O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Terça-feira, 11/6/2019
O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2600 Acessos



O poeta Tito Leite acaba de publicar Aurora de Cedro, pela editora 7 Letras. O livro é dividido em cinco seções, com um total de 51 poemas. Há um desejo de equilíbrio entre as seções, pois, com exceção de uma com 11 poemas, todas as outras possuem exatamente 10.

Cada seção parece trazer uma preocupação específica, que vai das questões sócio-existenciais, com a denúncia de um real insuportável, ao desejo de uma transcendência do mundo ordinário, com devaneios espirituais – que buscam o silêncio - ou mesmo composições de versos com imagens mais radiantes, menos sombrias ou sob o peso da melancolia.

O livro nos transmite a sensação de que o poeta está a fazer uma via-crucis que vai do inferno do mundo concreto e intragável – que o esgota – ao mundo das sensações (ou das imagens) que podem produzir ainda algum prazer- que o liberta.

O fato do poeta ser monge, formado em filosofia, tem alguma coisa a ver com isso? Não, nenhuma. Esqueçamos isso. Quem se apresenta aqui é o poeta e é como poeta que ele pensa e repensa o mundo, pensa a vida e/ou a possibilidade de evadir-se dela. “O mundo foi feito para ser transformado em um livro”, como disse Mallarmé. E o poeta está, antes de tudo, interessado mais na operação da linguagem – a poesia - do que em produzir reflexões ordinárias a partir de suas ocupações mundanas (seja como monge ou estudioso da filosofia). O poeta pensa com a poesia. “A solidão transmuta-se/ em poema”, diz no poema denominado justamente “Poeta”.

Apesar dessa divisão meio estanque que eu apresento, que parte do peso do social dos versos ao prazer mais ligeiro das imagens “felizes”, creio que há um elemento insubordinado que atravessa todo o livro. É a inadequação do poeta a quase todos os fatores da existência. “É dilacerante escolher/ a pior parte”, vaticina no poema “Dilacerante”. Essa “pior parte” está em todo lugar, em cada poema, se observarmos bem. O poeta moderno é um ser dilacerado, como que carregando a lava vulcânica de sua inadequação, inclusive, como ferramenta para continuar escrevendo poesia. Não é incomum na poesia moderna e contemporânea o branco da página sulcada pelas sombras de uma desilusão em relação ao mundo: “o tempo dos homens ocos”, de T. S. Eliot, não se encerrou, como sabemos.

Em Aurora de Cedro Tito Leite consegue, por operações poéticas bem pensadas, catalisar oposições, tensões, que fazem todo o livro vibrar em dissonância, desmantelando qualquer crosta lírico-sentimental salvacionista. É bom prevenir – “abandonai todas as esperanças” quem vier a procurar no livro um espelho, alguma imagem de um estado de paz desejado ou de verdade assentada – Tito quebrou os espelhos, que se pisados no chão produzirão fortes cortes nos pés desprevenidos.

Desse modo, se o poeta se liga a um ou outro dado da realidade, ele procura ao mesmo tempo negar ou trilhar espaços de salvação possíveis. O que se apresenta nos versos do livro são incômodos, aversão ao mundo, é certo, mas proposições sacrificadas em nome da máquina da linguagem que é o poema. Este é um livro de poemas, livro de poeta, não um empastelamento de páginas de auto-ajuda.

O que Aurora de Cedro parece dizer é: somos filhos da queda, assim é o homem, assim sua natureza, assim seu destino. Diferente do que sugere o caquético pensamento cristão, não virá um salvador. Estamos em queda livre porque essa é nossa condição enquanto humanos. A mais poética revolução, em nome do bem-comum, gerou também milhares de cadáveres. O Capital, alma desse mundo, não para de abrir covas e se dirigir para o auto-esfacelamento. “Todo dia/ o mesmo esquartejamento”, diz em “Carteira de trabalho”. E continua “Adão, tu ganhas/ o pão com o suor/ da tua tarde, mas muitos dos teus/ filhos comem/ a nossa carne”.



O poeta é o único ser verdadeiramente marginal. À margem de tudo, tudo pode ver à distância. Não podendo nem gerar Capital (quem paga por poesia?), “ele se liberta do cativeiro servil face ao mundo, que aparece como patrão, cliente, consumidor, oponente, árbitro e desvirtuador de sua obra”, para usar os temos de Susan Sontag.

Falando dos demônios pessoais ou do vácuo da existência, todo bom poeta é também visceral, propõe Tito Leite em seu poema “Sondareza”. Faz das vísceras o coração. Então, o imbróglio que cada poema se propõe ser, sustentado na contradição de estar na lama e adorando o brilho das estrelas celestes, é o que o torna uma ferramenta não dogmática da leitura do mundo. O poeta aceita contradições, como podemos ver no poema “Stravinsky”: “Em cada ode, o poeta canta/ uma morte: como quem recria/ uma semente de alegria/ no recreio dos segregados.

Aurora de Cedro radicaliza a historicidade em uma poética da negatividade: o ritmo do mundo pessoal e cultural interiorizado pela força da consciência poética. Ao mesmo tempo, a linguagem do poeta é a tradução e a traição dessa consciência. “O poeta moderno é aquele que sabe o que há de instável na condição de encantamento de seu texto, sempre dependente de sua condição de enigma” (J. A. Barbosa). A linguagem (sempre em crise) da poesia, sua tensão corrosiva, procura converter o enigma em espaços onde o leitor pode decifrar as tensões do mundo, não como certeza do real, mas como impossibilidade de retê-lo como imagem símile refletida num espelho.

“Tenda dos Milagres”, poema da última parte do livro, parece um aviso do poeta aos leitores afeitos à tábuas de salvação: se o que Jorge Amado escreve é real, eu quero é o gosto do mar, como um pescador que leva flores para Iemanjá com o nome do seu amor, eu quero “em cada/ agrado, meu sonho/ sagrado”.

Ah, mas que contradição! Depois de nos lançar todo seu desespero o poeta quer fugir para o éden! Mas o poema “Infindo” vem para dissolver esse lugar especial que parece existir e se desvanecer tão rápido: “Vão-se pétalas/ e relicários/ e o que temos de sagrado/ se esgarça.” Sim, eis o espelho quebrado que ele vos oferece! Sou “Anômalo”, indica o poema com mesmo nome, “Não quero chão./ Quero nuvens, lua ou a queda.”

“A balança/ não pesa/ para o sol/ da virtude:// o escuro é frágil/ e desleal à vida/ se os sinos não/ dobram para os lírios/ do campo.” Precisa dizer mais do que diz o poema “Desrazão”?

Liberto do cativeiro do leitor que espera salvação, Aurora de Cedro é um livro insuportável, porque o mundo é insuportável.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/6/2019


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2019
01. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar - 16/7/2019
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito - 19/3/2019
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto - 5/3/2019
04. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes - 9/7/2019
05. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite - 11/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM ESTUDO EM VERMELHO/O CÃO DOS BASKERVILLES
CONAN DOYLE
ABRIL
R$ 10,00



LASER INTERMEDIATE: GRAMMAR BANK
MAC MILLAN
MACMILLAN ELT
(2005)
R$ 10,00



FIQUEI COM O SEU NUMERO
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2012)
R$ 32,00



MARCADA
P. C. CAST E KRISTIN CAST
NOVO SÉCULO
(2009)
R$ 4,99



PERSPECTIVAS SOCIOLÓGICAS - UMA VISÃO HUMANÍSTICA
PETER L. BERGER
VOZES
(1994)
R$ 10,00



LENDAS E MITOS DO BRASIL - SANTOS
THEOBALDO MIRANDA SANTOS
NACIONAL
(1975)
R$ 14,80



MAGISTRATURA ESTADUAL EDITAL SISTEMATIZADO
LEONARDO DE MEDEIROS GARCIA / ROBERVAL ROCHA
JUSPODIVM
(2014)
R$ 35,00



UM AMIGO NO ESCURO (VEREDAS)
MÁRCIA KUPSTAS
MODERNA/ SP.
(1994)
R$ 28,90



A CAIXA DE SONHOS
LUCI GUIMARÃES WATANABE
ATUAL
(1989)
R$ 4,50



ARTE E VINHO
FERNANDO MIRANDA
AXCEL BOOKS
(2001)
R$ 59,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês