Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto | Heloisa Pait | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/2/2018
Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto
Heloisa Pait

+ de 1600 Acessos

Leia a primeira aventura de Mónika, À Beira do Abismo.

Uma das tarefas de Mónika era a participação em bancas de mestrado e doutorado, onde se exigia o máximo de um professor universitário: demonstrar erudição sem desagradar o orientador, que numa próxima banca poderia se vingar reprovando seu aluno. Não era tarefa fácil. Ainda mais para Mónika, que se envolvia com os assuntos tratados de um modo visceral demais.

Essa banca em especial apresentava desafios adicionais, mas na sua carreira isso não se traduziria em pontos extra. O aluno havia entregue a tese no prazo, mas a tese era uma bosta. Aí, uma semana antes da defesa, enviou por email outro texto, pouco mais curto, pedindo que a banca ignorasse o anterior. Na defesa, indiferente aos apelos do orientador, insistia em ser avaliado pelo segundo texto que, ele dizia, era a sua grande obra, começada ainda na época da graduação.

Pelo que relatava, o aluno tinha tido duas trajetórias paralelas: uma, entregando o que os professores queriam, e outra escrevendo o que lhe dava na telha. Falou de uma monografia alternativa, que era simples descrição de toda a geografia da América do Sul. Tinha uma tese de mestrado alternativa, recuperando viagens solitárias pelo globo, especialmente as feitas por mulheres. E, no doutorado, empreendera ele mesmo a viagem, que relatava no texto.

– Descobri que agora é questão de vida ou morte, professores. Se eu defender essa bosta que vocês nos obrigam a escrever, me acabo no álcool, na sarjeta. Droga não curto. Mas bebo. – E completou, solene: – Meu pai morreu na garrafa.

A banca argumentava. De uma coisa Mónika estava certa. A tese original era uma bosta.

– Colegas, o rapaz tem razão. A tese é uma bosta.

O aluno não esperou. Aproveitou a deixa e começou a apresentar o segundo texto. O doutorando os levava para o extremo sul do continente, o último canto do planeta a ser colonizado. Falava das montanhas, dos bichos, das gentes. Falava muito dos caminhos, das pousadas onde parava, ficava semanas, se tornava um local, arrumava amigos, namorada, padrinho e trabalho. Sabiam todos que estava de passagem, e talvez por isso colocassem nele todos os desejos. As mulheres se entregavam para sempre, pois sabiam que não o acompanhariam na velhice. Os padrinhos lhe davam todas as bênçãos, pois não teriam tempo para se decepcionar. Tudo era eterno, sublime, verdadeiro, fugaz. As velhas lhe contavam segredos de família, tomavam-lhe as mãos e batiam-nas de leve com as palmas, como se sedimentassem um elo fortíssimo. Que se romperia. Ou não.

Andava pelo Andes, experimentava coisas. Comia raízes e rezava com os locais. Não antropologizava. Não pesquisava, não analisava, não tratava de objetos de pesquisa nem de sujeitos da ação. Apenas vivia e descrevia como um fantasma vivo. Dormia quando tinha sono, comia quando tinha fome, transava quando surgia quem e escrevia quando não tinha nada. Sua metodologia era essa: vou escrever quando não há mais o quê fazer, quando for a única coisa que resta.

Nas cidades, não escrevia, portanto. Ia se jogando de casa em casa, fazia bicos e de vez em quando verificava num internet café se a greve já tinha terminado, pois não podia perder a matrícula. Nas cidades sempre havia o que fazer.

Morou 3 semanas numa favela em Cochabamba, ajudando um vendedor de miçangas a carregar suas coisas pelos bairros nobres e fugir da fiscalização quando preciso. Comeu bem lá, engordou, seguiu viagem. Numa tese normal não diria, mas no relato pode dizer: não gostou de Cochabamba. Achou tudo triste, pobre e melancólico. As roupas coloridas e as almas cinzentas. E estava no texto: em Cochabamba eu acordava triste, passava o dia triste e ao final do dia a tristeza beirava o intolerável. Se eu não saísse logo dali, talvez não conseguisse sair mais. Então saí.

O relato escrito era excelente. Mas o relato ao vivo era excepcional. Mónika ria, chorava, pensava, sonhava, seguia com o aluno os passos pelo continente. O melhor é que não havia política. Não havia tese. O melhor era ver aquele desprendimento todo, que podia ao invés de garantir, lhe roubar uma carreira. Olhou para o aluno com espanto e sofrimento. Não havia grupos, gados acadêmicos como nas outras teses, apenas gentes. Deu-se conta de que um verdadeiro scholar estava lhe dando o privilégio de ouvi-lo. Interrompeu o relato sem pensar:

– Vocês está nos dando o privilégio de lhe ouvir.

Os colegas ficaram um pouco incomodados. A idéia era sempre adular o orientador e humilhar o candidato com leves reparos. O aluno percebeu que tinha um interlocutor. Retomou gaguejando até assimilar o elogio.

Mónika tinha o olhar sério, a testa franzida. Quem diria, olhando para ela, que se imaginava retribuindo o prazer que ele lhe dava agora com aquela viagem ao fim do mundo? Nenhum documentário, nenhum livro de história, nada levaria Mónika tão longe, nada. Nem mesmo se ela pegasse a mochila e fosse agora para Cochabamba. Talvez aquela fosse a primeira vez que de fato aportava na América, aquela defesa em Ambaíba. Estava entregue.

O relato acabou. A banca queria ainda discutir se ia avaliar esse ou o outro trabalho. Mónika atropelou a conversa e perguntou para o doutorando:

– E esse texto é todo seu? – ela temia apenas o plágio.

– Tudo menos o que não é.

Havia uma cena onde o aluno relatava escalar um pico com um australiano que o estuprou, a quem ele teve que seguir por dois dias inteiros pois se não o fizesse se perderia na montanha. Mónika havia lido relato idêntico num livro de viagens.

– O que não é?

– A cena do estupro, veja na nota de rodapé.

Nota de rodapé era uma coisa que Mónika não lia por princípio. Mas, de fato, havia uma única nota. Dizia: Essa história copiei de um livro. O resto não. Acho que fui fiel aos fatos, ou ao que me lembro deles.

– Por que você copiou uma história de um livro?

– Pra saber se o resto é verdade.

Os dois sorriram. Estavam exaustos. Perceberam naquele momento que o texto era verdadeiro. A prova era o trecho plagiado, uma mentira em cor distinta. Olharam-se satisfeitos. A nota era dez, para os dois. Penélope e Ulisses.

– O resto é verdade – ela confirmou. E ia então garantir, com inesperada habilidade, a aprovação do trabalho junto aos demais membros da banca. Continuou:

– Agora, por que você não botou no texto a parte em que você pega o ônibus lá em Pelotas, vai até Goiânia e depois anda até Brasília? Bonito ouvir você contar da sua exaustão – um Cristo planaltino? – desboroando no concreto da Praça dos Três Poderes.

– Não sei professora. Não sei. – Era aquele momento onde o autor percebe que o leitor leu seu texto, por ter feito a mesma pergunta que ele. – Será que senti essa parte meio falsa?, não sei. O concreto quente, eu exausto, mas não era ápice algum, eu só pensava em água, banho, sorvete. Eu não estava ali...

– A viagem tinha acabado.

– É, pode ser. É, a viagem tinha acabado...

– E não pode dizer isso no texto? – Mónika pergunto brava – Não pode incluir? Tem até a ver com seu trabalho original sobre o neoliberalismo e os condomínios fechados.

– Acho que sim. É só escrever, né? Uma palavra, e aí a outra...

Como o ritual mandava, o candidato saiu da sala e com ele o cachorro que o acompanhou ao longo do doutorado. Ficava em Ambaíba durante as viagens, melancólico, mas sabia que o dono voltaria. Agora, havia escutado atento a defesa. Pressentia, talvez, algum fim. O dono seria doutor. Aguardaram nas escadas do prédio, um olhando para o outro, o rabo do cão inerte.

Mónika impôs ao orientador sua condição: aprovava se o candidato finalizasse a tese com a peregrinação à Brasília. Era seu jeito de fazer política, invertendo as coisas. Quem queria a aprovação era ela, mas com a exigência eles que entravam na defensiva.

E que custava escrever umas linhas tortas sobre Brasília?

Está no ar o epílogo dos doze trabalhos de Mónika, A Copa de Ambaíba.

Esta é uma obra de ficção; qualquer semelhança com nomes, pessoas, fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência


Heloisa Pait
São Paulo, 9/2/2018



Quem leu este, também leu esse(s):
01. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo
02. A difícil arte de viver em sociedade de Luis Eduardo Matta
03. O Sociólogo Machado de Assis de Daniel Aurelio


Mais Heloisa Pait
Mais Acessadas de Heloisa Pait em 2018
01. Uma Receita de Bolo de Mel - 25/10/2018
02. O Voto de Meu Pai - 18/10/2018
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba - 16/2/2018
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World - 11/1/2018
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador - 4/1/2018


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês