A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
23442 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 5/3/2019
A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2500 Acessos



O poeta André Luiz Pinto acaba de publicar seu nono livro de poesias, Migalha, pela editora 7Letras. O livro mistura poesia e pequenas peças que poderíamos chamar de prosa.

É um livro em que os poemas são atravessados por uma mistura de melancolia, descontentamento, raiva, descrença e alguma ira - desde a escolha do título, e o poema que dá corpo ao título, Migalha, até poemas que parecem incorporar uma “autobiografia social”, como “Prazer, esse sou eu...” – o livro é uma bota de chumbo que pesa em descontentamento e perde, de certa forma, em lirismo.

São poemas fortes, cujo tom é facilmente verificável numa leitura em voz alta. Há vestígios claros de cobrança ou autocobrança social, como no poema “Ironia, sem dúvida”. Como há também afetos desarranjados movendo versos aqui e ali, fruto de relações amorosas ou familiares, que marcam o poeta em sua memória ou no tempo presente de suas relações. Há uma descrença no presente e no futuro - e não deixa de ser clara, direta, sem preocupação estilística sua prosa: “Resta a escuridão, hora em que a gente acorda e não tem mais nada. É mais ou menos assim que me sinto. Não preciso mais de metáforas. Poderia inventar até algumas agora, mas chega”.

Pode um contexto sócio-político (e, também, existencial) distorcer o desenvolvimento de uma literatura? É o que nos perguntamos ao longo do livro. Sentimos que o poeta está preso a um contexto social tão determinante, e que sua poesia não teme insinuá-lo ao leitor ao longo do livro, mesmo que não o deixe absolutamente exposto, que sentimos um certo prejuízo estético nessa equação. Esse contexto funciona como um chão esburacado que não o deixa andar em linha reta. Isso torna esse livro diferente dos outros (onde o lírico supera o social), com exceção, talvez, de Mas Valia, que se aproxima desse e onde o chão começou a ficar pedregoso e o nervo começou a ficar exposto.

No posfácio do livro, Tarso de Melo, vê positividade em tudo isso: “uma sabotagem, um prazer em decepcionar, uma forma abrupta de expulsar o leitor do poema”. Essa “indisposição”, que Tarso vê como marca da poesia de André, pode estar relacionada a uma descrença do escritor na função antisocial do poeta e da própria poesia enquanto arte maior. Essa descrença é uma espécie de inversão, pois ao acreditar que a POESIA não redime e por isso deve se degenerar em sua integridade (integrando-se aos discursos da verdade, do social), o poeta se esquece que a não redenção é o seu valor máximo. A arte só sobrevive quando verdadeiramente se nega ao mundo, quando não se adequa aos discursos de salvação, ajustamento, enquadramento. Ela deve ser, sim, o objeto perigoso que não se presta à utopia da República (de onde Platão a expulsou). Por isso, a marginalidade da poesia é muito superior à marginalidade das outras artes.

O diálogo com o mundo na poesia e na prosa de Migalha não deveria curvar-se ao não sentido dado pelo mundo, revelando-o tão diretamente. É forte a presença de afirmações como a seguinte: “tudo isso que é o mundo... segue sem dar motivos às nossas vidas”. Um destempero que na poesia seria resolvido na afirmação da própria poesia, que se satisfaz em ser poesia, pouco importa a qualidade do mundo.

A poesia deve transcender duplamente o individual: pelo mergulho nele, descobrindo o subjacente, o ainda não captado nem realizado no social; e pela expressão, encontrando através da forma uma participação universal. Nesse sentido, reconciliar-se com a linguagem, é o que dará uma nova clave para André Luiz, um retorno ao que há de melhor em sua poesia inicial.

O caráter autônomo da poesia, sua constituição por leis internas próprias (que não tem nada a ver com formalismo purista), é o oposto da coisificação da linguagem. Como afirmava Adorno, a relação do “eu” com a sociedade é tanto mais perfeita, quanto menos tematizada no poema; o não social do poema acaba sendo o seu social: isso porque a linguagem lírica é uma contraposição à linguagem comunicativa. O mais importante do poema é aquilo que ele se nega a continuar dizendo.

Há versos de Migalha em que André Luiz alcança os momentos luminosos da grande poesia, sem precisar nomear o desastre: “Estou no mar/ O céu é de um turquesa inesquecível/ Sem brisa/ Sem chance alguma.” Eles pipocam aqui e ali, mas são, por vezes, cortados em seu lirismo pela navalha da realidade imediata que os outros versos indicam.

Outro poema em que podemos exemplificar esse poeta maior (da linhagem de um Georg Trakl, Paul Celan ou Stefan George), é Picada, que reproduzo à seguir:



PICADA

Foi numa noite

estranha...

Eu não conseguia parar

A coberta, por cima do corpo, fazia

do meu corpo uma montanha

E o braço, caído para fora,

da cama, fazia do velho braço um rio...

Mesmo assim sai à noite

Havia tantos ao redor. Gritei, sem ser ouvido.



UM RUÍDO AQUI

O poeta Charles Baudelaire teve que se ater com a literatura de cunho social quando escreveu um ensaio sobre Victor Hugo, pensando principalmente no lugar que uma obra como Os Miseráveis ocuparia na literatura de sua época. Para Baudelaire, enquanto existir danação social, ignorância e miséria, “livros da natureza deste aqui poderão não ser inúteis”. É o momento, segundo o autor de As Flores do Mal, em que “o poeta apodera-se da atenção pública e a curva para os abismos prodigiosos da miséria social”.

No entanto, esse tipo de literatura despertava nele a seguinte interrogação: “saber se a obra de arte deve ter outro objetivo além da arte, se a arte não deve exprimir adoração senão para si mesma, ou se um objetivo, mais nobre ou menos nobre, inferior ou superior, pode lhe ser imposto”.

O debate sobre a função social da arte não é nova, como sabemos, e aparece também em O Vermelho e o Negro, de Stendhal, na seguinte formulação: “A política é uma pedra amarrada ao pescoço da literatura e que em menos de seis meses a submerge. A política no meio dos interesses da imaginação é como um tiro no meio de um concerto. É um ruído que é cruel sem ser enérgico. Não harmoniza com o som de nenhum instrumento. Essa política irá ofender mortalmente metade dos leitores, e aborrecer a outra, que a viu de uma forma muito mais interessante e enérgica nos jornais da manhã”.

Dentro dessa problemática, Baudelaire defende Victor Hugo: “Não é útil, acaso, que, de tempos em tempos, o poeta pegue um pouco a Felicidade egoísta pelos cabelos e lhe diga, esfregando-lhe o focinho no sangue e na imundície: ´vê tua obra e bebe tua obra`?

Parafraseando Théophile Gautier, vamos traduzir a frase acima dessa maneira: “de nossa boca de poetas comumente saem diamantes, rubis e pérolas; gostaríamos, no entanto, de vez em quando, de vomitar um sapo, uma cobra e um camundongo, mesmo que fosse só para variar”.

No século XX o debate arte/sociedade correu páginas entre Walter Benjamim, Adorno e Luckács. Para Adorno, o social aparece de modo tão mais manifesto nas obras, quanto menos representada nela estiver. Benjamin, no Ensaio sobre Brecht, vai na mesma direção: “a obra só pode ser politicamente certa, se ela o for literariamente”. O debate é longo, e o espaço aqui não é suficiente para problematizar em profundidade tais ideias. Conclui-se que, dentro dessas questões que infernizaram essa geração, discutindo os prós e os contras do social na arte, ficou o seguinte, num resumo de Benjamin: “Se o escritor revolucionário existe, ele deve ser revolucionário por ser escritor, mostrando ter compreendido, enquanto tal, as razões revolucionárias de se ser literato”.

Sartre, em seu livro O que é literatura, também se ocupou da questão, temendo a “sociologização da arte”: “Se o poeta narra, explica ou ensina, a poesia se torna prosaica; ele perdeu a partida”.



CONCLUÍNDO: MIGALHA INDESPEJÁVEL

Essa “não pretensão à poesia” do livro, como apontou Tarso de Melo, acreditando que mesmo assim sejam poemas “elétricos” – eu diria, irados - leva o poeta a cometer um prosaísmo proposital que busca situá-lo no contexto de uma classe social (essa amplamente anotada por Tarso, a partir de uma longa nota do texto de Alberto Pucheu, que avalia essa geração de poetas como de pessoas que vêm do subúrbio e passam pela universidade – geração Lula), como indica O subúrbio lembra você.

É evidente que as “anotações sociais” na poesia de André Luiz não são diretas, embora, como comenta Ricardo Vieira na orelha do livro, “melhor retrate os dias atuais”, como no poema “Moço tá nervoso” onde uma tensão implícita no ar revela o drama que todos estamos vivendo na expectativa dos tempos obscuros que se aproximam.

O que preocupa o crítico é a prevalência de uma poética voltada para a interpretação social (ou interprenetração do social na poesia). Embora contida (ou represada) ainda por um desejo de poesia que André Luiz não abandona, e que faz de Migalha um livro “indespejável” (Tarso), esse enamoramento com o social aflora aqui e ali podendo tornar-se a poética do escritor. O risco é fazer-se datado, preso a circunstância histórica específica, como aconteceu com a arte engajada do período da ditadura no Brasil, que fez dessas obras mais um panfletário político (digno de respeito, mas faltando-lhes a substância vital da arte), que só é retomada (como documento da história, ufaaa!) a partir das mesmas circunstâncias que as criaram. Claro que o caso de André Luiz está longe do planfletário, pois a tensão entre arte e sociedade se mantém de alguma forma viva na sua poesia.

Não que a poesia não possa desvendar o drama social, revelar o eterno fracasso de uma sociedade ideal, mas deve fazê-lo a partir do extremo. Ou será apenas uma virtualidade desse extremo. Para um poeta, uma vez seguro do fracasso final, da migalha que lhe resta, o que lhe redime é, unicamente, a boa poesia.



Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/3/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manchester à beira-mar, um filme para se guardar de Renato Alessandro dos Santos
02. Meu querido aeroporto #sqn de Ana Elisa Ribeiro
03. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
04. Reunião de pais, ops, de mães de Ana Elisa Ribeiro
05. O gueto dos ricos de Marta Barcellos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
03. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019
04. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto - 7/5/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
23442 visitas/dia
890 mil/mês