A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2019
A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 1600 Acessos



O poeta André Luiz Pinto acaba de publicar seu nono livro de poesias, Migalha, pela editora 7Letras. O livro mistura poesia e pequenas peças que poderíamos chamar de prosa.

É um livro em que os poemas são atravessados por uma mistura de melancolia, descontentamento, raiva, descrença e alguma ira - desde a escolha do título, e o poema que dá corpo ao título, Migalha, até poemas que parecem incorporar uma “autobiografia social”, como “Prazer, esse sou eu...” – o livro é uma bota de chumbo que pesa em descontentamento e perde, de certa forma, em lirismo.

São poemas fortes, cujo tom é facilmente verificável numa leitura em voz alta. Há vestígios claros de cobrança ou autocobrança social, como no poema “Ironia, sem dúvida”. Como há também afetos desarranjados movendo versos aqui e ali, fruto de relações amorosas ou familiares, que marcam o poeta em sua memória ou no tempo presente de suas relações. Há uma descrença no presente e no futuro - e não deixa de ser clara, direta, sem preocupação estilística sua prosa: “Resta a escuridão, hora em que a gente acorda e não tem mais nada. É mais ou menos assim que me sinto. Não preciso mais de metáforas. Poderia inventar até algumas agora, mas chega”.

Pode um contexto sócio-político (e, também, existencial) distorcer o desenvolvimento de uma literatura? É o que nos perguntamos ao longo do livro. Sentimos que o poeta está preso a um contexto social tão determinante, e que sua poesia não teme insinuá-lo ao leitor ao longo do livro, mesmo que não o deixe absolutamente exposto, que sentimos um certo prejuízo estético nessa equação. Esse contexto funciona como um chão esburacado que não o deixa andar em linha reta. Isso torna esse livro diferente dos outros (onde o lírico supera o social), com exceção, talvez, de Mas Valia, que se aproxima desse e onde o chão começou a ficar pedregoso e o nervo começou a ficar exposto.

No posfácio do livro, Tarso de Melo, vê positividade em tudo isso: “uma sabotagem, um prazer em decepcionar, uma forma abrupta de expulsar o leitor do poema”. Essa “indisposição”, que Tarso vê como marca da poesia de André, pode estar relacionada a uma descrença do escritor na função antisocial do poeta e da própria poesia enquanto arte maior. Essa descrença é uma espécie de inversão, pois ao acreditar que a POESIA não redime e por isso deve se degenerar em sua integridade (integrando-se aos discursos da verdade, do social), o poeta se esquece que a não redenção é o seu valor máximo. A arte só sobrevive quando verdadeiramente se nega ao mundo, quando não se adequa aos discursos de salvação, ajustamento, enquadramento. Ela deve ser, sim, o objeto perigoso que não se presta à utopia da República (de onde Platão a expulsou). Por isso, a marginalidade da poesia é muito superior à marginalidade das outras artes.

O diálogo com o mundo na poesia e na prosa de Migalha não deveria curvar-se ao não sentido dado pelo mundo, revelando-o tão diretamente. É forte a presença de afirmações como a seguinte: “tudo isso que é o mundo... segue sem dar motivos às nossas vidas”. Um destempero que na poesia seria resolvido na afirmação da própria poesia, que se satisfaz em ser poesia, pouco importa a qualidade do mundo.

A poesia deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação universal. Nesse sentido, reconciliar-se com a linguagem, é o que dará uma nova clave para André Luiz, um retorno ao que há de melhor em sua poesia inicial.

O caráter autônomo da poesia, sua constituição por leis internas próprias (que não tem nada a ver com formalismo purista), é o oposto da coisificação da linguagem. Como afirmava Adorno, a relação do “eu” com a sociedade é tanto mais perfeita, quanto menos tematizada no poema; o não social do poema acaba sendo o seu social: isso porque a linguagem lírica é uma contraposição à linguagem comunicativa. O mais importante do poema é aquilo que ele se nega a continuar dizendo.

Há versos de Migalha em que André Luiz alcança os momentos luminosos da grande poesia, sem precisar nomear o desastre: “Estou no mar/ O céu é de um turquesa inesquecível/ Sem brisa/ Sem chance alguma.” Eles pipocam aqui e ali, mas são, por vezes, cortados em seu lirismo pela navalha da realidade imediata que os outros versos indicam.

Outro poema em que podemos exemplificar esse poeta maior (da linhagem de um Georg Trakl, Paul Celan ou Stefan George), é Picada, que reproduzo à seguir:



PICADA

Foi numa noite

estranha...

Eu não conseguia parar

A coberta, por cima do corpo, fazia

do meu corpo uma montanha

E o braço, caído para fora,

da cama, fazia do velho braço um rio...

Mesmo assim sai à noite

Havia tantos ao redor. Gritei, sem ser ouvido.



UM RUÍDO AQUI

O poeta Charles Baudelaire teve que se ater com a literatura de cunho social quando escreveu um ensaio sobre Victor Hugo, pensando principalmente no lugar que uma obra como Os Miseráveis ocuparia na literatura de sua época. Para Baudelaire, enquanto existir danação social, ignorância e miséria, “livros da natureza deste aqui poderão não ser inúteis”. É o momento, segundo o autor de As Flores do Mal, em que “o poeta apodera-se da atenção pública e a curva para os abismos prodigiosos da miséria social”.

No entanto, esse tipo de literatura despertava nele a seguinte interrogação: “saber se a obra de arte deve ter outro objetivo além da arte, se a arte não deve exprimir adoração senão para si mesma, ou se um objetivo, mais nobre ou menos nobre, inferior ou superior, pode lhe ser imposto”.

O debate sobre a função social da arte não é nova, como sabemos, e aparece também em O Vermelho e o Negro, de Stendhal, na seguinte formulação: “A política é uma pedra amarrada ao pescoço da literatura e que em menos de seis meses a submerge. A política no meio dos interesses da imaginação é como um tiro no meio de um concerto. É um ruído que é cruel sem ser enérgico. Não harmoniza com o som de nenhum instrumento. Essa política irá ofender mortalmente metade dos leitores, e aborrecer a outra, que a viu de uma forma muito mais interessante e enérgica nos jornais da manhã”.

Dentro dessa problemática, Baudelaire defende Victor Hugo: “Não é útil, acaso, que, de tempos em tempos, o poeta pegue um pouco a Felicidade egoísta pelos cabelos e lhe diga, esfregando-lhe o focinho no sangue e na imundície: ´vê tua obra e bebe tua obra`?

Parafraseando Théophile Gautier, vamos traduzir a frase acima dessa maneira: “de nossa boca de poetas comumente saem diamantes, rubis e pérolas; gostaríamos, no entanto, de vez em quando, de vomitar um sapo, uma cobra e um camundongo, mesmo que fosse só para variar”.

No século XX o debate arte/sociedade correu páginas entre Walter Benjamim, Adorno e Luckács. Para Adorno, o social aparece de modo tão mais manifesto nas obras, quanto menos representada nela estiver. Benjamin, no Ensaio sobre Brecht, vai na mesma direção: “a obra só pode ser politicamente certa, se ela o for literariamente”. O debate é longo, e o espaço aqui não é suficiente para problematizar em profundidade tais ideias. Conclui-se que, dentro dessas questões que infernizaram essa geração, discutindo os prós e os contras do social na arte, ficou o seguinte, num resumo de Benjamin: “Se o escritor revolucionário existe, ele deve ser revolucionário por ser escritor, mostrando ter compreendido, enquanto tal, as razões revolucionárias de se ser literato”.

Sartre, em seu livro O que é literatura, também se ocupou da questão, temendo a “sociologização da arte”: “Se o poeta narra, explica ou ensina, a poesia se torna prosaica; ele perdeu a partida”.



CONCLUÍNDO: MIGALHA INDESPEJÁVEL

Essa “não pretensão à poesia” do livro, como apontou Tarso de Melo, acreditando que mesmo assim sejam poemas “elétricos” – eu diria, irados - leva o poeta a cometer um prosaísmo proposital que busca situá-lo no contexto de uma classe social (essa amplamente anotada por Tarso, a partir de uma longa nota do texto de Alberto Pucheu, que avalia essa geração de poetas como de pessoas que vêm do subúrbio e passam pela universidade – geração Lula), como indica O subúrbio lembra você.

É evidente que as “anotações sociais” na poesia de André Luiz não são diretas, embora, como comenta Ricardo Vieira na orelha do livro, “melhor retrate os dias atuais”, como no poema “Moço tá nervoso” onde uma tensão implícita no ar revela o drama que todos estamos vivendo na expectativa dos tempos obscuros que se aproximam.

O que preocupa o crítico é a prevalência de uma poética voltada para a interpretação social (ou interprenetração do social na poesia). Embora contida (ou represada) ainda por um desejo de poesia que André Luiz não abandona, e que faz de Migalha um livro “indespejável” (Tarso), esse enamoramento com o social aflora aqui e ali podendo tornar-se a poética do escritor. O risco é fazer-se datado, preso a circunstância histórica específica, como aconteceu com a arte engajada do período da ditadura no Brasil, que fez dessas obras mais um panfletário político (digno de respeito, mas faltando-lhes a substância vital da arte), que só é retomada (como documento da história, ufaaa!) a partir das mesmas circunstâncias que as criaram. Claro que o caso de André Luiz está longe do planfletário, pois a tensão entre arte e sociedade se mantém de alguma forma viva na sua poesia.

Não que a poesia não possa desvendar o drama social, revelar o eterno fracasso de uma sociedade ideal, mas deve fazê-lo a partir do extremo. Ou será apenas uma virtualidade desse extremo. Para um poeta, uma vez seguro do fracasso final, da migalha que lhe resta, o que lhe redime é, unicamente, a boa poesia.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/3/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma casa nada engraçada de Cassionei Niches Petry
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
04. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
05. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
04. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004
05. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JORNADAS DE REDENÇÃO
ARMANDO FERNANDES DE OLIVEIRA
DO LAR
(1986)
R$ 6,00



A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
ANTONIO CARLOS DE QUEIROZ SILVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



BLUES YOU CAN USE + CD
JOHN GANAPES
HAL LEONARD
R$ 80,00



STRIPTIRAS, V. 2
LAERTE
L PM EDITORES
(2007)
R$ 10,00



O USO DA CHAMADA VOZ PASSIVA SINTÉTICA EM ANÚNCIOS
REGINA MARIA GONÇALVES MENDES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DIREITO TRIBUTÁRIO VERSUS MERCADO: O LIBERALISMO NA REFORMA DO ES
MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA
RENOVAR
(2005)
R$ 18,28



A STEAM ODYSSEY
THE RAILROAD, VICTOR HAND
NORTON
(2018)
R$ 200,00



VALORES JUDAICOS NO MUNDO EM TRANSICAO
RABINO YEHUDA AMITAL
SEFER
(2011)
R$ 12,00



BOTA DE GARRÃO 5 ED. (4268)
JAYME CAETANO BRAUN
SULINA
(1988)
R$ 18,00



BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER: UMA HISTORIA DE
STEPHENIE MEYER
INTRINSECA
(2010)
R$ 9,20





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês