Quando (não) li Ana Cristina César | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Em busca de cristãos e especiarias
>>> Fim dos jornais? Desconfie
>>> O gênesis na argila
>>> Desejo de Status
>>> Até você se recompor
>>> Lobão e Olavo de Carvalho
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Mais Recentes
>>> Aí vem o sonhador de Ronald S. Wallace pela Vida (2014)
>>> Cantando ao Senhor de D. Martyn lloyd- Jones pela Pes (2013)
>>> A vida crucificada de A.w. tozer pela Vida (2013)
>>> Relógio de Pandora de John J. Nance pela Record
>>> A Vinha do Desejo de Sylvio Back pela Geração Editorial (1993)
>>> Mana Silvéria de Canto e Melo pela Civilização Brasileira (1961)
>>> O Ladrão de Palavras de Marco Túlio Costa pela Record (1983)
>>> Belle Époque de Max Gallo pela Globo/ RJ. (1989)
>>> Sonetos (livro de Bolso) de Antero de Quental pela Edições Cultura/ SP.
>>> O Imprecador de René-Victor Pilhes pela Círculo do Livro
>>> Escola de Mulheres (Capa dura) de Molière (Tradução): Millôr Fernandes pela Circulo do Livro (1990)
>>> Vida Incondicional de Deepak Chopra pela Best Seller (1991)
>>> Poesias Escolhidas de Sá de Miranda pela Itatiaia (1960)
>>> Prosas Históricas de Gomes Eanes De Zurara pela Itatiaia (1960)
>>> Historiadores Quinhentistas de Rodrigues Lapa (Seleção pela Itatiais (1960)
>>> Os Oceanos de Vênus de Isaac Asimov pela Hemus (1980)
>>> O Vigilante de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Today and Tomorrow And... de Isaac Asimov pela Doubleday & Company (1973)
>>> Como Fazer Televisão de William Bluem pela Letras e Artes (1965)
>>> Clipper Em Rede - 5. 01 de Gorki da Costa Oliveira pela Érica (1999)
>>> Para Gostar de Ler - Volume 7 - Crônicas de Carlos Eduardo Novaes e outros pela Ática (1994)
>>> londres - American Express de Michael jackson pela Globo (1992)
>>> Programando em Turbo Pascal 5.5 inclui apêndice da versão 6.0 de Jeremy G. Soybel pela Makron Books (1992)
>>> Lisa- Biblioteca do Ensino Médio -vol. 7 - Ciências - Minerais e sua pesquisa de Aurélio Bolsanelo pela Livros Irradiantes (1973)
>>> Ciências - Corpo Humano de Francisco Andreolli pela Do Brasil (1988)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1976)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> standard postage stamp catalogue de Sem autor pela Scott (1977)
>>> A World on Film de Stanley Kauffmann pela Harper & Row (1966)
>>> American Wilderness de Charles Jones pela Goushã (1973)
>>> Brazil on the Move de John dos Passos pela Company (1963)
>>> A Idade Verdadeira ( Sinta-se mais Jovem cada dia) de Michael R. Roizen M.D. pela Campus (2007)
>>> The Experience of America de Louis Decimus Rubin pela Macmillan Company (1969)
>>> Regions of the United States de H. Roy Merrens pela Nally & Company (1969)
>>> The Making of Jazz de James Lincoln Collier pela Company (1978)
>>> The Borzoi College Reader de Charles Muscatine pela Alfred. A. Knopf
>>> Architecture in a Revolutionary Era de Julian Eugene Kulski pela Auropa (1971)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> Talento para ser Feliz de Leila Navarro pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Trappers of the West de Fred Reinfeld pela Crowell Company (1957)
>>> Familiar Animals of America de Will Barker pela Alastair (1956)
>>> Asatru - Os Deuses do Tempo de Bruder pela Do autor (2018)
>>> O Outro Lado do Céu de Arthur C. Clarke pela Nova Fronteira (1984)
>>> international human rights litigation in U. S. courts de Beth stephens pela Martiuns (2008)
>>> the round dance book de Lloyd shaw pela Caxton printers (1949)
>>> Fonte de Fogo de Anne Fraisse pela Maud (1998)
>>> The Story of Baseball de John Durant pela Hastings House (1947)
>>> Dicionário de Clínica Médica - 4 volumes de Humberto de Oliveira Garboggini pela Formar
>>> Modern artists na art de robert L. Hebert pela A spectrum book (1964)
>>> A Treasury of American Folklore de Benjamin Albert Botkin pela Crown (1947)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/7/2016
Quando (não) li Ana Cristina César
Ana Elisa Ribeiro

+ de 1900 Acessos

Agora que a Flip (Festa Literária Internacional de Paraty) terminou, já posso ficar mais à vontade? Tomara. É que eu queria contar da minha relação - quase nenhuma - com a poesia de Ana Cristina César, reeditada pela Companhia das Letras recentemente. Isso sem ofender ninguém, é claro.

Do acesso negado

Eu não tinha noção, mas não havia muito acesso à obra de Ana C., como carinhosamente a chamam. Não tenho, até hoje, qualquer intimidade com ela. E tinha menos ainda, naquela época.

Eram os anos 1980-90, eu vivia minha adolescência e adorava ler. Construía, não sem dificuldades, meu elenco de obras, de autores e mesmo meu cânone. Tentava descobrir uma literatura mais recente, apesar das omissões do currículo escolar. Fazia esforço também para descobrir que autores vivos publicavam e que livros novos circulavam, especialmente na poesia, que era meu maior encantamento na leitura.

Entre bibliotecas privadas, escolares e públicas, eu construía uma trilha de leitura, com mediação quase zero, mas muita vontade de encontrar interlocutores. Quando um livro me caía nas mãos, eu logo corria para achar um outro que a este estivesse ligado, de algum modo. Meu critério maior ainda era o próprio autor, que poderia me levar a outros livros dele mesmo, ou aos alheios, por acaso ali citados, mencionados, assinados nos prefácios e nas orelhas das obras (ah, como o paratexto é precioso).

Numa dessas, percorrendo os caminhos tortuosos fora do currículo e longe da sala de aula, topei com uma carreira de livros mais novos na biblioteca da escola. Eram os livros das listas de vestibular. Isso nem existe mais. Converteu-se em um silêncio a mais na construção das impossibilidades. Nem isso precisamos mais ler ou dar a ler. Bem, polêmicas à parte, descobri algo novo. Autores, obras com títulos interessantes, rostos em fotos recentes, editoras existentes, uma linguagem muito próxima. Nessa prateleira específica, conheci Rubem Fonseca e João Ubaldo Ribeiro, descobri Ricardo Aleixo (vivo e conterrâneo), Carlos Herculano Lopes (idem) e Ana Cristina. Um espanto!

O espanto da mulher escritora

Sim, foi um espanto. Eu me lembro da sensação estranha de tomar entre os dedos um livro vermelho, meio fino, chamado A teus pés. Virei, revirei, é isto mesmo: é uma moça que escreve estes versos. Versos! Até ali, sequer Cecília Meireles me parecia uma mulher. É que Cecília me chegara pela via da literatura infantil, o que não me deixava a mesma impressão que Ana C. deixaria. Eram e são lugares diferentes onde pousar nossas impressões. O jeito era outro, a imagem da escritora diferia muito. A aura, talvez. Ana C. era a primeiríssima mulher escritora que me parecia do mundo da literatura "adulta".

Que espanto! Que livro é este? Que título é este? Confesso ter estranhado, mas também ter desgostado um pouco. Passou pela minha cabeça algo de piegas, talvez. Mas vou levar, pensei. Peguei emprestado, levei para casa e me estranhei com aquele livro mil vezes, até devolvê-lo à biblioteca. Lido, completamente lido e relido, sem muitas anotações. Lembro de achar as frases soltas, uma névoa qualquer, uma frouxidão nos versos, como se o poema permanecesse inacabado. Não era minha preferida. Mas só era ela entre os nomes do meu elenco até ali. Devolvi, nunca mais peguei.

Anos depois

Ana C. nunca mais esteve na moda. Descobri, nem sei como, mais uns autores, mais uns livros, consegui comprar outros. O livro vermelho dela vivia em falta, mas ao menos existia em alguns lugares por causa de um vestibular. É claro. Hoje esse mecanismo me parece muito mais óbvio e infinitamente mais cínico também. Ana C. era apenas um livro difícil. Hoje é um livro de vitrine.

Custei muito a encontrar outras autoras. Lembro de achar Cláudia Roquette Pinto (e comprei o livro); lembro de ganhar um volume de Thais Guimarães (hoje uma amiga); lembro de contatar Leila Míccolis; lembro de ganhar Bagagem, de Adélia Prado, quando ela ainda não era uma escritora tão popular. Era uma mineira do interior, também listada nos vestibulares.

No romance, lembro de ler Rachel de Queiroz quase toda e de me espantar, de novo, com a existência de uma autora entre tantas possibilidades masculinas. E Clarice, em alguma aula de cursinho, de novo... o vestibular.

Afinal, o vestibular e sua lista de livros me salvou da omissão total, especialmente em termos de escritoras. E agora? Hoje eu morreria à míngua da literatura esgarçada que dão nas escolas.

Formando escritoras

Em que Ana C. me corrigiu a rota? Talvez ela tenha me empoderado um pouco. Eu pude concluir, não sem ousadia: sim, posso também. Principalmente porque não a guardei como minha preferida ou como uma autora de extrema qualidade. Isso nas impressões - deem licença - de uma adolescente ou quase adulta que lia muito. Achei que também poderia fazer meus versos e já os fazia. Mas achei que poderia mostrá-los, publicá-los em algum lugar. Um zine, um jornal, tudo impresso, àquela época. E foi o que tratei de conseguir.

Mas não apenas por ter lido Ana Cristina. Por ter lido muito, e muitos outros, e por ter descoberto que se poderia falhar ao escrever e ser gostado e odiado. E que se poderia ser menina no meio de tanto menino. E que eu poderia estar viva, isto é, para ser autora não é necessário morrer, embora Ana C. tivesse uma biografia complicada, nesse sentido.

Escrevi, publiquei. Lancei-me à roda da literatura feita por gente viva, em português. Quem lerá isto? Deve ser a pergunta fatal para qualquer autor. Ou talvez não, para os que não ligam a mínima. Há os que dão sorte; há os que não. E meti-me nisto.

Nunca mais pensei em Ana C. Não a colecionei, nem por respeito ao gênero. Não pensei mais em nada disso e nem achei que algo me impediria de ser uma delas. Ou um deles. Nunca mais topei com A teus pés, nunca mais o li. Só lembrava das impressões meio frias que havia me deixado. E até lastimava.

Até que comecei a ouvir dizer. Fui tomando uma consciência das dificuldades que eu jamais tivera antes. E acho que não tê-las me ajudou, de certa forma. Talvez eu tivesse desistido. Comecei a atribuir a certas perversidades o fato de me negarem a fala, a letra, a circulação. Como terá sido com elas?

Ana C. nunca esteve no meu cânone. E não estará só porque foi reeditada por grande editora ou porque, de repente, tratou-se de reacendê-la ou porque uma biografia surge ou porque, por mecanismos X e Y, é a homenageada do evento mais badalado das letras nacionais. Não mudarei de impressão por isso, mas é claro que tenho muito a pensar sobre tudo e sobre Ana C. e sobre a omissão do nome dela, dos livros, sobre as críticas e sobre o incômodo com sua obra.

Comprei Ana C. reeditada, faz tempo. Não porque a preferisse entre outras e outros, mas em respeito à leitura que fiz de sua obra décadas atrás. Mas comprei faz tempo. Assim como comprei Cacaso belamente reeditado. E também Chacal. Eu recolecionei minhas leituras. E a única impressão que continuo tendo é a de que Ana C. pode ter me empoderado, mesmo que seus versos não me tenham conquistado.

Das comparações

Mas nunca consegui me desvencilhar de Ana C. Sabem por quê? Porque mesmo a tendo lido quase nada e mesmo nunca a tendo relido e nem sequer me sentindo próxima dela, era com ela que comparavam o que eu escrevia. E isso me incomodava.

Não me enraivecia. Não era para tanto. Mas era injusto, era fácil; era óbvio, mas era inverdadeiro. Era algo assim: quando um leitor (geralmente homem) queria ler meus textos e resenhar, de certa forma, minha poesia, ele logo vinha com algum chamado ancestral. E como encontrava muita dificuldade em enunciar qualquer coisa sobre aquela minha voz poética (que certamente não se parecia com outras), quase nada encontrava no horizonte das escritoras. E no da poesia "para adultos". E daí logo sacava Ana Cristina César, mesmo que em nada meus versos se parecessem com os dela. Era ela a única possibilidade, ou das poucas. E eu pensava: mas que falta do que dizer, meu Deus!

Nunca me identifiquei com ela. Nunca me senti leitora e mimetizadora dela. Mal lembrava de seus textos. No entanto, era considerada uma espécie de sua herdeira. Sim, certamente, por sermos mulheres nesta seara. Ou neste Saara.

Na falta de referências, "vai tu mermo", não é isso? Quem mais? Quantas mais? Mesmo tão deslidas as outras, com quem eu poderia me parecer? E havia outros episódios análogos: quando fui vocalista de banda de rock - e cantava grave como um rapaz -, só conseguiam me perguntar se minha influência era a Janis Joplin. Na falta de outra... Aquilo só me trazia mais espanto - um espanto ingênuo - sobre a escassez das mulheres nesses campos. Espanto! Se eu não ouvia Janis, não curtia Janis, não sabia quase nada dela e achava aquela voz chata!

Foi longo e tortuoso o caminho para descobrir Nina Simone, para achar Billie, para comprar uns discos da Ella. Muito custo para tudo. E para desvendar a vida difícil que essas moças costumam ter. Muito diferentes da minha, mas tão herdeiras, ainda, afinal.

Não é para ofender, não é para desmerecer ninguém que eu digo que não me sinto parte de uma dinastia parca e meio efêmera de moças poetas. Não é. Ana C. me empoderou, talvez. Não foi sem espanto que tive contato com a obra dela. Mas não foi amor, não foi vontade de escrever daquele jeito meio vago, meio inacabado. Eu queria aprender um outro jeito, sabendo que poderia. E posso.

Da próxima vez, tomara que encontrem comparação mais fácil, sem forçar tanto a barra no enquadramento das "poetisas". Em vinte anos, acho que a missão dos resenhistas será bem mais fácil e bem menos imprecisa, com muito mais mulheres para citar, muito mais escritoras em listas bacanas, livros para ler e genealogias para fazer. Só falta nos lermos mais, digo, de verdade.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 15/7/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
02. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
03. Fotonovela: Sociedade/ Classes/ Fotografia de Duanne Ribeiro
04. Veja e Cachoeira: relações perigosas de Gian Danton
05. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2016
01. 12 tipos de cliente do revisor de textos - 26/2/2016
02. O que vai ser das minhas fotos? - 29/7/2016
03. Que tal fingir-se de céu? - 4/11/2016
04. Noturno para os notívagos - 10/6/2016
05. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? - 15/1/2016


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIENCIACI DO FUTURO - A CIÊNCIA PROIBIDA DO SÉCULO XXI
MAURICE COTTERELL
MADRAS
(2012)
R$ 49,90



O GALANTE SR. FERGUSON
KRISTIN JAMES
NOVA CULTURAL
(1991)
R$ 4,00



WISH CASA ABRIL
LUCIANO RIBEIRO (EDITORIAL)
WISH CASA
(2013)
R$ 8,00



PINTURA NO MUSEU CALOUSTE GULBENKIAN
LUÍSA SAMPAIO
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(2009)
R$ 200,00



VIDA
KEITH RICHARDS
GLOBO
(2010)
R$ 25,00



AMANTE LIBERTADA
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



DEUS ME LIVRE !
ROSA AMANDA STRAUSZ
COMPANHIA DAS LETRINHAS
(1999)
R$ 18,00



O DESAFIO AMAZÔNICO - SAMUEL MURGEL BRANCO (ECOLOGIA/POLÍTICA)
SAMUEL MURGEL BRANCO
MODERNA
(1995)
R$ 4,00



ANTOLOGIA POÉTICA
OLAVO BILAC
L&M POCKET
(2007)
R$ 19,90
+ frete grátis



ATAQUES DE RISO POLITICAMENTE INCORRETOS
MARCELO JUCÁ
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00





busca | avançada
29939 visitas/dia
1,1 milhão/mês