Aquarius, quebrando as expectativas | Guilherme Carvalhal | Digestivo Cultural

busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
>>> Curtas e Grossas
>>> Caneando o blog
>>> Arte é entropia
>>> Amor fati
>>> 50 anos da língua de Riobaldo
Mais Recentes
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2012)
>>> Presença do Vinho no Brasil de Carlos Cabral pela Cultura (2007)
>>> Psicossomática e pediatria: novas possibilidades de relacionamentos de Adolpho Menezes de Mello pela Health (1996)
>>> Emagreça & Aparece! de Wilson Rondó Jr. A11B4 2007 pela Gente (2007)
>>> Civilização- Ocidente X Oriente de Niall Ferguson pela Planeta (2023)
>>> Os Segredos de uma Encantadora de Bebês de Tracy Hogg pela Manole (2002)
>>> Grande história universal vol II de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Mulher de Trinta Anos de Honoré de Balzac pela Clube do Livro (1988)
>>> Limite Zero de Joe Vitale e Ihaleakala B9B1 pela Rocco
>>> Crítica da Razão Pura de Immanuel Kant pela Nova Cultural
>>> Grande história universal vol III de Leopoldo Collor Jobim, Dirceu Accioly Lindoso pela Bloch Editores
>>> Contos de Machado de Assis pela Objetivo / Cered
>>> O Maior Espetáculo da Terra de Richard Dawkins pela Companhia das Letras (2009)
>>> Os Melhores Contos de H. P Lovecraft de Howard Phillips Lovecraft pela Hedra (2015)
>>> Vinagre de Maçã Uma Receita de Vida de G. P. Boutard B10B4 2001 pela Claridade (2001)
>>> Nações do mundo: China de Time-Life Livros pela Cidade Cultural (1987)
>>> Vontade de Potência 1 e 2 de Nietzsche pela Escala
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Tres
>>> As máscaras do destino de Florbela Espanca pela Livraria Bertrand (1981)
>>> A prenda a Fazert o Seu Biorritmo de Marco Natali pela Ouro (1978)
>>> A Mulher do Próximo: uma crônica da permissividade americana nas décadas de 1960 e 1970 de Gay Talese - Pedro Maia Soares (Trad.) pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1996)
>>> Como Pensar e viver melhor de Rolf Dobelli pela Objetiva (2019)
>>> O amante de Marguerite Duras pela Record (1984)
>>> Quando Ele Voltar de Ricky Medeiros pela Vida & Consciência (2004)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/4/2017
Aquarius, quebrando as expectativas
Guilherme Carvalhal
+ de 4500 Acessos



Apesar de ter sido posto como um filme sobre uma mulher lutando contra um projeto para demolir o prédio onde vive, em um típico embate de Davi contra Golias, Aquarius, o notório filme de Kleber Mendonça Filho ovacionado no Festival de Cannes que bateu na trave para ganhar a Palma de Ouro, vai muito mais longe do que o mero apelo a um modelo de narrativa que tende a cativar o público, a do mais fraco superando o mais forte. Trata-se de uma minuciosa leitura da vida da personagem principal e todas as suas correlações, tendo seu confronto para manter seu apartamento como eixo condutor.

Toda a história gira em torno de Clara, uma jornalista e escritora de classe média que tem a música como sua maior paixão. Sua coleção de disco é volumosa e chama a atenção até mesmo da imprensa. Entrevistada sobre seu gosto por mídias físicas por um jornal, ela diz que ouve MP3 e streaming, mas que prefere vinil.

Esse pequeno detalhe é algo corriqueiro durante todo o filme, a de quebrar por completo as expectativas formadas no expectador. Ao vermos o equipamento de som antigo e as estantes cheias de discos, somos levados a crer em uma pessoa de perfil retrógrado, crença quebrada de imediato. Isso acontece em vários momentos, como no começo do filme, em que vemos um carro estacionar na praia à noite e pensamos em alguma transgressão, mas não passa de um momento de lazer. Ou então quando uns garotos chegam na praça durante uma aula de ioga, indicando que vão cometer alguma transgressão, mas se juntam a essa aula.

Clara vive em um apartamento à beira-mar, frequentemente passeando pela orla. É conhecida e sempre passa uma visão de respeito a todas as pessoas, como o salva-vidas da praia. Tem uma vida padrão para classe média, residindo bem, com segurança financeira, filhos adultos e criados. Além disso, guarda a marca de um câncer de mama que enfrentou em 1980, tendo um dos seios retirados.

Esse padrão de vida no qual ela está inserido começa a ser abalado quando recebe a proposta de uma construtora para vender seu apartamento. O plano é simples, comprar todos os apartamentos, derrubar e construir um prédio novo no lugar. Apesar do valor proposto pela construtura ser bem acima do de mercado, Clara recusa, vendo todos os seus vizinhos aceitando até ela permanecer como única moradora.

Sua recusa leva ao estouro de uma série de problemas em sua relações. A principal delas é a familiar. Em um almoço, seus dois filhos e sua filha levantam a questão e a questionam por não aceitar o valor oferecido pela construtora. Aqui, evidencia-se o distanciamento familiar: um dos filhos mal aparece, a filha se coloca como alguém em problemas financeiros após o divórcio e que precisa da ajuda da mãe e o outro filho não apresenta seu novo namorado. Ao mesmo tempo, Clara alimenta enorme proximidade com seu sobrinho, com quem divide o mesmo gosto por música e o mesmo temperamento desprendido, de quem o prazer e a arte trazem a satisfação da vida. Enquanto os filhos são fonte de problema, o sobrinho é fonte de amor e apoio.

A principal manifestação das ações da construtora se figura através de Diego, o rapaz que está planejando derrubar o prédio. Os embates entre ele e Clara são a principal mostra do conflito, que aqui claramente colocam os dois em polos opostos. Diego é jovem, Clara está entrando na terceira idade, Diego é materialista, Clara é desprendida, Diego é sonso e dissimulado, Clara é autêntica e desbocada. A relação dos dois, que de início se mostrar cordial, ao pouco se torna densa. E aqui reside o principal ponto negativo da obra.

Essa dicotomia quebra toda a sofisticação da realidade de Clara para entrar em um lugar comum. Diego é a encarnação do capitalismo selvagem que quer destruir o pequeno recanto dela. Ele diz que fez um curso de três anos nos Estados Unidos, e é o tipo de informação que soa como demonizante. Ele chega de carrão, e Clara tem um carro velho. O rapaz chega a fazer alusão à cor da pele de Clara, fortalecendo uma imagem de racista. São meros instrumentos para alavancar algo ao estilo “a burguesia fede”.

A premissa de um embate do fraco como o forte serve perfeitamente para o desenrolar dessa narrativa de Clara, porém fraqueja ao cair no lugar comum. Todo o roteiro do filme é minucioso, seja quebrando expectativas, seja na maneira singular como detalha cada um de seus eventos. Para um filme tão rico, cair nessa dialética acaba sendo uma falha notável, apesar de não comprometer o todo.

Aquarius pode ser colocado sem exagero algum na lista de melhores filmes brasileiros de todos os tempos. É um filme rico, deslumbrante, com uma personagem cativante e que associa a si o conteúdo de força feminina que tanta falta faz no cinema. O diretor acertou em cheio na narrativa, mesmo que tropeçando no lugar comum da luta de classes.


Guilherme Carvalhal
Itaperuna, 6/4/2017

Mais Guilherme Carvalhal
Mais Acessadas de Guilherme Carvalhal em 2017
01. Sabemos pensar o diferente? - 21/9/2017
02. Aquarius, quebrando as expectativas - 6/4/2017
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli - 8/6/2017
04. Mais espetáculo que arte - 16/3/2017
05. Literatura, quatro de julho e pertencimento - 20/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Historinhas Marupiaras
Elias Yaguakag
Mercuryo
(2011)



Na Minha Cadeira Ou na Tua?
Juliana Carvalho
Terceiro Nome
(2010)



A era da Turbulência - Aventuras Em um Novo Mundo
Alan Greenspan
Campus
(2008)



Jesus - A Vida Completa
Juanribe Pagliarin
Bless Press
(2010)



Ame o Que e Seu
Emily Giffin
Novo Conceito
(2008)



O Sonho da Baratinha
Regina Lasagno da Silva
Feesp
(1998)



Homens Nao Ouvem, Mulheres Falam Demais
Jane Sanders
Cultrix
(2008)



100 Segredos das Pessoas Felizes
David Niven
Sextante
(2001)



Minigramática
Jésus; Samira
Saraiva
(1998)



Inovação Com Resultado: o Olhar Além do Óbvio - Confira !!!
Thomas M. Koulopoulos
Senac São Paulo / Gente
(2011)





busca | avançada
35344 visitas/dia
1,6 milhão/mês