Por que as curitibanas não usam saia? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pronétaires, unissez-vous!
>>> O mapa da África
>>> Tem café?
>>> Dois anos de Cinema Independente
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> O comércio
>>> Isto é para quando você vier
>>> A vez dos veteranos
>>> A morte e a morte de jorge amado
>>> Solidão Moderna
Mais Recentes
>>> Assumindo o Controle do Seu Tempo de Hbr pela Elsevier (2007)
>>> Feliz Ano Novo de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (1990)
>>> Ai de Ti, Copacabana de Rubem Braga pela Record
>>> O Poder da Esposa Que Ora de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (1998)
>>> Alexandre e Outros Heróis de Graciliano Ramos pela Record
>>> Nosso Lar de Chico Xavier pela Feb (1997)
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Pai Nosso de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Maria, a Maior Educadora da História de Augusto Cury pela Planeta (2007)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint Exupéry pela Harper Collins Br (2006)
>>> Ação e Reação de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> O Mestre dos Mestres Análise da Inteligência de Cristo Vol 1 de Augusto Cury pela Sextante (2006)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Cândido Xavier pela Feb
>>> Mantenha Seu Cérebro Vivo de Lawrence C Katz pela Sextante (2000)
>>> Terminologia Em Enfermagem de Maria Aparecida Modesto dos Santos pela Martinari (2006)
>>> Oração de São Francisco de Leonardo Boff pela Sextante (1999)
>>> Dom Quixote - Série Reencontro de Miguel de Cervantes / José Angeli pela Scipione (1985)
>>> Orixás, Caboclos e Guias de Edir Macedo pela Unipro (2007)
>>> A Suspeita de Friedrich Durrenmatt pela Circulo do Livro
>>> O Quinze de Rachel de Queiroz pela Salamandra
>>> O Que Você Precisa Saber Sobre Maçonaria de Elias Mansur Neto pela Universo dos Livros
>>> Filha da Noite de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Rainha da Dança de Thalia Kalkipsakis pela Fundamento (2005)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Ansiedade Como Enfrentar o Mal do Século de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 22/2/2011
Por que as curitibanas não usam saia?
Adriana Baggio

+ de 14100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Andando na rua neste verão curitibano, o marido observa: as mulheres desta cidade não usam saia.

Ele não é daqui, sempre morou em lugares quentes, de comportamento mais expansivo. Apesar de seus sete anos de Curitiba, ainda lhe escapam algumas nuances do jeitinho curitibano de ser (ou, quando querem dizer que somos uns esnobes metidos à besta, "jeitinho curitiboca de ser").

Tento encontrar uma explicação para a questão das saias: Curitiba é uma cidade de clima esquizofrênico. Já virou lugar-comum dizer que aqui as quatro estações acontecem no mesmo dia. E é verdade, pode acreditar. Sabe essa tendência de sobreposição, de cardigãs e casaquinhos? Aqui sempre foi moda. Nunca dá para vestir uma peça única. Você usa várias, das mais frescas às mais quentes, para ir tirando ou colocando conforme o humor do clima. Com a parte de cima essa flexibilidade funciona bem. E com a parte de baixo? Esse é um dos motivos pelos quais evitamos saias (eu acho).

Imagine uma moça que mora em um bairro distante, trabalha no centro durante o dia, estuda à noite e usa transporte coletivo. Ela sai de casa bem cedo, quando ainda está friozinho, e volta com a mesma temperatura. Por mais que no almoço passe um calorão, se colocar saia vai passar frio nos extremos do dia. E se chover, vai ficar com a perna melada por causa das pedras soltas da calçada.

Não fiz uma pesquisa séria sobre isso, mas acredito que é mais fácil encontrar curitibanas de saia entre as de maior poder aquisitivo. Mulheres que podem ir trabalhar de carro, que não andam pelas ruas no meio do dia, sujeitas às intempéries. Ou aquelas que saem de casa quando o tempo já se decidiu e voltam antes que ele mude de ideia, o que até permite um figurino fixo.

A culpa não é só do clima
Talvez essas explicações sejam frágeis. Independente do poder aquisitivo, o fato é que a mulher curitibana é reservada, conservadora, pudica (ou metida, como querem alguns). Mostrar as pernas é um sinal de personalidade, ousadia. Quando uma mulher vai trabalhar de saia, é um acontecimento. As colegas vão dizer que ela está linda vestida assim de mulherzinha. Os homens vão ficar babando, mesmo que a peça só mostre o tornozelo. Ela vai ter que estar pronta para ser o centro das atenções e dos comentários, o que muitas curitibanas não gostam.

Vejam que o problema com a saia não é o comprimento (apesar de os modelos longos fazerem o maior sucesso por aqui). A saia, em si, é uma roupa emblemática. Ela é fácil de ser tirada, diferente da calça. Usar saia exige maior atenção na hora de andar, de sentar, de se abaixar, de andar de ônibus. A mulher de saia, de alguma forma, está mais tolhida em seus movimentos. Uma saia, em resumo, torna o corpo mais acessível. E é aí que reside o problema de interpretação: um corpo mais acessível não é um corpo que quer ser acessado, apesar de muita gente não saber a diferença.

Por conta de toda essa carga de significados, as saias são símbolo do movimento Toutes en Jupes, que incentiva o uso desta peça no 25 de novembro, dia internacional de luta contra as violências feitas às mulheres. Na essência do movimento, a mensagem é que uma mulher tem o direito de usar saia, do comprimento que desejar, sem se sentir vulnerável, sem ser vista como prostituta e sem que as pessoas acreditem que ela "está pedindo".

Evidentemente, na maior parte das vezes usamos saias não por motivos políticos ou ideológicos. Usamos porque é feminino, porque é bonito, para mostrar nossas pernas tão raramente bronzeadas, porque é mais confortável, porque é muito mais indulgente do que as calças com os diversos tipos de silhuetas. Porém, as mulheres curitibanas talvez se beneficiem menos da versatilidade das saias por conta de um conservadorismo social arraigado, que pode até não ser mais realidade, mas que ainda pauta nosso comportamento.

Revista Nova apresenta: a mulher curitibana na década de 1980
Certo dia, durante uma aula no curso de Comunicação, alunas minhas (nenhuma delas de saia) apareceram com um exemplar da revista Nova de 1982 (ainda nem tinham nascido...). Surpreendentemente, encontro uma reportagem preciosa: "A mulher em Curitiba: a cidade é conservadora, elas não" (veja aqui em PDF), assinada pela jornalista Télia Negrão, que hoje (descubro pelo Google) é secretária-executiva da Rede Feminista de Saúde.

Télia começa apresentando à leitora o cenário de uma Curitiba cheia de contrastes: moderna, já com um milhão de habitantes, modelo de urbanismo e transporte coletivo, atraindo migrantes de todo país, mas ainda conservadora e opressora em relação às mulheres, talvez por conta da forte influência cultural dos imigrantes europeus que ajudaram a formá-la na segunda metade do século XIX.

A jornalista, com conhecimento de causa (morou no Paraná até 1991, depois foi para Porto Alegre), revela: "o comportamento do curitibano, geralmente fechado, retraído, de poucos e íntimos amigos, também é encontrado nas mulheres". Seria culpa do frio, da imigração polonesa e alemã, de algum determinismo histórico, geográfico ou cultural? Não importa. Seja qual for o status quo deste início da década de 1980, as curitibanas parecem estar tentando mudá-lo.

Uma luta! Vejo que há 30 anos, a Boca Maldita onde hoje circulo livremente e tomo cafezinho (de saia ou de calça) era um reduto exclusivamente masculino, cuja confraria (formada por ilustres figuras casadas da cidade) promovia desfile de prostitutas no carnaval.

Neste contexto, Télia apresenta diversas personagens: uma adolescente de 15 anos que abandona os estudos e vai trabalhar para ganhar seu dinheiro e ter mais voz dentro de casa; a psicóloga que procurou várias imobiliárias mas nenhuma queria alugar apartamento porque iam morar nele três mulheres sozinhas; a jornalista de um programa de televisão feminino que recebe denúncias de mulheres espancadas pelos maridos; uma secretária de 24 anos que decide morar com o namorado e, por isso, é hostilizada pelas vizinhas.

A matéria traz ainda o depoimento de figuras públicas, como a administradora de empresas Fani Lerner, então primeira-dama do município, falecida em 2009, e da diretora-executiva da Fundação Cultural de Curitiba na época, Lúcia Camargo, cuja fala encerra a reportagem: "Mas quando lhe perguntam 'como chegar lá' [já que ocupa um cargo importante], ela responde: 'Estou aqui porque não encontraram nenhum homem'".

Voltando às saias
Difícil encontrar um retrato tão vívido sobre as mulheres curitibanas de três décadas atrás, quando eu ainda estava na escola (e não usava saia nos dias de calor, preferia shorts). Evidente que a situação mudou, pelo menos em alguns aspectos. O que me parece é que o conservadorismo social citado por Télia no início da reportagem ainda tem seus ecos nos dias de hoje. Não são regras, não é nada muito específico. Mesmo que a população curitibana já esteja bastante miscigenada, é um jeito de ser e de se comportar que ainda permeia o modo de vida em nossa cidade.

O folclore diz que curitibano, por exemplo, não conversa com estranhos e não dá bom dia no elevador. O que muitos interpretam como antipatia ou frieza é, na verdade, um profundo respeito pelo outro, pela sua privacidade. É um receio de incomodar, de ser inconveniente, uma preocupação que vem lá dos nossos antepassados europeus, camponeses pés-rapados fechados em suas colônias, com medo desta terra desconhecida. Claro que não faz mais sentido, não tem mais razão nos dias de hoje. Mesmo assim, o hábito está arraigado, permanece.

O mesmo acontece com as mulheres. Não há mais motivo para tanto conservadorismo e pudicícia. Mas aprendemos assim, e acho que assim permaneceremos por um bom tempo: sem usar saias, andando sérias pelas ruas, com pouco senso de humor, fazendo com que pensem que somos frias, antipáticas e curitibocas. Se observar com atenção, vai ver que isso, no fundo, é apenas simples timidez.

Nota da autora
Quer saber como fazer amigos ou arranjar namorado ou namorada em Curitiba? Leia com atenção este manual.


Adriana Baggio
Curitiba, 22/2/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo
02. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
03. A maldição da internet no celular de Gian Danton
04. Escola (e escolinha) de Julio Daio Borges
05. Conversando com Truman Capote de Luiz Rebinski Junior


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2011
01. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011
02. Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres - 10/5/2011
03. Por que as curitibanas não usam saia? - 22/2/2011
04. The Good Wife visita Private Practice - 31/8/2011
05. Moda em 20 textos - 1/8/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/2/2011
16h33min
Moro em Curitiba e amo saias/vestidos, mas só uso nos fins de semana! E é bem isso, durante a semana: saio de casa às 7h e só volto para casa lá pelas 22h. Ando de ônibus, cruzo a cidade umas 3 vezes... você acaba perdendo até o charme! Mas, no fim de semana, para pegar um cinema com o namorado (de carro!), aí, sim, de saia e vestidinho (e salto alto)!
[Leia outros Comentários de Gisele ]
23/2/2011
22h49min
Eu sou curitibana e adoro saias, mas evito usá-las por um simples motivo: velhos tarados na rua. Por mais que a sua saia vá até o pé, eles continuam te comendo com os olhos e te chamando de princesa... Então, evito. Uso mais quando estou com meu namorado, aí é ele quem se incomoda com olhares indiscretos, e não eu! XD
[Leia outros Comentários de Tassi]
3/3/2011
17h54min
Não querendo defender os velhos tarados, mas para eles tanto faz se as mulheres estão de saias ou calças, importa que são mulheres, e eles, homens. O resto é a atávica necessidade de demonstrar que estão vivos!
[Leia outros Comentários de José Frid]
26/10/2011
17h24min
Como boa nordestina que sou, cheguei em Curitiba de posse dos meus shortinhos, saias, vestidinhos e logo senti a hostilidade do povo quando usava. Era incrível, os rapazes obviamente não reclamavam, mas as caras que as meninas faziam! Nossa, era constrangedor. Usar essas roupas aqui é um reflexo de personalidade forte! Como tenho, uso, com moderação, mas uso! Excelente texto!
[Leia outros Comentários de Savina Martins]
26/10/2011
18h40min
Olá Savina, bom saber da sua experiência. Que bom que você continua usando, mesmo com o frio do clima e dos olhares. A saia é nossa!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Noite de Autógrafos
Reinaldo
Desiderata
(2010)



Muito além da loucura
Marcelo Simões
Geração
(2013)



Empreendedorismo Na Veia
Rogerio Chér
Elsevier
(2014)



Aos Quatro Ventos
Ana Maria Machado
Nova Fronteira
(1993)



Concreto Armado - Eu Te Amo - Vol. 2 - 4ª Edição
Manoel Henrique Campos Botelho & Osvaldemar M. ...
Blucher
(2015)



Complete Cae Students Book Without Answers With Cd Row
Guy Brook Hart and Simon Haines
Cambridge
(2012)



Poesia Visual - Vídeo Poesia - 1ª Edição
Ricardo Araújo
Perspectiva
(2012)



Onde a Religiao Termina?
Marcelo da Luz
Editares
(2011)



Manual de Ioga
Georg Feuerstein
Cultrix
(1975)



Imunizações Em Pediatria Serie Atualizações Pediatricas
Helena Keico Sato e Outros
Atheneu
(2013)





busca | avançada
78907 visitas/dia
2,2 milhões/mês