Festival U Can Move It | Camila Martucheli | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Falta alguma coisa ali no meio
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> Despindo o Sargento Pimenta
>>> 15 de Agosto #digestivo10anos
>>> E se refez a Praça Roosevelt em sete anos
>>> Uma História do LED
>>> Caetano, não seja velho coronel
>>> Vento Bravo, com Edu e Tom
>>> Como o Google funciona
>>> A boa literatura brasileira
Mais Recentes
>>> Novíssimo Aulete - Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa de Caldas Aulete - Paulo Geiger ( Org. ) pela Lexikon (2011)
>>> O Laptop de Leonardo de Ben Shneiderman pela Nova Fronteira (2006)
>>> História da Paz de Demétrio Magnoli ( Org. ) pela Contexto (2008)
>>> O amor jamais te esquece de André Luiz Ruiz pela Ide (2003)
>>> Nosso Livro de Francisco Cândido Xavier pela Lake (2005)
>>> Direito Penal 1 Parte Geral de Sophie Kinsella pela Record (2010)
>>> Em Espírito e Em Verdade de Andy Park pela Vida
>>> Mente e Cérebro Poderosos de Conceição Trucom pela Cultrix (2010)
>>> Todo Ar Que Respiras de Judith Mcnaught pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Tudo Bem Ser Diferente de Todd Parr pela Panda Books # (2002)
>>> Sonho Oriental Sabores e Receitas de Editora Caras pela Caras
>>> O Que Fazer? Falando de Convivência de Liliana Iacocca pela Ática
>>> O Homem Que Roubava Horas de Daniel Munduruku e Janaina Tokitaka pela Brinque Book (2010)
>>> Mulheres Inteligentes, Relações Saudáveis de Augusto Cury pela Academia
>>> Ana Karênina Volume 1 de Tolstoi pela Nova Cultural (1997)
>>> A Bíblia do Otimismo de R. Stanganelli pela Tríade
>>> Coleção na Luz da Verdade 1, 2 e 3 de Abdruschin pela Ordem do Graal na Terra (1999)
>>> O Rapto do Garoto de Ouro Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica
>>> Como Fazer Qualquer Pessoa Se Apaixonar por Você! de Leil Lowndes pela Record
>>> A Sombra do Vulcão de Malcom Lowry pela L&pm Pocket (2007)
>>> Manual de Direito Penal Parte Especial Vol II 27ª Edição de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (2010)
>>> Do Outro Mundo - Coleção Ana Maria Machado de Ana Maria Machado pela Ática (2002)
>>> Dicionário Jurídico Brasileiro Acquaviva - Edição de Luxo de Marcus Claudio Acquaviva pela Jurídica Brasileira (1995)
>>> A Tecnologia Acima do Bem e do Mal de José Rubens Salles Toledo pela Itafi (2016)
>>> Cómo Pintar a óleo de Jose Maria Parramon pela Parramón
COLUNAS

Segunda-feira, 25/12/2006
Festival U Can Move It
Camila Martucheli

+ de 6100 Acessos

Este texto poderia ser um review comum, composto por um resumo do festival, do qual foi feita a cobertura, as peculiaridades do show, momentos interessantes, principais músicas, mas não poderia deixar de tratar o evento de forma humanística. É necessário valorizar o contexto do U Can Move It com o tipo de público, de artistas, suas formas de vestir e agir. Fez-se importante relatar em detalhes o que foi e como foi esse festival que reuniu góticos de BH e grandes nomes da música industrial/ gótica/ dark wave.

Belo Horizonte é conhecida como a capital da sociedade tradicionalista, às voltas pela manutenção da moral e dos bons costumes, mas alguns grupos transgridem essa regra e um deles vai além, prefere e tenta viver à margem dessa sociedade. Eles estão nas esquinas da cidade, na Praça da Liberdade e na Savassi, mesmo que esses sejam os points da classe mais abastada de BH, e não dispensam uma balada underground. Essas pessoas também rondam por cemitérios à noite, utilizam-se de um vestuário peculiar, tendo o preto como cor predominante, e uma maquiagem carregada - tanto as moças, como os garotos. Se autodenominam góticos, darks ou simpatizantes dessa vida envolta por sombras, poesias sombrias, vampirismo e muita música eletrônica, especialmente o dark wave.

Na quinta-feira, dia 07 de dezembro, o Matriz foi sede do festival U Can Move It, que reuniu alguns dos principais DJs do cenário eletrônico voltado para o dark/ gótico: as bandas mineiras Enjoy, Rammstein Cover e a alemã Das Ich, pela primeira vez na cidade. O festival começou com uma hora de atraso, o que não acarretou problemas maiores. A casa estava cheia e muito quente, nada que uma cerveja gelada e os primeiros movimentos dançantes não resolvessem o problema.

O U Can Move It foi um evento perfeito para os góticos e simpatizantes do estilo. Os presentes capricharam no visual, olhos carregados de lápis preto, grandes saias pretas ou vermelhas, correntes, espartilhos. Os homens não fugiam muito à regra, tirando a saia e o espartilho. Pelos corredores se viam os membros das bandas se divertindo, conversando com o público, em português, inglês, alemão (os góticos adoram a língua alemã - boas bandas do estilo industrial/ gótico são advindas da Alemanha, vide Lacrimosa, Rammstein e a própria Das Ich).

Enquanto os DJs comandavam as pickups, alguns preferiram as mesas do bar, já outros permaneceram incansavelmente na pista dançando os singulares passos que se caracterizam pelo movimento sensual dos braços e quadris. Nada parecido com aqueles vistos nas raves e boates que rolam música eletrônica, dentre da vertente dance, techno, trance e por aí vai. Homens e mulheres, mulheres e mulheres, homens e duas mulheres, todos se divertindo como querem, sem qualquer tipo de pudor ou regra.

No Matriz, no Festival U Can Move It não havia diferença entre o público e os artistas. Os músicos do Enjoy se compunham por roupas normais (em relação ao que a sociedade define como sendo normal). Já a banda cover de Rammstein seguiu o mesmo figurino da original, mas o visual do Das Ich realmente é impactante. Um cara alto com apenas dois pedaços da cabeça coberta por cabelos e o resto cortado com máquina zero. Esses cabelos eram cor-de-rosa e presos para cima, o que fazia conjunto com a maquiagem dark excêntrica com riscos vermelhos, rosto extremamente branco e olhos pintados de preto. Isso sem falar na roupa, preta e vermelha, em um estilo singular, o qual não consigo descrever. Agora - desculpem-me os fãs, ou alegrem-se, vai saber - o vocalista parecia o capeta. Ele estava vermelho e com o cabelo dividido em mechas presas em cima, aos moldes dos moicanos punks, mas em forma de cone. Acreditem, era uma figura assustadora. O outro tecladista era um tipo comum, cabelos loiros e compridos, apenas.

legenda

As apresentações começaram com o Rammstein Cover, banda que sempre agrada o público por sua fidelidade à original. Em seguida, mas com os DJs se revezando entre uma banda e outra, o Das Ich sobe ao palco para uma apresentação energética e com muita atitude e excentricidade. A voz grossa do vocalista unindo-se ao ritmo alucinante do industrial fazia um som pesado e sombrio, ao mesmo tempo em que proporcionava batidas que levavam as pessoas à catarse. O show durou cerca de duas horas e na seqüência a conhecida dos mineiros Enjoy entrou em cena.

O Enjoy é uma das bandas queridinhas de Belo Horizonte, está presente em quase todas as festas do gênero e já possui uma pequena legião de fãs que saem de casa especialmente para vê-los tocar e curtir o som. No U Can Move It não foi diferente, a banda conseguiu levar mais gente para dançar na pista do que o Das Ich, já que no primeiro show grande parte do público apenas assistiu. Mesmo que o Enjoy tenha começado a apresentação depois das duas da manhã, o público não se deixou abater e curtiu tudo até o final. Foi um grande festival em um local pequeno, mas que casa muito bem com o seu propósito. Então, o dia estava quase amanhecendo quando a última batida do U Can Move It soou.


Camila Martucheli
Contagem, 25/12/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Brasil, o buraco é mais embaixo de Luís Fernando Amâncio
02. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Fragmentos de Leituras e Sentido de Ricardo de Mattos
04. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton
05. Abominável Mundo Novo de Marilia Mota Silva


Mais Camila Martucheli
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Martin, Filhote de águia
Terezinha Éboli
Agir
(1989)



Ausblick 2 Kursbuch
Anni Fischer Mitziviris
Hueber
(2009)



Espírito Santo, Brasil - Bilíngue
Luis Guilherme Santos Neves e Outros
Casa e Jardim
(1994)



La Mémoire de Lâme
Launier / Mcebius
Stardom
(2001)



Os Pensadores da Grécia - Tomo I - Filosofia Pré-socrática - 1ª Edição
Theodor Gomperz
Ícone
(2011)



Paula
Isabel Allende
Abdr
(1996)



Manual do Engenheiro Globo 2º Volume 1º Tomo
Bolivar Barros e Outros
Globo
(1977)



Dicionário Espanhol Português
A. Tenório Dalbuquerque
Itatiaia



Vivendo Em Meio a Milagres
Steve Hill
Central Gospel
(2008)



São Paulo Em Vinte Artistas
Alberto Hiar Junior
Imprensa Oficial
(2010)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês