Mais espetáculo que arte | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> O filósofo e sua história de Michael B. Wringley (org.) pela Fapesp (2003)
>>> Cadernos de Tradução de Núcleo de Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (1999)
>>> Afro Ásia 41 de Centro de Estudos Afro Orientais pela Universiadade Federal da Bahia (2011)
>>> A democracia ameaçada: o MST, o teológico político e a liberdade de Denis Lerrer Rosenfield pela Top books (2006)
>>> Onde existe amor, Deus aí está de Tolstói pela Versus (2001)
>>> Unidos pelo casamento de Rinaldo Seixas pela Mundo Cristão (2014)
>>> Sempre, às vezes, nunca de Fábio Arruda pela Arx (2003)
>>> Educação Geográfica em movimento de Larissa Corrêa Firmino (org.) pela Fapesc (2010)
>>> Sobre moeda, método e Keynes de Victoria Chick pela Unicamp (2010)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
COLUNAS

Quinta-feira, 16/3/2017
Mais espetáculo que arte
Guilherme Carvalhal

+ de 2200 Acessos



Em tempos de sociedade hipermidiática e em que pequenos e insignificantes acontecimentos sobrepõem fatos relevantes, a visão referente à cerimônia do Oscar foi de certo frisson em torno da gafe na entrega do prêmio de Melhor Filme e um pouco menos no que importa, a imensa qualidade do ganhador Sob a Luz do Luar. Essa visão se estende ainda para a disputa entre o ganhador e aquele que vinha sendo apontado como o favorito, La La Land e sua pegada estilo arrasa-quarteirão. Justamente por contar com maior relevância midiática e maiores comentários é que essa obra se estabeleceu como a potencial ganhadora.

Chamar La La Land de arrasa-quarteirão é um certo exagero, até mesmo por conta de seu diretor Damien Chazelle, que produziu o excelente Whiplash e assim se mostrou capaz de abordar temas que saem do lugar comum. Porém, dos indicados ao Oscar, La La Land é o que mais se vale das ferramentas de atração do público: casal de protagonistas simpáticos, felicidade para dar e vender durante boa parte do filme, uma dose de comédia de situação (mesmo que descambe em um drama). Para ser mais preciso, o filme foi um meio termo em Hollywood entre as megaproduções e o cinema autoral. Ele busca apresentar uma história mais profunda e utiliza atores renomados e belas técnicas de filmagem, tanto que ganhou Oscar de Design de Produção, Fotografia e Direção.

Foi justamente desse modelo que Sob a Luz do Luar escapa completamente, sendo o filme mais barato já realizado a ganhar o Oscar de Melhor Filme. Algo aliás que tem ocorrido frequentemente nas últimas premiações, de filmes que estão longe de serem sucesso de bilheteria levando a estatueta. As últimas grandes produções a disputarem, como Avatar e O Regresso, resultaram em derrota e em filmes com menor recepção do público sendo premiados.

Essa a circunstância que envolve Sob a Luz do Luar. Um filme de baixa repercussão popular recebendo a maior premiação do cinema expõe mais ainda a realidade que os últimos anos têm demonstrado, a de um desencaixe entre o cinema de qualidade e o cinema de alta bilheteria. Não apenas no cinema, mas em todas as formas de cultura se percebe isso, a de uma reprodução de conteúdo de fácil assimilação como o ponto forte de um empreendimento financeiro. E aquilo que se pretende enquanto inovador, questionador, reflexivo, etc, anda entre as margens da grande indústria.

A falta de contato com a obra gera más interpretações na recepção de Sob a Luz do Luar, qualificando-o como um filme negro e LGBT, que seria premiado como uma espécie de cota, principalmente após a série de protestos ano passado em decorrência da ausência de negros indicados. Nada mais distante da verdade, já que Sob a Luz do Luar possui um roteiro que conta uma história bela e humana e é muito bem amarrado, sem deixar nenhuma aresta sobrando.

Sob a Luz do Luar conta a vida de Chiron da sua infância até a fase adulta. O filme é recortado em três partes segundo a cronologia do rapaz: sua infância, adolescência e depois de adulto. Em todas essas partes, acompanhamos Chiron em busca de sua própria identidade, querendo se encaixar em algum lugar do mundo.

A construção da personalidade de Chiron e essa busca por quem ele de fato é se apoia em várias situações. Inicialmente temos o conflito familiar, da mãe viciada e da ausência do pai. Essa ausência o leva a buscar conforto na casa de Juan, um traficante, e sua esposa Teresa. E a imagem de Juan serve de parâmetro de Chiron por toda vida. Ao longo do filme outros conflitos surgem, como o gatilho da homossexualidade na adolescência e o contato com a violência, onde todas as suas influências (e as ausências, como a do vínculo familiar) o levam a fortes dilemas, o da busca por sua real identidade.

O verdadeiro valor inclusivo de Sob a Luz do Luar não é o de ser um filme negro vencendo o Oscar, mas a da quebra de esteriótipos dentro da narrativa. A indústria do cinema tem poucos protagonistas negros, e em muitos desses casos eles se encaixam dentro de um determinado padrão de personagem. Negros no papel de bandidos ou de operários eram comuns, mas não tanto em papéis de médicos ou juízes.

Sob a Luz do Luar tem um pouco de esteriótipos, como a visão do negro como uma classe excluída, a pobreza, a violência. Mas dentro desse esteriótipo (que eu particularmente encaro como a exposição de um problema social e não de um esteriótipo) os roteiristas e o diretor criaram uma história profunda, intrigante e humana, que não se limita a um panfleto social como se esperaria de um filme sobre negros e sobre homossexuais, mas a uma perspectiva mais existencial, sobre o papel do eu no mundo.

Da abordagem a esse filme, podemos olhar o perfil dos outros indicados ao Oscar e notar o quanto as indicações nesse ano de 2017 se deram em primazia dos roteiros do que de outros atributos técnicos. Manchester à Beira-Mar, ganhador do Oscar de Melhor Roteiro Original, apresenta um homem que tenta se estabelecer após um acidente matar seus filhos. Um limite entre nós é outra obra que apela bastante para a história e para o lado humanístico, sobre um homem brutalizado pela vida e sua relação com esposa e filhos. Basta pensar que das grandes produções do ano passado (como 50 Tons de Cinza, Star Trek: Sem Fronteiras, Rogue One) nenhuma foi indicada a Melhor Filme.

O que se poderia colocar como exceção seriam o já citado La La Land e A Chegada. Não que seus roteiros sejam mais fracos, porém são filmes com maior orçamento e com um apelo maior de efeitos e de elenco. A Chegada foi até uma surpresa, por ser um filme de ficção científica entre tantas obras com um pé bem fincado na terra, superando bastante o insosso Perdido em Marte, indicado ano passado.

E, mesmo entre tantas obras que possuem valores distintos e que podem agradar aos mais variados gostos por cinema e entretenimento, o que ficou marcado da entrega do Oscar foi a gafe com o ganhador do Oscar. Mais um marco de uma sociedade em que há pouca profundidade e o espetáculo fala mais alto do que qualquer análise mais profunda, tempos em que o comportamento de manada e a padronização de gostos se exacerba diante da indústria de entretenimento. Acabou que essa cena foi a redenção de si mesmo: se os filmes não causaram o impacto desejado pelo público, a falha proporcionou a dose de emoção que todos aguardavam.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 16/3/2017


Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GÊMEOS DA PESADA
MICHAEL KELLER
COMPANHIA NACIONAL
(2015)
R$ 10,00



HISTÓRIA MODERNA 1
ANDRÉ CORVISIER
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 39,90
+ frete grátis



UM PREÇO PELA VIDA AVENTURA AMAZÔNICA
ASSIS BRASIL
SALAMANDRA
(1990)
R$ 4,00



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
SARAIVA
(2008)
R$ 13,00



A ELOQUÊNCIA DOS SÍMBOLOS
EDGAR WIND
EDUSP
(1998)
R$ 45,00



O CÍRCULO DOS MAGOS
PHILIP PULLMAN / E. NESBIT / CHARLES DICKENS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 11,00



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
ED. SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



A TÉCNICA DO DIREITO VOL 1 - TEORIA GERAL DAS AÇÕES
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 6,80



O PIANISTA DE HITLER
PETER CONRADI
JOSÉ OLYMPIO
(2017)
R$ 20,00



OS GRANDES SANTOS
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,00





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês