O pródigo e o consumo | Eugenia Zerbini | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 11/9/2014
O pródigo e o consumo
Eugenia Zerbini

+ de 6100 Acessos


M.Chagall, O filho pródigo

Em certas esquinas, Literatura e Direito tropeçam e se cruzam. Em Eugénie Grandet, do gigante das letras francesas, Honoré de Balzac (1799-1850), por exemplo, há uma bela definição de falência: - Qu'est-ce que c' est, mon père, que de faire faillite? demanda Eugénie. - Faire faillite, reprit le père, c' est commettre l´action la plus desonorante entre toutes celles qui peuvent déshonorer l' homme (O que é, meu pai, falir?, perguntou Eugénie. - Falir, respondeu o pai, é a ação mais desonrosa entre todas aquelas que podem desonrar o homem). A lição de Direito Comercial pode estar desatualizada, embora o talento do seu autor mantenha-se intacto.

Crime e castigo, de Dostoiéviski (1821-1881), e O processo, de Kafka (1883-1924), são dois marcos da intersecção entre Direito e Literatura. De tão citados nas boas aulas de Direito, transformaram-se em lugar comum desse cruzamento entre letras e normas. Apesar do fato, sabido, de que se a Literatura descreve, o Direito prescreve. Distante dessa mesmice, desponta a inspirada dissertação de mestrado de Tiago Luis Pavinatto Gonçalves, defendida na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Há tantas qualidades em seu trabalho acadêmico que o resultado final equivale a um trabalho limítrofe com o literário.

Em sua dissertação, Pavinatto debruçou-se sobre a figura do pródigo na sociedade de consumo. Pródigo é aquele que gasta imoderadamente, colocando em risco seu patrimônio e o de sua família. A prodigalidade pode levar a pessoa a perder, após uma ação judicial, a capacidade de administrar seus bens - implicando uma responsabilidade jurídica relativa, segundo o jargão do Direito - com o objetivo de preservar a subsistência tanto do pródigo como daqueles que dele dependam. Até aí, nenhuma novidade. O elemento inovador do ensaio de Tiago Pavinatto (sim, pela qualidade e estilo, trata-se de um belo ensaio jurídico, recuperando a tradição ensaística e extrapolando os limites áridos do formato acadêmico) vem, em primeiro lugar, em situar o pródigo num momento social que todos são incitados a consumir; em segundo, em analisar a figura do pródigo à luz dos avanços na medicina psiquiátrica.

A ousadia começa na dedicatória: aos loucos de todo o gênero, sendo confirmada na epígrafe absolutamente literária, com a pertinente citação de J.G. Ballard (1930-2009): "O consumismo pode parecer pagão, mas na verdade é o último refúgio do instinto religioso. Em poucos dias você verá uma congregação venerando suas máquinas de lavar. A pia de água benta que unge a dona de casa a cada manhã de segunda-feira com a benção do ciclo do amaciante de roupas..." (O reino do amanhã).

A prodigalidade é mais que antiga: é bíblica. Gastar em excesso e dilapidar o patrimônio, foi atividade que chegou a ser associada a outros pecados. Luxúria, na Antiguidade, foi palavra empregada também para referir-se à prodigalidade. Paradoxalmente, a prodigalidade, nos séculos XVII e XVIII, passou a ser associada, senão à virtude, a atributo da nobreza, em contraste com o comedimento burguês. Mas o que nos interessa é a atualidade. Como compor a prodigalidade em face do incentivo à gastança não só na sociedade de consumo, mas numa sociedade em que governos, além de incitar os gastos e o endividamento dos cidadãos, como forma de blindar o crescimento da economia contra o fantasma de recessão, dão maus exemplos quanto ao controle de seus gastos?

Amparado por idéias de Claude Levi Strauss (1908-2009) (O suplício do Papai Noel), Zygmunt Bauman (1925 -) (Vida para consumo), e Jean Baudrillard (1927-2007) (A sociedade de consumo), esse jovem mestre colore seu discurso jurídico. Se a moderação nos gastos foi virtude, até a era industrial, na atual sociedade pós-industrial e de consumo é defeito: sovinice.

Com base no entendimento da psiquiatria moderna de que gastar em excesso, embora não uma doença em si, é um dos sintomas de doença maníaco depressiva e de outros transtornos mentais, o autor indica, na conclusão do trabalho, uma proposta de revisão legal. Segundo essa sugestão, os pródigos cessariam de ser nomeados de modo expresso, nas hipóteses de incapacidade relativa do Código Civil, passando a ser acolhidos na categoria da enfermidade mental.

Isso no plano individual. No plano público, do Estado, outro cenário se impõe, relacionado, por um lado, à prodigalidade emulada pelo governo (por meio de políticas de acesso fácil ao crédito como forma ou de turbinar PIBs combalidos ou de proteger a economia contra impactos das recessões internacionais), e, de outro, pela prodigalidade adotada pela Administração em seus gastos. Todavia, a expansão do crédito, via empréstimos bancários ou cartões de crédito, induziu a criação de exércitos de consumidores endividados. Por sua vez, o Estado é perdulário: a Administração Pública, em todos os níveis (Federal, Estaduais e Municipais), por meio de seus três Poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário), dá mostras de mau governo de seus bens. As evidências estão na mídia.

Para quem quiser conferir, o trabalho "Da natureza jurídica da prodigalidade na sociedade de consumo" em breve estará disponível na biblioteca digital de teses (e dissertações) da USP. Entretanto, os originais estão sendo preparados para edição comercial. O título será um pouco diferente, menos acadêmico certamente. O conteúdo, porém, o mesmo. No momento em que nas Faculdades de Direito faz-se o elogio aos "operadores do Direito", a dissertação de Tiago Luiz Pavinatto Gonçalves, com todos os requisitos de uma tese de doutoramento, recupera, com verve e estilo, o lugar do Direito no escaninho das Ciências Humanas, onde o estudo das leis convive com as lições da Literatura, da História, da Filosofia e da Sociologia. Longe das reduções.


Eugenia Zerbini
São Paulo, 11/9/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O comerciante abissínio II de Guilherme Pontes Coelho
02. Tropikaos de Guga Schultze
03. Algo de podre no reino do West End de Arcano9


Mais Eugenia Zerbini
Mais Acessadas de Eugenia Zerbini em 2014
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso - 21/8/2014
02. Ossos, mulheres e lobos - 4/12/2014
03. O pródigo e o consumo - 11/9/2014
04. Jackie O., editora - 20/3/2014
05. Tons por detrás do rei de amarelo - 26/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Condição Feminina nos Países do Mercosul
Delaine M Costa e Maria da Graça Neves (org)
Ibam
(2002)



A Ponte para o Passado
Ivan Jaf
Atual
(1993)



A Concise History of English Painting
William Gaunt
Thames and Hudson
(1978)



Receitas de Qualidade! Cozinha de Microondas
Vários
Edelbra
(1996)



Dois Caminhos da Revolução Africana
Moacir Werneck de Castro
Inst Bras Estudos Afroasiatico
(1962)



Brasil 1900 - 1910 Volume 1
Plínio Doyle (apresentação)
Bn (rj)
(1980)



Latinoamérica y Otros Ensayos - 2ª Edicion
Miguel Angel Asturias
Guadiana
(1970)



Occhi Di Cane Azzurro
Gabriel García Márquez
Newton Compton
(1978)



Direito Internacional Tributário Brasileiro
Paulo Borba Casella
Ltr
(1995)



Vade Mecum Oab 2017 - Legislação Selecionada para Oab e Concursos
Darlan Barroso
Rt
(2017)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês