O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Livros na ponta da língua
>>> Livros na ponta da língua
>>> Medo e Delírio em Las Vegas
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> O negócio (ainda) é rocão antigo
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> O engano do homem que matou Lennon
Mais Recentes
>>> Ninho de Anjo de Lia- Rosa Reuse pela Cbve (2007)
>>> Para uma Linda Mulher de Tito Alencar pela Maceió Alagoas (2002)
>>> Falsa Impressão - a Rainha do Supra- Sumo - Temporada de Caça - ... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> Cilada - Rosie - Duas Lindas Meninas de Azul - Órbita de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O último Jurado - Noites de Chuva e Estrelas - o Vôo da Liberdade .... de Vários Autores pela Readers Digest (2007)
>>> O Pensamento Vivo de Jorge Luis Borges 16 de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Família Trabalho Política de Ireneu Martim Organizador pela Universidade Champagnat (1992)
>>> Flashes de Manoel Ramos e Neide Ramos pela Editoração (2002)
>>> A Biblioteca de Ciências Sociais a Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Ed. Zahar (1971)
>>> Princípios de Sociologia Geral de Salim Sedeh pela Edicel
>>> Medidas Educacionais de Richard H. Lindeman pela Ed. Globo/ Mec (1976)
>>> Lima Barreto Crônicas Escolhidas de Folha de S. Paulo pela Ed. ática (1995)
>>> O Cão Amarelo de Georges Simenon pela Ed. Globo
>>> O Maior Milagre do Mundo de Og Mandino pela Record
>>> O Herói da Torre de Hans Hellmut Kirst pela Publicações Europa- América
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1999)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda de A. Alcântara Machado pela Estadão/ Kilck (1997)
>>> Fogo Morto 10 de José Lins do Rego pela Estadão/ Kilck
>>> Romance Edição 16 ao Abrigo de Seus Braços de Jackie Braun pela Harlequin Books (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Clássicos da Literatura Senhora de José de Alencar pela Ed. Sol90 (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Machado de Assis 31 de Marcelo Whately Paiva Organização pela Martins Claret (1992)
>>> Barão de Paranapiacaba Vida e Obra de Camilo Abrantes pela Santos (1978)
>>> Guia 2002 Comer e Beber de Veja São Paulo pela Abril (2002)
>>> Redenção a Continuação do Best Seller Trindade de Leon Uris pela Ed. Record (1996)
>>> Relações Perigosas de Laclos pela Ed. Globo (1987)
>>> Raul de Leôni Trechos Escolhidos de Luiz Santa Cruz pela Agir (1961)
>>> O Amante de Marguerite Duras pela Riográfica
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Ed. Record
>>> Petróleo o Preço da Dependência o Brasil na Crise Mundial de Alberto Tamer pela Ed. Nova Fronteira (1980)
>>> Platão por Mitos e Hipóteses de Lygia Araujo Watanabe pela Ed. Moderna (1995)
>>> O Arquivo de Chancellor de Robert Ludlum pela Ed. Record
>>> Maria Madalena e o Santo Graal de Margaret Starbird pela Sextante (2004)
>>> Tocaia Grande- a Face Obscura de Jorge Amado pela Record (1984)
>>> A Herança Scarlatti de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Visita do Casal Osterman de Robert Ludlum pela Ed. Nova Fronteira (1983)
>>> A Agenda Icarus de Robert Ludlum pela Ed, Guanabara (1989)
>>> O Júri de John Grisham pela Rocco (1998)
>>> O Senhor Embaixador de Erico Verissino pela Ed. Globo
>>> O Falcão Maltês de Dashiell Hammett pela Nova Cultural
>>> O Pecado de Liza de Somerst Maugham pela Riográfica
>>> Lembranças de um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural
>>> Tira- Dúvidas Ortografia de Douglas Tufano pela Ed. Mordena (2001)
>>> Os Estupradores de Harold Robbins pela Record (1996)
>>> A Intimação de John Grisham pela Ed. Rocco (2002)
>>> Comunicação as Funções da Propaganda de Alfredo Carmo e Outros pela Publinform
>>> Novas Lições de Amor de Eguinaldo Helio de Souza pela Família Com Deus
>>> Special Noite Quentes no Deserto Edição 02 o Príncipe do Desejo de Lucy Monroe pela Harlequin Books (2008)
>>> Paixão Edição 150 Coração Descoberto Grávida! de Trish Morey pela Harlequin Books (2009)
>>> Com a Cabeça Eo Coração de Marcos Antonio Gonçalves pela áurea (2005)
COLUNAS

Terça-feira, 11/6/2019
O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 500 Acessos



O poeta Tito Leite acaba de publicar Aurora de Cedro, pela editora 7 Letras. O livro é dividido em cinco seções, com um total de 51 poemas. Há um desejo de equilíbrio entre as seções, pois, com exceção de uma com 11 poemas, todas as outras possuem exatamente 10.

Cada seção parece trazer uma preocupação específica, que vai das questões sócio-existenciais, com a denúncia de um real insuportável, ao desejo de uma transcendência do mundo ordinário, com devaneios espirituais – que buscam o silêncio - ou mesmo composições de versos com imagens mais radiantes, menos sombrias ou sob o peso da melancolia.

O livro nos transmite a sensação de que o poeta está a fazer uma via-crucis que vai do inferno do mundo concreto e intragável – que o esgota – ao mundo das sensações (ou das imagens) que podem produzir ainda algum prazer- que o liberta.

O fato do poeta ser monge, formado em filosofia, tem alguma coisa a ver com isso? Não, nenhuma. Esqueçamos isso. Quem se apresenta aqui é o poeta e é como poeta que ele pensa e repensa o mundo, pensa a vida e/ou a possibilidade de evadir-se dela. “O mundo foi feito para ser transformado em um livro”, como disse Mallarmé. E o poeta está, antes de tudo, interessado mais na operação da linguagem – a poesia - do que em produzir reflexões ordinárias a partir de suas ocupações mundanas (seja como monge ou estudioso da filosofia). O poeta pensa com a poesia. “A solidão transmuta-se/ em poema”, diz no poema denominado justamente “Poeta”.

Apesar dessa divisão meio estanque que eu apresento, que parte do peso do social dos versos ao prazer mais ligeiro das imagens “felizes”, creio que há um elemento insubordinado que atravessa todo o livro. É a inadequação do poeta a quase todos os fatores da existência. “É dilacerante escolher/ a pior parte”, vaticina no poema “Dilacerante”. Essa “pior parte” está em todo lugar, em cada poema, se observarmos bem. O poeta moderno é um ser dilacerado, como que carregando a lava vulcânica de sua inadequação, inclusive, como ferramenta para continuar escrevendo poesia. Não é incomum na poesia moderna e contemporânea o branco da página sulcada pelas sombras de uma desilusão em relação ao mundo: “o tempo dos homens ocos”, de T. S. Eliot, não se encerrou, como sabemos.

Em Aurora de Cedro Tito Leite consegue, por operações poéticas bem pensadas, catalisar oposições, tensões, que fazem todo o livro vibrar em dissonância, desmantelando qualquer crosta lírico-sentimental salvacionista. É bom prevenir – “abandonai todas as esperanças” quem vier a procurar no livro um espelho, alguma imagem de um estado de paz desejado ou de verdade assentada – Tito quebrou os espelhos, que se pisados no chão produzirão fortes cortes nos pés desprevenidos.

Desse modo, se o poeta se liga a um ou outro dado da realidade, ele procura ao mesmo tempo negar ou trilhar espaços de salvação possíveis. O que se apresenta nos versos do livro são incômodos, aversão ao mundo, é certo, mas proposições sacrificadas em nome da máquina da linguagem que é o poema. Este é um livro de poemas, livro de poeta, não um empastelamento de páginas de auto-ajuda.

O que Aurora de Cedro parece dizer é: somos filhos da queda, assim é o homem, assim sua natureza, assim seu destino. Diferente do que sugere o caquético pensamento cristão, não virá um salvador. Estamos em queda livre porque essa é nossa condição enquanto humanos. A mais poética revolução, em nome do bem-comum, gerou também milhares de cadáveres. O Capital, alma desse mundo, não para de abrir covas e se dirigir para o auto-esfacelamento. “Todo dia/ o mesmo esquartejamento”, diz em “Carteira de trabalho”. E continua “Adão, tu ganhas/ o pão com o suor/ da tua tarde, mas muitos dos teus/ filhos comem/ a nossa carne”.



O poeta é o único ser verdadeiramente marginal. À margem de tudo, tudo pode ver à distância. Não podendo nem gerar Capital (quem paga por poesia?), “ele se liberta do cativeiro servil face ao mundo, que aparece como patrão, cliente, consumidor, oponente, árbitro e desvirtuador de sua obra”, para usar os temos de Susan Sontag.

Falando dos demônios pessoais ou do vácuo da existência, todo bom poeta é também visceral, propõe Tito Leite em seu poema “Sondareza”. Faz das vísceras o coração. Então, o imbróglio que cada poema se propõe ser, sustentado na contradição de estar na lama e adorando o brilho das estrelas celestes, é o que o torna uma ferramenta não dogmática da leitura do mundo. O poeta aceita contradições, como podemos ver no poema “Stravinsky”: “Em cada ode, o poeta canta/ uma morte: como quem recria/ uma semente de alegria/ no recreio dos segregados.

Aurora de Cedro radicaliza a historicidade em uma poética da negatividade: o ritmo do mundo pessoal e cultural interiorizado pela força da consciência poética. Ao mesmo tempo, a linguagem do poeta é a tradução e a traição dessa consciência. “O poeta moderno é aquele que sabe o que há de instável na condição de encantamento de seu texto, sempre dependente de sua condição de enigma” (J. A. Barbosa). A linguagem (sempre em crise) da poesia, sua tensão corrosiva, procura converter o enigma em espaços onde o leitor pode decifrar as tensões do mundo, não como certeza do real, mas como impossibilidade de retê-lo como imagem símile refletida num espelho.

“Tenda dos Milagres”, poema da última parte do livro, parece um aviso do poeta aos leitores afeitos à tábuas de salvação: se o que Jorge Amado escreve é real, eu quero é o gosto do mar, como um pescador que leva flores para Iemanjá com o nome do seu amor, eu quero “em cada/ agrado, meu sonho/ sagrado”.

Ah, mas que contradição! Depois de nos lançar todo seu desespero o poeta quer fugir para o éden! Mas o poema “Infindo” vem para dissolver esse lugar especial que parece existir e se desvanecer tão rápido: “Vão-se pétalas/ e relicários/ e o que temos de sagrado/ se esgarça.” Sim, eis o espelho quebrado que ele vos oferece! Sou “Anômalo”, indica o poema com mesmo nome, “Não quero chão./ Quero nuvens, lua ou a queda.”

“A balança/ não pesa/ para o sol/ da virtude:// o escuro é frágil/ e desleal à vida/ se os sinos não/ dobram para os lírios/ do campo.” Precisa dizer mais do que diz o poema “Desrazão”?

Liberto do cativeiro do leitor que espera salvação, Aurora de Cedro é um livro insuportável, porque o mundo é insuportável.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/6/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
05. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
02. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
03. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon - 22/1/2019
04. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto - 7/5/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DEVASSOS NO PARAISO - HOMOSSEXUALIDADE NO BRASIL DA COLONIA A ATUALIDADE
JOAO SILVERIO TREVISAN
MAX LIMONAD
(1986)
R$ 80,00



POR QUE ME ABANDONASTE
MAURO JUDICE
GIZ EDITORIAL
(2008)
R$ 22,28



1890 1914 - NO TEMPO DAS CERTEZAS
LILIA MORITZ SCHWARCZ/ ANGELA MARQUES DA COSTA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 25,00
+ frete grátis



A MENSAGEM DO ISLAM
ABDURRAHMAN AL-SHEDA
OUTROS
R$ 5,00



O LIVRO DA CERVEJA (1185)
TIM HAMPSON
NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 35,00



APRENDIZAGEM E MOTIVAÇÃO
ANTONIO GOMES PENNA
ZAHAR
(1980)
R$ 26,28



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS, O
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
R$ 39,90



A INFORMALIDADE NO MERCADO DE TRABALHO
JULIANO VARGAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



O XIS DA QUESTÃO
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1997)
R$ 15,00



O MEU BRAÇO DIREITO: BASEADO EM FATOS DA VIDA REAL
REGINA CÉLIA CHAGAS DE OLIVEIRA
MILETO
(2003)
R$ 32,28





busca | avançada
9786 visitas/dia
890 mil/mês