Papel, tinta, bluetooth e wireless | Tati de Roterdã | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS >>> Especial Blogueiros e Jornalistas

Segunda-feira, 24/3/2008
Papel, tinta, bluetooth e wireless
Tati de Roterdã

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já se foi a época em que blogs não passavam de colunas professando banalidades diárias da vida do blogueiro. Tem blog que, se você não acompanhar, "vai estar mais por fora que umbigo de vedete" (como se dizia no tempo da minha avó). Foi por perceber o valor do jornalismo amador que um representante da mídia tradicional aqui na Holanda abriu uma área no site de web do jornal onde qualquer leitor pode fazer um blog. O leitor-blogueiro não paga nada para hospedar o blog, e ainda por cima tem um blog cujo endereço é o nome de um jornal grande, bom e de sucesso.

A razão pela qual esse jornal resolveu investir em artigos de blogueiros amadores está bem explicada em uma pequena sentença na home do site deles: "606 blogueiros escreveram 5155 artigos no ultimo mês". Como hoje em dia o que vale são as redes sociais (Orkut, Facebook etc), o valor desses 606 blogueiros é substancial na divulgacão do jornal e assessoramento de conteúdo. O diário chega a prometer aos melhores blogueiros um lugar de honra no site oficial do jornal, ao lado dos jornalistas profissionais. E, se ele ou ela for bom mesmo, o prêmio é uma coluna na "versão nobre" do jornal: a feita de papel e tinta.

Não acredito que o jornalismo impresso esteja agonizante ou tenha se tornado imaterial. O medo existe, mas esses medos sempre se provam infundados, pois a tecnologia ― e o que ela provoca ― tem o costume de vez ou outra ir além da nossa imaginação. Quem escreve profissionalmente vai continuar a escrever profissionalmente. Como diz um belo ditado da minha terra tropical: "O buraco é mais embaixo".

Um exemplo: o diário que eu leio todos os dias indo para o trabalho, Dag ("O Dia"), é de distribuição gratuita. Uma mistura de jornalismo em papel barato, tinta-que-deixa-os-dedos-pretos e uma sopa aceitável de jornalismo profissional com amador. A novidade desse jornal é que ele mistura o tradicional papel com outras tecnologias mais recentes e diversas como bluetooth, internet e telefones celulares. Você só sabe que está lendo um jornal, e não navegando uma página de web, porque não dá para clicar. Mesmo assim, o jornal tem interatividade na forma de filmes para serem baixados com o telefone celular, gráficos interativos para serem instalados também no celular por meio de uma mensagem de texto e assim vai. Acima de tudo, é um jornal que aprendeu com a web que manter a atenção do leitor por mais de cinco segundos é difícil.

"Midia Híbrida", ou "Crossmedia", é o jargão válido para todas as formas de mídia que se cruzam formando uma só, como os jornais que aceitam contribuição dos leitores à la modelo Web 2.0, os que transmitem "televisão" pelo site, os que mandam mensagem de texto para o telefone do leitor, enfim, os que fazem bom uso ― e o mais diverso possível ― das novas tecnologias de mídia.

Essa pequena ilustração de que a crise da imprensa vai bem mais além de uma rixa entre jornalistas e blogueiros mostra que essa briga tem ainda muito chão pela frente. Não vai adiantar, por exemplo, um certo jornal de São Paulo tentar se promover às custas de dizer que as notícias que saem no jornal são mais notícias do que as que se lê em blogs (aliás, campanha essa que foi motivo de chacota pelo super-blog BoingBoing ― de 3 milhões de assinantes e, segundo a BBC, o blog mais lido do mundo!).

Rapidez é a palavra de ordem das notícias. Jornalistas não competem mais com colegas. Outros jornais também vão estar atrasados com as últimas notícias. O mero cidadão já está lá, pronto, com o telefone celular provido de câmera embutida. E, até mesmo antes do jornalista pensar em descer do carro, a notícia não profissional já correu o mundo.

Notícia jornalisticamente incorreta? Pode ser, mas era novidade e já foi espalhada. Rapidez é o que garante o sucesso do Digg, por exemplo, um site social de notícias. Social significa que "a fonte das notícias são os blogueiros e associados". O Digg cresceu enorme e instantaneamente a partir do segundo semestre de 2006. Tanto que ele não segue mais as notícias, ele as faz. Uma notícia se torna quente quando saiu no Digg. Esse site "vê" a rapidez em que se vota em um artigo on-line. Se uma notícia é procurada por muitos em pouco tempo, ela vai para a primeira página do site. O site apresenta notícias sem qualquer interferência de uma redação. A notícia ou artigo que obteve mais votos positivos de leitores mais rapidamente se transforma em "notícia importante". O Digg é a versão mais democrática de sites sociais de notícias como, por exemplo, o Fark.com, criado em 1999, cujo iniciador escreveu um livro em 2007 com o título auto-explicativo: It's Not News, It's Fark: How Mass Media Tries to Pass off Crap as News ("Não é notícia, é Fark: Como os veículos de mídia de massa tentam fazer acreditar que besteira é notícia").

Como o Digg, tem outros: Reddit, Newsvine e muito mais. Os sites sociais de notícia cresceram porque levam uma reportagem ao consumidor antes que a mídias mais tradicionais tenham tempo de fazê-lo. O que é ótimo para quem escreveu a notícia, seja um blogista amador ou um profissional. Os sites não diferenciam um do outro. Informação e distribuição livre de informação faz parte do DNA da internet. Foi essa plataforma aberta, barata e acessível que possibilitou o surgimento dos blogueiros, repórteres comunitários e outros. Blogueiros estão aí para ficar. "The next big thing", ou seja, "o próximo grande sucesso", seja qual for, não vai ser a volta para o modelo de mídia tradicional que pressupõe um dono da bola que comunica algo aos leitores. A veiculação de notícia é cada vez mais participativa, dinâmica. O espaço das mídias é um que cada vez mais abre espaço tanto para leitores, contribuintes amadores, quanto para jornalistas profissionais. Esse espaço é que esta mudando, indo ninguém sabe ainda exatamente para onde. A "mídia tradicional" que abra os olhos e se "hibridize".

Nota do Editor
Tati de Roterdã é especialista em Mídias Digitais, sendo mestre pelo instituto Piet Zwart, da Holanda.


Tati de Roterdã
Roterdã, 24/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lourival, Dorival, assim como você e eu de Elisa Andrade Buzzo
02. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti
03. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
04. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro
05. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Tati de Roterdã
Mais Especial Blogueiros e Jornalistas
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/4/2008
12h54min
Quem não vive em Marte, já percebeu que a Terra está girando mais rápido... Texto impecável!
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês