lhes a substância vital da arte), que só é retomada (como documento da história, ufaaa!) a partir das mesmas circunstâncias que as criaram. Claro que o caso de André Luiz está longe do planfletário, pois a tensão entre arte e sociedade se mantém de alguma forma viva na sua poesia.

Não que a poesia não possa desvendar o drama social, revelar o eterno fracasso de uma sociedade ideal, mas deve fazê-lo a partir do extremo. Ou será apenas uma virtualidade desse extremo. Para um poeta, uma vez seguro do fracasso final, da migalha que lhe resta, o que lhe redime é, unicamente, a boa poesia.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/3/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. Nos braços de Tião e de Helena de Renato Alessandro dos Santos
05. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
04. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PASTORES DA NOITE
JORGE AMADO
RECORD
(1983)
R$ 18,00



SONHOS E REALIDADE: PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX, A
NEREIDE SCHILARO SANTA ROSA
PINAKOTHEKE
(2002)
R$ 17,56



COLEÇÃO MODERNA DE ESTUDOS PRIMÁRIOS MATEMÁTICA - 9685
VICENTE KOSIEN
ECLAL
(1969)
R$ 10,00



BIBLIOGRAFIA DE HISTÓRIA DO BRASIL
NÃO DEFINIDO
MINISTÉRIO DE RELAÇÕES EXT.
(1946)
R$ 12,00



À PRIMEIRA VISTA
NICHOLAS SPARKS
ARQUEIRO
(2012)
R$ 10,00



RETRATOS DE UMA ÉPOCA: O ACERVO PICTÓRICO DO HOSPITAL PORTUGUÊS
FRANCIANE LINS
SECRETARIA DE CULTURA SÃO LUÍS
(2005)
R$ 27,28



FILTRO ACTIVO DE POTÊNCIA PARA INTERFACE DA REDE COM CARGAS ELÉCTRICAS
MANUEL JOÃO SEPÚLVEDA MESQUITA DE FREITAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 524,00



DANO MORAL- 4ª EDIÇÃO
CLAYTON REIS
FORENSE (RJ)
(1997)
R$ 9,82



MAINSTREAMING THE ENVIRONMENT: THE WORLD BANK GROUP AND THE
JOCELYN MASON
WORLD BANK
(1995)
R$ 19,28



CONTABILIDADE PARA MBAS - TEXTOS E CASOS
JOSIR SIMEONE GOMES
CAMPUS
(2000)
R$ 6,93





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês