A pós-modernidade de Michel Maffesoli | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
>>> Editora PAULUS apresenta 2ª ed. de 'Psicologia Profunda e Nova Ética', de Erich Neumann
>>> 1ª Mostra e Seminário A Arte da Coreografia de 17 a 20 de junho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Daslusp
>>> A essência de Aldous Huxley
>>> 80 anos de Alfredo Zitarrosa
>>> Dize-me com quem andas e eu te direi quem és
>>> 7 de Setembro
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Retrato de corpo inteiro de um tirano comum
>>> Você é rico?
>>> Podcasters do mundo, uni-vos!
Mais Recentes
>>> Free Riders de Luiz H. Rose; Maiza Fatureto; Tereza Sekiya pela Cambridge (2008)
>>> Difícil Decisão de Juciara Rodrigues pela Atual (1996)
>>> A História Vazia da Garrafa Vazia de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2004)
>>> A Cadelinha Lambada de Márcia Glória Rodriguez pela Icone (1997)
>>> Pra Você Eu Conto de Moacyr Scliar pela Atual (1998)
>>> Meio Circulante de Edison Rodrigues Filho; Walter Vasconcelos pela Melhoramentos (2012)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> The Big Picture Level 1 de Sue Leather pela Cambridge do Brasil (2001)
>>> A Dieta dos 17 Dias de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> Atitude Vencedora de John Maxwell pela Cpad (2004)
>>> Os Adolescentes e o Sexo de Mary Kehle pela Mundo Cristão (1989)
>>> Sonhos Mais Que Possíveis de Odir Cunha pela Planeta do Brasil (2008)
>>> 101 Idéias Criativas para o Culto Doméstico de David J. Merkh pela Hagnos (2002)
>>> A Droga da Obediência: a Primeira Aventura dos Karas! de Pedro Bandeira pela Moderna (2003)
>>> Cinco Minutos / a Viuvinha de José de Alencar pela Atica (1995)
>>> O Homem do Bone Cinzento e Outros Contos de Murilo Rubião pela Companhia das Letras (2007)
>>> Sabor de Vitória de Fernando Vaz; Jean; Cris pela Saraiva Didáticos (2010)
>>> A Autêntica Cozinha Vegetariana de Rose Elliot pela Manole
>>> Pássaros Feridos de Collen Mc Cullough pela Circulo do Livro
>>> Setembro de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil
>>> Campanhas Inesquecíveis - Propaganda Que Fez História no Brasil de Meio & Mensagem pela Meio & Mensagem
>>> História da Civilização de Will e Ariel Durant pela Companhia Editorial Nacional
>>> Vetor de Robin Cook pela Record
>>> Os Maias de Eça de Queiros pela L&pm
>>> Abc de las Naciones Unidas de Naciones Unidas pela Naciones Unidas
COLUNAS

Quinta-feira, 8/6/2017
A pós-modernidade de Michel Maffesoli
Guilherme Carvalhal

+ de 3400 Acessos



A formulação do conceito de modernidade foi uma construção histórica que envolveu da era do ser humano socializado em tribos até o surgimento dos estados nacionais atuais. O modelo tribal foi marcado pela criação de laços entre seus componentes de proximidade, de espontaneidade; conviviam por se enxergarem uns nos outros como iguais.

A formação dos grandes impérios — Egito, Assíria, Roma — até os estados nacionais marcou a criação de laços de convivência que mudaram de forma. O império ou o reino constitui-se como domínios do regente e como uma instituição superior aos homens, e à qual eles se associavam. Surge a figura do súdito e, mais recentemente, a do cidadão com o apogeu das democracias. A formação das sociedades ganha contornos mais burocráticos. Os indivíduos coexistem pelo senso de pertencimento a uma mesma instituição, pelo seu distanciamento dos demais — foi o caso do romano contra os de fora, os bárbaros — e pela mútua dependência, como no modelo econômico atual, da divisão do trabalho.

Pensar nas sociedade modernas significa compreender o ser humano nessas instâncias, pertencente a países, postos como cidadãos de suas nações, inseridos em um contexto de economia de mercado em que a mútua dependência gera a formação de laços, mais do que o fato de se enxergam um igual, e com o individualismo e a liberdade como grandes parâmetros de como essa sociedade deve funcionar, inclusive em suas instâncias jurídicas.

O conceito de pós-modernidade ganhou força nas últimas décadas, apontando mudanças na cultura e nas maneiras de socialização que romperiam com esse modelo de existência. Inúmeros autores, entre eles o aclamado Zygmunt Bauman (que preferia o termo sociedade líquida do que pós-modernidade), começaram a analisar que as sociedades contemporâneas — e poderíamos colocar o princípio como a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, apesar de não haver um consenso quanto a datas — tendem a uma maior frouxidão de suas normas, com maior liberdade e maior insegurança, e os valores e as instituições que sempre nortearam a vida humana, como igreja e família, perdem espaço para outras, como a cultura de massa.

As formas de analisar a pós-modernidade são muito vastas e ganharam muitos contornos. Uma visão mais específica que se pretende abordar nesse texto é a do sociólogo francês Michel Maffesoli, um pensador original que tem uma das abordagens mais singulares desse período.

Normalmente as análises sobre pós-modernidades são acompanhadas por forte sentimento negativo. A perda dos valores tradicionais e a formação de uma cultura globalizada, sobrepondo a tradicional, com menor apego à cidadania e o crescimento de problemas sociais como o consumo de drogas e a violência, sempre se configuram como problemático e acompanhado do sentimento de “antigamente era melhor”. Já a abordagem de Maffesoli tem um viés diferente, menos trágico.

Para esse autor, essa era pós-moderna é marcada pelo que ele denomina de “tribalismo”, em que as relações são formadas mais por um forte senso emotivo e menos pelas relações frias formadas pela sociedade industrial. Assim, o comportamento moderno cada vez mais tangeria para um modelo tribal, em que as pequenas aglomerações ganham força, superando o conceito de nação ou de povo. Então, ao rompimento dos antigos modelos sociais sucede um novo, em que as pequenas relações são construídas, e em que o laço afetivo é mais forte.

Na formação das nações modernas, há fortemente o movimento do centro reduzir as disparidades internas. Peguemos um exemplo, o de imigrantes brasileiros, em que as ações sempre foram de reduzir seus laços com as nações de origem e abrasileirá-los, como no caso de levá-los ao uso do idioma português. Dessa forma, as diferentes formas de coexistência seriam centrifugadas por essa noção maior de nação.

Além disso, a industrialização viria acompanhada por um sentimento de desencantamento do mundo. A razão instrumental que modela o comportamento e a relação do indivíduo com seu entorno tornariam essa percepção fria e reduziria a capacidade de se enxergar no outro, de criar uma relação realmente próxima. Em termos mais alegóricos, é como se a própria pessoa se tornasse mecânica.

A perda desse sentimento de pertencimento a essa grande instituição produz mudanças na solidariedade entre as pessoas. Esse modelo de interdependência das partes volta ao modelo primitivo, em que os componentes se reúnem por reconhecerem um no outro um igual. O ritmo da vida moderna então anda para trás, se assemelhando ao modelo dos homens primitivos. E esse senso de proximidade com o outro é retomado.

As implicações desse modelo, obviamente, se dão na política. O pensamento acerca da pós-modernidade já costuma estabelecer alguns pontos, como a incapacidade da política em apresentar soluções e mudanças na sociedade, o que se associa ao desinteresse da população por ela. Com relação a esse contexto, Maffesoli aponta para novas formas de tomadas de decisão, com esses nichos de socialização ganhando força em relação à política tradicional.

Sua forma de pensar é inovadora e muitas vezes controversa. Os questionamento que passam por quem estuda sua forma de enxergar a sociologia facilmente levam à contestação. Esse é outro de seus méritos, o de conseguir pensar fora da caixa e andar contra determinadas correntes tanto no pensamento acadêmico quanto no pensamento do dia a dia.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 8/6/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
04. Bates Motel, o fim do princípio de Luís Fernando Amâncio
05. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉtait un Temps Déraisonnable: les Premiers Résistants Racontent
Georges Marc Benamou
Robert Laffont (paris)
(1999)



João Lobo 15
Thales Trigo Simonetta Persichetti
Senac Sp
(2008)



A Madrasta
Nancy Thayer
Círculo do Livro
(1987)



Parque Górki
Martin Cruz Smith
Círculo do Livro
(1984)



O Brasil na França
Ruy Pacheco de Azevedo Amaral
Fund Alexandre de Gusmão
(2008)



Recurso de Apelação e Novas Aplicações de Seu Efeito Devolutivo
Mauro Pedroso Gonçalves
Juruá
(2009)



Revista Brasileira de Filosofia Vol. Lvi Fasc 231
Fundação Nuce e Miguel Reale
Instituto Brasileiro Filosofia
(2008)



Preços de Produção, Métodos de Longo Prazo e Equilíbrio Geral: uma Crí
Marcos de Barros Lisboa
Bndes (rj)
(1993)



Ilha da Trindade: a Ocupação Britânica e o Reconhecimento da Sobe
Martin Normann Kämpf
Fundação Alexandre de Gusmão
(2016)



Estudos Jurídicos Criminais
Luciano Nascimento Silva
Juruá
(2008)





busca | avançada
77305 visitas/dia
2,7 milhões/mês