Ainda, sempre, Oranje! | Tatiana Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
Mais Recentes
>>> O despertar dos magos de Louis Pauwels / Jacques Bergier pela Difusão europeia do livro (1972)
>>> A Ascensão do Romance de Ian Watt pela Companhia das Letras (2010)
>>> Mamãezinha querida de Christina Crawford pela Circulo do livro (1987)
>>> Práxis Cristã: Vol. III Opção Pela Justiça e Liberdade de R. Rincón Orduña pela Edições Paulinas (1988)
>>> Cem dias entre ceu e mar de Amyr Klink pela Circulo do livro (1991)
>>> Aperçus sur l'Initiation de René Guenon pela Editions Traditionnelles (1976)
>>> The Unfree French de Richard Vinen pela Penguin Books (2007)
>>> Eu fui Amélia Earhart de Jane Mendelsohn pela Rocco (1998)
>>> O corpo tem suas razões de Therese Bertherat pela Martins Fontes (1977)
>>> A Universidade Entre o Conhecimento e o Trabalho o Dilema das Ciências de Marcos del Roio pela Unesp Marília Publicações (2005)
>>> Apócrifos - os Proscritos da Bíblia de Maria Helena de Oliveira Tricca pela Mercuryo (2007)
>>> Manual de redação e estilo de Eduardo Martins pela Estado de São Paulo (1997)
>>> Monadologia e espaço relativo: o jovem Kant recepcionando Leibniz de Lúcio Lourenço Prado pela Educ (2000)
>>> Dared and Done: Marriage of Elizabeth Barrett and Robert Browning de Julia Markus pela Bloomsbury (1995)
>>> Arsene Lupin ladrão de casaca de Maurice Leblanc pela Atica (1998)
>>> Estudos Lingüisticos - Revista brasileira de Lingüistica Teórica e Aplicada de Vários Autores pela Centro de Lingüistica Aplicada do Instituto de Idiomas Yázigi (1968)
>>> Brzrkr Vol. 1 de 3 de Keanu Reeves pela Panini (2022)
>>> O Homem de Ferro 2020 3 Volumes de Slott Gage Woods pela Panini (2020)
>>> Zhukov Marechal da União Soviética História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de Otto Preston Chaney Jr pela Renes (1976)
>>> O Incêndio do Reichstag História da 2ª Guerra Mundial de R. John Pritchard pela Renes (1976)
>>> Göring História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de Roger Manvell pela Renes (1974)
>>> Montgomery História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de R. W. Thompson pela Renes (1976)
>>> Hitler História Ilustrada da 2ª Guerra Mundial de Alan Wykes pela Renes (1973)
>>> Cartas Entre Amigos Sobre Ganhar e Perder de Pe. Fábio de Melo Gabriel Chalita pela Principium (2010)
>>> Quem me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Planeta (2015)
COLUNAS >>> Especial Copa 2010

Segunda-feira, 19/7/2010
Ainda, sempre, Oranje!
Tatiana Mota
+ de 3200 Acessos

Vejam a previsão do tempo no dia seguinte à final da Copa do Mundo no jornal holandês De VolksKrant: "Sem campeões do mundo". Uma foto de Sneijder caído no meio do verde campo de Johanesburgo, com blusas espanholas ao fundo traduz a desolação que todos sentiram por aqui, na Holanda. No dia da fatídica partida havia 180 mil pessoas na praça dos museus em Amsterdam, mas poucos minutos depois o enorme espaço estava praticamente vazio. Nesse momento o quase ganhar dói muito mais do que ser eliminado na primeira fase.

Não obstante, dias depois certa multidão voltou às ruas da famosa cidade para receber seus vice-heróis. Em vez de andarem em um carro de bombeiro flutuavam entre os canais rumo à mesma praça dos museus, talvez para escrever um novo capítulo nessa história que aqui vem sendo tratada como trauma.

Havia muita esperança por aqui, havia muito orgulho laranja estampando as ruas, o futuro rei dos Países Baixos estava acompanhando o jogo ao vivo, as prateleiras do mercado haviam se esvaziado, não havia sequer um saco de chips ou cerveja.

Durante a partida, caísse um fio de cabelo na rua seria escutado. O silêncio era apenas interrompido pelos suspiros nos lances importantes. Um nervosismo contagiante, eu estava quase sem unhas, posicionada ali no campo, com a ajuda das câmeras. Pena que o suspiro final, nos minutos finais da prorrogação, foi uma lamúria. Chorei quando vi o novo ídolo chorar. Sneijder derramou muitas lágrimas contemplando o estádio lotado, mas olhando na verdade o infinito vazio.

Antes da partida todos eram cautelosos, sabiam que seu oponente era de qualidade, eliminaram a até então favorita Alemanha, mas havia uma esperança enorme, um sentimento de que poderia ser esse o momento dourado, finalmente uma Copa do Mundo. Todos os dias, em todos os meios de comunicação, só se falava na final, e as crianças repetiam: "We worden wereldkampioen", que seria: "Nos transformamos em campeões do mundo". Imaginem as crianças acordando de manhã, perguntando a seus pais sobre o jogo e derramando algumas lágrimas com a notícia do resultado, assim como seus pais e seus avôs o fizeram em 74 e 78?

Triste quando um sonho é rasgado pela bola rival assim tão perto de ser realizado. Certo que havia outros sonhos em jogo, e gritaram os espanhóis: "Campeones, campeones", fazendo bastante festa e barulho noite adentro, conforme noticiou uma amiga. Ela disse que a vitória foi importante para esse povo que às vezes se sente menos que os nórdicos.

Mesmo aqui, em um continente formalmente unido em questões econômicas e políticas, há ainda uma espécie de hierarquia que faz um país se sentir menos importante frente a outros. Mas na final da Copa os espanhóis foram indiscutivelmente os maiorais, a bola da vez, e foram eles quem puderam tirar de seus armários um uniforme muito especial, com uma linda estrela estampada acima do escudo. Esperamos que o título ajude o país a se unir um pouco mais em meio ao forte clima separatista que assombra a unidade da nação espanhola.

Enquanto isso choravam nossos amigos laranjas, subindo ao pódio para receber uma amarga medalha e assistir de camarote à festa espanhola em campos sul-africanos. Os espanhóis beijavam aquela linda taça, e só eles poderiam abraçar a escultura dourada naquela noite. Então pensei em um outro país que já beijou aquela taça cinco, cinco vezes. Nessa hierarquia futebolística, enquanto alguns já têm cinco estrelas em seu uniforme, outros não têm sequer uma. Espero que um dia esse grande complexo seja superado pelos nossos amigos daqui, mas de preferência daqui a oito anos, talvez até em seu país.

Mas foi muito lindo assistir à escalada de um time até a final. Um sol alaranjado iluminava até mesmo o inverno que assolava o país africano. As crianças viveram um mês só na bola, jogando suas redondinhas alaranjadas nas ruas, cheias de bandeirinhas. Divertiram-se quando Sneijder sentou no colo do repórter e quando o mesmo repórter narrou emocionado o gol do baixinho contra o Brasil.

Antes da partida perguntei ao senhor Gerardus, nossa enciclopédia do futebol, sobre os jogadores mais importantes. Quem é o camisa 10 daqui, antes do baixinho? Não era 10, e sim 14, Johan Cruyff, o grande jogador do futebol holandês, que está no rol de melhores da história do futebol. Apesar de prever a derrota, disse Cruyff ao jornal De Telegraaf que achou bonito assistir a este time, que eles irradiam muita força.

Lembro-me então do escudo da Holanda, país de dimensões minúsculas que foi praticamente construído por eles mesmos. Leões, também presentes no uniforme, com os dizeres Je Maintiendra: "eu me mantenho". Sei que eles se manterão fortes e que o laranja jamais deixará de brilhar por aqui. Os sonhos lindos que foram também construídos nesses dias não se apagarão, e um pouco desse laranja jamais sairá de mim.


Tatiana Mota
Hilversum, 19/7/2010

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
02. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
03. Apresentação: Ficção e Sociedade de Heloisa Pait
04. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol
05. Esse Caro Objeto do Desejo de Adriane Pasa


Mais Tatiana Mota
Mais Especial Copa 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite na Taverna
Alvares de Azevedo
Germape
(2004)



A era dos Deuses - Volume 2. Série a Saga dos Capelinos
Albert Paul Dahoui
Heresis
(1997)



Administração Estratégica
Luis Gaj
Atica
(1987)



Guia de Vinhos Larousse
Manoel Beato
Larousse
(2007)



Obras Mediadas - Com Cd
Museu de Arte Moderna de São Paulo
Mam
(2015)



Faça Dar Certo (2004)
Luiz Antonio Gasparetto
Vida e Consciencia
(2004)



Desabandono
Ricardo Josua
Tordesilhas
(2013)



Caleidoscópio de Saberes e Práticas Populares
Maria Clara Tomaz Machado
Edufu
(2007)



Ser Santista um Orgulho Que Nem Todos Podem Ter
Odir Cunha
Leitura
(2009)



Conquistando o Sucesso (2009)
Oscar Shmidt
Komedi
(2009)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês