A pós-modernidade de Michel Maffesoli | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
>>> Presenças
>>> Se você não fosse tão burro...
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 8/6/2017
A pós-modernidade de Michel Maffesoli
Guilherme Carvalhal
+ de 3900 Acessos



A formulação do conceito de modernidade foi uma construção histórica que envolveu da era do ser humano socializado em tribos até o surgimento dos estados nacionais atuais. O modelo tribal foi marcado pela criação de laços entre seus componentes de proximidade, de espontaneidade; conviviam por se enxergarem uns nos outros como iguais.

A formação dos grandes impérios — Egito, Assíria, Roma — até os estados nacionais marcou a criação de laços de convivência que mudaram de forma. O império ou o reino constitui-se como domínios do regente e como uma instituição superior aos homens, e à qual eles se associavam. Surge a figura do súdito e, mais recentemente, a do cidadão com o apogeu das democracias. A formação das sociedades ganha contornos mais burocráticos. Os indivíduos coexistem pelo senso de pertencimento a uma mesma instituição, pelo seu distanciamento dos demais — foi o caso do romano contra os de fora, os bárbaros — e pela mútua dependência, como no modelo econômico atual, da divisão do trabalho.

Pensar nas sociedade modernas significa compreender o ser humano nessas instâncias, pertencente a países, postos como cidadãos de suas nações, inseridos em um contexto de economia de mercado em que a mútua dependência gera a formação de laços, mais do que o fato de se enxergam um igual, e com o individualismo e a liberdade como grandes parâmetros de como essa sociedade deve funcionar, inclusive em suas instâncias jurídicas.

O conceito de pós-modernidade ganhou força nas últimas décadas, apontando mudanças na cultura e nas maneiras de socialização que romperiam com esse modelo de existência. Inúmeros autores, entre eles o aclamado Zygmunt Bauman (que preferia o termo sociedade líquida do que pós-modernidade), começaram a analisar que as sociedades contemporâneas — e poderíamos colocar o princípio como a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, apesar de não haver um consenso quanto a datas — tendem a uma maior frouxidão de suas normas, com maior liberdade e maior insegurança, e os valores e as instituições que sempre nortearam a vida humana, como igreja e família, perdem espaço para outras, como a cultura de massa.

As formas de analisar a pós-modernidade são muito vastas e ganharam muitos contornos. Uma visão mais específica que se pretende abordar nesse texto é a do sociólogo francês Michel Maffesoli, um pensador original que tem uma das abordagens mais singulares desse período.

Normalmente as análises sobre pós-modernidades são acompanhadas por forte sentimento negativo. A perda dos valores tradicionais e a formação de uma cultura globalizada, sobrepondo a tradicional, com menor apego à cidadania e o crescimento de problemas sociais como o consumo de drogas e a violência, sempre se configuram como problemático e acompanhado do sentimento de “antigamente era melhor”. Já a abordagem de Maffesoli tem um viés diferente, menos trágico.

Para esse autor, essa era pós-moderna é marcada pelo que ele denomina de “tribalismo”, em que as relações são formadas mais por um forte senso emotivo e menos pelas relações frias formadas pela sociedade industrial. Assim, o comportamento moderno cada vez mais tangeria para um modelo tribal, em que as pequenas aglomerações ganham força, superando o conceito de nação ou de povo. Então, ao rompimento dos antigos modelos sociais sucede um novo, em que as pequenas relações são construídas, e em que o laço afetivo é mais forte.

Na formação das nações modernas, há fortemente o movimento do centro reduzir as disparidades internas. Peguemos um exemplo, o de imigrantes brasileiros, em que as ações sempre foram de reduzir seus laços com as nações de origem e abrasileirá-los, como no caso de levá-los ao uso do idioma português. Dessa forma, as diferentes formas de coexistência seriam centrifugadas por essa noção maior de nação.

Além disso, a industrialização viria acompanhada por um sentimento de desencantamento do mundo. A razão instrumental que modela o comportamento e a relação do indivíduo com seu entorno tornariam essa percepção fria e reduziria a capacidade de se enxergar no outro, de criar uma relação realmente próxima. Em termos mais alegóricos, é como se a própria pessoa se tornasse mecânica.

A perda desse sentimento de pertencimento a essa grande instituição produz mudanças na solidariedade entre as pessoas. Esse modelo de interdependência das partes volta ao modelo primitivo, em que os componentes se reúnem por reconhecerem um no outro um igual. O ritmo da vida moderna então anda para trás, se assemelhando ao modelo dos homens primitivos. E esse senso de proximidade com o outro é retomado.

As implicações desse modelo, obviamente, se dão na política. O pensamento acerca da pós-modernidade já costuma estabelecer alguns pontos, como a incapacidade da política em apresentar soluções e mudanças na sociedade, o que se associa ao desinteresse da população por ela. Com relação a esse contexto, Maffesoli aponta para novas formas de tomadas de decisão, com esses nichos de socialização ganhando força em relação à política tradicional.

Sua forma de pensar é inovadora e muitas vezes controversa. Os questionamento que passam por quem estuda sua forma de enxergar a sociologia facilmente levam à contestação. Esse é outro de seus méritos, o de conseguir pensar fora da caixa e andar contra determinadas correntes tanto no pensamento acadêmico quanto no pensamento do dia a dia.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 8/6/2017

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O pai tá on: um ano de paternidade de Luís Fernando Amâncio
02. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cozinhando Com o Microondas Vol 1 (1995)
Não Especificado
Circulo do Livro
(1995)



Fabrica e a Cidade Ate 1930, a - a Vida no Tempo
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2002)



Port Out , Starboard Home
Michael Quinion
Penguin Uk
(2005)



Os Subterrâneos da Liberdade Iii - a Luz no Túnel 1974
Jorge Amado
Martins Fontes
(1951)



O Imperador Vol. 4 - os Deuses da Guerra - Confira!
Conn Iggulden
Record
(2008)



Scooby-doo! Em Múmias no Shopping
Gail Herman
Babel
(2011)



1808 - Edição Juvenil - Laurentino Gomes
Laurentino Gomes
Planeta Jovem
(2009)



Quem é essa Mulher Vestida de Sol
Biba Arruda
Gente
(1998)



Uma Estranha Aventura Em Talalai
Joel Rufinho dos Santos
Pioneira
(1982)



Livro da Familia - Coleção Pessoinhas - Natureza e Sociedade 2
Ruth Rocha; Anna Flora / 1ª Ed
Ftd
(2010)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês