Um jeito Mirador de ver a Wikipedia | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Wikipedia

Quinta-feira, 3/5/2007
Um jeito Mirador de ver a Wikipedia
Adriana Baggio

+ de 3200 Acessos

Morei na mesma casa até os 26 anos. Ela foi sendo aumentada, reformada, melhorada. Pintada, mobiliada, equipada, de acordo com a prosperidade dos meus pais e as necessidades das crianças em crescimento. Senti muito quando rebocaram uma parede de tijolinho à vista e quando decidiram se desfazer do couro de boi que cobria o chão de lajota (hoje, vejo esses couros sendo vendidos nas ruas do meu bairro, que é repleto de lojas de móveis e decorações, e sinto uma grande saudade, apesar de achar que é meio brega tê-los na sala).

Uma sensação ruim também me invade quando lembro o descaso com que passamos a tratar a imponente coleção de volumes de Mirador Internacional, enfileirada na prateleira mais baixa da estante da sala. A gente sentava no pedacinho do couro que chegava até a estante para poder escolher o volume, tirá-lo com cuidado e um certo esforço, e depois folheá-lo com reverência, em busca do saber que ele continha. Aqueles livros foram os depositários do conhecimento exigido pela professora para os trabalhos escolares.

Mais tarde, quando aprendi sobre forma e conteúdo, descobri que forma é conteúdo. E a Mirador Internacional é um bom exemplo dessa premissa. Livros imensos, pesados, revestidos de couro marrom, macio e distinto, transmitiam erudição a qualquer biblioteca. Na lombada, uma parte em verde servia de fundo para a impressão do número e da letra do volume. E esse espaço era delimitado por duas finas linhas, que eu sempre gostei de considerar como preciosos filetes de ouro.

Dentro, folhas de um macio e brilhante papel couché tinham o poder de despertar, se não o interesse, pelo menos a curiosidade pelas informações ali contidas. Afinal, somente coisas muito importantes para os seres humanos poderiam ter o privilégio de ser impressas em base tão nobre, algumas até acompanhadas de fotografias ou ilustrações.

Mas o mundo da enciclopédia passou a ficar um pouco limitado para atender as exigências dos trabalhos. O exército de livros começou a ser visitado mais raramente, embora nunca perdesse a pompa e a distinção da sua armadura de couro. Continuava perfilado na estante como a tropa de um país pacífico, digno na sua função cerimonial e decorativa, como se fosse uma guarda de honra do conhecimento. Os livros pareciam dizer que talvez não soubessem de tudo, mas que poderiam ainda ser muito úteis. E nos lembravam de seu peso e imponência a cada faxina mais caprichada, quando eram desalojados da prateleira, folheados com impaciência e espanados descuidadamente, para que o pó e o mofo não maculassem as letras, as imagens e a alvura do papel liso e de boa qualidade.

Tento lembrar onde foi parar a coleção de Mirador. Acho que está na casa do meu pai, que tinha na época o apego que tenho hoje por coisas que pessoas 10 ou 15 anos mais novas já começam a desprezar (a minha máquina fotográfica de filme, por exemplo). Não um apego nostálgico, mas o reconhecimento do que é importante e do que vale a pena guardar e preservar. É evidente que o conteúdo da Mirador talvez caiba hoje num CD, que esteja desatualizado, que as fronteiras desenhadas nos mapas já tenham mudado de lugar mais de uma vez, bem como o nome do países e a importância de cada um deles na política internacional. Mas o papel que ela teve não pode ser apagado.

Sei que meu pai até hoje não perdoa eu ter emprestado um volume para uma amiga descuidada, que nunca mais devolveu. Era o livro da letra S ou T, se não me engano. Parece castigo, mas várias vezes apelei para a enciclopédia e o que eu buscava estava no volume perdido. E a minha promessa de buscar um substituto em sebos nunca foi cumprida.

Imagino quanto deve ter custado aquela coleção toda. Imprimir em papel couché e encadernar em couro não é um processo barato. Gosto de pensar que a seleção do conteúdo desses livros deveria ser muito criteriosa. A enciclopédia precisava ter uma credibilidade inabalável, por ser fonte dos fatos e conhecimentos que as crianças utilizavam em seus primeiros trabalhos escolares, antes de irem buscar informações em outros lugares. Portanto, a forma da Mirador também nos dava uma pista do seu conteúdo: sério, rico, pesado.

Hoje, a maneira pela qual a informação é criada, distribuída e avaliada impede que a gente tenha uma pista do conteúdo pela forma que o envolve. Serviços como a Wikipedia são exemplos dos aspectos positivos e negativos desse processo. A parte boa - boa não, maravilhosa - é a possibilidade de qualquer um criar conteúdo, ser provedor de informação, dar origem a um verbete. Imagine quantas pessoas contribuem com as wikis e quantas contribuíram para a Mirador. Ou melhor, compare o perfil das pessoas de um caso com as de outro. Qualquer um pode enriquecer as wikis, enquanto que essa função nas enciclopédias de papel deve ter sido muito mais restrita, exigindo diplomas e currículos de importância equivalente.

Por outro lado, a mesma acessibilidade que democratiza o conhecimento nas wikis é responsável pela sua falta de credibilidade - e pelo cuidado que devemos ter ao avaliar as informações ali contidas. Nem sempre as pessoas que contribuem têm boas intenções. Mesmo as que têm, nem sempre sabem o que estão escrevendo. O dispendioso processo de produção da Mirador exigia um "controle de qualidade" do conteúdo que, ao mesmo tempo, tornava-o limitado e parcial. Nas wikis, os próprios usuários fazem esse controle, mas o sistema e as pessoas ainda não estão maduros o suficiente para que se confie cegamente.

Acho que o pé atrás com a Wikipedia é o mesmo que devemos ter com qualquer fonte de informação. Utilizar ferramentas como essa ou como os search engines é fantástico, desde que se saiba pesquisar. Esse verbo envolve: ter em mente o que você quer, ter algum ponto de partida e utilizar alguns truques para verificar a credibilidade da informação (como fazer a busca em sites de instituições confiáveis ou cruzar dados).

Em termos de relação com a web e suas ferramentas, acredito que a minha geração seja privilegiada. Nós tivemos que aprender do jeito antigo, ou seja, entendemos o princípio da coisa. Sabemos como encontrar o que desejamos em uma biblioteca, conhecemos a lógica da pesquisa. Isso tudo vale para a internet. Mudou a ferramenta, mas o espírito é o mesmo.

Para usar bem as wikis, as buscas e até mesmo os outros recursos que a internet oferece, tem que ter essa base. E um pouco de tudo aquilo que minha mãe me falava na infância, quando brincávamos no tapete de couro de boi da sala: não acredite em tudo que dizem, preste atenção nas coisas, tenha sempre um pezinho atrás com o que e com quem você não conhece.

P.S.: Clique aqui e, se quiser, contribua com o verbete sobre a Mirador Internacional, na Wikipedia.


Adriana Baggio
São Paulo, 3/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brazilionaires de Marta Barcellos
02. O Free, de Chris Anderson de Julio Daio Borges
03. Pastelão literário na terra do Nobel de Tais Laporta
04. Exceção e regra de Eduardo Mineo
05. Eu, Marília de Marília Almeida


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Wikipedia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE CHARLIE BROWN DICTIONARY
CHARLES M. SCHULZ (CAPA DURA)
RANDOM HOUSE
(1973)
R$ 22,82



VISÍVEL ESCURIDÃO
WILLIAM GOLDING
FRANCISCO ALVES
(1982)
R$ 7,00



CONQUERING DIABETES: A CUTTING-EDGE, COMPREHENSIVE PROGRAM FOR....
ANNE PETERS
HUDSOM STREET
(2005)
R$ 10,00



ESCRITURA A ALMA DA TEOLOGIA
JOSEPH A. FITZMYER
LOYOLA
(1997)
R$ 14,00



A STARTUP DE 100
CHRIS GUILLEBEAU
SARAIVA
(2013)
R$ 25,00



LEITURAS OBRIGATÓRIAS
DÉBORA LUCIENE PORTO; MÁRCIO DE SOUZA; WILLIAM MORENO BOENAVIDES (ORG.)
METAMORFOSE
(2016)
R$ 4,00



BLED LES 50 REGLES DOR DE LA GRAMMAIRE
BERLION DANIEL
HACHETTE FRANCE
(2009)
R$ 50,00



VITÓRIA
ANKA MUHLSTEIN
CIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 31,50
+ frete grátis



CATOLICISMO PARA LEIGOS
JOHN TRIGILIO E KENNETH BRIGHENTI
ALTABOOKS
(2008)
R$ 79,00



QUESTÕES RECENTES NA ANÁLISE COMPORTAMENTAL
B. F. SKINNER
PAPIRUS
(1991)
R$ 190,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês